PROTOZOÁRIOS

Centro Universitário Estácio do Ceará – Estácio/FIC
Disciplina de Parasitologia Básica em Enfermagem
Profa. Rosiane Teles

O QUE SÃO PROTOZOÁRIOS?

• São seres unicelulares, eucariontes;
• Reino Protista
• São classificados de acordo com o seu aparelho locomotor:

LEMBRETE: TIPOS DE REPRODUÇÃO
• Assexuada: • Sexuada:
• Conjugação
• Divisão binária
• Transformação
• Brotamento
• Transdução
• Regeneração
• Singamia =
fecundação.

CLASSIFICAÇÃO
Sarcodina ou Rizophoda
• Locomovem-se por pseudópodos.
• Nutrição por fagocitose e digestão intracelular
• Vida livre (aquáticos) ou parasitas
• Reprodução assexuada por divisão binária
• Reprodução sexuada por conjugação.
• Nome genérico – Amebas
• Amoeba proteus (vida livre) e Entamoeba
histolytica (parasita)

.

Leishmania sp Trypanosoma cruzi • Mutualísticos ou parasitas. • Reprodução sexuada por singamia (fusão de gametas). Giardia lambia Trichomonas vaginalis Giardíase Tricmoníase .CLASSIFICAÇÃO Mastigophora ou Flagelados • Locomoção por flagelos. • Reprodução assexuada por divisão binária. Leishmaniose tegumentar ou visceral Doença de Chagas • Digestão intracelular.

Paramecium . mutualístico ou parasitas. • Reprodução assexuada por divisão binária e sexuada por conjugação. • Vida livre.CLASSIFICAÇÃO Ciliophora ou Ciliados • Locomoção por cílios.

Plasmodium spp. • Parasitas.CLASSIFICAÇÃO Esporozoários ou apicomplexos • Sem estruturas de locomoção. • Ciclo vital complexo. . • Reprodução por metagênese: fase assexuada por divisão múltipla (esporogonia) e fase sexuada por singamia.

gengivalis(boca) S Iodamoeba butschilii Gênero Endolimax Endolimax nana . unicelulares E. díspar E. histolytica E. E. hartmanni A Gênero Iodamoeba E. coli B que se deslocam por meio de pseudópodes. Subphilum Sarcodina Ordem Amoebida A Família Entamoebidae M Gêneros Entamoeba São organismos E eucariotas.

TROFOZOÍTO • Cistos = RESISTENTES = dispersão no meio ou a passagem de um hospedeiro a outros.AS AMEBAS • Há espécies parasitas e outras de vida livre. CISTO . parasitos oportunistas = podem infectar eventualmente o homem. • Trofozoito = Reproduzem-se por divisão simples.

AMEBAS HUMANAS • Mais importante: Entamoeba histolytica • Não patogênicas: Entamoeba coli Entamoeba hartmanni Endolimax nana Iodamoeba bütschlii Entamoeba gingivalis (encontrada só na boca e com o mesmo aspecto morfológico que E. capaz de infectar a espécie humana) . histolytica). Entamoeba polecki (do porco.

ENTAMOEBAS . histolytica ou E. coli: Cariossomo excêntrico e. fragmentado.NÚCLEO • cromatina disposta em pequenos grânulos colados à face interna da membrana • cariossomo ou endossomo –que é central ou excêntrico. em geral. hartmanni Núcleo central. (A) E. díspar (B) E. . A diferença está no tamanho do núcleo e na disposição da cromatina periférica (C) E.

ENTAMOEBAS .NÚCLEO (D) Endolimax nana – cromatina em bloco único e irregular (E) Iodamoeba bütschlii .pequeno flagelado ameboide que perdeu seu flagelo e emite pseudópodes.cariossomo central grande e separado da membrana por grânulos acromáticos. (G) Dientamoeba fragilis . como as amebas. .

E. histolytica. Histolytica .Sete produzem doenças no homem. hartmanni • Todas encontradas nas fezes. • FORMA MINUTA = luz intestinal • FORMA MAGNA = lesões patológicas . gengivallis • E.18 variedades . Dispar e E. menos a E.ENTAMOEBAS • Complexo de amebas morfologicamente idênticas: E.

AMEBAS INTESTINAIS CICLO DE VIDA: TROFOZOÍTA E CISTO HOSPEDEIRO Trofozoíta Alimentos e água Fezes MEIO MONOXÊNICOS Cisto encontrado nas fezes. nas mãos de pessoas de pouca higiene e nos alimentos contaminados por mãos sujas. . em águas Forma de resistência com poluição fecal.

TRANSMISSÃO • A contaminação se dá através da ingestão de cistos juntamente com a água ou alimentos contaminados • Contato direto através das mãos ou objetos contaminados • Relação sexual anal/oral • Portadores assintomáticos .

CICLO BIOLÓGICO Ruptura do equilíbrio intestinal (baixa de imunidade local. . alimentando-se de células da mucosa e de hemácias.) os trofozoítos tornam-se patogênicos invadem a parede intestinal. etc. lesões de mucosa. alteração da flora intestinal.

.

.

.

.

.

.

cérebro etc. • Invadem a circulação. pulmões. • Formas clínicas: • Forma assintomática (mais comum) – amebíase não-invasiva • Amebíase invasiva: úlceras na mucosa dos cólons. podem chegar ao fígado. QUADRO CLÍNICO • Período de incubação: Muito variável: de 7 dias até 4 meses. abscessos amebianos necróticos. .

presença da microbiota intestinal ou de seus produtos.) . • Suscetibilidade ao parasito. Exacerbada em pacientes • Fatores relacionados com a imunodeprimidos. AMEBÍASE INTESTINAL • A implantação de Entamoeba histolytica no intestino Patogenicidade .10% das pessoas humano depende Da: infectadas.

Lesões na mucosa intestinal 1-4 dias após a infecção .

pulmão.FORMA SINTOMÁTICA • Forma intestinal (não invasiva): • Dores abdominais (cólicas). fezes moles • Forma intestinal invasiva: • Fase aguda: Disenteria amebiana ou colite amebiana aguda • Fase crônica: Colite amebiana crônica • Forma extra-intestinal • Abscessos hepáticos (+ comum) – dor. febre e hepatomegalia- peritonites (raras). pele . • Diarréia. cérebro.

. mucosanguinolentas ou só com muco e sangue. • após 4 ou 5 dias . emagrecimento e nervosismo. • Evacuações freqüentes de fezes líquidas.atenuação dos sintomas e passagem para a fase crônica ou subaguda astenia. COLITE AMEBIANA AGUDA • Quadro Clínico: • Dor abdominal • Febre.

talvez) de tipo diarréico ou não (alternância constipação/diarreia) • Flatulência • Desconforto abdominal ou ligeira dor. COLITE AMEBIANA CRÔNICA • Forma clínica predominante. • Fadiga. durante alguns dias. perda de peso • Períodos sintomáticos/assintomáticos alternados • Quadro pode confundir-se com outros processos patológicos gastrintestinais . • Quadro Clínico: • Evacuações freqüentes (5-6 vezes ao dia.

. muitas • Amebomas .tecido com perfuração de parede intestinal. • Apendicite • Muitas úlceras intestinais. com fortes cólicas e tenesmo. • Peritonite • Íleo paralítico • Evacuações mucosanguinolentas. • Afeta mulheres durante a gravidez e o • Perfuração do intestino com puerpério ou pessoas com peritonite e as hemorragias imunodepressão de qualquer natureza. confundidos com • Dor abdominal intensa tumores. • Sem medicação intensiva o desfecho é fatal. granulomatoso firme – • Febre obstrução.COMPLICAÇÕES DA AMEBÍASE • Colite amebiana fulminante • Outras complicações • Forma grave da doença.

. . indicando que houve efetiva invasão dos tecidos pelas formas patogênicas do parasito. .Resposta favorável à terapêutica antiamebiana.Um quadro clínico compatível com essa parasitose. quando outros tratamentos não específicos falharam.Demonstração da presença da Entamoeba histolytica no organismo ou em seus excreta – parasitológico. esquistossomose) • Deve basear-se em: . semelhante a outras doenças intestinais(salmoneloses. DIAGNÓSTICO • Clínico – difícil.Um teste sorológico positivo. .

• Parasitológico de fezes .trofozoítas em fezes líquidas • Coleta e conservação importantes: • Não coletar após contato com solo – contaminação • Conservação em: SAF.Mais utilizados • Pesquisa de cistos em fezes sólidas (diferenciar amebas não patogênicas). Formol 10% . DIAGNÓSTICO • Definitivo: encontro de parasitos nas fezes. álcool polivinílico.

TC. espécies) Punção hepática – encontro • Retossigmoidoscopia do parasita é difícil • Visualização de ulcerações • Agente etiológico na lesão . • Diagnóstico Molecular: PCR (distingue USG. Cintilografia. DIAGNÓSTICO • Cultura de fezes • Diagnóstico imunológico: Sorologia – detecção Amebíase hepática – de anticorpos no soro Raio X.

Secnidazol e Tinidazol – 1g. TRATAMENTO • Amebicidas que atuam na luz e nos tecidos . dose única .Metronidazol (Flagyl) – 500 a 800 mg 3x dia/7dias .

• Uso de amebicidas: 02 tipos Amebicidas não absorvíveis . dieta branda. eliminadores de cistos. • Tomar líquidos em abundância.capazes de destruir as formas invasivas do parasito em qualquer tecido onde se encontrem. Nitroimidazóis: Metronidazol. Indicados para tratar assintomáticos. TRATAMENTO • Formas graves . . Dicloracetamidas . rica em proteínas e vitaminas. Devem se associados aos amebicidas do 2o grupo. pobre em carboidratos e fibras. Amebicidas teciduais .repouso no leito. Tinidazol. Furamida ou o furoato de diloxamida e Clefamida. Ornidazol e Nimorazol (ou nitrimidazina).atuam apenas na luz intestinal – agem sobre os trofozoítas por contato.Teclosan.

.

. principalmente. medidas educativas. • Notificação de surtos • A ocorrência de surtos (2 ou mais casos)requer a notificação imediata às autoridades de vigilância epidemiológica municipal. para que se desencadeie a investigação das fontes comuns e o controle da transmissão através de medidas preventivas. É necessário a exclusão de manipuladores de alimentos infectados com E. histolytica bem como de funcionários infectados que trabalham em serviços de saúde.é necessário o isolamento no casos de pacientes hospitalizados. adotando-se as precauções em relação à manipulação de fezes. PREVENÇÃO • Cuidados com o paciente • Isolamento . roupas contaminadas e lençóis. regional ou central.

AMEBAS OPORTUNISTAS .

também dita meningoencefalite amebiana granulomatosa. hipertensão intracraniana e evolução fatal. meningite. contaminação da mucosa nasal com águas onde vivem as amebas. com alterações mentais. supondo-se que aí primária . é doença crônica rara. . • A acantamebíase.adquirida por colonizem.AMEBAS DE VIDA LIVRE • Famílias Acanthamoebidae • Família Schizopyrenidae • Presente em fossas nasais de • Naegleria fowleri pessoas sem sintomas ou com história decoriza e cefaléias • Meningoencefalite amebiana freqüentes.

patogenicidade relacionada a imunodepressão.AMEBAS DE VIDA LIVRE • Na acantamebiase .Abstinência de natação em locais passiveis de contaminação .Infecção de origem endógena. • Encontrada em piscinas • Naegleria fowleri são encontradas mais raramente que outras espécies • Habitam águas termais ou efluentes aquecidos das indústrias Faixa etária.7 a 20 anos Profilaxia .

pouco visíveis • Corpos cromatóides pequenos e ovais . AMEBAS COMENSAIS Endolimax nana • Menor ameba que vive no homem • Trofozoíto – 10-12 µm • Cisto – 8 µm • Cisto • Oval-4 núcleos pequenos.

• Infecta o intestino grosso.Maior protozoário parasita do homem. sobretudo o cecum e o sigmoide.Balantidium coli e Balantidíase • Protozoário ciliado (da ordem Trichostomatida) . • Os cistos abundantes nas fezes. • Localizações extra-intestinais são raras. • Tto: Oxitetraciclina. ou nimorazol ou metronidazol . como na amebíase. • Pode ser causa de diarréias ou de disenteria. asseguram a transmissão da infecção. durante 10 dias. sem causar danos ou invadir a mucosa produzindo quadros patológicos agudos ou crônicos. • pode permanecer como um simples habitante da luz intestinal.

FIM .