You are on page 1of 57

Aula 01

Introdução à Eletrônica de Potência

Prof. Alexandre Akira Kida, Msc., Eng. Eletrônica de Potência 1

Objetivos
Apresentar:
Campo de eletrônica de potência
Principais aplicações
Principais dispositivos
Principais tipos de conversores
Comparar diferentes técnicas de transferência de
potência
Apresentar o princípio de funcionamento dos
conversores CC/CC
Apresentar o princípio da modulação por largura de
pulsos (PWM)
Prof. Alexandre Akira Kida, Msc., Eng. Eletrônica de Potência 2

Introdução
Aplicação de dispositivos semicondutores de potência
para a conversão eficiente de energia, com elevada
eficiência

A conversão acontece de forma estática – não
apresentando partes móveis
Basicamente, consiste em converter potência
contínua em alternada ou vice-versa
Entretanto há outros tipos de conversão, como será
visto a seguir

Prof. Alexandre Akira Kida, Msc., Eng. Eletrônica de Potência 3

Introdução
Os parâmetros controlados:
Nível da tensão (100V → 300V ou 250V → 110V)
Nível de corrente (20A → 30A ou 25A → 11A)
Frequência (60 Hz → 120 Hz, ou 60 Hz → contínuo)
Pergunta: qual a frequência do sinal contínuo?
A EP baseia-se no chavemento dos dispositivos
semicondutores
Corte (desligado) ou na saturação (ligado)
O termo chaveamento é devido ao comportamento
semelhante a uma chave

Prof. Alexandre Akira Kida, Msc., Eng. Eletrônica de Potência 4

Introdução
Aplicações na indústria:
Controle de aquecedores e de iluminação
Controle de máquinas elétricas (AC ou DC)
Fontes de alimentação
Veículos elétricos
Geração de energia fotovoltaica
Sistemas de transmissão de energia em DC em alta
tensão (HVDC – High Voltage Direct-Current)

Prof. Alexandre Akira Kida, Msc., Eng. Eletrônica de Potência 5

Msc. Eng. por exemplo) Os dispositivos semicondutores de estado Os níveis de tensão e sólido e os circuitos corrente nos quais os eletrônicos são utilizados dispositivos de EP são para obter a saída submetidos são elevados desejada para uso em equipamentos ou sistemas de potência Figura. que engloba as áreas: eletrônica. Inter-relação dos campos básicos da eletrônica de potência Prof. Alexandre Akira Kida.. Eletrônica de Potência 6 . potência e controle Os circuitos de controle são utilizados para que a saída do conversor possua as características desejadas (nível de tensão e/ou frequência. Introdução Campo multidisciplinar.

Eletrônica de Potência 7 ..Conversores de energia A conversão de energia pode ser classificada de acordo com o tipo da potência de entrada e saída Figura. Alexandre Akira Kida. Relação entre entrada e saída dos conversores Prof. Msc. Eng.

Msc..Conversores de energia DC-DC (choppers) Conversores de tensão DC fixa em tensão DC variável Ex: controle de velocidade de motores CC a partir de fonte CC e fontes chaveadas Figura. Alexandre Akira Kida. Eng. Simbologia dos conversores DC-DC Prof. Eletrônica de Potência 8 .

Eletrônica de Potência 9 . Eng.DC Prof. Conversão DC . Msc.. Alexandre Akira Kida.Conversores de energia 150 V 100 V 50 V Figura.

Eng. Alexandre Akira Kida. Msc.. Simbologia dos conversores AC-DC Prof.Conversores de energia AC-DC (retificador não controlado) Conversão de uma tensão alternada monofásica ou trifásica em tensão DC A tensão de saída é fixa A retificação é realizada por meio de diodos de potência Ex: fontes DC para equipamentos eletrônicos Figura. Eletrônica de Potência 10 .

. Eng. Msc. Conversão AC .DC Prof. Alexandre Akira Kida. Eletrônica de Potência 11 .Conversores de energia 100 V 100 V Figura.

Alexandre Akira Kida. Simbologia dos conversores AC-DC Prof. Eletrônica de Potência 12 . Eng. Msc..Conversores de energia AC-DC (retificador controlado) Conversão de uma tensão alternada monofásica ou trifásica em tensão DC A tensão de saída é variável A retificação é realizada por meio de tiristores Ex: controle de velocidade de motores CC a partir de uma fonte AC Figura.

Conversão AC – DC (controlado) Prof. Msc. Eng. Alexandre Akira Kida.Conversores de energia 150 V 100 V 50 V Figura. Eletrônica de Potência 13 ..

Alexandre Akira Kida. Simbologia dos conversores DC-AC Prof.Conversores de energia DC-AC (inversores) Conversão de tensão DC em AC. Msc. A tensão e a frequência são variáveis Ex: controle de velocidade de motores AC e UPS (uninterruptible power supply ou no-break) Figura. Eletrônica de Potência 14 . Eng..

Eletrônica de Potência 15 . Msc.AC Prof. Eng. Conversão DC .Conversores de energia 100 V 150 V Figura.. Alexandre Akira Kida.

Eletrônica de Potência 16 . Eng.. Simbologia dos conversores AC-AC Prof. Alexandre Akira Kida. Msc.Conversores de energia AC-AC (ciclo-conversores ou conversores cíclicos) Conversão de tensão AC fixa para uma tensão AC variável com frequência variável Ex: Controle de velocidade de motores AC Figura.

Alexandre Akira Kida. Msc. Eng. Conversão AC – AC Prof.Conversores de energia 100 V 50 V Figura.. Eletrônica de Potência 17 .

Alexandre Akira Kida.Conversores de energia Chaves Estáticas AC ou DC Semicondutor de potência que pode ser operado como uma chave AC ou DC Substituição de chaves mecânicas e eletromagnéticas tradicionais Prof. Msc. Eng.. Eletrônica de Potência 18 .

Chaves estáticas Prof.Conversores de energia Figura. Eng. Msc. Eletrônica de Potência 19 .. Alexandre Akira Kida.

alta velocidade ou de recuperação rápida e Schottky) – 1930 Transistor Bipolar de Junção (BJT – Bipolar Junction Transistor) – 1947 Tiristor SCR (Silicon Controlled Rectifier) – 1956 TRIAC (Triode for Alternating Current) – 1957 DIAC (Diode for Alternating Current) – 1957 MOSFET (Metal Oxide Semiconductor Field Effect Transistor) –1959 GTO (Gate Turn-Off Thyristor) – 1966 IGBT (Insulated-Gate Bipolar Transistor) – 1978 Prof.Principais Semicondutores de Potência Diodo de potência (genéricos. Eng. Alexandre Akira Kida. Msc. Eletrônica de Potência 20 ..

. Eng.Principais Semicondutores de Potência Figura. Eletrônica de Potência 21 . Msc. Alexandre Akira Kida. Diodo de Potência Prof.

Alexandre Akira Kida. Eletrônica de Potência 22 . Eng. Transistor BJT de potência Prof. Msc..Principais Semicondutores de Potência Figura.

Alexandre Akira Kida.Principais Semicondutores de Potência Figura.. Msc. Eng. Tiristor SCR Prof. Eletrônica de Potência 23 .

Eletrônica de Potência 24 . Msc. Eng.. TRIAC e DIAC Prof.Principais Semicondutores de Potência Figura. Alexandre Akira Kida.

Eng. Alexandre Akira Kida. MOSFET de potência Prof. Eletrônica de Potência 25 .. Msc.Principais Semicondutores de Potência Figura.

Principais Semicondutores de Potência Figura. Alexandre Akira Kida. Eletrônica de Potência 26 . Msc.. GTO Prof. Eng.

IGBT Prof.. Eletrônica de Potência 27 . Msc. Eng.Principais Semicondutores de Potência Figura. Alexandre Akira Kida.

Eng. Msc. Eletrônica de Potência 28 .. MOSFET e IGBT) Tipo de sinal de acionamento Necessidade de sinal contínuo na porta (BJT.Classificação de Semicondutores Características de disparo e desligamento Disparo e desligamento não-controlados (diodo) Disparo controlado e desligamento não-controlado (SCR) Disparo e desligamento controlados (BJT. MOSFET e IGBT) Necessidade de pulso de gatilho (SRC e GTO) Prof. Alexandre Akira Kida.

Alexandre Akira Kida. GTO e IGBT) Condução de corrente Bidirecional (TRIAC) Unidirecional (SCR. Eletrônica de Potência 29 . GTO.Classificação de Semicondutores Capacidade de suportar tensões Bipolar (SCR e GTO) Unipolar (BJT. BJT. IGBT e diodo) Prof. MOSFET. Eng. MOSFET. Msc..

Transferência de Potência A transferência de potência elétrica de uma fonte para uma carga pode ser controlada ao variar a tensão da fonte ou pela inserção de um regulador série (reostato. ou uma chave) Na EP os seus dispositivos semicondutores atuam como chave. alta eficiência e com capacidade de utilizar circuitos de controle automático de potência Prof. Eng. reduzidas dimensões.. Vantagens: Baixo custo. realizando a função de liga-desliga. Eletrônica de Potência 30 . Alexandre Akira Kida. Msc. transistor operando na região linear.

Eng. Msc..Transferência de Potência As chaves podem ser operadas em altas frequências → redução os capacitores. indutores e ruídos audíveis Os transistores utilizados trabalham na região de corte (chave aberta) e na região de saturação (chave fechada) Prof. Alexandre Akira Kida. Eletrônica de Potência 31 .

consegue suportar corrente elevadas Prof. Msc. consegue suportar tensões elevadas Quando no estado ligado. ou seja.Características das Chaves Ideais Liga/Desliga instantaneamente Não apresenta perdas de condução Quando está ligada é um curto-circuito. ou seja.. Eletrônica de Potência 32 . Alexandre Akira Kida. Eng. sua tensão é zero Quando está desligada é um circuito aberto. a corrente por ela é zero Quando no estado desligado.

Msc. Características das chaves ideais Prof.. Eletrônica de Potência 33 . Alexandre Akira Kida. Eng.Características das Chaves Ideais A potência necessária para o seu controle (mudar do estado ligado para desligado) é mínima Figura.

. A potência dissipada é Vch * ILeak Prof. Eng. Eletrônica de Potência 34 .Perdas de Potência nas Chaves Reais As principais perdas de potência nas chaves → condução e chaveamento. Alexandre Akira Kida. Msc. A perda por condução acontece quando a chave está ligada ou desligada Quando ligada → ocorre uma pequena queda de tensão entre seus terminais (tensão de saturação) A potência dissipada é VSat * Ich Quando desligada → há a condução de uma corrente de fuga (ILeak).

. Eletrônica de Potência 35 . ou vice-versa) Durante o período de transição de um estado para o outro. Eng. ocasionando em perdas durante a comutação ↑ Perdas de chaveamento ↑ frequência Prof. a tensão e corrente na chave não são nulos. Alexandre Akira Kida. Msc.Perdas de Potência nas Chaves Reais Perdas por chaveamento → uma chave não pode passar instantaneamente de um estado para outro (ligado para desligado.

Eng. Alexandre Akira Kida.. Msc. é possível construir um conversor pequeno utilizando o mesmo dissipador ou. para o mesmo dissipador. transportar mais potência Prof.Perdas de Potência nas Chaves Reais Limitação dos conversores → Limitados pelas Perdas Limitados pelo tamanho do dissipador e do encapsulamento Ao construir um conversor eficiente. Eletrônica de Potência 36 .

Eng.Perdas de Potência nas Chaves Reais A potência é Máxima nos pontos médios Figura. inst Prof. Msc. Perdas de potência de condução nas chaves Pot.. Alexandre Akira Kida. Eletrônica de Potência 37 .

Transferência de Potência Utilizando Reguladores Série Ex 1..1) Uma fonte DC de 100V fornece energia para uma carga resistiva (RL) de 10 ohms por meio de um reostato (RR). Eng. caso o reostato seja ajustado para: a) 0 ohm b) 10 ohms c) 100 ohms Prof. Determine a tensão na carga. potência dissipada pela carga. Alexandre Akira Kida. a fornecida pela fonte e a eficiência (n). Msc. Eletrônica de Potência 38 . pelo reostato.

Exemplo com regulador série a transistor Prof. Msc.Transferência de Potência Utilizando Reguladores Série Ex 1. A tensão VCE pode ser controlada de acordo com a corrente de base. potência dissipada pela carga. caso a tensão VCE for: a) 0V b) 1V c) 50V Figura.. Eng. a fornecida pela fonte e a eficiência (n). Alexandre Akira Kida.2) Uma fonte DC de 100V fornece energia para uma carga (RL) de 10 ohms por meio de um transistor que opera na sua região linear. Determine a tensão na carga. Eletrônica de Potência 39 .

Transferência de Potência Utilizando Reguladores Série Ex 1. Determine a tensão na carga. Msc.. potência dissipada pela carga. Alexandre Akira Kida. Eng. Eletrônica de Potência 40 . Considere que a chave seja ideal.3) Uma fonte DC de 100V fornece energia para uma carga (RL) por meio de uma chave. a fornecida pela fonte e a eficiência (n). caso a chave estiver: a) Fechada b) Aberta c) Fechada 50% do tempo 9832 d) Fechada 20% do tempo Prof.

chave (dispositivo de estado sólido) e/ou capacitor O uso desses dispositivos é interessante.. Eng. diodo. Msc. Eletrônica de Potência 41 . porque idealmente eles não consomem energia Prof. em uma tensão DC variável na saída O nível da tensão de saída está relacionado com o tempo na qual a chave permanece ligada Os principais componentes: indutor.Conversores DC-DC Também conhecido como Choppers Transforma uma tensão fixa DC na entrada. Alexandre Akira Kida.

Eng. Abaixador-elevador (buck-boost). Alexandre Akira Kida.Vo ≥ Vs.Conversores DC-DC A forma na qual esses componentes são combinados dita qual a topologia do chopper Os mais utilizados são: Abaixador (buck) . Prof. Msc.. Elevador (boost) . Eletrônica de Potência 42 .Vo ≤ Vs.

Msc. Eletrônica de Potência 43 .a tensão de entrada Ii é a corrente média de entrada S é a chave (pode ser um transistor de potência ou um SCR ou um GTO. Rl é a carga Vo é a tensão média de saída Io é a corrente média de saída Prof. Alexandre Akira Kida. Chopper DC básico Vi . As chaves serão tratadas como dispositivos ideais. por exemplo). Eng..Princípio dos Conversores DC-DC 9831 Figura.

Princípio dos Conversores DC-DC A potência de entrada (Pi) é calculada como: Pi  Vi I i Já a potência de saída (Po) é calculada como: Po  Vo I o A potência de saída se relacionada com a potência de entrada como: Po  Pi  Perdas Como a chave S é ideal. Alexandre Akira Kida. Eletrônica de Potência 44 . as perdas são nulas (Perdas = 0).. Eng. assim Prof. Msc.

Eletrônica de Potência 45 . as perdas são nulas (Perdas = 0).Princípio dos Conversores DC-DC Como a chave S é ideal. Msc. Eng. assim Po  Pi Vo I o Vi I i Ao operar a chave como liga-desliga.. de forma que ela permaneça ligada (fechada) durante um tempo Ton e desligada (aberta) durante Toff a cada período T Prof. Alexandre Akira Kida.

têm-se a preferência em utilizar frequências de chaveamento mais altas possíveis para reduzir o tamanho dos capacitores e indutores Prof.Princípio dos Conversores DC-DC Figura.. Eng. Períodos Ton e Toff De forma que a frequência de chaveamento é f  1/ T T  Ton  Toff Em fontes chaveadas. Eletrônica de Potência 46 . Alexandre Akira Kida. Msc.

T 1 Vo   vo (t )dt T 0 vo é a tensão sobre a carga (não a média). Alexandre Akira Kida. utilizaremos uma fórmula mais simples. que pode ser utilizada para ondas retangulares Prof. Matematicamente. No entanto. Necessita de conhecimentos de cálculo diferencial-integral.Princípio dos Conversores DC-DC Verifica-se que é possível que a tensão média na carga está relacionada com o tempo no qual a chave fica ligada (Ton). Msc.. Eletrônica de Potência 47 . Eng.

Msc. Vo pode ser calculada por Ton Vo  Vi Ton  Toff Ton Vo  Vi T Ton D T Vo  D Vi D é conhecido como razão cíclica (duty cycle). para pulsos retangulares. Está relacionado com os períodos nos quais a chave estará ligada ou desligada Prof. Eng. Eletrônica de Potência 48 .Princípio dos Conversores DC-DC Entretanto.. Alexandre Akira Kida. sendo muitas vezes expresso em %. e seu valor varia de 0 a 1.

Eletrônica de Potência 49 .Princípio dos Conversores DC-DC Figura.. Tensão de saída em função de D Prof. Eng. Msc. Alexandre Akira Kida.

Msc.Princípio dos Conversores DC-DC O valor eficaz da tensão Vo é dado por T 1 Vo rms   2 ( vo (t )) dt T 0 Entretanto. Vi  D I o rms  RL Prof. Alexandre Akira Kida. Eng.. essa formula pode ser simplificada para sinais retangulares: Vi 2Ton Vo rms   Vi 2 D  Vi  D T De forma similar. Eletrônica de Potência 50 .

Alexandre Akira Kida. Eng. Eletrônica de Potência 51 .Modulação PWM O controle do nível da tensão de saída → aplicação técnicas de modulação por largura de pulso (PWM – Pulse Width Modulation) nas chaves No PWM a frequência de chaveamento é constante e o tempo de comutação da chave é controlada Assim a tensão média de saída nos conversores pode ser alterada Prof.. Msc.

Eng. assim é simplificado o projeto de filtros para eliminar as interferências provindas do chaveamento Figura. Modulação PWM Prof. Msc. Alexandre Akira Kida.Modulação PWM Uma das vantagens dos circuitos PWM é que a frequência de chaveamento é constante. Eletrônica de Potência 52 ..

Eng.. Vc  Vr  On Vc  Vr  Off Prof. a chave abre. Eletrônica de Potência 53 .Modulação PWM No exemplo do circuito de PWM. existe gerador de rampa (Vr) e um divisor de tensão que fornece uma tensão de controle (Vc) Enquanto a tensão de controle for maior que a tensão do gerador em rampa. Msc. Caso contrário. a saída possui nível lógico alto. varia-se a razão cíclica (D). Ao variar a tensão de controle. Alexandre Akira Kida.

Eletrônica de Potência 54 .Modulação PWM Figura. Exemplo de um circuito PWM Prof. Msc. Eng.. Alexandre Akira Kida.

A cada período T. Msc. Eng. A frequência dos pulsos do PWM é de 50 kHZ.4) Um conversor Chopper básico possui tensão de entrada de 100V. Prof. Eletrônica de Potência 55 .Exercícios de Fixação Ex 1.. por quanto tempo a chave está conduzindo (Ton)? Desenhe a forma de onda da tensão de saída (use dois períodos). Deseja-se uma tensão média de saída de 30V. Alexandre Akira Kida.

.) Os principais dispositivos são as chaves (princípio do chaveamento) Diodos de potência. Msc. Eletrônica de Potência 56 . BJTs. tiristores. por ex. Eng. mosfets. IGBT são exemplos de dispositivos de potência Os conversores DC-DC são conhecidos como Choppers Prof.Conclusões A EP é fundamental para que seja possível altas potências (seja ela DC ou AC) com elevadíssima eficiência É possível controlar as variáveis de saída (tensão e freq.. Alexandre Akira Kida.

Msc.Conclusões A tensão de saída em um conversor chopper pode ser controlada ao variar a razão cíclica (D) Prof. Eletrônica de Potência 57 .. Alexandre Akira Kida. Eng.