You are on page 1of 72

NOÇÕES BÁSICAS DE

PRIMEIROS
SOCORROS
Módulo 7

Programa do
Módulo
1. O Sistema Integrado de Emergência 7. Exame à vitima
Médica – SIEM 7.1. Estado de consciência e permeabilidade da via aérea
1.1. Componentes, intervenientes e forma de 7.2. Características da respiração, pulso e pele
funcionamento 8. As emergências médicas mais frequentes
1.2. Número europeu de socorro 112 8.1. Principais sinais e sintomas
2. Cadeia de sobrevivência 8.2. Principais cuidados a prestar
2.1. Conceito e importância 8.3. Problemas cardíacos
2.2. Elos e princípios subjacentes 8.4. Problemas respiratórios
3. Riscos 8.5. Acidente Vascular Cerebral
3.1. Riscos para o reanimador e para a vítima 8.6. Diabetes
3.2. Condições de segurança e medidas de 8.7. Crises convulsivas
proteção universais 8.8. Situações de intoxicação
4. Manobras de Suporte Básico de Vida 8.9. Limites de intervenção na perspetiva de cidadão e de
4.1. Conceito de acordo com o algoritmo vigente auxiliar de saúde
4.2. Procedimentos e sequência 9. Principais tipos de traumatismos
4.3. Insuflações e compressões torácicas 9.1. Traumatismos de tecidos moles (feridas e
4.4. Problemas associados hemorragias)
5. Posição Lateral de Segurança 9.2. Queimaduras
5.1. Procedimentos 9.3. Traumatismos dos membros
5.2. Momento adequado de utilização 9.4. Limites de intervenção na perspetiva de cidadão e de
6. Obstrução da via aérea auxiliar de saúde
6.1. Situações de obstrução parcial e total

PRINCÍPIOS GERAIS DO
SOCORRISMO
Prevenir

Alertar

Socorrer

PRINCÍPIOS GERAIS DO SOCORRISMO Prevenir • Prevenção Primária .conjunto de ações a realizar após um acidente de modo a que este não se agrave . no Trabalho e Doméstica • Prevenção Secundária .Rodoviária.

incêndio..) . acidente de viação. acidentes eléctricos... queda) • Número de vítimas e seu estado • Idade da(s) vítima(s) • Factores agravantes ( explosão. PRINCÍPIOS GERAIS DO SOCORRISMO • Alertar • Localização exacta da ocorrência • Tipo de ocorrência ( doença aguda.

: feridas. PRINCÍPIOS GERAIS DO SOCORRISMO • Socorrer • Socorro Essencial . queimaduras e fraturas Atenção: Necessidade de vigilância pois o estado pode agravar-se e levar a uma situação de socorro essencial .Situações que não colocam diretamente em risco a vida das vítimas ex.Situações prioritárias Alterações cardiorrespiratórias Choque Hemorragia Envenenamento/ Intoxicações • Socorro Secundário .

FASES DO SISTEMA INTEGRADO DE EMERGÊNCIA MÉDICA • Deteção – Acidente / Doença • Alerta – 112 • Pré-Socorro – Actuação do socorrista • Socorro – Actuação das equipas profissionais • Transporte – Transporte da vítima para um centro especializado • Tratamento Hospitalar .

SISTEMA INTEGRADO DE EMERGÊNCIA MÉDICA .SIEM .

movimentos do tórax e abdómen . EXAME GERAL DA VÍTIMA • Exame Primário: • Avaliar o grau de consciência • Avaliar a função ventilatória .Ver .ar expirado da vítima • Avaliar a função circulatória .ar a entrar e sair das vias aéreas .Sentir .Ouvir .Batimentos cardíacos / pulsação .

capacidade de movimento .Pupilas .Pele .Pontos de deformação e/ou dor .Feridas. EXAME GERAL DA VÍTIMA • Exame Secundário: • Observação da face . fraturas. outros traumatismos .Pesquisa de hemorragias nos orifício naturais • Observação do corpo ( cabeça  pés ) .Reação a estímulos.

CADEIA DE SOBREVIVÊNCIA Sequência de procedimentos de socorro que garante a uma vítima em paragem cardiorrespiratória a probabilidade máxima de sobrevivência. .

OS QUATRO ELOS DA CADEIA DE SOBREVIVÊNCIA 1º PREVENI R .

.LIGAR O 112 Deverá responder as seguintes perguntas: •O quê? •Onde? •Como? •Quem? A eficácia e o tempo de resposta das autoridades dependem da correta avaliação da situação e das respostas a estas questões.

2º GANHAR TEMPO .

3º RECUPERAR O CORAÇÃO .

4º RECUPERAR A QUALIDADE DE VIDA .

. • Se não forem garantidas as condições de segurança antes de abordar uma vítima poderá. RISCOS PARA O REANIMADOR E PARA A VÍTIMA • Por vezes o desejo de ajudar alguém que nos parece estar em perigo de vida pode levar-nos a ignorar os riscos que podemos correr. ocorrer a morte da vítima e do reanimador. • Existe uma regra básica que nunca deve ser esquecida: O reanimador não deve expor-se a si ou a terceiros a maior risco do que o que corre a própria vítima. em casos extremos.

vítima de um acidente de viação deve ter muito cuidado • No caso de detetar a presença de produtos químicos ou matérias perigosas é fundamental evitar o contacto com essas substâncias sem luvas e não inalar vapores libertados pelas mesmas(NÃO FAZER VENTILAÇÃO) . tráfego Intoxicação – exposição a gás. fumo ou outros tóxicos • Infecioso – tuberculose. • Se parar numa estrada para socorrer alguém. VIH etc. derrocadas.• Antes de se aproximar de alguém que possa eventualmente estar em perigo de vida o reanimador deve assegurar primeiro que não irá correr nenhum risco: • Ambiental – choque elétrico. hepatite. explosão.

.

PARAGEM VENTILATÓRIA • Sinais e Sintomas • Inconsciência • Ausência movimentos torácicos e abdominais • Palidez • Cianose acentuada Atenção: existe pulso percetível .

AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSCIÊNCIA .

.

AVALIAR A VENTILAÇÃO

AVALIAR A VENTILAÇÃO (CONT.)
Ver, ouvir e sentir durante 10 segundos
Para ver se ventila

2 insuflações .AVALIAR A VENTILAÇÃO Se não ventila.

AVALIAR SINAIS DE CIRCULAÇÃO Pesquisar sinais de circulação Palpar pulso durante 10 segundos .

REANIMAÇÃO CARDIO- RESPIRATÓRIA Se não tem pulso iniciar compressão torácica (30 compressões/ 2 insuflações) .

POSIÇÃO LATERAL DE SEGURANÇA (PLS) • Quando a vítima se apresenta inconsciente mas ventila. colocar em PLS • (para evitar asfixia por queda da língua. ou outros objetos) Atenção: vítimas com suspeita de traumatismo não colocar em PLS . secreções. sangue. por obstrução por vómito.

POSIÇÃO LATERAL DE SEGURANÇA (PLS) .

.

Resumindo… .

asfixia parcial • Paragem Ventilatória .asfixia total . ALTERAÇÕES CARDIO- RESPIRATÓRIAS • Dificuldade Respiratória .

DIFICULDADE RESPIRATÓRIA • Sinais e Sintomas • Ventilação ruidosa • Tosse • Agitação • Palidez • Cianose das extremidades • Pupilas dilatadas • Dificuldade em falar • Sinal Universal de engasgamento • Consciente / Inconsciente .

DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS  Incentivar a vitima a tossir  Aplicar cinco pancadas interescapulares .

DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS (CONT)  Aplicar cinco manobras Heimlich .

.

MALA DE PRIMEIROS SOCORROS • Máscara • Soro Fisiológico • Luvas • Compressas • Saco frio • Ligaduras • Saco quente • Pensos rápidos • Pacotes de açúcar • Pensos hemorrágicos • Cobertor • Tesoura • Vaselina / Fenistil • Termómetro • Adesivo • Iodopodivona (betadine) • Bloco • Caneta .

. A quantidade de sangue disponibilizada é insuficiente para manter o aporte necessário ao bom funcionamento dos órgãos vitais (cérebro. coração.. CHOQUE • Conceito Insuficiência circulatória acompanhada de depressão brusca a nível do sistema nervoso central.) .

rápida. • Dilatação pupilar • Náuseas e/ou vómitos • Inconsciência . difícil.. CHOQUE • Sinais e Sintomas • Palidez • Diminuição da temperatura corporal • Pele húmida e viscosa • Agitação inicial e depois apatia • Pulsação rápida e fraca • Ventilação superficial...

PLS . peito e cintura .Se consciente .Animar a moralizar a vítima • Manter temperatura corporal • Não dar nada a beber • Vigiar funções vitais • Se inconsciente .Combater a causa • Desapertar a roupa no pescoço. CHOQUE • Primeiro Socorro • Verificar o estado de consciência .deitar em decúbito dorsal com cabeça baixa e as pernas ligeiramente elevadas .

HEMORRAGIAS • Quanto ao vaso lesionado • Hemorragia Arterial • Hemorragia Venosa • Hemorragia Capilar • Quanto à origem • Hemorragia Externa • Hemorragia Interna Visível • Hemorragia Interna Invisível .

HEMORRAGIAS • Sinais e Sintomas • Dor local ou irradiante • Sede • Zumbidos • Dificuldade de visão gradual • Pulso rápido e fraco. progressivamente • Ventilação rápida e superficial. progressivamente • Pupilas progressivamente dilatadas • Outros sinais e sintomas de choque .

HEMORRAGIAS • Primeiro Socorro Estancar a hemorragia ou. tórax e abdómen • Animar e moralizar • Se consciente – posição confortável • Se inconsciente – PLS • Manter temperatura corporal • Não dar nada a beber • Promover transporte para hospital . limitar ao máximo a saída de sangue. se isto não for possível. • Desapertar roupas no pescoço.

jacto de desodorizante) .ENVENENAMENTO/INTOXICAÇÕE S • Vias de contacto e/ou administração • Inalatória (ex. inalação de um gás tóxico existente na atmosfera) • Gastrointestinal (ex. alimentos contaminados) • Cutâneas (ex. auto-injecção) • Oculares (ex. pesticidas) • Circulatória directa (ex.

ENVENENAMENTO/INTOXICAÇÕE S • Prevenção • Correcta armazenagem de produtos • Medicação fechada à chave • Manter produtos nas suas embalagens de origem • Uso de vestuário adequado na execução de determinados trabalhos .

Quando? . Como? . Quem? .Qual o tóxico .Qual a via . O Quê? . Quanto? . peso.Qual a quantidade . … • Ligar ao CIAV (centro de informação anti-veneno) – 808 250 143 .Idade.Há quanto tempo .ENVENENAMENTO/INTOXICAÇÕE S • Primeiro Socorro • Colheita de informações . sexo.

ENVENENAMENTO/INTOXICAÇÕE S • Primeiro Socorro • Via Inalatória .Hospital • Via Cutânea .Eliminar a fonte do tóxico. afastando a vítima do local . Não aplicar qualquer produto . Lavar abundantemente com água corrente .Retirar roupas . Hospital . Retirar roupas contaminadas .

Arrefecer .Estabilizar a zona .) • Via Circulatória Directa .Hospital • Via Gastrointestinal .ENVENENAMENTO/INTOXICAÇÕE S • Primeiro Socorro (cont.Seguir obrigatoriamente indicação do CIAV .

Pedir para não fechar as pálpebras . Não esfregar .) • Via Ocular .ENVENENAMENTO/INTOXICAÇÕE S • Primeiro Socorro (cont. Hospital . Lavar abundantemente com água corrente ou soro fisiológico .

FERIDAS • Superficiais • Simples – não necessitam de tratamento médico ou diferenciado • Complicadas – necessitam de tratamento médico ou diferenciado • Profundas ou penetrantes Necessitam sempre de tratamento médico ou diferenciado .

…) • Nunca falar. FERIDAS • Primeiro Socorro • Acalmar a vítima • Expor a zona da ferida • Se necessário retirar adornos (anéis. tossir. relógio. espirrar ou fumar para cima de uma ferida ou penso • Luvas • Lavar / desinfectar a ferida • Colocar um penso e fazer a sua fixação com uma cobertura . fios.

) Nas feridas que requerem tratamento médico • Não lavar / desinfectar • Proteger a ferida com compressas ou panos limpos e secos • Efectuar cobertura • Hospital . FERIDAS • Primeiro Socorro (cont.

QUEIMADURAS • Lesões na pele provocadas por diversos agentes: • Fogo • Atrito • Fricção • Líquidos ferventes • Vapores • Electricidade • Radiações solares • Frio • Produtos químicos .

QUEIMADURAS • Classificação • Profundidade 1º grau 2º grau 3º grau • Extensão • Localização • Idade .

QUEIMADURAS • Primeiro socorro • 1º grau – Arrefecer o mais possível – Cobrir a zona com compressas molhadas em água fria – Colocar creme hidratante – Não colocar gorduras .

Não rebentar as bolhas .) • 2º grau .Levar ao hospital se necessário . QUEIMADURAS • Primeiro socorro (cont.Levar ao hospital se necessário • 3º grau .Arrefecer o mais possível .Arrefecer o mais possível .

FRACTURAS • Sinais e Sintomas • Dor no local • Edema • Deformação • Encurtamento do membro • Impotência funcional ou perda de função • Mobilidade anormal • Crepitação óssea .

FRACTURAS • 1º Socorro • Expor o foco da fractura • Retirar roupa / adornos • Prevenir o choque • Controlar hemorragias (compressão manual indirecta) • Cobrir com compressas as feridas • Proteger topos ósseos visíveis como se fossem corpos estranhos encravados .

) Imobilizar tendo o cuidado de: . não modificar a posição . as talas devem estar almofadadas ou protegidas . verificar se imobilização não impede a circulação . FRACTURAS • 1º Socorro (cont. imobilizar acima e abaixo do foco de fractura .

fraco e irregular • Possível inconsciência . alastrando para o pescoço. ansiedade e agitação • Náuseas e vómitos • Sudorese • Palidez / cianose • Ventilação difícil • Pulso rápido. DOR PRÉ-CORDIAL • Sinais e Sintomas • Sensação de desconforto torácico • Dor persistente no peito. maxilar e membro superior esquerdo • Angústia.

DOR PRÉ-CORDIAL • 1º Socorro • Promover um ambiente tranquilo junto da vítima • Evitar qualquer tipo de movimento • Se consciente . com tronco ligeiramente mais elevado • Se inconsciente – PLS • Manter temperatura corporal • Averiguar se vítima toma medicação específica (colocar 1-2 comprimidos debaixo da língua) • Transporte para Hospital .posição confortável.

Alterações do comportamento . apneia 3 – Movimentos convulsivos. visões anormais) 2 . EPILEPSIA • Sinais e Sintomas • Pequeno mal epiléptico (sem convulsões) .Ausências / Alheamento • Grande mal epiléptico (com convulsões) Caracteriza-se por a fases: 1 . aumento do tónus muscular. ventilação difícil. salivação abundante. perda de controle dos esfíncteres 4 – Relaxamento total dos músculos. necessidade absoluta de descanso . confusão mental. maxilares cerrados.Perda de consciência.Alucinações sensoriais (ex. recuperação progressiva da consciência.

Afastar objectos da vítima e proteger cabeça e membros superiores .Colocar a vítima de acordo com grau de consciência (fase de recuperação) .Acalmar e colocar a vítima em posição confortável .Transporte para Hospital . EPILEPSIA • 1º Socorro • Pequeno mal epiléptico . peito e cintura .Desapertar a roupa no pescoço.Levar ao Hospital se necessário • Grande mal epiléptico .

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL • Sinais e Sintomas • Perda brusca de conhecimento • Descoordenação / incapacidade motora • Cefaleias • Agitação e ansiedade • Dificuldade na articulação das palavras • Anisocória (pupilas com diâmetros diferentes) • Repuxamento da comissura labial • Incontinência de esfíncteres • Insensibilidade a estímulos • Palidez .

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL • 1º Socorro • Reduzir tenção emocional . afastar familiares. peito e cintura • Colocar vítima de acordo com o seu grau de consciência • Manter temperatura • Transporte para Hospital .manter ambiente tranquilo. incutir confiança • Estimular a vítima verbalmente • Manter via aérea permeável • Desapertar a roupa no pescoço.

DIABETES • Hipoglicémia Insuficiência de glicose .Dose excessiva de insulina • Hiperglicémia Excesso de açúcar no sangue .Jejum prolongado .Refeição muito rica em hidratos de carbono (açúcares) .Falta de insulina .Esforços físicos .

HIPOGLICÉMIA • Sinais e Sintomas • Sensação de fraqueza / fome • Palidez • Suores frios • Pele pegajosa • Pulso rápido e cheio • Ventilação superficial e fraca • Convulsões .coma .

dar água com açúcar • Se inconsciente .colocar açúcar debaixo da língua • Manter temperatura corporal • Transporte para Hospital . HIPOGLICÉMIA • 1º Socorro • Se consciente .

HIPERGLICÉMIA • Sinais e Sintomas • Fadiga crescente • Desidratação • Ventilação rápida.coma . fraca e irregular • Pulso rápido e cheio • Hálito adocicado a fruta ou a acetona (hálito cetónico) • Fase rosada e aspecto congestionado • Inconsciência .

Faz anti diabéticos orais? • Manter via aérea permeável • Transporte para Hospital .É insulino-dependente? . HIPERGLICÉMIA • 1º Socorro • História clínica .Já tomou dose de insulina diária? .

? .