You are on page 1of 30

EPI – Equipamento de proteção individual

• Qualquer equipamento destinado a ser usado ou
detido pelo trabalhador para a sua proteção, contra
um ou mais riscos susceptíveis de ameaçar a sua
segurança ou saúde no trabalho.

• Um EPI deve ser concebido e executado em conformidade
com as disposições regulamentares em vigor.

• A entidade patronal deve fornecer gratuitamente aos

trabalhadores EPI em bom estado:
- adequados relativamente aos riscos a prevenir;

- que não sejam eles próprios geradores de novos riscos;

- que tenham em conta parâmetros pessoais

associados ao utilizador e à natureza do seu trabalho.

a cujo conhecimento elas devem ser levadas.• A regra é um equipamento para cada pessoa exposta! Se forem fornecidos a um trabalhador vários EPI. será necessário velar pelo respeito das regras de higiene. • A entidade patronal deve velar para que as informações necessárias à utilização dos EPI se encontrem disponíveis na empresa sob uma forma que possa ser compreendida pelos trabalhadores que os utilizam. . estes devem ser compatíveis entre si. • Se um EPI servir para vários trabalhadores.

a fim de garantir uma utilização dos EPI em conformidade com as instruções. • Os EPI devem ser usados pelo trabalhador exclusivamente nas circunstâncias para as quais são recomendados e depois a entidade patronal ter informado o trabalhador da natureza dos riscos contra os quais o referido EPI o protege. .• A entidade patronal deve organizar sessões de formação e de treino dos trabalhadores em causa.

Como avaliar e apreciar a necessidade do uso de um EPI • Convém proceder ao estudo das partes do corpo susceptíveis de serem expostas a riscos: • Riscos Físicos • Riscos Químicos • Riscos Biológicos .

Exemplo • Por exemplo.alvo é o ouvido. . como a redução do tempo de exposição ou a aquisição de equipamento menos ruidoso. um trabalhador cuja tarefa seja efetuada num ambiente em que o nível sonoro é muito elevado e não redutível. • O órgão. designadamente por medidas colectivas (isolamento das máquinas). encontrando-se exposto ao ruído. • Em termos de EPI a solução será um protetor auricular. • Mas em primeiro lugar devem ser tomadas outras medidas.

– As características do próprio trabalhador. . – A parte do corpo a proteger. – As condições em que trabalha.Como avaliar um EPI do ponto de vista de segurança ? • A selecção dos dispositivos (ou equipamentos) de proteção individual (EPI) deverá ser em conta: – Os riscos a que está exposto o trabalhador.

. • É indispensável a sua elucidação quanto aos riscos a controlar. possibilidade de limpeza. escolher-se trabalhadores com um critério objetivo de apreciação. Ensaio de dispositivos de Proteção Individual na Empresa • Para testar um novo EPI. devem tanto quanto possível. entre outros. comodidade. O registo de elementos como: durabilidade. bem como o ensaio de mais de um tipo de proteção. efeito de protecção. é extremamente importante para uma solução definitiva.

• A co-decisão conduz a uma maior motivação para o seu uso. .• A decisão final sobre a utilização do EPI deve ser tomada com base numa análise cuidada do posto de trabalho. análise essa em que devem participar chefias e trabalhadores.

• A transferência de informação deve estar associada à motivação. . quando são utilizados pela primeira vez. Formação do utilizador Os EPI’s são simples ? É fácil a sua utilização correta? • Para muitos EPI’s é necessário uma acção de demonstração.

3. Qual o tipo de protecção que ele NÃO garante. Porquê utilizar um determinado EPI e qual o tipo de protecção que ele garante? 2. Quando se devem substituir as peças de um dado EPI ? . Como utilizar para que o EPI garanta a protecção esperada ? 4. Os pontos fundamentais na formação do utilizador são os seguintes: 1.

PRINCIPAIS TIPOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL .

 A protecção da cabeça obtém-se mediante uso do capacete de proteção. pancadas violentas ou projecções de partículas.Proteção da cabeça  A cabeça deve ser adequadamente protegida perante o risco de queda de objectos pesados. . o qual deve apresentar elevada resistência ao impacto e à penetração.

Ações ópticas.através de luz visível (natural ou artificial). através de produtos corrosivos (sobretudo ácidos e bases) no estado sólido líquido ou gasoso. Ações térmicas. invisível (radiação ultravioleta ou infravermelho) ou ainda raios laser. partículas ou aparas. podem ser devidas a diferentes causas: Ações mecânicas.Proteção dos Olhos e do Rosto  Os olhos constituem uma das partes mais sensíveis do corpo onde os acidentes do corpo podem atingir a maior gravidade.devidas a temperaturas extremas.  As lesões nos olhos.através de poeiras. . ocasionadas por acidentes de trabalho. Ações químicas.

à corrosão e às radiações. . cujos vidros deverão resistir ao choque. Os olhos e também o rosto protegem-se com óculos e viseiras apropriados.

.  A protecção das vias respiratórias é feita através dos chamados dispositivos de protecção respiratória – aparelhos filtrantes (máscaras). tais como gases. contaminada em virtude da existência de agentes químicos agressivos. vapores. neblinas. fibras. muitas vezes. poeiras.Proteção das vias respiratórias  A atmosfera dos locais de trabalho encontra-se.

Exemplos de protetores das vias respiratórias .

 Os auriculares são introduzidos no canal auditivo externo e visam diminuir a intensidade das variações de pressão que alcançam o tímpano. .Proteção dos ouvidos  Há fundamentalmente. dois tipos de protetores de ouvidos: os auriculares (ou tampões) e os auscultadores (ou protetores de tipo abafador).

Proteção do tronco  O tronco é protegido através do vestuário.  O vestuário de trabalho deve ser cingido ao corpo para se evitar a sua prisão pelos órgãos em movimento. que pode ser confecionado em diferentes tecidos. . A gravata ou o cachecol constituem. um risco. geralmente.

• Vestuário e acessórios fluorescentes de sinalização. . • Vestuário de proteção contra agressões químicas. • Vestuário antipoeira.Proteção do corpo inteiro • Vestuário de protecão contra agressões mecânicas.

Proteção dos Pés e dos Membros Inferiores  A protecção dos pés deve ser considerada quando há possibilidade de lesões a partir de efeitos mecânicos. químicos ou eléctricos. deverão ser usados sapatos ou botas revestidos interiormente com biqueiras de aço. térmicos. eventualmente com reforço no artelho e no peito do pé. Quando há possibilidade de queda de materiais. .

quando o utilizador não necessita de se apoiar para executar o trabalho.Arnês anti.queda  O arnês é utilizado como proteção individual sempre que exista risco de queda em altura.  O arnês simples é utilizado exclusivamente em intervenções em elevação.  Este equipamento é utilizado em conjunto com um dispositivo de interrupção da queda. que poderá ser um qualquer dos sistemas pára-quedas. .

 A fixação do amortecedor pára-quedas deve ser sempre feita num ponto fixo que se encontra acima do plano de trabalho. mantida unida de forma a abrir sempre que se verifique uma queda. cuja resistência aparente não deixe duvidas. .  O amortecedor pára-quedas é um equipamento que depois de atuado não poderá ser reutilizável.  Na utilização deste equipamento deve ter-se em conta a distância de paragem indicada pelo fabricante.Amortecedores de queda  O sistema pára-quedas por amortecimento. é constituído por uma fita dobrada em material sintético.

.

imobilizando o movimento de queda do utilizador em menos de 0.6m.sensível à aceleração. .  Um sistema de travagem mecânica.Pára-quedas retráctil  Um cabo em aço ou fita em fibras sintéticas inserida num enrolador que permita o enrolamento ou desenrolamento automaticamente.

parando rapidamente o movimento.  O pára-quedas deslizante tem de ser próprio para a calha em que irá funcionar. . o sistema de bloqueio é accionado automaticamente. Sempre que exerça um movimento brusco no sentido da queda.Pára-quedas deslizante  O pára-quedas deslizante funciona de forma automática.  A inserção do pára-quedas deslizante na calha metálica deve respeitar o sentido indicado no aparelho. podendo o seu utilizando movimentar-se livremente para cima e para baixo. a seta deve apontar no sentido da subida.

.

Regulador Anti-quedas  Constituído por um conjunto de mecanismos capazes de bloquear a corda em qualquer ponto. com dispositivo de posicionamento ao posto de trabalho.  O regulador é utilizado sempre que exista necessidade do utilizador se posicionar para melhor realizar o trabalho. .  Em todos os casos a extremidade livre da corda de amarração deve ter uma costura ou um nó. para que aquela não possa escapar do aparelho. A sua utilização é integrada no conjunto “corda de amarração”. permitindo assim ao utilizador encontrar a melhor posição para realizar o trabalho.

com o suporte de ancoragem do pára-quedas deslizante.  A corda para utilizar com um dispositivo pára-quedas deslizante deve obedecer às características indicadas pelo fabricante do mesmo. nomeadamente nas fases de subida/descida. superfícies abrasivas.Corda linha de vida  São utilizadas para trabalhos em altura. em particular no que respeita ao diâmetro.  A corda não deve ser colocada de forma a ficar a roçar em arestas ou ângulos cortantes. em contacto ou na proximidade de fontes de calor. .