You are on page 1of 36

GT 03 – PLANEJAMENTO, GESTÃO E PRODUÇÃO DO ESPAÇO

GRANDES NEGÓCIOS DA REESTRUTURAÇÃO METROPOLITANA DE RECIFE: UMA
ANÁLISE DA ARTICULAÇÃO AMPLIADA ESTRE ESTADO E CAPITAL NA PRODUÇÃO
DO ESPAÇO

ALEXANDRE SABINO DO NASCIMENTO
ANA CRISTINA FERNANDES

OUTUBRO/2015

“O capitalismo só tem êxito quando começa a ser
identificado com o Estado, quando ele é o
próprio Estado”.
(Fernand Braudel, 1996)

ÍNDICE DA APRESENTAÇÃO
• CONTEXTUALIZAÇÃO

• OBJETIVO GERAL

• ACUMULAÇÃO DO CAPITAL, ESTADO E PRODUÇÃO DO ESPAÇO: UMA TENTATIVA DE
SÍNTESE

• TUDO SE ENCONTRA NA METRÓPOLE DO RECIFE: PPPS, CONCESSÕES E OS
GRANDES PROJETOS DE INVESTIMENTO NA METRÓPOLE

• CONCLUSÕES

• CONSIDERAÇÕES FINAIS

Megaeventos e o Capital Financeiro na produção do espaço urbano. CONTEXTUALIZAÇÃO Dinâmica geográfica da acumulação do capital na produção do espaço urbano. “máquina de crescimento urbano”. Megaeventos e Megaprojetos (Grandes Projetos de Desenvolvimento Urbano). Concessões e Parcerias Público-Privadas. ajustes espaciais e desenvolvimento geográfico desigual. Acumulação Rentista-Patrimonial Ampliada. Crise do capitalismo e produção do espaço. Grandes Projetos de Investimento. Nexo Estado- Finanças). Difusão de “novas” formas ou “inovações espaciais” como ferramentas de penetração do capital. Ordenação/Ajuste espaço-temporal. . Estado x Mercado (Antivalor. Regime de acumulação financeirizada. Relação com o contexto econômico do Brasileira e de Pernambuco.

2001). ligados a um capitalismo do tipo rentista ou. bem adaptado à nossa sociedade cujas raízes são fundadas no patrimonialismo (FAORO. . o avesso do mercado. um capitalismo patrimonialista. da concorrência. como chamado por Chesnais (2005). urbano e regional. portanto. GRANDES NEGÓCIOS E O CAPITALISMO RENTISTA Os grandes negócios analisados neste estudo estão ligados à reestruturação do espaço nacional. do risco capitalista. p. “O capitalismo rentista é. da ausência do Estado. 131. grifos do autor). 2010.” (PAULANI.

fruto de um regime de acumulação financeirizado. industrial e imobiliário). . OBJETIVO GERAL Analisar como grandes obras ligadas à atual reestruturação do espaço urbano-regional da metrópole de Recife têm sido implementadas como expressões de uma acumulação ampliada entre o Estado e diferentes frações do capital (financeiro. caracterizando a produção de um espaço fragmentado e articulado.

. • Engenharia financeira (análise dos fluxos de capitais). Método de exposição da tese: método regressivo-progressivo de H. Foco de análise dos grandes projetos estudados: • Investimentos realizados (públicos e privados). • Criação de inovações financeiras e novos arranjos políticos-institucionais e econômicos. • Relação dos projetos com o “desenvolvimento” da RMR. Lefebvre.

associados ao capital financeiro. ACUMULAÇÃO DO CAPITAL. a partir da observação do caso de grupos econômicos nacionais ligados à produção do espaço - onde destacamos o setor da construção civil . . ESTADO E PRODUÇÃO DO ESPAÇO: UMA TENTATIVA DE SÍNTESE O Estado exerce importante papel na concentração e centralização do capital. 1988. 2009). 2011. OLIVEIRA. JESSOP. tão caro à fase monopolista do sistema (MÉSZÁROS.

. BELLUZZO) Fonte: Elaborado pelo autor. PROCESSO DE ACUMULAÇÃO DO CAPITAL L Forças U Produtivas T C A Relações de O Produção M D P E E Concentração e T C Centralização do I capital L Ç A Ã S Crises O S E S ESTADO (MARX. ROSDOLSKY. HARVEY.

(MARX.BELLUZZO) . ROSDOLSKY. CICLO DO CAPITAL Capital- mercadoria Capital- Capital- Meios de Dinheiro Produção Capital- trabalho Fonte: Elaborado pelo autor. HARVEY.

L. Mercados: uma falsa dicotomia (F. BRAUDEL. CHESNAIS. HARVEY. F. MÉSZÁROS. KURZ. HIRSCH). . HOLLOWAY. R. J. D. L. I. OLIVEIRA. DOWBOR.• Estado vs. J. • Emergência do Regime de Acumulação com Dominância Financeira (F. PAULANI).

DOWBOR. PAULANI) Fonte: Elaborado pelo autor. do Trabalho. L. HARVEY. . CHESNAIS. (F.EMERGÊNCIA DO REGIME DE ACUMULAÇÃO COM DOMINÂNCIA FINANCEIRA Ampliação da Fim da Desenvolvimento Assunção do Ampliação da Divisão Crises: Segunda das Forças regime de relação entre Social- Guerra – Produtivas e Décadas de Neoliberalismo acumulação uma finança Relações de Territorial e Anos 70 e 80 com lógica Mundializada Produção Internacional Gloriosos financeira e o Estado. D. L.

Evolução do Estoque mundial de Ativos Financeiros e Fluxo de Capitais por Categoria .

FUSÕES. 1988. 2011) Fonte: Elaborado pelo autor. NACIONAIS OLIGOPÓLIOS E MONOPÓLIOS.TEORIA DO ANTIVALOR FUNDO PÚBLICO ESTADO CAPITAL FINANCIAMENTO DA ACUMULAÇÃO DE CAPITAL E FINANCIAMENTO DA REPRODUÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO TEORIA DO ANTIVALOR POLÍTICAS COMPETIÇÃO ANTICICLÍCAS E NEXO ESTADO-FINANÇAS LÓGICA CONCENTRAÇÃO E LÓGICA DO TERRITORIAL CENTRALIZAÇÃO DO CAPITAL CAPITAL CAMPEÃS TRANSNACIONAIS. HARVEY. AQUISIÇÕES. (OLIVEIRA.UM ESTADO MÁXIMO PARA UM MERCADO MÍNIMO . .

MULTINACIONAIS BRASILEIRAS E PARTICIPAÇÃO DO BNDES NO SEU CAPITAL .

.• Rentismo e Patrimonialismo no Brasil (R. • Dívida Pública. FERNANDES) e a as características peculiares da relação entre o público e o privado na formação do capitalismo no Brasil. FAORO e F.

DÍVIDA PÚBLICA .

O que são os grandes negócios da reestruturação do espaço urbano-regional. e que empresas ou coalisão de grupos econômicos estão à frente destes na RMR? .

2005. 2003. (Harvey. e de trabalho. . Fonte: Elaborado pelo autor. 2011) . sociais capital. novas sociais. para retardar a capacidades produtivas circulação de valores de e de recursos. ORDENAÇÃO E AJUSTE ESPAÇO-TEMPORAL DO CAPITAL AJUSTES ESPAÇO- TEMPORAIS Deslocamentos Deslocamento temporal via espaciais por meio da investimentos de capital de abertura de novos longo prazo ou gastos mercados.

. 2011) . ORDENAÇÃO E AJUSTE ESPAÇO-TEMPORAL DO CAPITAL produção e circuito primário consumo imediatos Circuitos do capital fixo e de circuito formação de fundo Capital secundário de consumo INVESTIMENTOS DE LONGA DURAÇÃO gastos sociais e circuito terciário de pesquisa e desenvolvimento Fonte: Elaborado pelo autor. (Harvey. 2005. 2003.

Produção do espaço e crises do capital: a relação entre crises econômicas e a produção de capital fixo .

CAMPEÃS NACIONAIS DA CONSTRUÇÃO Fonte: Revista Exame .

Quais as formas de implementação desses grandes negócios no mundo e no Brasil. e sua relação com o processo de acumulação do capital na atualidade? .

GPI Privadas e Arranjos Concessões Espaciais MEGAEVENTOS ESPORTIVOS Capital Industrial (Construção Civil) e Capital Imobiliário Arranjos Institucionais Fonte: Elaborado pelo autor. . NEXO ESTADO-FINANÇAS E OS GRANDES NEGÓCIOS DA PRODUÇÃO DO ESPAÇO Inovações Instituições Financeiras Financeiras GPDUS Crédito Parcerias Estado Público.

. LUTA DE CLASSES ESTADO MERCADO COMPETIÇÃO ACUMULAÇÃO RENTISMO PATRIMONIALISMO AMPLIADA CONCENTRAÇÃO BLOCO NO E TEORIA DO PODER CENTRALIZAÇÃO ANTIVALOR/ NEXO CRISE E SELIC x TJLP DO CAPITAL ESTADO-FINANÇAS PRODUÇÃO (Empréstimos) CAPITAL FIXO ACUMULAÇÃO RENTISTA PATRIMONIAL AMPLIADA REGIME DE INOVAÇÕES ACUMULAÇÃO FINANCEIRAS FUNDO FINANCEIRIZADO PÚBLICO GRANDES PROJETOS CAMPEÃS DÍVIDA FI-FGTS E/OU GRANDES NACIONAIS DA AJUSTE ESPAÇO- PÚBLICA E NEGÓCIOS – CONSTRUÇÃO TEMPORAL BNDESPAR CONCESSÕES E PPPs CIVIL Fonte: Elaborado pelo autor.

GRANDES PROJETOS URBANOS Cidade Saneada Complexa engenharia Envolvem a financeira que participação de demonstra diferentes ligação com uma escalas de Fator de impacto certa fluidez do governo e suas no Arena capital fixo associações. desenvolvimento incorporado e como também os urbano-regional relações entre grupos privados da metrópole de capitais públicos Itaipava financiados Recife e privados (FII- (direta ou FGTS. . BNDES. indiretamente) BNB e certo pelo Estado grupo de empresas).

Previa-se (SPE) / Constituída Negócios e BNB R$ 389 em: 31 de maio de Investimentos S/A milhões 2010. (base Copa) Imobiliário) Emissão de maio/2009) Sociedade de Arena BNDES. 532 milhões (Cidade da (Projeto INVESTIMENTOS S/A Administrativa: (CGPE).99 milhões / data- Prazo de até 33 base maio/2009) anos Fonte: Elaborado pelo autor. debêntures (dívida Propósito Específico Pernambuco privada).: Programa Estadual Pagamentos de Estimado de Parcerias contraprestações hoje: R$ (Capital Fechado) Público-Privadas públicas mensais 922 milhões (CGPE) a SPE (R$ 3. ESTRUTURA E CARACTERÍSTICAS DO PROJETO ARENA ITAIPAVA (CIDADE DA COPA) PROJETOS TIPO DE EMPRESAS TIPO DE PARTICIPAÇÃO FORMAS DE VALORES PROJETO PARCERIA/ DO ESTADO FINANCIAMENTO (milhões) CONTRATO ARENA ARENA ARENA PERNAMBUCO Parceria Público. + (2007) Comitê Gestor do Obs. a partir de relatórios e demonstrativos financeiros das empresas envolvidas. .Governo de Empréstimos junto Orçada: ITAIPAVA MULTIUSO NEGÓCIOS E Privada/Concessão Pernambuco ao BNDES e BNB.

Fundo Constitucional do PROJECT Nordeste para o PROJETO FINANCE Turismo ARENA ITAIPAVA (CIDADE DA COPA) BNDES ProCopa Arenas” Comitê Gestor do Contraprestações Programa Estadual de Parcerias Públicas Público-Privada (CGPE) Mensais Fonte: Elaborado pelo autor.A.A. a partir de relatórios e demonstrativos financeiros das empresas envolvidas./ Banco ARENA PERNAMBUCO Santander S. BNB . . ESTRUTURA FINANCEIRA – PPP ARENA PERNAMBUCO (ITAIPAVA) ODEBRECHT PARTICIPAÇÕES E EMISSÃO DE DEBÊNTURES - INVESTIMENTOS BRL TRUST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES S/A (OPI) MOBILIÁRIOS S./ ITAÚ SA NEGÓCIOS E CONSTRUTORA INVESTIMENTOS S/A NORBERTO ODEBRECHT BRASIL S/A BNDES .

. a partir de relatórios e demonstrativos financeiros das empresas envolvidas. ESTRUTURA E CARACTERÍSTICAS DO PROJETO CIDADE SANEADA Fonte: Elaborado pelo autor.

. ESTRUTURA FINANCEIRA – PPP CIDADE SANEADA COMPESA MERCADO EMISSÃO DE CAIXA FUNDO DE DEBÊNTURES – PROJETO ECONÔMICA PÚBLICO CAPITAIS ITAÚ PPP – CIDADE SANEADA LOCAÇÃO DE ATIVOS Fundo de Odebrecht S.A Fonte: Elaborado pelo autor.A ODEBRECHT Investimento – (70 %) AMBIENTAL FGTS (30%) PARTICIPAÇÕES S. a partir de relatórios e demonstrativos financeiros das empresas envolvidas.

CONSIDERAÇÕES FINAIS • A produção do espaço via grandes obras de infraestrutura urbana. • A metrópole do Recife como expressão social e econômica de um país que combina o atraso com o moderno. Todavia entende-se que toda essa máquina rentista e produtiva do espaço têm sido usada para a realização de grandes negócios da reestruturação urbano-regional que produzem um espaço fragmentado e articulado por fluxos de capitais dentro de um processo de acumulação rentista-patrimonial entre Estado e os capitais envolvidos na produção do espaço. regional e nacional que têm sido realizadas supostamente em prol de um projeto de desenvolvimento encampado pelo Estado e a sociedade. onde o Estado continua sendo o “pai da prosperidade geral” de Faoro. que reúne caraterísticas ligadas a um atual regime de acumulação com lógica financeira. como relações perniciosas entre Estado e agentes do capital típicas de sociedade patrimonial. .

passa-se. Somado a isso. • Em espaços que apresentam carências históricas de infraestruturas urbanas e regionais. a se valorizar a implementação das mesmas – ainda que de forma seletiva e contraditória. . o Brasil e a região Nordeste figuram como parte de um ajuste espaço-temporal dentro de um processo de sobreacumulação de capital. tanto para a habitação.• O papel da produção de capital fixo no processo de reprodução ampliada do capital como fuga para frente do sistema que apenas faz com que o mesmo contorne suas contradições de forma temporária. como num toque de mágica. como comerciais e industriais. “Surge” assim uma maior demanda por infraestrutura e por imóveis. como também de estoque de capital fixo.

que é. e da própria lógica territorial do Estado com seus projetos políticos de desenvolvimento. articuladas por coalizações de agentes capazes de manipular o fundo público através do poder político e econômico. grupos econômicos ligados à construção civil.Conclui-se que o atual processo de reestruturação urbana e regional da metrópole do Recife apresenta-se como um produto da concorrência global capitalista agora movida por um amplo processo de financeirização da economia mundial. fruto de um ajuste espaço temporal do sistema. . também. como os proprietários fundiários. mas também representa o resultado dos interesses de frações do capital nacionais e locais ligadas à produção do espaço. dentro de um contexto de imbricação de escalas geográficas. forças endógenas.

São Paulo: Editora UNESP. Vera Ribeiro. Recife: Observatório das Metrópoles. São Paulo: Editora UNESP. 177. In: Socialist Register. jan-jun. • BRAUDEL. • CHESNAIS. Trad. • ______ A Mundialização do Capital. O poder global e a nova geopolítica das nações. IE/UNICAMP. 2013. O debate sobre a financeirização da economia. In: Crítica y Emancipación. maio 2010. poder e as origens de nosso tempo. Wilson. 2014. • CONCESSIONÁRIA ROTA DOS COQUEIROS S.A. Seventeen Contradictions and the End of Capitalism. Campinas. The Urban Roots of the Financial Crisis. 1996. Editora Globo. 2013.1995. Joaquim Ernesto (org. seculos XV-XVIII. In: PALHARES. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo. 2014. . Relatório dos administradores – 2013. 1996. 2009. • BITOUN. Año I. São Paulo: Boitempo. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras – 2013. São Paulo: Boitempo. • HARVEY. Os donos do poder: formação do patronato brasileiro. Fernand. 3ª ed. 3 v. 157-183. O capital e suas metamorfoses. 2001. Desenvolvimento às avessas: verdade. • ______. má fé e ilusão no atual modelo brasileiro de desenvolvimento. David. Civilizacao material. • CONCESSIONÁRIA ROTA DO ATLÂNTICO S. pp. Os limites do Capital. 2012. • DOWBOR. O longo século XX: dinheiro. Giovanni. São Paulo: Xamã.A. François. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras – 2013. Luiz G. • ______. Vol. • CANO. São Paulo: Martins Fontes. Raymundo. United Kingdom. • GONÇALVES.. A internacional do Capital Financeiro. 2014. • ______. Tradução: Silvana Finzi Foá. 2013. pp. São Paulo: Boitempo. Rio de Janeiro: LCT. José Luís. Recife. Jan et al. economia e capitalismo. • FAORO. 48. New York: Oxford University Press. • BELLUZZO. 2011. n.). 2014. 2010. Região Metropolitana do Recife no Contexto de Pernambuco no Censo 2010. Texto para Discussão.A. (revista). 53-60. Reinaldo. Recife. 2005. n. A finança Mundializada. Reflexões sobre o papel do capital mercantil na questão regional e urbana do Brasil. Salvador. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. • FOZ DO ATLANTICO SANEAMENTO S. Referências Bibliográficas • ARRIGHI. • FIORI. Ladislau. 2014. Rio de Janeiro: Contraponto. 2.

2011. São Paulo: EDUSP. 4 eéd. • LEFEBVRE. Nordeste. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Fragmentação e integração: movimentos de reestruturação espacial das metrópoles brasileiras. • ______. . Sociol. Karl. Primeira versão: início . N. A falta de autonomia do Estado e os limites da política. Milton. n.1988. Redes e Fluxos do Território: gestão do território. México: Flacso. • PAULANI. Eléments pour une théorie matérialiste de L' Etat. • KURZ. & SOUSA. In: OLIVEIRA. Cibele. M.E. O surgimento do antivalor: capital. Rio de Janeiro: Ed. v. Neil Brenner. São Paulo: Martins Fontes. 2007. São Paulo: Nova Cultural. 2005. Robert. Leda Maria. In: Rev. Recife: UFPE. política e cultura na era da servidão financeira. Acesso em: set. 2008.. and Stuart Elden. R. Qué significa estado? reflexiones acerca de la teoría del estado capitalista. Perfiles Latinoamericanos. p. F. Doralice B. e GUSMÃO. Trad. jun. • IBGE. In: Novos Estudos. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Acessado em: 12 set. São Paulo: Boitempo. Da totalidade ao lugar. Poder político e classes sociais. 91-118.• HILFERDING. n. 2014. John.. São Paulo: Boitempo. Suely M. pp. 1992. Paris: Éditions Anthropos. n. Francisco.17. 2008. P. Desafios do planejamento. In: Rev. A era do capital: 1848-1875. 2000). 1. State. A. Henri Lefebvre.. 2012. 1.br/. RIZEK. • POULANTZAS. Disponível em: <http://www. L' Etat contemporain et le marxisme. 1975. • LEAL.P. 165-175. • HIRSCH. 2005. 1997. 2011. Capitalismo financeiro. E. jun. Rio de Janeiro: IBGE. Published by the University of Minnesota Press.br/home/>. 1977. UFRJ. Petrópolis. world: selected essays. • ______. • LACERDA. Ed. István. • QUEM SÃO OS PROPRIETÁRIOS DO BRASIL? Disponível em: http://proprietariosdobrasil. (Do original: La production de l’espace. • ______. Belo Horizonte: Ed. R. São Paulo: Edusp. • JESSOP. Polít. o poder. Suely M. São Paulo: Boitempo. Rio de Janeiro. Espaço e política. • LEAL. Economia espacial: críticas e alternativas. 2009. Henri.33. Paris C. 22. Curitiba. 2010. Curitiba. Eric J.ed. Elegia para uma re(li)gião: Sudene. Hegemonia às avessas: economia.. Rio de Janeiro: Letra Capital. • MÉSZÁROS. In: Os últimos combates. planejamento e conflito de classes. (Orgs. • SANTOS.org. Papel dos agentes econômicos na governança das metrópoles brasileiras: Inovações e Impactos Territoriais dos Grandes Empreendimentos Imobiliários. 2011. 2. 3ª ed. RJ: Vozes. edited by Neil Brenner and Stuart Elden. de. (1910 [1985]). In: VICENT. Rio de Janeiro. 2014. 2012. Jean-Marie.). J. • IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ruy.. A reforma do Estado: capital global e estado nacional. Uma análise das tendências dos novos empreendimentos imobiliários em Pernambuco: as cidades planejadas. • OLIVEIRA. R. • _______. Pereira e Sérgio Martins.ibge. Anais do XIV Encontro Nacional da Anpur. São Paulo: Boitempo. 24. 131-144.fev. Nicos. 2015. UFMG./Maspero. • ______. Out. força de trabalho e fundo público. p. Joachim. • HOLLOWAY. • HOBSBAWM. Polít. In: Rev. C. o socialismo de Poulantzas como um clássico moderno. space. Grundisse. 1977. 2006. A produção do espaço. LIMONAD. R. • MARX. estado de emergência econômico e hegemonia às avessas no Brasil. 2009. Bob. translated by Gerald Moore. Sociol. O estado. In: RIBEIRO.gov. BRAGA. O capital financeiro.

OBRIGADO! Alexandre.nascimento@upe.com .