DIRETORIA DE ATIVIDADES

TECNICAS

NOÇOES DA INVESTIGAÇAO DO
INCENDIO RELACIONADO A
ELETRICIDADE

MAJ BMSC EDSON LUÍS BILUK

ENGENHARIA ELÉTRICA EM
PERÍCIA TÉCNICA
• O uso da energia elétrica fora dos padrões
estabelecidos cria situações de risco para a
vida e o patrimônio;
• Há uma relação entre o uso e o manuseio da
eletricidade e a ocorrência de sinistro;
• Esta relação deve ser bem conhecida por
aqueles que atuam na investigação;

.

continuação: • O conhecimento de tais mecanismos a nível pericial fornecerá uma visão critica diferenciada. . reforçando os aspectos de segurança.

.

continuação: • A NBR 5410 – Instalações elétricas em baixa tensão. fornece as orientações necessárias pra fins de segurança das instalações e seus usuários. possui caráter orientativo. . não tem força de Lei. ou seja. • Entretanto.

.

• Princípios de incêndios em instalações elétricas.SINISTROS VINCULADOS AO USO DA ELETRICIDADE • Explosões de volume em atmosferas saturadas. • Esforços mecânicos destrutivos provocados por forças originarias de interação de campos eletromagnéticos. • Princípios de incêndios em equipamentos. • Detonação de explosivos. . • Descargas elétricas indesejáveis. • Aquecimento anormal de estruturas e/ou equipamentos.

• Degradação do cobre condutor. • Fuga de corrente. CAUSAS PRIMÁRIAS • Sobrecarga elétrica. • Curto circuito. . • Conversão de meios dielétricos em meios condutores. • Descargas elétricas. • Contatos imperfeitos entre superfícies condutoras.

TEORIAS .

. É formado por um conjunto de moléculas. • MOLÉCULA: É a menor parte de uma matéria. • ÁTOMO: É a menor partícula da molécula. prótons e nêutrons. CORRENTE ELÉTRICA • MATERIA: é tudo o que ocupa lugar no espaço e possui massa. constituído por elétrons.

• “cargas de sinais opostos de atraem (+ / -)” . Existem dois tipos de cargas (positivas para o próton e negativas para o elétron). • Esta interação ocorre da seguinte maneira: • “cargas de mesmo sinal se repelem ( .)”. continuação: • CARGA ELÉTRICA: é uma propriedade existente entre prótons e elétrons que possibilita a ocorrência de interação entre eles./ .

continuação:
• Os átomos de determinados corpos possuem
a propriedade de perderem seu elétron da
ultima camada, saltando de um átomo a
outro. Esse é chamado de elétrons livres;
• Os elétrons livres possuem 02 tipos de
movimentos: ordenado e desordenado;

continuação:
• Para os elétrons livres que possuem
movimento ordenado dentro de um
condutor é denominado corrente elétrica.
• Para se obter uma corrente elétrica é
necessário que se tenha quatro elementos:

04 ELEMENTOS
• Gerador;
• Condutor
• Carga
• interruptor.

continuação: • GERADOR: elemento que organiza o movimento dos elétrons livres criando assim uma corrente elétrica. . • CONDUTOR: elemento que assegura a transmissão da corrente elétrica ao ponto desejado.

continuação: • CARGA: elemento responsável pela utilização da corrente elétrica na transformação da energia elétrica em outra forma de energia. • INTERRUPTOR: elemento responsável pela abertura e fechamento do circuito. .

• QUÍMICO. EFEITOS DA CORRENTE ELÉTRICA • TÉRMICO. • MAGNÉTICO. . • LUMINOSO.

. • Há colisões entre cargas elétricas que liberam calor – Efeito Joule. EFEITO TÉRMICO • “ Se existe corrente elétrica existe calor” . • Ex: Aquecedores elétricos.

.

. • Ex: relés. surge ao redor. um campo magnético. EFEITO MAGNÉTICO • “ Sempre que um elemento é percorrido por uma corrente elétrica. medidores de energia. transformadores.

.

• Ex: Processo de galvanização. EFEITO QUÍMICO • “ Ocorre quando a corrente elétrica atravessa soluções eletrolíticas. pilhas. baterias. . provocando reações químicas”.

. • Ex: lâmpadas em geral. EFEITO LUMINOSO • “ Consiste no fato de que gases ionizados emitam luz quando atravessados por corrente elétrica”.

. • Símbolo: I • Unidade medida: Ampére (A). • Instrumento de medida: Amperímetro. INTENSIDADE DA CORRENTE ELÉTRICA • É o número de elétrons que atravessam um condutor durante um segundo.

). • Os elétrons (-) deslocam-se. do borne negativo para o positivo (sentido real). sendo adotado o sentido convencional ( + para o . . SENTIDO DA CORRENTE ELÉTRICA • Depende da polaridade da diferença de potencial (d.p. no exterior do gerador.).d.

• ISOLANTE: materiais que tem elétrons fortemente ligados ao núcleo de seu átomo. . grafite. dificultando a condução de eletricidade: vidro. cera. cobre. seda. alumínio. carbono. CONDUTOR E ISOLANTE • CONDUTOR: são materiais capazes de conduzir eletricidade (elétrons se libertam facilmente das últimas camadas dos átomos ). borracha. como metais.

• Este tipo de circuito possui um polo negativo e outro positivo (é polarizado).). dínamos. que retificam a corrente alternada para produzir corrente contínua. . a intensidade cresce no início até um ponto máximo e aí se mantém contínua sem alterar. também chamada de corrente galvânica é o fluxo constante e ordenado de elétrons sempre em uma direção. • Mais corretamente.2V e 24V) e os circuitos digitais de equipamento de informática (computadores.2V e 1. etc. • Esse tipo de corrente é gerado por baterias de automóveis ou de motos (6. Corrente contínua • Corrente contínua (CC ou. pilhas (1. pequenas baterias (geralmente 9V). diminui até zero e se extingue. DC . células solares e fontes de alimentação de várias tecnologias. Quando desligada.direct current). em inglês. modens. cuja intensidade é mantida.5V). • Normalmente é utilizada para alimentar aparelhos eletrônicos (entre 1. 12 ou 24V).

ou CA (em inglês AC . Corrente alternada • A corrente alternada. ao contrário da corrente contínua cuja direção permanece constante e que possui pólos positivo e negativo definidos.alternating current) é uma corrente elétrica cuja magnitude e direção da corrente varia ciclicamente. em certas aplicações. • Entretanto. diferentes formas de ondas são utilizadas tais como triangular ou ondas quadradas. . • A forma de onda usual em um circuito de potência CA é senoidal por ser a forma de transmissão de energia mais eficiente.

.

s .• A Corrente Alternada foi adotada para transmissão de energia elétrica a longas distâncias devido à facilidade relativa que esta apresenta para ter o valor de sua tensão alterada por intermédio de transformadores.

. TENSÃO ELÉTRICA • É a força exercida pelo gerador sobre os elétrons livres. • Símbolo: V • Unidade de medida: Volt (V) • Instrumento de medição: Voltímetro.

. RESISTÊNCIA ELÉTRICA • È a oposição oferecida a passagem da corrente elétrica. • Símbolo: R • Unidade de medida: Ohm ( Ω ). • Instrumento de medida: Ohmímetro.

menor será a corrente ou quanto menor a resistência. . maior será a corrente ou quanto menor a tensão menor será a corrente. maior a corrente. LEI DE OHM • Primeira experiência: • Quanto maior a tensão. • Segunda experiência: • Quanto maior a resistência.

. Conceito Lei Ohm • “A intensidade da corrente é diretamente proporcional a tensão e inversamente proporcional a resistência”. tensão e resistência). • A Lei de Ohm está relacionado a três grandezas elétricas: (corrente.

RELAÇÕES BÁSICAS: • A corrente num circuito aumenta quando a tensão aumenta. • A corrente num circuito diminui quando a tensão diminui. conservando-se a resistência constante. conservando-se a tensão constante. conservando-se a resistência constante. • A corrente num circuito aumenta quando a resistência diminui. . conservando-se a tensão constante. • A corrente num circuito diminui quando a resistência aumenta.

V = R x I......R = V/I........I = V/R......... ( Ω ) Intensidade (I) = .............(A) ....(V) Resistência(R)= ............ LEI DE OHM • FÓRMULAS: Tensão (V) = ..

Calcule a resistência desta carga? • A resistência elétrica de um ferro de passar roupa é de 24 Ohms. Qual a tensão elétrica de alimentação desta resistência? . quando alimentada por uma tensão de 220 volts. Exercício: • Uma carga absorve da fonte uma corrente elétrica de 4 amperes. Qual o valor da corrente elétrica que este absorve da fonte cuja tensão elétrica é de 120 Volts? • Através de uma resistência de 200 Ohms circula uma corrente elétrica de 2 Amperes.

• Símbolo: P • Unidade de medida: Watt (W) • Instrumento de medida: Wattímetro. . POTÊNCIA ELÉTRICA • É o trabalho realizado pela corrente elétrica em um determinado tempo.

.I • V = P/I • I = P/V • OUTRAS UNIDADES DE MEDIDA: • HP = Horse Power que corresponde a 746 Watts. continuação: • P = V. • BTU = W = 0. • CV = Cavalo Vapor que corresponde a 736 Watts.14 btu.

Calcule a corrente elétrica que passa por este chuveiro? • Calcule a corrente elétrica de 24000 BTU alimentado por uma tensão de 220Volts. . • Calcule a tensão do sistema de um motor monofásico que possui uma corrente de 34 Amperes com 10 HP. Exercícios • Um chuveiro de 6400 Watts esta sendo alimentado por uma tensão de 220 Volts.

• Quanto maior a tensão. . partes metálicas e outras. • Toda carga elétrica em movimento gera um campo magnético. FILOSOFIA • Se existe corrente elétrica existe calor. • Os elétrons saem do – para o +. maior será o afastamento de outras linhas.

• Campo magnético exerce força mecânica = gera esforço mecânico. • Só existe corrente elétrica em circuitos fechados. . a carga passa para o campo magnético. gerando uma centelha. continuação: • Quando interrompe um circuito.

• Temperatura de fusão do aço = 1. • Resistência de contato: temperaturas acima de 1. • Forma “pérola”. • Temperatura de fusão do alumínio e vidro = 560ºC – 600º C.100ºC. . continuação: • Temperatura de fusão do cobre (cabo) = 1.600º C.100º C onde o fio de cobre fica mais duro.

. dificilmente será visto fio de cobre derretido. • Chuveiro e aquecedor geram calor devido a resistência elétrica onde ocorre uma ignição do material devido o aumento da temperatura. • A eletricidade estática é difícil de ocorrer (geralmente com gases). continuação: • Numa perícia de incêndio.

continuação:
• Toda corrente que entra é a mesma que sai;
• Os sistemas elétricos apresentam perdas de energia
inerentes ao processo; essas perdas manifestam na
forma de energia térmica;
• Independente da energia ou da potencia ser
elevada ou não, a pequena ou grande energia
térmica pode provocar grandes elevações de
temperatura em uma microrregião;

continuação:
• Toda emenda tem resistência;
• As perdas de energia pode ser através de calor,
som. Etc;
• Deflagração é a elevação da temperatura acima do
ponto de auto-ignição de material;
• Transmissão de calor ocorre de forma instantânea
e de forma lenta;
• O fator tempo é o X da questão para ocorrer a
deflagração (meses, anos);
• 90% das instalações elétricas apresentam
problemas = megasena = alguém será o premiado;

continuação:
• Elevados gradientes de temperatura podem
ser gerados por baixos níveis energéticos
(bombril e a pilha);

ELETRICIDADE E INCÊNDIO

ENERGIA ELÉTRICA X INCÊNDIO .

normalmente as cargas elétricas darão origem aos incêndios” . PRINCÍPIO FUNDAMENTAL • “ Consiste em pesquisar as possíveis causas no sentido da carga(equipamentos) para a fonte de energia elétrica. pois.

” . maior a probabilidade de chegar ao evento inicial do sinistro. continuação • “ Quanto mais próxima a carga estiver do foco inicial.

.

.

e que possuem componentes elétricos e eletrônicos. comercial e industrial. . alimentados por energia elétrica. EQUIPAMENTOS ELETROELETRONICOS • São aqueles aparelhos de uso domestico.

.

. Continuação. . o equipamento pode estar energizado devido as falhas no isolamento da chave geral. • Mesmo estando desligado. • Há casos em que não pode ser observado. devido a configuração do circuito ou por algum mecanismo de tempo. o primeiro item a ser verificado é a posição LIGADO/DESLIGADO.. • Todo equipamento eletroeletrônico sob suspeita.

.

continuação • Deve-se ser levado ao laboratório é desmontado para realização de testes de continuidade elétrica e verificação do seu estado do seus contatos. pode-se então provar que o equipamento encontrava energizado durante o incêndio. . • Se um curto circuito for detectado no interior do equipamento.

.

Continuação. localizado no interior do equipamento. . estiver fundido em sua parte central. também prova-se o estado de energizaçao do equipamento.. • Se o fusível de proteção.

soquetes. terminais. os quais são utilizados para prover continuidade elétrica em determinado circuito . CONEXOES ELETRICAS • São todas as ligações realizadas entre as partes distintas componentes de uma instalação como plugs. conectores. réguas de borne ou amarração de cabos.

.

.

os terminais elétricos não se contaminam com fuligem. . continuação • Quando ocorre um incêndio e o plug estava conectado a sua tomada.

Continuação...
• Se o fogo originou fortemente, com o plug
inserido na tomada, as laminas da tomada
devem apresentar uma folga equivalente a
espessura do terminal do plug devido a
perda de restituição mecânica por parte das
laminas da tomada ou soquete

.

.

as peças danos as peças foram foram destruídas juntas. . contato. superfície exposta. • Com brilho nas partes de • Sem brilho. separados. • Não há encaixe pois os • Encaixe perfeito. RESUMO • PLUG E TOMADA • PLUG E TOMADAS CONECTADO: DESCONECTADOS: • Sem fuligem nas partes • Com fuligem em toda internas que se tocaram.

.

CHAVE SECCIONADORA .

. disjuntores • São dispositivos de segurança das instalações elétricas projetados para proteção de equipamentos é fiações através do desligamento automático pelo efeito térmico ou magnético da sobrecorrente elétrica no circuito protegido.

.

• Normalmente. o disjuntor estará fechado se seu acionador estiver voltado para cima. visto na posição vertical. continuação • Os mais comuns são os eletromagnéticos é os termomagnéticos. .

. o acionador estará numa posição intermediaria. deve verificar na perícia se foi desligado manualmente ou por proteção pela ocorrência do incêndio. o acionador estará voltado para baixo. • Por proteção. • Manualmente. continuação • Como este pode ser desligado manualmente.

.

• A elevação gradual da corrente elétrica ate um valor imediatamente acima da corrente nominal provoca a fundição do elemento condutor na parte central do fusível. FUSIVEIS • São os mais confiáveis é simples na proteção das instalações elétricas é equipamentos. .

.

de aquecedores de ambiente para sauna é residências. • São mais aparentes devido este equipamento ser uma fonte de calor. . • É o mais suspeito. AQUECEDORES ELETRICOS • Os aquecedores podem ser apresentados na forma de boiler. O controle da temperatura é feito por meio de termostatos.

.

CURTO CIRCUITO .

. que apresenta diferença de potencial elétrico entram em contato direto. ocorre a formação de uma elevada corrente elétrica na fiação gerando centelhas é que tendem a fundir os pontos que se tocaram. CURTO CIRCUITO • Quando partes da fiação elétrica.

provocam grande dissipação térmica. Continuação. . provocando a deterioração do isolamento da fiação. é se este não confeccionado em polímeros anti- chama. • Curtos não interrompidos. pode entrar em combustão.

Tipo • rígidos (constam de um único condutor) • cabos simples ( formados por um agrupamento de diversos fios) .

• Fenólicos • Epoxis . COMPORTAMENTO DOS DIVERSOS REVESTIMENTOS ISOLANTES • CARACTERÍSTICA DOS REVESTIMENTOS ISOLANTES – termoplásticos (cloreto de polivinila e polietileno) • Acrílico • Vinil • Polietileno – termofixos (borracha etileno-propileno e polietileno reticulado).

CARACTERÍSTICAS HOMOGENEIDADE DA ISOLAÇÃO BOA RESISTÊNCIA AO SENSIBILIDADE ENVELHECIMENTO REDUZIDA À UMIDADE BOM COMPORTAMENTO AO FOGO .

.

CURTO CIRCUITO • Podem ser indiretos pela ligação de partes desencapadas de condutores em regiões condutoras como vigas metálicas gerando curto circuito indiretos. .

.

.

. • O traço não garante a origem do incêndio. • Diretos: pela ligação de dois fios condutores. . Continuação. forma-se um traço de fusão que pode ser classificado como primário ou secundário. • Neste caso.

• Retirada de plugs pelo cordão. crepe) . • Aceleração do processo de degradação do material isolante. • Pressão de moveis sobre ligações elétrica. • Isso incorreto de isolantes (fita durex. CAUSAS • Dobramento da cobertura de isolação devido instalação inadequada do condutor.

TRAÇO DE FUSÃO .

.

• A corrente elétrica em um circuito é função da diferença de potencial aplicada e da impedância elétrica do mesmo. . CORRENTE DE CURTO CIRCUITO • A corrente elétrica não atinge valores ilimitados pela lei de Ohm.

000A em média. • Para uma instalação residencial os valores de curto circuito não ultrapassam a 1. maior será o valor da corrente de curto circuito. . pois a resistência da fiação elétrica é menor. continuação • Quanto maior a seção do condutor ou quanto mais próximo da fonte.

a um incêndio . continuação • Embora uma centelha provocada por um curto-circuito possua potencia elétrica elevada. dificilmente um curto-circuito dará origem. • PORTANTO. diretamente . dificilmente irá elevar a temperatura até o ponto de ignição dos materiais adjacentes.

• Isolamentos degenerados pela ação do calor. . estando já aquecidos pela corrente elétrica ou carbonizados. estão também sujeitos a formarem um foco de incêndio. continuação • Bolas de poeira ou materiais em suspensão dão origem ao incêndio devido a sua baixa capacidade térmica.

continuação • No caso de centelhamento por curto-circuito onde não há material gasoso ou poeira. . a chama desenvolve-se lentamente e origina- se a partir de materiais localizados no foco do incêndio.

• Caracteriza-se pela deformação no material condutor. geralmente indicando um pequeno ponto onde o material condutor fundiu e remodelou em um período muito pequeno pela ação do curto circuito. TRAÇO DE FUSÃO • São pontos diminutos detectados ao longo da fiação elétrica onde se deu um curto circuito. .

.

.

.

.000 º C no momento do curto. é chamado de traço de fusão primário. • É produzido quando a temperatura não é tão elevada antes do momento da ocorrência do curto circuito. mais localmente atinge valores na ordem de 2. TRAÇO PRIMÁRIO • O traço de fusão produzido antes do incêndio iniciar-se e que originou-o.000 a 3.

esférica é concentrada. continuação • A superfície do material condutor em contato funde-se dando origem a uma superfície polida. • Na maioria das situações os materiais combustíveis não estão carbonizados e detritos ou restos de materiais não são encontrados neste traço de fusão .

.

.

.

TRAÇO DE FUSÃO SECUDÁRIO • È produzido pela combustão do material isolante sobre o condutor energizado que veio a originar um curto circuito. maior rugosidade na superfície e apresenta uma forma mais irregular. . • Possui menor grau de polidez. • Pode ser encontrado resto de material.

SOBRECARGA .

. • O valor que ultrapassar é chamado de corrente elétrica de sobrecarga na fiação elétrica. SOBRECARGA • Toda fiação elétrica possui uma faixa de trabalho que opera seguramente sem que ocorra a degradação da isolação. • A corrente máxima que um condutor pode suportar em regime normal de trabalho é chamada de máxima corrente admissível.

é chamado de temperatura de curto-circuito. • Ampacidade. . continuação • Se a corrente elétrica atingir valores ainda maiores é vier a comprometer o isolamento do condutor. termo utilizado para representar a capacidade do condutor de suportar a corrente elétrica máxima em regime de operação contínua.

. continuação • Uma das causas de sobrecargas é o aumento do número de equipamentos elétricos ligados a um determinado circuito de forma que a máxima corrente admissível seja ultrapassada. • Assim que a corrente elétrica ultrapassa o valor máximo da corrente admissível. a temperatura começa a subir. ocorrendo a degradação do isolamento.

.

.

a degradação pode provocar um curto- circuito. o qual poderá resultar em um incêndio. continuação • Se ainda permanecer por um longo período. .

.

.

DESCONEXÃO PARCIAL .

que consiste em um processo gradual é degradação do condutor. utilizadas largamente. provocando interrupções freqüentes no fornecimento de energia a uma determinada carga. normalmente. DESCONEÇÃO PARCIAL • Ocorre em fiações flexíveis. que. . do isolamento ou de ambos. termina com o seccionamento completo do condutor.

• O isolamento do condutor é composto por um polímero. . normalmente PVC que não é projetado para sofrer determinadas solicitações. continuação • Pode ocorrer por esforços mecânicos no condutor.

CONTATO IMPERFEITO .

CONTATO IMPERFEITO • Pode ser originado por má conecção mecânica em partes ou contato imperfeito ocasionado pela formação do óxido cuproso. . • A resistência elétrica inerentes as conecções elétricas entre os materiais utilizados nós sistemas elétricos é chamada de resistência de contato.

emenda de fios. . ou seja a dissipação térmica ocorre um uma região concentrada. normalmente. continuação • Um plug. no entanto é pontual. a resistência é baixa. T. beijamim.

alimentando muitas cargas elétricas elevadas. continuação • O perigo das conexões mal feitas. elevando a temperatura a ponto de ocasionar a combustão de materiais adjacentes a região da conexão elétrica. . está na resistência de contato criada na conexão do plug com a tomada de força. criando um estado de grande aquecimento localizado.

.

.

.

.

.

GRAFITIZAÇÃO .

GRAFITIZAÇÃO • Em circuitos elétricos. . chaveamento é o processo em que um equipamento é ligado é desligado de forma ordenada para a execução de uma tarefa. que pode carbonizar substâncias em ambientes contendo materiais orgânicos. • O chaveamento gera centelhas elétricas.

aumentando muito a sua condutividade no meio. • Essas correntes circulando em meios grafitizados geram calor. • Este fenômeno é conhecido como grafitização. continuação • O desenvolvimento deste processo provoca a gratifização parcial nestas substâncias. . gerando corrente de fuga.

.

.

.

continuação • Se o processo de gratifização dá origem ao incêndio. grande luminosidade. terá forma de um incêndio sem chamas. . normalmente como uma queima intensa é pontual. cinzas é mais grafite. este grafite é queimado gerando calor. • Na madeira.

CORRENTE DE FUGA • Poste. • Chuveiro. . • Eletrodutos metálicos. • Pontos metálicas.

.

.

. continuação • Uma pré condição para que o incêndio seja causado por uma corrente de fuga é que qualquer parte da isolação do condutor fase esteja danificado é que partes metálicas da instalação tenham contato com o condutor.

ANÁLISE DA CORRENTE DE FUGA • È o ponto onde se dá a ligação da rede de energia é o circuito da corrente de fuga. . • È o ponto onde a corrente elétrica encontra o aterramento. • È o ponto de origem do incêndio por sobreaquecimento.

continuação • Na determinação do ponto de fuga. sugere- se que o procedimento adotado seja de pesquisa da fiação a partir da fonte eletromotriz para a carga. • O ponto de aterramento deve ser identificado. até atingir os equipamentos elétricos. desconectado é medida a resistência de aterramento. .