You are on page 1of 43

INFARTO

‡ Onda Q normal X Onda Q Patológica: - Melhor Visualizadas: (AVR ñ usa) - Derivações Laterais (DI, AVL, V5 e V6) - Ocasionalmente em D. Inf (DII,DIII,AVF) - Q patológicas são + amplas e + profundas - Q Significativa: - Durar + 0,04 seg - Profundidade > 1/3 da Onda R

INFARTO
‡ Localizando o IAM: - Região de Infarto / Coronária Ocluída - 2 Sistemas Arteriais: Direito / Esquerdo - CD: - Passa entre AD e VD - Gira ao redor da parte post card. - Geralm/ origina ramo do N AV - Ramos DP

INFARTO
‡ Tronco da Coronária Esquerda: - Divide-se em: - DA: nutri parte anterior do coração e Septo Interventricular - CX: passa entre AE e VE e nutri parede lateral do VE. Origina o ramo do N AV em 10% da pop.

INFARTO
‡ Localização - Implicações Específicas - Tratamento específico ‡ Categorias Anatômicas do IAM: - Ant/Post/Lateral/Inferior/Combinações ‡ Maioria envolve VE (+massa/+trabalho)

INFARTO
‡ IAM Inferior: - Parede Diafragmática - Oclusão de CD ou do ramo desc - Alterações visualizadas em DII, DIII, AVF - Ondas Q podem desaparecer em meses - Pode se associar com IAM de VD ( Alterações em V1 e V4R)

INFARTO
‡ IAM parede Lateral: - Parede Lateral Esquerda ± DI, AVL,V5 e V6 - Oclusão de CX ou ramos ‡ IAM Anterior: - Oclusão DA ou ramos - Perda da Aumento Progressivo de R de V1 a V6 - Alteração em DI, AVL, V1 a V6 (+ V3 e V4)

INFARTO
‡ Infarto Posterior: - Oclusão de CD - Ñ há derivações posteriores - Notar Alterações Recíprocas Anteriores (Infra de ST e R elevadas ± Ppal/ V1) - R maior que S em V1 s/ Desvio a Direita (Diferencia de Hipertrofia de VD)

EXEMPLOS - IAM

EXEMPLOS - IAM

INFARTO
‡ Infarto ñ Q: - É um IAM pequeno ou incompleto - Mortalidade Inicial + baixa - Risco Maior de Infarto Posterior + Grave - Alterações: - Inversão de Onda T - Depressão de ST - Não há Nova Onda Q

Teste de Esforço
‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Método ñ invasivo / avalia severidade da dça coronariana ECG em repouso pode ser normal (Dça subclínica) Bom procedimento de triagem p/ dça coronariana Tem falhas: Falso positivo e negativo Teste: - Realizado em uma esteira rolante/bicicleta - Paciente é monitorizado durante o teste - o da Velocidade e ângulo de inclinação, até: 1) quando o paciente quiser 2) atingir freq cardíaca máxima 3) que sintomas sobrevenham 4) alterações significativas no ECG

Teste de Esforço
‡ Fisiologia: ogradativo de esforço gera o gradual da Freq. Card. e da PA que testa o consumo de O2 miocárdico ‡ Se necessidade cardíaca extrapola: - surgem alterações no ECG - sintomas de isquemia (angina, q da PA) ‡ Teste positivo evidencia infra de ST - >1mm ou 2mm(qfalso positivo) - horizontal ou descendente - ondas ascendentes tem alto índice falso positivo - Quanto mais precoces e duradouras, maior chance de dça coronariana

Teste de Esforço
‡ Indicações: - Diagnóstico diferencial de angina com ECG normal - Avaliar prognóstico e necessidade de outros exames em doente com IAM no passado - Avaliar pacientes com fator de risco acima de 40 anos, ou que se submeteram a atividade física ‡ Contra-indicações: - Dça sistêmica aguda, estenose AO grave, ICC, HAS grave, angina em repouso, arritmia c/ instabilidade de PA ‡ Sensibilidade pode ser aumentada associando cintilografia

Distúrbios Eletrolíticos
‡ Hipercalemia: - Podem culminar em FV e morte - ECG é mais fiel p/ avaliar toxicidade que dosagem sérica Alterações Elétricas (nem sempre nesta seqüência): 1) Quanto mais o potássio, onda T fica mais pontiaguda (Diferente da ICO / Alteração ocorre em várias derivações) 2) Intervalo PR aumenta e onda P achata-se 3) Por fim QRS alarga-se (onda sinusoidal) FV iminente.

Distúrbios Eletrolíticos
‡ Hipocalemia: - ECG é mais fiel p/ avaliar toxicidade - Alterações: - Depressão de ST - Achatamento da onda T - Aparecimento de onda U (U pode ocorrer com K normal)

Distúrbios Eletrolíticos
‡ Distúrbios do Cálcio: - Hipocalcemia: Prolonga o intervalo QT (Pode ocorrer Torção de Pontos) - Hipercalcemia: Encurta o intervalo PR

Hipotermia
‡ Temp abaixo de 30º C faz surgir alterações no ECG ‡ Lentifica ECG: - Bradicardia sinusal - Prolongamento de PR, QRS e QT QT: 0,34 a 0,44s / PR: 0,12 a 0,20 / QRS: 0,05 a 0,10) ‡ Abrupta elevação e mergulho de ST (Onda J ou Onda de Osborne) ‡ Por fim, várias arritmias podem ocorrer (FA com lenta resposta ventricular é a mais comum) ‡ Tremor muscular pode complicar o traçado c/ artefatos

Intoxicação com Medicamentos
‡ Digitálicos(2 categorias: Terapêutica e Tóxica) ‡ Alterações do ECG com níveis séricos Terapêuticos: - Alterações chamadas ³efeito digitálico´ - Depressão de ST descendente e gradual (diferenciar de isquemia e hipertrofia grave) - Achatamento ou inversão de T - São alterações normais e previsíveis, não necessitando parar a droga.

Intoxicação com Medicamentos
‡ Digitálicos: Alterações do ECG com níveis Tóxicos: ‡ Podem ocorrer: - Bloqueios de Condução (1º, 2º ou 3º graus) - Taquiarritmia: Taq. atrial paroxística e CVprematuras - Flutter e Fibrilação Atrial (menos comuns)

Intoxicação com Medicamentos
‡ Quinidina: - o intervalo QT e o Taquiarritmias Vent. - QT normal: 0,34 a 0,44s - Onda U pode surgir sem necessidade de ajuste da droga

Distúrbios Cardíacos
‡ Pericardite: - Elevação de ST c/ achatamento ou inversão de onda T - Diferente de Infarto: p No IAM alterações ñ são em várias derivações. p No IAM a Inversão de T ocorre após supra de ST retornar a linha basal. p Na pericardite ñ forma onda Q.

Distúrbios Cardíacos
‡ Derrame Pericárdico: - Amortece o potencial elétrico ± baixa voltagem no ECG - Derrame grande: coração pode girar no saco pericárdico, gerando ³alternância elétrica´ (eixo varia a cada batimento nas ondas P, QRS, e T c/ amplitude variável)

Distúrbios Cardíacos
‡ Cardiopatia hipertrófica c/ Estenose Subaórtica: - Podem ter ECG normais ou apenas com hipertrofia de VE - Pode ocorrer ondas Q em deriv. Laterais ou Inferiores (Diferenciar de IAM)

Distúrbios Cardíacos
‡ Miocardite: - Toda inflamação miocárdica pode gerar várias alterações no ECG - Mais comuns: Bloqueio de Ramo e Hemibloqueio

Distúrbios Cardio-Pulmonares Cardio‡ DPOC: ‡ Enfisema importante: - baixa voltagem (pelo ovolume) e eixo p/ direita - perda de progressão do R precordial - Pode levar a Cor Pulmonale e Ins Card direita - Dilatação de AD - Hipertrofia de VD

Distúrbios Cardio-Pulmonares Cardio‡ Embolia pulmonar (Maciça): - ECG de hipertrofia de VD - Bloqueio de Ramo Direito - S grande em DI e Q profundo em DIII (Padrão ³S1Q3´) - Inversão de T em DIII - Arritmias várias: mais comuns: FA e Taqui sinusal

Doença do SNC
‡ Danos encefálicos podem gerar: - Inversão de onda T (profunda e ampla) - Surgimento de onda U proeminente - Bradicardia sinusal

Atletas
‡ Coração do atleta: - Bradicardia sinusal (com freq abaixo de 30/m) - Elevação da ST com achatamento ou inversão de T - Hipertrofia de VE e VD - Bloqueio incompleto de Ramo Direito e Wenckeback - Arritmias (Juncionais, atriais)

?