Problema 3

Objetivo 1

Entender a legislação de
dimensionamento de pessoal.

Conceito
Dimensionar o pessoal de enfermagem
constitui a etapa inicial do processo de
provimento de pessoal e tem por finalidade a
previsão da quantidade de funcionários por
categoria, requerida para atender, direta ou
indiretamente, às necessidades de assistência
de enfermagem da clientela.

Importância O dimensionamento inadequado dos recursos humanos causam implicações sobre o resultado da qualidade da assistência de enfermagem prestada à clientela .

Estabelece os parâmetros pra dimensionar o quantitativo mínimo dos diferentes níveis de formação dos profissionais de Enfermagem para a cobertura assistencial nas instituições de saúde” . COFEN 293/2004 “Art. 1º .

5. 7. Tipos de serviços e/ou programas. Indicadores tanto do Ministério da Saúde quanto institucionais. 6. Porte. Estrutura física. 2. 3. Política do RH. 2. 11.à instituição/ empresa: 1. Tecnologia e complexidade dos serviços e/ou programas. 8. Política de pessoal. Missão. Atribuições e competências dos integrantes dos diferentes serviços e/ou programas. 9. Política financeira. 10. Estrutura organizacional. 4. .O dimensionamento e a adequação qualitativa do quadro de profissionais de Enfermagem devem basear-se em características relativas: I.

6. 10. Índice de mortalidade. Taxa de ausência de benefícios (TB). Carga horária semanal. Soromas. Padrões de desempenho dos profissionais. . Contenção mecânica no leito. Taxa de ocupação. Taxa de absenteísmo (TA). 4. Modelo assistencial. 7. Modelo gerencial. O dimensionamento e a adequação qualitativa do quadro de profissionais de Enfermagem devem basear-se em características relativas: II. 8. 11.ao serviço de Enfermagem: 1. 5. Manutenção da integridade da pele. Úlceras por pressão. 2. Jornada de trabalho. 9. Índice de segurança técnica (IST). Proporção de profissionais de enfermagem de nível superior e médio. Métodos de trabalho . 3. Tempo médio de permanência. Outros. Flebite. Indicadores de avaliação de qualidade de assistência: Indicadores conhecidos: Quedas de paciente. Índice de infecção.

à clientela – sistema de classificação de pacientes (SCP). realidade sociocultural e econômica .• II.

.

.

.

.

SCP .

sujeito à instabilidade das funções vitais. e fisicamente autossuficiente quanto ao atendimento das necessidades humanas básicas. Definições: • Pacientes de cuidados mínimos (PCM)/autocuidado: Paciente estável. • Pacientes de cuidados semi-intensivos (PCSI): Paciente grave e recuperável. sob o ponto de vista clínico e de enfermagem. requerendo avaliações médicas e de enfermagem. requerendo assistência de enfermagem e médica permanente e especializada. com parcial dependência dos profissionais de enfermagem para o atendimento das necessidades humanas básicas. A distribuição de profissionais por categoria deverá seguir o grupo de clientes de maior prevalência . sujeito à instabilidade das funções vitais. sob o ponto de vista clínico e de enfermagem. com risco iminente de morte. requerendo assistência de enfermagem e médica permanente e especializada. • Pacientes de cuidados intermediários (PCI): Paciente estável. • Pacientes de cuidados intensivos (PCIt): Paciente grave e recuperável. com risco iminente de morte.

por 24 horas • 3.4 horas.8 horas. por cliente.6 horas. por leito. por cliente. por cliente.9 horas. Horas de Enfermagem. na assistência intensiva . na assistência mínima ou autocuidado • 5. na assistência semi- intensiva • 17. por cliente na assistência intermediária • 9.

Cálculo de horas necessárias para assistir pacientes. no período de 24 horas. com base no sistema de classificação de pacientes .

Exemplo: .

.

de 42 a 46% de enfermeiros e os demais são técnicos e/ou auxiliares de enfermagem. . 36 e 40 horas • Período de tempo: 4. de 52 a 56% de enfermeiros. Assistência semi-intensiva. 5 e 6 horas – PT • Distribuição percentual dos profissionais de enfermagem: 1. Considerando: • Índice de segurança técnica – IST – 15 (nunca inferior) • Jornada semanal de trabalho – JST – Considerar 20. Assistência mínima e intermediária. 3. de 33 a 37% de enfermeiros e os demais são técnicos de enfermagem. 2. 32.5. demais são técnicos de enfermagem. 30. 24. Assistência intensiva.

Cálculo de Quadro de Pessoal (QP) para Unidades de Internação: • Cálculo da quantidade de profissionais (QP) de enfermagem para unidade de internação: QP: quantidade de profissionais Km: Constante Marinho THE: total de horas de enfermagem .

. 36h.) IST = Índice de segurança técnica = 15% = 1.. 30.15 .• Km: Constante Marinho DS = dias da semana = 7 JST = jornada semanal de trabalho (20.

• Portanto Km é uma constante conforme quadro abaixo: .

sem acompanhante. é classificado como assistência intermediária ou semi-intensiva e deverá ser acrescido de 0. O paciente crônico com idade superior a 60 anos. sem acompanhante. a criança menor de seis anos e o recém-nascido são classificados como cuidados intermediários.Onde THE (total de horas de enfermagem) calcula-se como segue abaixo: • Pacientes de cuidados mínimos (PCM)/autocuidado • Pacientes de cuidados intermediários (PCI) • Pacientes de cuidados semi-intensivos (PCSI) • Pacientes de cuidados intensivos (PCIt) Obs: Para berçário e unidade de internação em pediatria.5 às horas de Enfermagem. .

distribuídos entre 21 pacientes com cuidados mínimos e 15 pacientes com cuidados intermediários. qual será a necessidade de pessoal de enfermagem para as 24h. Exemplo: Em uma unidade com 36 leitos. sabendo que a taxa de ocupação é de 80% e a JST é de 36h? .

8 • 15 pacientes com cuidados intermediários x 80% = 12 .Taxa de ocupação: • 21 pacientes com cuidados mínimos x 80% = 16.

Resultado do Cálculo de Quadro de Pessoal (QP) Distribuição por categoria: • Pacientes prevalentes são de cuidados mínimos • Enfermeiros = 9 (33%) • Técnicos ou Auxiliares de Enfermagem = 20 .

• Hemodiálise. Cálculo de Quadro de Pessoal (QP) para Unidades Especializadas: Locais onde são desenvolvidas atividades especializadas por profissionais de saúde. tais como: • Ambulatório. • Etc. . • Centro cirúrgico. • Pronto-socorro. • Central de material.

T = Período de trabalho de 6 horas (13h às 19h). T. • Local (ou área operacional). N1 = Período de trabalho de 6 horas ( 19h à 1h). . N1 e N2) M = Período de trabalho de 6 horas (7h às 13h). • Período de tempo. Considerar ainda: ->Período de tempo de 6 horas (M. Cálculo de Quadro de Pessoal (QP) para Unidades Especializadas: Sítios Funcionais – visão tridimensional: • Atividades. N2 = Período de trabalho de 6 horas (1h às 7h).

Cálculo de Quadro de Pessoal (QP) para Unidades Especializadas: • Onde: • Km = utiliza valores pré-calculados: .

Cálculo de Quadro de Pessoal (QP) para Unidades Especializadas: • TSF = total de sítios funcionais • Constante Marinho – Km Onde: PT = Período de trabalho IST = índice de segurança técnica JST = jornada semanal de trabalho .

.

Exemplo de cálculo conforme o quadro .

.

. Referencial mínimo para o quadro de profissionais de Enfermagem: • considera a SCP • as horas de assistência de Enfermagem • os turnos e a proporção funcionário/leito.

• Esse quantitativo deve ser acrescido de 15% do total do índice de segurança técnica (IST) • Deve-se observar a cláusula contratual da carga horária .

educação continuada e comissões permanentes. deverá ser dimensionado de acordo com a estrutura da organização/empresa. . O quantitativo de Enfermeiros para o exercício de atividades gerenciais.

Objetivo 2 Relacionar a SAE e a POP segundo o redimensionamento de pessoal. .

assim. em formato de manuais. . Procedimento operacional Padrão – POP. Elucidando dúvidas e nortear a execução das ações e devem ser atualizados e seguidos por toda a equipe. o POP tem finalidade educativa.dos Registros de Enfermagem • Conceito: O POP apresenta cada passo crítico e sequencial que deverá ser dado pelo operante para garantir o resultado aguardado da tarefa. • A padronização das rotinas. além de relacionar-se a técnica. propicia maior segurança na prática dos procedimentos dentro dos princípios técnicos e científicos e colabora para minimizar distorções adquiridas na prática.

Procedimento operacional Padrão – POP. ao elaborar os POP’s junto à sua equipe. implementar e controlar as ações assistenciais de enfermagem permeado pela visão de integralidade do paciente.dos Registros de Enfermagem • É competência do enfermeiro. .

dos Registros de Enfermagem Executante: • Compete ao enfermeiro privativamente executar as etapas do exame físico . Procedimento operacional Padrão – POP. . diagnóstico e prescrição de enfermagem na SAE.(Anamnese. Exame físico. diagnóstico e prescrição de enfermagem) • Compete ao profissional de enfermagem executar e registrar os procedimentos. evolução de enfermagem.

.

SAE .

. Objetivo 3 Comparar os vínculos empregatícios.

necessariamente. prestações laborais autônomas. 3º. CONTRATO EMPREGATÍCIO E CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS • Pactuado sem pessoalidade. o contrato de locação de serviços distanciar-se-á bastante do pacto empregatício por acrescentar um segundo elemento essencial de diferenciação em contraponto ao tipo legal do art. ao passo que o contrato empregatício abrange. caput.a pessoalidade. prestações laborais subordinadas . CLT . necessariamente. • A locação de serviços abrange.

. Objetivo 4 Elaborar uma proposta de resolução do problema.

Editora guanabara. 293/2004 Felix. Manual de Normas e Procedimentos de Enfermagem para a unidade de saúde DR. Mauricio Godinho Delgado. 3ª Reg. Trab. .:2013.2000. Trib.F. M. Reg. Resolução Cofen Nº. P. Abril/2010.M. CONTRATO DE TRABALHO E AFINS: COMPARAÇÕES E DISTINÇÕES. Jan. A. Dimensionamento de Pessoal. Inhapim. SAE: Sistematização da Assistência de Enfermagem. Gonçalves. Plenário 2008 – 2011. ufjf.Referências: COFEN-SP. . UNIVERSIDADE FEDERALDE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Bernadete Marinho Bara De Martin Gama.C. Minas Gerais. 31 (61): 75-92.Belo Horizonte. Rev.. Universidade Federal de Minas Gerais: 2013 Tannure.Mário Gomes./Jun.P. Dimensionamento de Pessoal em Enfermagem.