CURSO DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA Conselho Regional de Medicina Cardiologia - 26 e 27 de Março 2010 ± Palmas/TO

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA

Dr. Emerson Ursulino de Sena Habilitado em Marcapasso/ Especialista em Eletrofisiologia Natal/RN

TAQUICARDIAS
INTRODUÇÃO Definição; Sintomas; Estável ou Instável; Primária ou Secundária;

TAQUICARDIAS
HISTÓRIA CLÍINICA E EXAME FÍSICO Sintomas ? Sinais Baixo Débito ? FC da Arritmia ? Regular X Irregular ?

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA ECG

REGISTRAR !

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA ECG

ECG PRÉVIO ?

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA ECG
Existe Onda P ? Correlação P e QRS ? FC da Taquicardia ? Regular X Irregular ? Alternância QRS ? QRS estreito X Largo ?

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA
TRATAMENTOTRATAMENTO- DROGAS I 

Procainamida : 20 a 30mg/min EV até 17mg/Kg/min. 01a04 mg/min.  Lidocaína : 1 a 1,5mg/Kg 0,5 a 0,75 mg/Kg após 10 min.. 01a04 mg/min.  Propafenona: EV ² 1a2 mg/Kg 70 mg 3/3 h; VO- 600 mg ou 450mg

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA
TRATAMENTOTRATAMENTO- DROGAS II 

Propranolol: 1 mg EV 3-5 min. , 10-15 min até 4-6 mg.  Metoprolol/Atenolol: 3 a 5 mg EV 3-5 min até 15 mg.  Amiodarona: 2,5 a 5 mg/Kg 1mg/min por 6h- após 0,5mg/min. Dose Máx. 2,2 g/24 h

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA
TRATAMENTOTRATAMENTO- DROGAS III 

Verapamil: 5mg EV 3 min, Máx. 15mg  Diltiazem: 0,25 mg/Kg EV 3 min 0,35 mg/Kg EV 3 min., após 15 min.  Adenosina: 6 mg EV Bolus/Kg até 2 Bolus de 12mg com 5 min intervalo.
AGENTE ESCOLHA NAS TPSV !

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA
COMO FAZER A CVE ? 

PROPOFOL: 30-50 mg EV Bolus . OU  ETOMIDATE : 20 mg EV Bolus após 2 min. de 2 ml (100mcg) EV FENTANIL OU  MIDAZOLAM : 3-5 mg EV Bolus.

CARDIOVERSÃO QUÍMICA x ELÉTRICA
Vantagens

‡ Química - anestesia desnecessária

‡ Elétrica - efeito imediato - eficácia maior - segura em pts. instáveis

CARDIOVERSÃO QUÍMICA x ELÉTRICA
Desvantagens ‡ Química - depressão do inotropismo - pró - arritmia - consumo de tempo - risco de tromboembolismo ‡ Elétrica - anestesia geral necessária - risco de tromboembolismo

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA

Taquicardias com QRS Estreito (TPSV) Taquicardias com QRS Largo (TPSV com Aberrância ou TV)

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA
TAQUICARDIAS QRS ESTREITO

Taquicardias QRS Estreito sem Onda P Taquicardias QRS Estreito com onda P

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA
TAQUICARDIAS QRS ESTREITO Taquicardias QRS Estreito sem Onda P Fibrilação Atrial Flutter Atrial Taquicardia Nodal Síndrome WPW

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA
TAQUICARDIAS QRS ESTREITO Taquicardias QRS Estreito com Onda P Taquicardia Atrial Flutter Atrial 2:1 Taquicardia Nodal Síndrome WPW

FIBRILAÇÃO ATRIAL (FA) *
Animation

‡ Origem : ‡ Mecanismo : ‡ Freq. Atrial :

Átrio direito e/ou Átrio esquerdo Múltiplas ondas F reentrantes 400 BPM ou MAIS

‡ Caracteristicas : Ritmo caótico R-R irregular

FIBRILAÇÃO ATRIAL
Considerações Taquicardia + Comum Primária ou Secundária Terapia Complexa Risco Trombembolismo

FIBRILAÇÃO ATRIAL
ECG Ondas F Múltiplas Morfologias e Alta freq. Sem Linha Isoelétrica entre Ondas F Frequência Ventricular Variável ( R-R ) R-

FIBRILAÇÃO ATRIAL
ECG

FA - CLASSIFICAÇÃO

PADRÃO TEMPORAL DA FA

1º EPISÓDIO = INICIAL

PAROXÍSTICA CRÔNICA PERSISTENTE PERMANENTE

FIBRILAÇÃO ATRIAL
URGÊNCIA O QUE FAZER ? INSTÁVEL

SIM !

CVE Sincronizada
CARGA ? 100 J Mono ou Bi .

FIBRILAÇÃO ATRIAL
URGÊNCIA O QUE FAZER ? ESTÁVEL SIM ! REVERSÃO < 48 H Drogas OU CVE Sinc. X CONTROLE FC > 48 H Tempo ? Drogas !

FIBRILAÇÃO ATRIAL
URGÊNCIA CV QUÍMICA EXISTE CARDIOPATIA ? NÃO SIM PROPAFENONA AMIODARONA CV Elétrica CV Elétrica

FIBRILAÇÃO ATRIAL
URGÊNCIA - DÚVIDAS

ANTICOAGULAR ANTES DA CVE ?
Se < 48 h, NÃO !

O QUE NUNCA DEVO FAZER ?
Associar Fármacos ( ´ Salada ´ )

POR QUÊ ?
Pró-arritmia/ Bradicardia

FIBRILAÇÃO ATRIAL
URGÊNCIA

CONTROLE FC SE FREQ. VENTRICULAR > 100 bpm

FIBRILAÇÃO ATRIAL
URGÊNCIA

CONTROLE FC
BETA BLOQ. OU BCC OU DIGOXINA OU AMIODARONA OU ASSOCIAÇÃO

FLUTTER ATRIAL

*

Animation

‡ Origem : ‡ Mecanismo : ‡ Freq. Atrial :

Átrios direito e esquerdo Macroreentrada ; Ondas f Regulares 250 a 400 BPM

‡ Caracteristicas : Condução AV Variável (2:1, 4:1,etc).

FLUTTER ATRIAL
CONSIDERAÇÕES

Predomínio Homens (2:1) Assoc. com FA em 50% casos Risco Tromboembolismo

Ref.: Niebauer MJ e Chung MK; Cardiol Rev - 9: 253-258, 2001

FLUTTER ATRIAL
ECG Clássico : Ondas f ´em serra ´ (-) (D2, D3 e avF e (+) em V1 Sem linhas Isoelétricas entre ondas f Flutter Atrial 2:1 ² FC 150 BPM PR Igual a RP.

FLUTTER ATRIAL ECG

FLUTTER ATRIAL
ECG

D2

FLUTTER ATRIAL
CLASSIFICAÇÃO

TÍPICO ANTI-HORÁRIO

TÍPICO HORÁRIO

ATÍPICO FLUTTER ÁTRIO ESQUERDO

FLUTTER ATRIAL
URGÊNCIA O QUE FAZER ? INSTÁVEL

SIM !

CVE Sincronizada
CARGA ? 50 J Mono ou Bi .

FLUTTER ATRIAL
URGÊNCIA O QUE FAZER ? ESTÁVEL SIM ! REVERSÃO X CONTROLE FC < 48 H > 48 H CVE Sinc. FC > 100 Drogas Evitar Drogas ! recorrência.

FLUTTER ATRIAL
URGÊNCIA
GUIDELINES AMERICANOS E EUROPEUS JÁ INDICAM ABLAÇÃO POR CATETER APÓS PRIMEIRO EPISÓDIO DE FLUTTER ATRIAL REVERTIDO .

TAQUICARDIA NODAL (TRN)

‡ Origem : ‡ Mecanismo : ‡ Freqüência :

NÓ AV Reentrada 150 - 230 BPM, Mulheres Jovens

‡ Caracteristicas: QRS Estreito sem onda P Visível; R· em V1; TPSV + COMUM Adultos

TAQUICARDIA NODAL
VIA alfa = LENTA VIA beta = RÁPIDA

Taquicardia LentoLentoRápida ou Comum

NÓ AV

TAQUICARDIA NODAL
Clínica

M > H. Sinal de ³ Frog + ³ Sintomas Crescentes TPSV + frequente

TAQUICARDIA NODAL
ECG R-R Constante sem Onda P Visível Onda P Visível : PR > RP (RP<0,08s) Pseudo r µ em V1 Pseudo s ¶ em D2, D3 e avF

TAQUICARDIA NODAL COMUM

Sem onda P Visível

TAQUICARDIA NODAL COMUM

Presença de r ¶ em V1

WOLFF-PARKINSONWOLFF-PARKINSON-WHITE (WPW)

‡ Via acessória = Feixe de Kent ‡ Ortodrômica - 90%
- NÓ AV ² Condução Anterógrada; - VIA ACESSÓRIA ² Condução Retrógrada;

‡ Antidrômica ² 10%
- INVERSO !

WOLF-PARKINSONWOLF-PARKINSON-WHITE
CONSIDERAÇÕES RITMO SINUSAL
VIA ACESSÓRIA MANIFESTA (PR Curto + Onda Delta + QRS largo ) VIA ACESSÓRIA OCULTA (NORMAL);

WOLF-PARKINSONWOLF-PARKINSON-WHITE
ECG EM TAQUICARDIA
QRS Estreito, R-R Constante e Sem P Estreito, RVisível ou P Visível com RP ¶ > 0,08 s; Jovens com Infra ST; Alternância da Amplitude QRS D1: Onda P (-) após QRS ( ´ Puech ´ )

TAQUICARDIA POR VIA ACESSÓRIA
QRS ESTREITO

Entalhe ST

WOLF-PARKINSONWOLF-PARKINSON-WHITE
ECG EM TAQUICARDIA

QRS LARGO ( ANTIDRÔMICA );

TAQUICARDIA POR VIA ACESSÓRIA (WPW)
QRS LARGO

³ RS 100 dissociação morfológica ³

TRN E WPW (TAV)
URGÊNCIA

‡ Estável : Manobra vagal Adenosina (1ª escolha) Verapamil Amiodarona

TRN E WPW (TAV)
URGÊNCIA ‡ CVE Sincronizada : Cardiopatia grave ? Insucesso droga WPW/ QRS Largo (ou Procainamida)

TAQUICARDIA ATRIAL

‡ Pode ser focal ou multifocal ‡ Desencadeantes : DHE, hipóxia, etc. ‡ ECG : Ondas P com freq. 140 a 240 ppm. Regular ou irregular. Onda P (-) D1 e aVL ² AE e onda P (-) D2, D3 e aVF ² Próx. anel AV. ‡ Diagnóstico Diferencial : RP Longo .

TAQUICARDIA ATRIAL
TRATAMENTO - URGÊNCIA

‡ Estável : Manobras vagais ou adenosina (difícil) Procainamida, propafenona ou amiodarona ‡ CVE Sincronizada: casos refratários ou instabilidade

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA

Taquicardias com QRS Estreito (TPSV) Taquicardias com QRS Largo (TPSV com Aberrância ou TV)

EXTRASSISTOLIA VENTRICULAR
URGÊNCA - IAM
‡ Presente em quase todos os pts ‡ Não é prognóstico. ‡ Raramente Hipotensão ou Isquemia

EXTRASSISTOLIA VENTRICULAR
URGÊNCA - IAM
TRATAMENTO : CONVENCIONAL ANTIARRÍTMICO : NÃO !

SUPRESSÃO EV NÃO AUMENTA SOBREVIDA !!!

TAQUICARDIAS QRS LARGO
CONSIDERAÇÕES 80% São TV e 20% TSV c/ Aberrância Critérios Clínicos NÃO têm valor Diferenciação : Critérios Brugada Dúvida : Tratar como TV !

TV X TPSV ABERRANTE Critérios de Brugada Ausência RS nas precordiais ² SIM TV NÃO RS > 100 ms uma ou + precordiais ² SIM NÃO Dissociação AV - SIM TV NÃO Morfológicos (V1-V2 /V6) ² SIM TV

TV

TAQUICARDIAS NA URGÊNCIA
TAQUICARDIA VENTRICULAR > 48 h IAM : Mau prognóstico Idiopática ou Associada a cardiopatia Monomórfica, Polimórfica ou Torsades de pointes.

TVS IDIOPÁTICAS

Jovens; Coração ´ normal ´ VSVD : ECG com BRE e Desvio do Eixo p/ D (QRS + D2, D3 E Avf); VSVE : ECG com BRD e Desvio QRS p/ E.

TVS IDIOPÁTICAS URGÊNCIA
VSVD : Adenosina, Beta-bloq. Ou Amiodarona; VSVE : Adenosina e Verapamil.

TVS MONOMÓRFICA URGÊNCIA
Estáveis : Amiodarona ou Procainamida CVE Sinc. Instáveis : CVE Sinc. ( > Energia)

TORSADES DE POINTES
URGÊNCIA

Lidocaína ou Fenitoína Sulfato Mg : 2 gr MP Provisório CVE : Pouca Eficácia

TAQUICARDIA VENTRICULAR
URGÊNCIA

FIM

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful