You are on page 1of 122

ELETROCARDIOGRAMA 1ª Parte

O QUE É ISTO?

‡ Willem Einthoven (1860 ± 1927) ‡ Desenvolveu ECG-Início século 20 (1901) ‡ Prêmio Nobel Fisiologia e Medicina(1924)

ECG
‡ ECG= Registro da Atividade Elétrica ‡ Padrão Elétrico ± Distúrbio Cardíaco ‡ Célula Cardíaca Repouso é Polarizada (negativa dentro ± positiva fora) ‡ Despolarização ± Perde negatividade int. ‡ Corrente elétrica ± despolarização (Célula a célula)

ECG
‡ Evento Elétrico - Fundamental ‡ Repolarização: após passar a corrente (Célula volta a ser negativa por dentro) ‡ Ondas do ECG = Desp e Repolarização

ECG
‡ 3 Tipos de células (Ponto de vista elétrico) - Células Marcapasso (Fonte Elétrica) - Células de Condução (Fios) - Células Miocárdicas (Contração)

ECG
‡ Células Marcapasso: - Despolariza sozinha (Ritmo próprio) - Afetam o Ritmo: Hormônios / Estímulos - Cada despolarização gera onda elétrica - Principais/dominantes: Porção Sup AD (Nodo Sinoatrial / Sinusal Freq:60-100/m)

ECG
‡ Células de Condução Elétrica: - Longas/Delgadas: Fios elétricos - Transmite Corrente + rápido - Mais evidentes nos Ventrículos - Menos eficazes no Átrios

ECG
‡ Células Miocárdicas: - Trabalho pesado (Contração/Relaxamento) - Despolarização - o Cálcio ± Contração (Conjugação excitação-contração) - Transmitem Corrente (Menor eficiência) - Corrente é + lenta em todo miocárdio

ECG
‡ Tempo e Voltagem: - ECG = Atividade elétrica nas células Miocárdicas (Maior Massa Cardíaca) - Marcapasso/Condução: ñ aparecem - Ondas ECG (Desp ou Repolarização): Características: -Duração(Fração seg.) -Amplitude(Milivolt) -Configuração(Aspecto)

ECG
‡ Papel onde é feito o ECG: - Quadriculado c/ Linhas Claras/Escuras - Clara 1mmX1mm / Escura 5mm X 5mm - Eixo Horizontal: Mede Tempo (Quad Pq=0,04 seg / Quad Gd=0,2 seg) - Eixo Vertical: Mede Voltagem (Quad Pq=0,1mv / Quad Gd=0,5 mv)

ECG
‡ Ondas / Complexos: - Refletem Ciclo Contração/Relaxamento 1)Disparo Nodo Sinusal (ñ aparece no ECG) 2)Despolarização se espalha(Pedra Nágua) 3)Inicia no Átrio (Contração Atrial=Onda P) NSinusal no AD, corrente vai após p/ AE Inicio onda P: AD / Final Onda P: AE

ECG
‡ Nodo Atrioventricular: - Barreira Elétrica entre Átrio e Ventrículo - Lentifica condução elétrica (Fração de segundo + lenta) - Sofre efeito: Simpático/Hormônios/SNA - Nesta Hora: Atrio esvazia / Ventr. enche)

ECG
‡ Despolarização Ventricular: - Após NodoAV corrente atinge céls de condução ventricular (3 partes): 1) Feixe de His 2) Ramo Direito e Esq do Feixe de His 3) Fibras de Purkinje

ECG
‡ Ramo D: corrente p/ septo D e ápice VD ‡ Ramo Esquerdo (3 partes): 1) Fascículo Septal: Despolariza Septo E 2) Fascículo Anterior: Desp VE Anterior 3) Fascículo Posterior: Desp VE posterior ‡ Ramo D e E do Feixe de His terminam em inúmeras Fibras de Purkinje

ECG
‡ Complexo QRS: - É a despolarização Ventricular - Amplitude é Maior ± Maior Massa - Ondas são + Complicadas: Via de Condução é + Complexa - Configuração pode variar muito - Várias Ondas/Cada uma c/ nome próprio

ECG
‡ Complexo QRS: - 3 ondas: 1) Se a primeira onda é desc = Onda Q 2) Se a primeira onda é asc = Onda R 3) Se houver segunda onda asc=Onda R` 4) A Primeira Onda desc após 1 onda asc é a onda S

ECG
‡ Ou seja, no QRS: - Onda Q só existe se a 1ª onda for desc. - Se a 1ª onda for asc = Onda R - Qualquer onda descendente, que ñ seja a 1ª, é chamada onda S. ‡ Início QRS=Desp Septal pelo ramo esq ‡ VE e VD despolarizam juntos (ECG mostra + do VE por ter + massa)

ECG
‡ Repolarização Ventricular: - É a onda T - Restauração da negatividade interna - Ocorre após período refratário (período sem estímulo) - O átrio tbém repolariza, ñ aparece por estar sobreposta pelo QRS

ECG
‡ Denominação de Linhas Retas: - Segmento: linha que conecta 2 ondas - Intervalo: abrange pelo menos 1 onda

ECG
‡ Intervalos e Segmentos: - Intervalo PR: Mede do início da Desp Atrial ao início da desp Ventricular. - Segmento ST: Mede do fim da desp Vent. ao início da repolarização Vent. - Intervalo QT: Mede do início da desp Venticular ao fim da repolarização Vent.

ECG
‡ A Formação de Ondas: - Pode-se captar atividade elétrica cardíaca de qualquer lugar do corpo - A atividade elétrica segue uma direção predominante no coração (Vetores). (Local de início da atividade elétrica p/ o local do final da atividade elétrica)

ECG
‡ Eletrocardiograma: - Distribuição de eletrodos pelo corpo, p/ estudar os padrões elétricos do coração - Avalia: 1) Aspecto das Ondas 2) Positividade ou Negatividade aos diversos eletrodos posicionados no corpo

ECG
‡ 12 pontos de vista - 12 derivações ‡ Eletrodos nos 4 Membros: - 6 derivações Frontais: - 3 padrão - 3 aumentadas ‡ Eletrodos no Tórax: Precordiais ‡ Cada Derivação - Área Específica

ECG
‡ 6 Derivações de Membros: - Observam Coração no Plano Frontal (Ondas p/ Direita/Esquerda/Cima/Baixo) - Ondas mudam conforme vetores em relação ao eletrodo usado no plano frontal de 360°

ECG
‡ Derivação Frontal Padrão (ângulos): - DI: zero - DII: +60° - DIII: +120° ‡ Derivação Frontal Aumentada (ângulos): - AVL: -30° AVR: -150° - AVF: +90° ‡ Derivações Inferiores: DII, DIII, AVF ‡ Derivações Laterais: DI, AVL ‡ AVR: ñ retrata região específica

ECG
‡ Derivações Precordiais (torácicas): - Plano Horizontal - Ondas no sentido anterior e posterior - V1 a V6 - Derivações Ant: - V1/V2: retratam VD - V3/V4: retratam Septo - Derivação Lat: - V5 e V6: retratam VE

ECG
‡ Freqüência Cardíaca: - Eixo Horizontal: Tempo - Linha clara=1 mm=0,04 segundos - Linha Escura=5mm=0,2 segundos - 5 Quadrados Grandes=1 segundo - Macete: distancia R a R (Quadrados Gd) - 3=100/m 4=75/m 5=60/m 6=50/m (300 divide-se pelo número de Quad Gd)

ECG
‡ Eixo Cardíaco: (Definido no Plano Frontal) - Direção Média Despolar. Card - Vetor - Direção Vetor Médio = Eixo Cardíaco - É avaliado pelo QRS (VE tem + massa) - Eixo Normal: entre 0° e 90° (próx 60°) - Desvio p/ Direita: Eixo entre 90° e 180° (>100º) - Desvio p/ Esq: Eixo entre 0° e -90° (<-15º)

ECG
‡ Determinando o Eixo: - Onda é Positiva numa derivação quando a o Vetor/Despolarização se dirige a ela. - Onda QRS + em DI = eixo entre -90°e 90° - Onda QRS + em AVF= eixo entre 0°e180° - Onda + em DI e AVF = eixo entre 0° e 90° - QRS bifásico (+ = -) = Eixo Perpendicular

RESUMINDO
‡ Contração e Relaxamento inicia c/ Desp. Espontânea do Nodo Sinusal (ñ aparece ecg) ‡ Onda P = Despolarização/Contração Atriais (1ªparte=AD/2ªparte=AE) ‡ Pausa no Nodo AV ‡ Desp segue: (F. de His/Ramos/Purkinje) ‡ QRS=Desp Ventric.(Septo desp. primeiro) ‡ Onda T= Repolariz. Ventric. (Atrial ñ aparece)

RESUMINDO
‡ Segmentos e Intervalos Importantes: - PR(i): início Desp Atrial ao início Desp Vent - ST(s): fim Desp Vent ao início Repol Vent - QT(i): início Desp Vent ao fim Repol Vent ‡ Onda P: Geralmente - Positiva Deriv Laterais e Inferiores - Bifásica DIII e V1 e Negativa em AVR

RESUMINDO
‡ QRS: ‡ ‡ ‡ ‡ - R é + Deriv Laterais e Inferiores - R fica + positivo de V1 p/ V6 Eixo = Direção Vetor Elétrico Médio(Frontal) Determinar o Eixo: Derivação QRS bifásico (Normal= entre Zero e 90º / + em AVF e DI) Desvio p/ Direita ± Eixo > 100º Desvio p/ Esquerda ± Eixo < -15º

RESUMINDO

RESUMINDO

RESUMINDO

ELETROCARDIOGRAMA 2ª Parte
HIPERTROFIAS E DILATAÇÕES

ECG
‡ Hipertrofia / Dilatação: - Hipertrofia: - o Massa / Hipertrofia - Sobrecarga de Pressão (HAS, Estenose AO, ....) - Dilatação: - o Câmara (+ sangue) - Sobrecarga de Volume (Dça Valvar, Miocardiopatia)

ECG
‡ ECG (Hipertrofia/Dilatação): - o Massa/Volume - Demora + p/ despolarizar(oTempo QRS) - Gera + Corrente (o Amplitude) - o Corrente / q Velocidade - Desvio do Eixo (Casos + intensos)

ECG
‡ Hipertrofia Ventricular: - VE: - o Massa/volume - HAS / Dça Valvar / Miocardiop. - Desvia Eixo p/ esquerda - VD: - Menos Comum (VE dominante) - Altera ECG no o importante de VD - Estenose Pulm./ Hipert Pulmonar

ECG
‡ Dilatação Atrial: - Onda P normal <0,12seg / Amp<2,5mm - Derivações ideais: - DII (+ positiva) - V1(Separa D/E) - Dilatação AD: - oAmplit 3mm ou + - Altera 1° parte da onda P - Chamada Ppulmonale

ECG
‡ Dilatação AE: - oamplitude (final da P) em + de 1mm - Duração da 2° parte da onda P > 0,04s - Chamado de Pmitrale (Causa+Comum)

ECG
‡ Hipertrofia Ventricular: - Requer olhar várias derivações: ‡ Hipertrofia VD: - Deriv. Frontais: - Eixo p/ Direita(> 100°) - Deriv.Precord.: - Grande onda R em V1 - q do R de V1 p/ V6 - o do S de V1 p/ V6

ECG
‡ Hipertrofia de VE: - Diagnóstico + complexo - Frontais: Eixo p/ esq (além de -15°) - R em AVL > 13mm - R em AVF > 21mm - R em DI > 14mm - R em DI + S em DIII > 25mm

ECG
‡ Hipertrofia de VE:(Precordiais) - o onda R de V1 p/ V6 - q onda S de V1 p/ V6 - R em V5 ou V6+S em V1 ou V2>35mm - R em V5 > 26mm - R em V6 >18mm - R em V6 > R em V5

ECG
‡ Hipertrofia de VD e VE juntos: - Soma-se as alterações - Geralm/ alterações de VE prevalecem ‡ Hipertrofia Ventricular Grave: - Hipertrofia restringe enchimento cardíaco - Isquemia Subendocárdica - Depressão ST / Inversão Onda T (VD: V1 e V2 / VE: V5 e V6)

RESUMINDO
‡ Dilatação Atrial: oAmpl/Duração (D±início/E-fim) ‡ Hipertrofia VD: - Desvio do Eixo > 100º - R > S em V1 / R<S em V6 ‡ Hipertrofia VE: Muitos Critérios (2 + úteis) 1) R em V5 ou V6 + S em V1 > 35mm 2) R em AVL > 13mm ‡ Hipertr Vent Grave: - Depressão ST - Inversão T

ELETROCARDIOGRAMA 3ª Parte
ARRITMIAS

ECG ARRITMIAS
‡ Ritmo Sinusal = Ritmo normal (60-100/m) ‡ Arritmia é qualquer alteração: - Freqüência - Regularidade - Origem Elétrica - Condução Elétrica ‡ Nem toda arritmia é patológica

ECG ARRITMIAS
‡ Clínica das Arritmias: - Palpitações / Tontura / Síncope (qDC) - Podem: o Consumo O2 (Angina) Precipitar ICC Morte Súbita ‡ Causas: Hipóxia / Isquemia / Drogas / Miocardiopatias / Estímulo Simpático

ECG ARRITMIAS
‡ Registro de Ritmo: - Longo traçado ecg de 1 Derivação - Holter: ECG 24-48hs / 1 ou 2 Derivações (Arritmias Infreqüentes) - Monitor de Eventos: Telemedicina (registra eventos sentidos e acionados pelo doente, que envia ao centro avaliador)

ECG ARRITMIAS
‡ 4 tipos básicos de Arritmia: - Arritmias de Origem Sinusal (Corrente: irregular, rápida ou lenta demais) - Ritmos Ectópicos (Origem { Nodo Sinusal) - Bloqueios de Condução (c/ obstáculos) - Síndrome de Pré-excitação (Vias de Condução Acessórias/Anormais)

ECG ARRITMIA ORIGEM SINUSAL
‡ Arritmia Origem Sinusal - Pode ser ou ñ Dça - Taquicardia Sinusal: - Freq card>100/m - ICC, Dça Pulmonar - Bradicardia Sinusal: - Atletas - IAM inferior inicial ‡ Arritmia Sinusal: Pouco irregular (Ins: o Freq card / Exp: q Freq card)

ECG ARRITMIA ORIGEM SINUSAL
‡ Parada Sinusal (bloqueio sinusal): - Nodo Sinusal Para (novo marcapasso atua) - Batimentos de Escape (geralm/ Juncional)

RITMOS ECTÓPICOS
‡ Marcapasso ñ Sinusal (Ectópicos): - Atriais: Fc 60-75/m - Juncionais: Fc 40-60/m (+ comum) - Ventric: Fc 30-45/m

ECG RITMOS ECTÓPICOS
‡ Ritmos Ectópicos = Origem { Nodo Sinusal Dão Origem a Arritmias Supraventriculares e Ventriculares(São escapes sustentados) ‡ 2 Tipos: a) Automaticidade Aumentada: - + rápido, comanda mais(geral/ é o Sinusal) - Outro marcapasso fica + rápido - Causa Comum: Intoxicação Digitálica

ECG RITMOS ECTÓPICOS
b) Reentrada: - A corrente pode se dividir e se encontrar adiante - Uma das vias divididas pode ficar + rápida - Uma chega primeiro ao local de encontro inverte o fluxo - ciclo giratório ininterrupto (simula foco ectópico) - Pode ser peq área ou tomar câmara toda

ECG RITMOS ECTÓPICOS
‡ P/ identificar Ritmo Ectópico 4 questões: 1) Tem Onda P? - Sim: Arritmia no Átrio(Exceção-Retrógrada) - Não: Arritmia no Noda AV ou Ventrículos 2) QRS é Estreito? (<0,12 seg) - Sim: Arritmia do Nodo AV p/ cima (átrio) - Não: (Largo) Arritmia Ventricular (Geralm/)

ECG RITMOS ECTÓPICOS
3) Relação Onda P c/ QRS: - Se 1:1, origem atrial - Relação independente: Dissociação AV 4) Ritmo é regular ou irregular?

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES
‡ Arritmias Supraventric: Átrio ou Nodo AV ‡ Batimentos Prematuros (Atriais/Juncionais): - Geralm/ ñ indicam Dça - Visível pela: - alteração da Onda P (Atrial) (P + prematura/contorno {) - ausência da P (Juncional) Escape(+tardio){JuncionalPrematuro(Precoce)

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES
‡ Taquicardia Supraventricular Paroxística: - Geral/ Surgimento e Término Repentino - Pode ocorrer em Coração Normal - Sempre Ritmo Regular - QRS estreito (Arritmia supra) - Geralmente: Reentrada Nodo AV - Massagem Carotídea: -Pode Parar Arritmia -Lentificar p/ Diagn.

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES
‡ Massagem Carotídea: - Auculta: Sopros ( Estenose / Placas ) - Dça Aterosclerótica evidente Ñ Massageie - Dte deitado / Cabeça virada p/ outro lado - Carótida / Ângulo Mandíbula - Nunca Comprima as 2 Carótidas - Dte Monitorizado / Material Reanimação

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES
‡ Flutter Atrial: (Pode ocorrer em coração nl) - O ritmo é regular / Freq átrio: 250-350/m - Aspecto Serrilhado - 1 Ciclo reentrante fixo - Algumas ondas passam p/ Ventrículo (Ocorre Bloqueio AV geralmente 2:1) - Massagem Carotídea oBloqueio (3:1/4:1) (Estabiliza quadro / Facilita diagnóstico)

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES
‡ Fibrilação Atrial: - Caos Atrial - Freq átrio:400-500 ou +/min - Ciclo reentrante mutante/imprevisível - Ñ há onda P / Massagem Carot. qfreq - Corrente vai eventualmente p/ ventrículo (Ritmo irregular / Freq 120-180/m) - Geralmente patológica

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES
‡ Taquicardia Atrial Multifocal: - Ritmo IR(100-200/m) / Vários Focos Atriais - Tem Onda P, com  Formas/Tamanhos - Intervalo PR variável(Comum em Pneumopata) ‡ Taquicardia Atrial Paroxística: - Ritmo regular ( 100-200/m) - Origem: Autom. o ou Reentrância - PR variável (Comum na Intox Digitálica)

RESUMINDO

ARRITMIAS VENTRICULARES
‡ Distúrbios de Ritmo Abaixo do Nodo AV ‡ Contrações Ventriculares Prematuras: - Muito comum / Ñ vê em todas Derivações - QRS amplo e bizarro (Segue Via Anormal) - No IAM pode iniciar TV ou FV (Atenção) - Pode alternar-se com Ritmo Sinusal (1:1 bigeminismo / 2 nl:1 anl trigeminismo)

ARRITMIAS VENTRICULARES
‡ Taquicardia Ventricular: - 3 ou + Contr. Ventriculares Prematuras - Pode ser levem/ irregular (120-200/m) - TV sustentada=emergência(PC iminente) ‡ Fibrilação Ventricular: - Evento Pré-Terminal ± S/ QRS Verdadeiro - S/ DCardíaco / Desfibrilação Imediata

ARRITMIAS VENTRICULARES
‡ Ritmo Idioventricular Acelerado: - Ritmo Benigno (50-100/m) - Comum no IAM / Escape Ventr Acelerado - Acaba Sozinho - Ñ vai p/ FV - S/ tratamento ‡ Torção de Pontos: (doentes c/ QT longo) - Tipo de TV ( é Amplitude Maior) - QT longo: Congênito/Medicam/qEletrólitos

RESUMINDO

ARRITMIAS BLOQUEIO DE CONDUÇÃO
‡ Definição: Obstrução de Via Normal ‡ 3 tipos: 1) Bloqueio do Nodo Sinusal 2) Bloq. AV: Entre o nodo sinusal e AV (Alguns ocorrem abaixo do Nodo AV) 3) Bloqueio de Ramo de Feixe(Ventricular)

ARRITMIAS BLOQUEIO DE CONDUÇÃO
‡ Bloqueio AV: 3 Tipos (1º, 2º e 3º graus) ‡ BAV 1º Grau: - Pequeno retardo AV - Int. PR > 0,2 seg - Normal ou Patológico (Sinal precoce de Dça)