You are on page 1of 13

INDÚSTRIA CULTURAL

ADORNO E HORKHEIMER

Theodor Adorno (1903 - 1969) nasceu em Frankfurt, foi um dos expoentes da chamada escola de Frankfurt, que contribuiu com o renascimento intelectual da Alemanha após a segunda guerra mundial.

Max Horkheimer (1895-1973) nasceu em Stuttgart, na Alemanha. Se especializou em filosofia e sociologia nas cidades de Munique, Friburgo e Frankfurt, onde conheceu o também filósofo Theodor Adorno.

Os filósofos empregaram o termo, Indústria Cultural, pela primeira vez no capitulo: O iluminismo como mistificação das massas no ensaio Dialética do Esclarecimento, escrita em 1942, mas publicada somente em 1947.

Os filósofos definiram Indústria Cultural como um sistema politico e econômico que tem por finalidade produzir bens de cultura: filmes, livros, música popular, programas de TV entre outros, como mercadorias e como estratégia de controle social.

• Os filósofos definiram Indústria Cultural como um sistema politico e econômico que tem por finalidade

DIALÉTICA DO ESCLARECIMENTO

  • 1. A indústria: a produção de mercadorias culturais;

  • 2. O "hobbysta": é aquele que usufrui dos produtos da cultura de massa pensando que age espontaneamente, como se seu prazer fosse fruto de sua liberdade;

  • 3. Cultura como adestramento: os produtos são resultado de fórmulas para se oferecer o mesmo como se fosse novidade, disciplinando o consumidor a reconhecer o produto como forma de entretenimento e lazer;

  • 4. A atualidade da confiscação (sobre)viver como jogo de azar, a promessa de obediência. Em termos gerais, o prazer que os consumidores experimentam nessas obras é o de saberem que o mundo é tal como eles pensam que é;

  • 4. Provimento autoritário e a liquidação do trágico: ela faz constantes empréstimos à arte mostrando o sofrimento como etapa necessária no processo de luta pela vida e de inserção social;

  • 5. O indivíduo confiscado, propaganda: Aquele indivíduo que usufrui e se fideliza a um determinado produto da cultura de massa, incentivado pela mídia;

  • 6. Cultura como reclame: o consumidor imagina situar-se naquele universo de beleza, felicidade, juventude, potência sexual etc., e ao comprar uma mercadoria anunciada na publicidade, tenta fazer a mesma coisa, só que diretamente com a posse material do objeto, que se toma um mero pretexto para a aquisição imaginária daqueles mesmos valores.

HISTÓRICO

Os avanços tecnológicos da virada do século XIX para o século XX possibilitaram o surgimento de novas formas de expressões artísticas e o estabelecimento de novas relações entre o público e a arte.

O nazismo trouxe à tona a reflexão sobre “Cultura Industrializada” pois toda arte produzida era dirigida somente para aquele sistema.

Já nos Estados Unidos, Adorno vê o sistema da indústria cultural de forma “enrustida” principalmente no entretenimento. E através do cinema a indústria cultural se faz presente e nos apresenta uma comunicação de massa, pois neste caso tinha o intuito de “desviar” os olhares da população aos problemas sociais da década de 30.

A indústria cultural, segundo Adorno e Horkheimer, consiste em “moldar” toda a produção artística e cultural, de modo que elas assumam os padrões comerciais e que possam ser

facilmente reproduzidas (replicadas).

Dessa forma, as manifestações de arte não são vistas somente como únicas, mas principalmente como “mercadorias”, que incentivam uma retificação (ou transformação em coisa), e a alienação da arte feita para poucos e carentes de uma visão crítica a respeito.

• A indústria cultural, segundo Adorno e Horkheimer, consiste em “moldar” toda a produção artística e
• A indústria cultural, segundo Adorno e Horkheimer, consiste em “moldar” toda a produção artística e

CONCEITO E SOCIEDADE

Indústria cultural é o termo usado para designar o modo de fazer cultura, a partir da lógica da produção industrial. Significa que se passou a produzir arte com a finalidade do lucro.

No fundo, toda a produção artística fica padronizada e não há espaço para o novo. Exemplo no cinema, criam-se alguns padrões, como o vilão e o mocinho, as histórias de amor,

os finais felizes, com a finalidade de agradar a maioria.

CONCEITO E SOCIEDADE • Indústria cultural é o termo usado para designar o modo de fazer

Para Adorno e Horkheimer, Indústria Cultural distingue-se de cultura de massa. Cultura de massa surge do povo sem a pretensão de ser comercializada, enquanto que a Indústria Cultural possui padrões que sempre se repetem com a finalidade de consumo.

A Indústria Cultural oferece produtos que promove uma satisfação compensatória e provisória, que agrada aos indivíduos, ela impõe-se sobre estes, submetendo-os a seu monopólio e tornando-os acríticos, ou seja, a satisfação promovida pela Indústria Cultural acaba impedindo qualquer mobilização crítica que, de alguma forma, fora o papel principal da arte (como no Renascimento, por exemplo).

• Para Adorno e Horkheimer, Indústria Cultural distingue-se de cultura de massa. Cultura de massa surge

INDÚSTRIA CULTURAL E COMUNICAÇÃO DE MASSA

Não podemos separar a comunicação de massa da indústria cultural, já que por sua vez elas são dependentes uma da outra, pelo fato de existirem diversos meios de comunicação que são capazes de atingir através de uma mensagem um grande número de indivíduos.

O primeiro passo para o surgimento de um veículo de comunicação veio através de Gutenberg. Com os tipos móveis de imprensa, Gutenberg trouxe novos meios e mais ágeis para a reprodução (principalmente de livros).

A criação deste "meio de comunicação" não pode ser vista como responsável pela indústria

cultural, mas pode se ter, através daí, o surgimento de uma cultura etilizada de uma

reprodução em grande escala, e de uma objetivação cada vez maior do lucro.

Entende-se como comunicação de massa a disseminação de informações através de um sistema denominado 'mídia'. A comunicação de massa tem a característica de chegar a uma grande

quantidade de receptores ao mesmo tempo, partindo de um único emissor.

A comunicação humana pode ser classificada em dois aspectos distintos: a comunicação em pequena escala e a comunicação de massa. Nos dois casos, o ser humano começou a lidar com utensílios para auxiliar e tornar potente o processo de produzir, enviar e receber mensagens.

• Entende-se como comunicação de massa a disseminação de informações através de um sistema denominado 'mídia'.

O KITSCH, INDÚSTRIA CULTURAL E COMUNICAÇÃO DE

MASSA

O termo kitsch vem sendo tratado por vários pensadores contemporâneos, em discussões acerca da vida cotidiana marcada pelos meios de comunicação, assim como o capitalismo, a sociedade moderna e os bens de consumo.

De acordo com Abraham Moles (1971) a palavra origina-se do alemão kitschen/verkitschen, que quer dizer “fazer móveis novos com velhos”, trapacear, receptar, vender alguma coisa em lugar do que havia sido combinado.

Já para Umberto Eco (1932), a palavra kitsch remontaria à segunda metade do século XIX, quando os turistas americanos em Munique, querendo comprar quadros, mas com preços mais baixos, pediam um desconto (sketch). Daí viria o termo, designando quinquilharias para compradores desejosos de experiências estéticas fáceis.

Segundo Christina Pedrozza Sêga (2008), a grande responsável por sua propagação foi a indústria cultural, que reproduzia em série as obras de arte para agradar ao gosto da classe média burguesa, perdendo com isso o grau de autenticidade dessas obras.

Quando processada pela indústria cultural, a arte resulta num produto de cultura de massa, consumida pela então já instituída sociedade de massa.