Adolescência

A adolescência como construção social: estudo sobre livros destinados a pais e
educadores
A adolescência como construção social: estudo sobre livros destinados a pais e
educadores

a primeira que faz uma análise crítica de livros sobre a adolescência contextualizando historicamente diversos autores e promovendo a visão Sócio-histórica em detrimento da visão naturalizante. a partir da perspectiva sócio-histórica em Psicologia” . através de livros e publicações destinadas a pais e educadores. O Objetivo da autora é “fazer uma revisão crítica sobre a concepção de adolescência que tem sido divulgada. A autura Ana Mercês Bahia Bock diz que “Pretende contribuir para a superação de concepções naturalizantes que têm marcado o conceito e reapresentá-lo.Introdução  Este trabalho foi baseado em duas pesquisas.

.

Para os primeiros autores a adolescência é concebida como uma fase da vida do homem. ela foi identificada como uma etapa marcada por tormentos e conturbações vinculadas à emergência da sexualidade.  “Knobel introduziu a noção de “síndrome normal da adolescência”(Knobel.Histórico dos estudos sobre o tema  Século XX . p. 1976. 1989.128). Bahia Bock 2007  “. p.um modo de vida entre a infância e a vida adulta” (Erickson.29) – nessa obra ele enumera várias características da adolescencia. ...

na falta de definição ‘do que ser’.” Bahia Bock 2007.Histórico dos estudos sobre o tema  David Levinsky (1995)  Içami Tiba (1985)  Outeiral (1994)  Domingues e Alvarenga (1991)  Melucci (1997)  Bajoit e Franssen (1997)  Peralva (1997)  Becker (1989) e Calligaris (2000) – Esses autores possui uma visão mais sócio-histórica “o adolescente. . tornase um intérprete dos desejos adultos.

sobre as produções conceituais da adolescência. mas também percebida como uma fase difícil. ao desenvolver perspectivas naturalizantes. tendo base no marxismo. a adolescência fica concebida como uma fase difícil. Bahia Bock 2007. que se apresenta carregada de conflitos “naturais” Bahia Bock 2007. Crítica da autora a visão naturalizante “Na maioria dos autores.  “a adolescência não só foi naturalizada. que deve ser superada. parte da perspectiva sócio-histórica em Psicologia.  A análise crítica que se pretende fazer.  “Criticar a perspectiva naturalizante se torna uma necessidade.. deixa de contribuir para leituras críticas da sociedade e para a construção de políticas adequadas para a juventude” Bahia Bock 2007. Uma perspectiva que. Bahia Bock 2007.. pois a Psicologia. . uma fase do desenvolvimento. uma fase problemática da vida. semi-patológica. As características específicas da adolescência (se é que existem) são tomadas como negativas ou como “bobagens da idade”.

 Baseada em Clímaco (1991) ela afirma que “o jovem.” Bahia Bock 2007. estava desautorizado a isso. .A visão Sócio-histórica A artigo se utiliza de diversos autores para justificar que a adolescência é uma construção “criada pela sociedade por exigências dessa sociedade”  “A relação indivíduo/ sociedade é vista como uma relação dialética. afetivas e fisiológicas para participar do mundo adulto. apesar de possuir todas as condições cognitivas. Bahia Bock 2007. O homem se constrói ao construir sua realidade. devendo permanecer em um compasso de espera para esse ingresso” Bahia Bock 2007. na qual um constitui o outro.  A adolescência é vista como uma construção social com repercussões na subjetividade e no desenvolvimento do homem moderno e não como um período natural do desenvolvimento.