You are on page 1of 23

D P

OENÇA O
ULMONAR BSTRUTIVA C
RONICA

A DPOC é uma doença caracterizada por
desenvolvimento progressivo de limitação ao
fluxo aéreo que não é totalmente reversível. A
limitação do fluxo aéreo está associada à
inalação de gases e partículas nocivas. O
diagnóstico da DPOC se baseia em elementos
obtidos da história clínica, do exame físico e dos
exames complementares.

exposição à poeira por vários anos. poluição ambiental. (enfisema e bronquite crônica) estão relacionados principalmente ao tabagismo. seguido de exposição passiva ao fumo (pessoa que vive junto com o fumante). .Os principais fatores desencadeadores da DPOC . e até fatores genéticos nos casos que se comprova a deficiência de enzimas relacionadas à destruição do parênquima pulmonar (estruturas dos pulmões).

. De acordo com a Organização Mundial de Saúde. Somente 12% dos pacientes são diagnosticados e desses apenas 18% recebem tratamento. No Brasil. 210 milhões de pessoas no mundo tem DPOC e a estimativa é que a doença se torne a terceira principal causa de morte por volta de 2020 . a DPOC atinge cerca de 6 milhões de pessoas.

.  História Ocupacional.  Inalação de partículas tóxicas. O fumo contém irritantes que inflamam as vias respiratórias e causam alterações que podem levar à doença obstrutiva crônica. incluindo os pulmões. Anos de tabagismo.  Fatores genéticos deficiência de proteases. levando a danos em todas as vias respiratórias.  Cozinheiras de fogão à lenha.

 4) Favorece a inflamação das paredes brônquicas e alveolares.  6) Reduz a atividade macrofágica.  2) Aumenta o número de células caliciformes.  5)Condiciona o broncoespasmo. espessamento e ruptura das paredes alveolares.  9) Inibe a atividade enzimática antielastasee antioxidante.  8) Limita a produção de surfactante.  10) Provoca a fibrose. .  3) Provoca hipertrofia das células mucosas.  7) Contribui para as infecções respiratórias. 1) Diminui a motilidade ciliar.

Estas alterações prejudicam a troca de oxigénio e de anidrido carbónico entre os alvéolos e o sangue. . os valores do anidrido carbónico elevam-se enquanto os do oxigénio diminuem ainda mais. Todas as formas de doença pulmonar crônica obstrutiva fazem com que o ar fique retido nos pulmões. Nas fases mais avançadas. Nas primeiras fases da doença. mas os valores de anidrido carbónico permanecem normais. a concentração de oxigénio no sangue está diminuída.

.

.

 Diametro antero posterior do torax.  Cianose nas extremidades.  tosse produtiva matinal (pois há um acumulo das secreções/muco produzidos durante a noite na árvore traqueobrônquica).  A ausculta pulmonar alterada. Dispneia aos esforços que pode progredir para dispnéia de decúbito (ortopneia) e dispnéia paroxística noturna.  Chiado no peito.  Hemoptise.  Edema periférico.  Expectoração. .

devido a vesiculares e ausência de ruídos presença de quantidades maiores de muco). os murmúrios vesiculares também estão diminuídos. evidenciados nos exames gasometricos. mas há • na ausculta pulmonar há presença de ruídos adventícios diminuição dos murmúrios (roncos. ascite. edema de membros inferiores). • Os portadores de DPOC podem apresentar quadro crônico de hipoxemia e hipercapnia. • sem cor pulmonale e sem hipoxemia. jugular patológica. adventícios. . grave. • sinais de cor pulmonale (turgência • Sem tosse ou expectoração. progressiva e • Cianose. ENFISEMA PULMONAR BRONQUITE CRÔNICA SOPRADOR ROSADO PLETÓRICO CIANÓTICO • Dispneia precoce. sibilos e estertores . • na ausculta.

.

 Bronquiolites.  Bronquietasias. .  Insuficiência Cardíaca. Asma.

.

.

.

.

.

É necessário a intubação modo em que o organismo se do paciente. faça a adaptou. não então o organismo entra em acidose precisa de preocupar. já O rim ainda não liberou bicarbonato. pois é o metabólica.Paciente crônico Hipercapnia Aguda Retentores crônicos PaCO² = PaCO² = HCO³ = HCO³ = Ph = Ph = O paciente de DPOC crônico. . perfusão no organismo. possui o bicabornato alto. para que o O².

 Podem ser utilizados de várias formas: através de nebulizadores.  Pacientes de DPOC com hipercapnia e acidose respiratória podem se beneficiar de suporte ventilatório não-invasivo como CPAP e BiPAP. turbohaler ( um tipo de "bombinha" que se inala um pó seco ). nebulímetros (sprays ou "bombinhas"). A oxigenoterapia pode ser necessária em casos mais avançados. O início do tratamento do portador de DPOC é a interrupção do tabagismo. Podem ser usados antiinflamatórios. A reabilitação pulmonar (através de uma equipe multidisciplinar) melhora a ventilação. pelo risco aumentado da retenção.  Dieta com um aporte maior de gordura com a finalidade de diminuir a produção de CO2 e a hipercapnia. broncodilatadores e corticoides orais e inalatótios. xaropes ou cápsulas de inalar . rotadisks (uma "bombinha" com formato de disco que se inala um pó seco). comprimidos. Nesses casos o paciente pode permanecer com cateter de O2 conectado para evitar hipoxemia.  Os pacientes com retenção de CO2 ou acidose respiratória devem receber a nebulização em ar comprimido.

A medida de maior impacto no tratamento da DPOC é a abstinência ao tabagismo. . Um bom prognóstico da DPOC depende de um diagnóstico cedo e de um tratamento adequado. Outro fator que comprovadamente aumenta a sobrevida dos pacientes é a reabilitação multidisciplinar. A doença é parcialmente reversível.

uma entidade sem fins lucrativos que visa colaborar na promoção da qualidade de vida dos pacientes. além de dar orientação e apoio junto às autoridades governamentais para obtenção de tratamento gratuito que englobe desde medicamentos. oxigenioterapia domiciliar. atua oferecendo informações sobre o tratamento da DPOC e seus avanços. até a reabilitação pulmonar. No Brasil os pacientes que sofrem com a DPOC contam com a Associação Brasileira de Pacientes com DPOC. Fundada em 31 de Maio de 2000 por médicos e pacientes do Centro de Reabilitação Pulmonar (CRP) da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)/ Escola Paulista de Medicina (EPM) e Lar Escola São Francisco (LESF). .

devido a presença de M anter assistência ventilatória adequada. Nic: Monitorização ácido básica Coleta de gasometria arterial quando prescrita. Nic: Posicionamento adequado do • M anter decúbito elevadode 30°C. sibilos e estertores. reflexo de tosse.DE: Desobstrução Ineficaz das vias aéreas Justificativa: Dpoc caracterizado por roncos. Auxiliar com o espirometro quando relacionado a agitação. • Realizar mudanças de decúbito. tosse ineficaz. ou incapacidade de deglutir. paciente. dispneia. adequado. e Hb. Observar níveis de PaO². SaO2. cianose. . Precauções contra aspiração • Monitorar o nível de consciência. quantidades maiores de muco.