You are on page 1of 32

Sistema

Nervoso
Profª Camila Lima
Psicóloga – Esp. em Neuropsicologia
CRP: 11/8243

Sistema Nervoso: sistema de
interação
• O processo evolutivo  desenvolvimento do SN 
sobrevivência da espécie.
• As características que tornaram os seres vivos mais
aptos a respostas adaptativas:
1. Excitabilidade ou irritabilidade, propriedade de ser
sensível aos estímulos ambientais, traduzindo-as em
uma “linguagem” própria das células;
2. Condutibilidade, que possibilita que as alterações
sejam conduzidas ou distribuída por toda célula;
3. Secreção, produção de substâncias que funcionam
como mensageiros químicos entre as células;
4. Contratilidade, possibilita um comportamento motor
ou a produção de uma substância química como
resposta ao estímulo ambiental.

Tecido Nervoso: Neurônios e
Neuróglia
• É constituído de células nervosas, os neurônios, e
de células da glia ou neuróglia.

e que fazem com que diferentes neurônios apresentem diversos formatos e tamanho. produzam substâncias químicas distintas e apresentem funções e localizações diversas no SN. determinadas pelos genes que expressam. Neurônios • O SN tem mais de 100 bilhões de neurônios com características enzimáticas e metabólicas próprias. .

.

1: Doença de Alzheimer. neurofilamentos e microfilamentos). Obs. . aparelho de Golgi. retículo endoplasmático granular. dependentes do seu núcleo e das organelas citoplasmática – ribossomos. importantes também para a migração dos neurônios durante a formação do SN no período embrionário. mitocôndrias. Neurônios • No corpo celular do neurônio ocorrem os processos metabólicos essenciais à vida da célula. • A forma peculiar de cada neurônio é mantida pelo citoesqueleto (microtúbulos.

Organelas citoplasmáticas .

. • Meio intracelular negativo = potencial de repouso. Membrana Plasmática • Filtração seletiva  diferença na distribuição de carga elétrica.

desencadeada por estímulos específicos. Mecanismos do impulso nervoso • Os neurônios podem apresentar alteração desse potencial de membrana pela abertura seletiva e consecutiva de canais de Na+ e K+. o que causa uma inversão da polaridade elétrica da célula (despolarização). .

. Mecanismos do impulso nervoso • Em seguida. ocorrem a repolarização com distribuição de íons entre os dois lados da membrana e o retorno ao potencial de repouso.

Impulso Nervoso .

está justaposta à membrana (frequentemente de uma espinha dendrítica. • É constituída pela terminação axonal dilatada cuja membrana. embora nem sempre) de outra célula. a membrana pós- . denominada de pré- sináptica. Sinapses Nervosas • Tipos: químicas e elétricas.

Sinapse Química .

gerando novo potencial de ação nessa célula. Sinapse Química • Impulso nervoso  membrana pré-sináptica  abertura de canais de cálcio no local e influxo de íons Ca²+  liberação do neurotransmissor na fenda sináptica a partir das vesículas (exocitose)  neurotransmissor se ligará aos receptores pós- sinápticos específicos  ativados. levam à abertura de canais iônicos na membrana pós- sináptica  entrada de íons Na+ e K+. .

produzem abertura de canais de cloreto (CL-). excitatórias ou inibitórias. se os estímulos somados são excitatórios o suficiente para despolarizar a célula. o impulso nervoso é gerado. que. tornam-se mais negativa ainda exercendo. . a célula nervosa integra os sinais. assim. Sinapse Química • Existem receptores que quando ativados. ao entrarem na célula. • Ao receber mensagens de diferentes neurônios. uma ação inibitória sobre a célula pós-sináptica. de forma que.

• Essas proteínas são necessárias para a formação de novos terminais axônicos e espinhas dendríticas  neuroplasticidade. . desencadeiam a produção de substâncias químicas nesse neurônio. gerando um potencial de ação no neurônio pós-sináptico. elas são as denominadas segundos- mensageiros. Obs. 2: Reabilitação Neuropsicológica. Sinapse Química • Há ainda receptores que. além de promoverem a despolarização. que ativarão processos celulares que incluem a produção de novas proteínas.

. inativação ou degradação por enzimas presentes na fenda ou recaptação. 3: Psicofármacos. o neurotransmissor é removido da fenda sináptica por difusão. Sinapse Química • Após atuar sobre seu receptor. álcool e algumas drogas que causam vício. Obs. exercem seus efeitos por interferirem em etapas de neurotransmissão. como antidepressivos. através de transportadores presentes na membrana pré-sináptica ou na membrana de astrócitos.

. de forma conjugada ou como moduladores da ação do outro. o que amplia a complexidade de suas ações. • Produzidos na própria terminação. pois eles podem agir isoladamente. Neurotransmissores • Produzidos no pericário e transportados pelo citoesqueleto para a terminação axonal. • Coexistência de neurotransmissores.

Neurotransmissores .

.

Neurotransmissores .

Neurotransmissores .

.

Neuróglia • Conjunto de células também chamada de glia ou gliócitos. . • Células não-neuronais cujas funções permitem garantir a infra-estrutura imprescindível para o funcionamento dos neurônios.

aos mecanismos de reparação e cicatrização SN. à regulação do fluxo sanguíneo. Neuróglia • Astrócitos: têm funções relacionadas ao suporte estrutural para os neurônios. à formação da barreira hematoencefálica. . à recaptação de íons e neurotransmissores. à produção de fatores tróficos importantes para a sobrevivência dos neurônios.

4: Esclerose Múltipla. no SNP. envoltório constituído de lipídeos e proteínas que reveste a maioria dos axônios do SN dos vertebrados. e as células de Schwann. Obs. . produzem a bainha de mielina. Neuróglia • Oligodendrócitos: presentes no SNC. conferindo a eles a capacidade de conduzir impulsos nervosos a uma velocidade muito mais alta do que aquela de fibras amielínicas.

. exercendo sua capacidade fagocítica ao interiorizar microorganismos e remover detritos de degeneração de neurônios e axônios. vindas da medula óssea. Neuróglia • Microgliócitos: originam-se fora do SN. atuam no tecido nervoso como macrófagos cerebrais.

produzindo e secretando o líquido cefalorraquidiano. flui pelo sistema ventricular e espaço subaracnóide e é drenado por vasos sanguíneos cerebrais. . Neuróglia • Células ependimárias: revestem as cavidades do SNC (ventrículos cerebrais). 5: Hidrocefalia. Obs.

. • SNC: encéfalo (dentro do crânio) e medula espinhal (dentro da coluna vertebral). Organização morfofuncional do SN • É constituído pelo tecido nervoso localizado no Sistema Nervoso Central e Sistema Nervoso Periférico.

Organização morfofuncional do SN • SNP: nervos e gânglios .Gânglios: grupamento de corpos neuronais situados fora do SNC e podem ser sensitivos. ou viscerais posicionados nas víceras ou próximos à coluna vertebral.Nervos: conjunto de axônios que formam cordões esbranquiçados e emergem da medula espinhal ou do encéfalo e conduzem impulsos nervosos de receptores sensoriais da periferia do corpo para o SNC. localizados próximos à coluna vertebral ou na face. 6: grupamentos de neurônios dispostos no interior da substância branca no SNC são denominados de núcleos. Obs. ou enviam impulsos do SNC para os órgãos efetuadores (músculos e glândulas). . .

.

Impulsos nervosos Recebe. Lisos. São estruturas distintas. gustativas. táteis. Informações processando a inf. Recebida e visuais. cardíaco eglânduas. ou eferentes informações viscerais viscerais. avalia. levados ao músc. somáticos. mas integradas SNCentre si. • SN visceral: interação com o seu meio interno. respondendo com olfativas. conduzindo proprioceptivas. aferentes compara-as com informações SNP registradas. impulsos eferentes térmicas. Organização morfofuncional do SN • SN somático: interação com o ambiente externo. aos músculos nocioceptivas/ estriados. sempre . somáticas: auditivas.