You are on page 1of 103

Hormônios do Córtex Adrenal

Os produtos de síntese do córtex adrenal são hormônios esteróides, denominados:
‡ ‡ ‡ Adrenocorticosteróides OU

Corticosteróides
Corticóides

OU

Hormônios do Córtex Adrenal
Os corticosteróides constituem três grupos ou famílias de hormônios:
‡ Glicocorticóides: cortisol ou hidrocortisona ‡ Mineralocorticóides: aldosterona ‡ Esteróides Sexuais: andrógenos (DHEA) e estrógenos

SÍNTESE DOS ESTERÓIDES SUPRARRENAIS
‡ Colesterol
Angiotensina II Testosterona Aldosterona

Pregnenolona
ACTH

Cortisol

32:266 (Q rti l (Qg/ Corti ol (Qg/ l) 140 .SECREÇÃO NORMAL DO ACTH E CORTISOL 200 200 180 160 Sono (pg/mL) (pg/mL ) (pg/mL) 25 120 100 80 60 10 40 5 20 0 0 Almoço Lanche Jantar Jantar Lanche Lanche Lanche Lanche Café da manhã Café da manhã ACT 20 15 12:00 12:00 12:00 16:00 16:00 16:00 20:00 20:00 20:00 24:00 24:00 24:00 04:00 04:00 04:00 08:00 08:00 08:00 12:00 0 12:00 12:00 Krieger DT et al: J Clin Endocrinol Metab 1971.

ESTRUTURA DOS GLICOCORTICÓIDES ‡ Núcleo ciclopentanoperidrofenantreno ‡ Grupos essenciais a atividade antiinflamatória grupo cetônico no carbono 3 dupla ligação entre carbonos 4 e 5 hidroxila do carbono11 radical cetônico no carbono 17 .

ESTRUTURA DOS GLICOCORTICÓIDES 21 CH 21 21 2OH C 1 1 13 13 1 1 1 1 3 3 5 5 CH2OH 2 O OH 1 15 15 2 2 1 1 HO 11 11 1 1 2 2 1 12 12 CH3 3 F O CH3 3 .

INTERAÇÃO ESTERÓIDE RECEPTOR Hs 90 x Hs 90 S S S CBG Res osta Proteína mRNA Cito lasma Pr mRNA     R S (Instável) R esteróideS S esteróiderece tor R* R* (ativado) DNA S R* S R* ERG Dímero Núcleo Maquinária de transcri o ( olimerase do RNA. etc) .

‡ 2.ações não-dependentes de modificações no genoma e que são mediadas de maneira físico-química.ações dependentes de modificações do genoma.ações não-dependentes de modificações no genoma e que são mediadas por receptores e ‡ 3. .Mecanismo de ação dos glicocorticóides ‡ 1.

Mecanismo de ação dos glicocorticóides .

MECANISMO DE AÇÃO ESTERÓIDE S S R R ERG Cromati a S R Transcrição ranscrição mRNA alto p so molecular R mRNA maduro S S Citoplasma Proteína Resposta Ester ide .

METABOLISMO DO CORTISOL
‡ Taxa de secreção diária do cortisol em adultos normais:
10 s 2,7 mg/24hs (4,5 - 15,5 mg/24hs)

RESPOSTA DO CORTISO AO STRESS CIRÚRGICO
50 50
Cortisol lasmático (Qg/dl) Cortisol lasmático (Qg/dl)

n n = 20 acientes = 20 acientes

0 30 20 0

Pe uena cirurgia Pe uena cirurgia Grande cirurgia Grande

0

2

Horas

3

5 Dias

7

BIOTRANSFORMAÇÃO E E IMINAÇÃO
‡ Hepatócito:
± redução da dupla ligação ± redução dos grupos cetônicos ± conjugação com ácido glicurônico

‡ Tornam-se inativos e hidrossolúveis sendo eliminados pelos rins. ‡ Cortisol 17-OH-cetosteróides urinários Cortisol e andrógenos 17 Cetosteróides urinários

Efeitos dos glicocorticóides no metabolismo dos carboidratos ± Aumento da neoglicogênese ± Reduz utilização periférica de glicose ± Aumenta armazenamento de glicogênio ± Aumenta glicemia .

Efeitos dos glicocorticóides no metabolismo das proteínas ‡ Redução da síntese proteica ‡ Aumento da degradação proteica ‡ Resulta em balanço nitrogenado negativo .

Efeitos dos glicocorticóides no metabolismo dos lipídeos: ±Aumenta lipólise ‡ Aumento dos ácidos graxos livres ±Redistribuição da gordura corporal: Obesidade centrí eta .

Alcalose i ocalêmica . HAS.Efeitos dos glicocorticóides no balanço hidríco e eletrolítico Aumenta excreção de água livre Aumenta reabsorção de Na no nefron distal Aumenta excreção urinária de K e H ‡ Resulta em: ±Ex ans o do EC.

Efeitos dos glicocorticóides no balanço de cálcio ±Aumenta excreção renal de Ca ±Diminui absorção intestinal de Ca ±Aumenta secreção de PTH ‡ Resulta em risco aumentado de osteopenia e osteoporose .

incluindo: ‡ absorção gastrintestinal ou parenteral ‡ meia-vida plasmática e metabolismo hepático. adiposo e nos tecidos-alvo ‡ habilidade de interagir com o receptor GC e modular a transcrição dos genes GCresponsivos .GLICOCORTICÓIDES SINTÉTICOS Diferenças entre os vários GC sintéticos resultam de alterações estruturais na molécula do esteróide que afetam sua biodisponibilidade.

aumentando ou reduzindo sua atividade mineralocorticóide .GLICOCORTICÓIDES SINTÉTICOS ‡ Certas modificações alteram a reatividade cruzada do esteróide com o receptor mineralocorticóide.

respectivamente ‡ Outras alterações formam sais insolúveis. de absorção lenta dos dépósitos IM .GLICOCORTICÓIDES SINTÉTICOS ‡ Outras alterações aumentam ou diminuem a solubilidade em água. favorecendo sua água. insolúveis. administração parenteral (IV) ou ampliando sua potência tópica.

corticosteroidcorticosteroidbinding globulina) ‡ ligam-se preferencialmente à albumina ligam‡ circulam principalmente na forma livre (não ligados) .GLICOCORTICÓIDES SINTÉTICOS Transporte e Circulação: ‡ maioria liga-se minimamente à ligaTranscortina (ou CBG .

ESTRUTURA MOLECULAR DE ALGUNS CORTICOSTERÓIDES CH2 OH C HO O OH O CH2 OH C O OH HO CH2 OH C O OH HO CH2 OH C O OH CH3 F O O O CH3 O Cortisol Cortisona Metilprednisolona Betametasona Dexametasona CH2 OH C OH HO O OH CH2 OH C HO O OH O CH2 OH C O OH HO CH2 OH C O OH F O O O O F Prednisolona Prednisona Triamcinolona Fludrocortisona .

CORTICOSTERÓIDES Alterações moleculares e Atividade farmacológica dos GCs: ‡ Compostos ativos (± OH) em C11 hidrocortisona prednisolona ‡ Compostos Inativos (= O) em C11 cortisona prednisona .

Corresponde ao tempo de disponibilidade do fármaco ao nível do tecido.CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Metabolismo de Fármacos MeiaMeia-Vida Plasmática: tempo necessário para reduzir em 50% os níveis plasmáticos iniciais de um fármaco. e reflete a duração da sua ação ou efeito terapêutico. MeiaMeia-Vida Biológica: tempo necessário para um orgão ou tecido eliminar 50% de uma substância radioativa administrada. .

GLICOCORTICÓIDES SINTÉTICOS MeiaMeia-vida biológica caracteriza a duração da ação dos GC como: ‡ ‡ ‡ Curta Intermediária Prolongada (efeitos são baseados na duração da supressão do ACTH após dose única do composto) .

36 12 .300 .36 12 .72 Duração da ação terapêutica curta curta intermediária intermediária intermediária intermediária prolongada prolongada * Cortisol (HC) 90 Cortisona 30 * Prednisona 60 Prednisolona 200 Metilprednisolona 180 Triamcinolona 300 Betametasona 100 .72 24 .36 24 .Perfil Farmacológico dos Glicocorticóides Fármaco MeiaMeia-vida plasmática (minutos) Meia-vida Meiabiológica (horas) 8 .36 12 .12 8 .12 12 .300 * Dexametasona 100 .

8 4 4 5 5 2020-30 2020-30 Dose Equivalente(mg) 20 25 5 5 4 4 0.75 Cortisol (HC) Cortisona Prednisona Prednisolona Metilprednisolona Triamcinolona Betametasona Dexametasona .Tabela de Equivalência Fármaco Potência Antiinflamatória 1 0.75 0.

Efeitos do tratamento prolongado Sistema Endócrino-Metabólico: Endócrino‡ ‡ ‡ Supressão do eixo HHA Interrupção do crescimento (em crianças) Intolerância aos carboidratos (resistência à insulina. diabetes mellitus) . hiperinsulinemia. teste de tolerância à glicose anormal.

giba. pele fina e frágil. acne. obesidade central. impotência Hipocalemia.Efeitos do tratamento prolongado Sistema Endócrino-Metabólico: Endócrino‡ ‡ ‡ Estigmas cushingóides (fácies em lualuacheia. alcalose metabólica . pletora facial. estrias violáceas) Irregularidade menstrual.

hirsutismo ou hipertricose. psicoses. pletora. ³dependência aos glicocorticóides´ . acne.Efeitos do tratamento prolongado ‡ MANIFESTAÇÕES CUTÂNEAS: Estrias purpúreas. euforia (labilidade emocional). hiperpigmentação. hiperpigmentação. insônia. equimoses ‡ ALTERAÇÕES NEUROPSÍQUICAS: Irritabilidade.

Efeitos do tratamento prolongado ‡ DISTRIBUIÇÃO DE GORDURA: Obesidade centrípeta. diabetes mellitus. ³luagiba ou ³corcova de búfalo´. alcalose hipocalêmica. hiperlipidemia. deposição supraclavicular Hipertensão arterial. calculose renal ‡ METABÓLICOS / CIRCULATÓRIOS: CIRCULATÓRIOS: . fácies em ³lua-cheia´. intolerância a carboidratos.

hipotiroidismo. diminuição da libido. atrofia muscular proximal ‡ DISFUNÇÃO HIPOFISÁRIA/GONADAL: Alterações menstruais. impotência. fraqueza. miopatia. interrupção do crescimento e nanismo (crianças) . fraturas ósseas.Efeitos do tratamento prolongado ‡ SISTEMA MÚSCULOMÚSCULOESQUELÉTICO: Osteoporose.

Efeitos do tratamento prolongado Sistema Gastrintestinal: ‡ ‡ ‡ Irritação gástrica. úlcera péptica (menor que os AINES) Pancreatite aguda (rara) Infiltração gordurosa do fígado e hepatomegalia (rara) .

Efeitos do tratamento prolongado Sistema Hematopoiético: ‡ ‡ ‡ ‡ Leucocitose (com neutrofilia) Linfocitopenia Eosinopenia Monocitopenia .

predominância dos T helper 2 .Efeitos do tratamento prolongado Sistema Imunológico: ‡ ‡ ‡ Supressão da hipersensibilidade tardia Supressão da resposta antigênica primária Supressão da função dos linfócitos T helper 1.

Efeitos do tratamento prolongado Sistema Músculo-Esquelético: Músculo‡ ‡ ‡ Osteoporose e fraturas espontâneas Necrose asséptica de cabeça de fêmur e úmero Miopatia .

Efeitos do tratamento prolongado Sistema Oftálmico: ‡ ‡ ‡ ‡ Catarata subcapsular posterior (comum em crianças) Aumento da pressão intraocular Glaucoma Coroidopatia serosa central .

ocorre principalmente na retirada do fármaco ‡ ³Dependência aos Glicocorticóides´ .Efeitos do tratamento prolongado Doenças Neuropsiquiátricas (SNC): ‡ ‡ ‡ ‡ Distúrbios do sono e Insônia Euforia e Depressão Mania e Psicose Pseudotumor cerebral (aumento benigno da pressão intracraniana) .

Efeitos do tratamento prolongado Sistema Renal: ‡ Nefrocalcinose ‡ Nefrolitíase ‡ Uricosúria ‡ Hipertensão arterial ‡ Infarto do miocárdio (raro) ‡ Acidente vascular cerebral (raro) Sistema Cardiovascular: .

Intera Droga: o dos GCs com outras drogas Efeito: Hipocalemia Hipocalemia Toxicidade digitálica Reações alérgicas graves/ Infecções generalizadas Inibição do efeito Anfotericina B Diuréticos depletores de potássio Digitálicos Vacinas com vírus atenuados Hormônio de Crescimento .

Efeito dos GCs sobre níveis sangüíneos de outras drogas Níveis estão Diminuídos: Aspirina Isoniazida Insulina Hipogliceminates orais Anticoagulantes cumarínicos Níveis estão Aumentados: Ciclosporina Ciclofosfamida .

Efeito de outras drogas sobre níveis sangüíneos de GCs ‡ Difenilhidantoina. rifampicina: ± aumentam velocidade de metabolização podendo ser necessário aumento nas doses dos glicocorticóides ‡ Estrógenos: ± aumentam produção de CBG (transcortina) . fenobarbital. carbamazepina.

tratamento prolongado pode levar à insufic. Suprarrenal .³pode´ ser utilizado no tratamento da Sindrome de Cushing .Interações com outras drogas ‡ Progesterona: atividade antiglicocorticóide ‡ Insulina: efeitos contrários ao dos corticóides ‡ Cetoconazol: inibe a síntese de GC .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Os Glicocorticóides são utilizados em terapêutica por suas ações AntiAnti-inflamatórias. antialérgicas e imunossupressoras .

pulsoterapia ‡ Tópica: pele. parenteral.CORTICOTERAPIA ‡ Sistêmica: oral. inalatória ‡ Infiltrativa: intraarticular e outras . mucosas.

.cicloxigenase (bloqueio de passos finais da cadeia). em contraste. por inibição da fosfolipase A2 (passo inícial da cadeia): inibi o da libera o de alguns mediadores químicos da inflama o ‡ (AINEs. inibem a COX . rubor.CORTICOSTERÓIDES CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Mecanismo da Ação Anti-inflamatória: Anti‡ Supressão dos sinais flogísticos: dor. calor. edema e perda de função ‡ Bloqueio da via de metabolismo do ácido aracdônico.

Lipídios da membrana nuclear Inibida por glicocorticóides Fosfolipase A Acido araquidônico Lipooxigenase Ciclooxigenase COx Prostaglandinas Inibida pelos AINES Leucotrienos .

(ILinterleucina-4 (IL-4) e a interleucina-6 (IL-6). o interleucina.(ILinterleucina. (IL. interleucina-2 (IL-2).(ILinterferon gama (INF-g) e o fator de necrose (INFtumoral alfa (TNF-a) (TNF- .interleucina.CORTICOSTERÓIDES CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Mecanismo da Ação Anti-inflamatória: AntiRedução da produção de: interleucina 1 (IL-1).

quimiotaxia ‡ Prostaciclinas: Prostaciclinas: vasodilatação. o permeabilidade capilar ‡ Prostaglandinas: Prostaglandinas: ‡ febre. anti-agregação plaquetária anti- . agregação plaquetária ‡ Tromboxanos: Tromboxanos: vasoconstrição.Mediadores do processo inflamatório ‡ Leucotrienos: Leucotrienos: quimiotaxia. vasodilatação.

CORTICOSTERÓIDES Outros mediadores do processo inflamatório e da resposta alérgica: ‡ Aminas vasoativas plasmáticas ‡ Radicais livres derivados do oxigênio ‡ Proteases ‡ Citocinas Participação celular: ‡ Neutrófilos ‡ Mastócitos ‡ Plaquetas ‡ Eosinófilos ‡ Monócitos ‡ Linfócitos .

PAF EOSINÓFILOS Sinais e Sintomas Alérgicos .Mecanismo Inflamatório Alérgico A ÉRGENO LINFÓCITO T INFÓCITO MASTÓCITO Citocinas Cininas Moléculas de Adesão LINFÓCITO B Histamina Prostaglandina Leucotrieno Bradicinina.

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Corticosteróides ligam-se a receptores específicos ligamglico (GC) ou mineralocorticóides (MC). Efeito terapêutico ideal de um corticosteróide: ‡ máxima atividade antiinflamatória. antialérgica e imunossupressora ‡ mínima atividade retentora de sódio e flúidos . Ação GC ou MC do corticosteróide depende da afinidade maior ou menor por estes receptores.

Considera ões a serem feitas antes do início da Corticoterapia ‡ Qual a gravidade da doença de base? ‡ Para quanto tempo está previsto o tratamento? ‡ Qual a preparação do glicocorticóide a ser empregada? ‡ Qual a dose terapêutica mínima efetiva? .

visando reduzir a dose do glicocorticóide e seus efeitos indesejáveis? ‡ O esquema terapêutico poderá ser empregado em dias alternados? .Considerações a serem feitas antes do início da Corticoterapia ‡ Existe predisposição para desenvolver efeitos colaterais com o produto? ‡ Há possibilidade de se associar outras drogas.

Corticoterapia Sistêmica O uso terapêutico prolongado de glicocorticóides resulta em: ‡ Efeitos colaterais sistêmicos ‡ Supressão do eixo hipotálamo-hipófisehipotálamo-hipófiseadrenal (HHA) .

devem ser suplementados quando em situa ões de stress .Considera ões gerais quanto ao manuseio dos Corticosteróides Aten o: Pacientes com história e/ou estigmas de uso prolongado de glicocorticóides.

. ‡ Doses < 20 mg/dia promovem supressão do eixo HHA somente após 30 dias de uso. por mais de uma semana resultam em supressão do eixo HHA.Considera ões gerais quanto ao manuseio dos Corticosteróides Tomando como base a Prednisona: ‡ Doses eqüivalentes a u 40 mg/dia (8 vezes o nível fisiológico).

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Uso de GCs em Doenças Endócrinas 1) Reposição Hormonal: ‡ Insuficiência adrenocortical primária crônica (Doença de Addison) ‡ Pan-hipopituitarismo (Insuficiência adrenal 2ária) Pan‡ Hiperplasia adrenal congênita (Def. 21-hidroxilase) 21‡ Status pós-adrenalectomia bilateral pós- .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Uso de GCs em Doenças Endócrinas 2) Doses Farmacológicas / Terapêuticas: ‡ ‡ ‡ ‡ Insuficiência adrenal aguda (Crise adrenal) Crise tireotóxica Tiroidite subaguda (de Quervain) Exoftalmo maligno .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indicações terapêuticas em doenças não endócrinas: Processos alérgicos Gastrintestinais Autoimunes Renais Oftalmológicas Outras Respiratórias Neurológicas Colagenoses Hematológicas Infecções .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indica ões terapêuticas Reações e processos alérgicos: ‡ Asma ‡ Dermatite de contato ‡ Picada de insetos (abelhas) ‡ Rinite alérgica ‡ Edema angioneurótico ‡ Reação a drogas ‡ Doença do Soro ‡ Urticária .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indica ões terapêuticas Doenças Vasculares e do Colágeno: ‡ Arterite de células gigantes ‡ Polimialgia reumática ‡ Lúpus eritematoso ‡ ‡ Polimiosite ‡ Artrite reumatóide ‡ Doença mista do tecido conectivo .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indicações terapêuticas Doenças Oftalmológicas: ‡ Uveíte aguda ‡ Conjuntivite alérgica ‡ Coroidite ‡ Neurite óptica / retrobulbar .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indicações terapêuticas Doenças Pulmonares: ‡ Asma brônquica ‡ Pneumonia aspirativa ‡ Prevenção da síndrome do desconforto respiratório da criança ‡ Sarcoidose .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indicações terapêuticas Doenças Dermatológicas: ‡ ‡ ‡ ‡ Dermatite atópica ‡ Dermatoses Dermatite seborrêica ‡ Pênfigo Micose fungóide ‡ Xerose Líquen simples crônico (neurodermatite localizada) .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indicações terapêuticas Doenças Neurológicas: ‡ Edema cerebral (tumores. TCE. infecções) ‡ Trauma raquemedular ‡ Esclerose múltipla .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indicações terapêuticas Doenças Renais e Transplantes de Orgãos: ‡ Síndrome nefrótico ‡ Prevenção e tratamento da rejeição (imunossupressão) .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indicações terapêuticas Doenças Infecciosas: ‡ Septicemia por gram-negativos ? ‡ Meningite tuberculosa e por Hemophilus influenzae ‡ Ocasionalmente útil na supressão da inflamação excessiva de alguns processos infecciosos: Mononucleose infecciosa severa .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indicações terapêuticas Doenças Hematológicas: ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Anemia hemolítica adquirida Anemia hemolítica autoimune Púrpura alérgica aguda Púrpura trombocitopênica idiopática Leucemia Mieloma múltiplo .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indicações terapêuticas Doenças Gastrintestinais: ‡ Doença inflamatória do intestino ‡ Sprue não tropical ‡ Necrose hepática subaguda ? ‡ Hepatite alcoólica .

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indicações terapêuticas Processos Inflamatórios Ósteo-Articulares: ‡ Artrites ‡ Bursites ‡ Teno-sinovites .

nos casos de transplante de orgãos ou tecidos ‡ Doenças neoplásicas do sistema linfóide: linfomas e leucemias (em associação com a quimioterapia apropriada) ‡ Hipercalcemia .CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Outras indicações terapêuticas em doenças não endócrinas: ‡ Supressão das reações hospedeiro X enxerto.

CORTICOTERAPIA SISTÊMICA Indicações de administração imediata: ‡ Hipertemia maligna ‡ Prevenção da síndrome do desconforto respiratório ‡ Traumatismo crânio-encefálico e raqui-medular crânioraqui‡ Tumores cerebrais e após neurocirurgias ‡ Meningite por M. tuberculosis e H. influenzae .

Corticoterapia Sistêmica A suspensão do tratamento com glicocorticóides pode resultar em: ‡ Quadro de insuficiência adrenocortical ‡ ³Síndrome da retirada ou deprivação de corticosteróides´ .

Corticoterapia Sistêmica Suspensão abrupta de terapia com GC pode resultar em ³crise adrenal aguda´: ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Hipotensão e choque Desidratação Náusea e vômito Fraqueza e apatia Confusão mental ‡ Hipertermia ‡ Taquicardia ‡ Anorexia ‡ Hipoglicemia Desorientação .

Corticoterapia Sistêmica
Fatores que influenciam na supressão do eixo HHA: ‡ Dose total do GC a ser usada:
‡ ‡ Baixa x Alta Tempo de tratamento: Curto x Prolongado Fracionamento da dose: Única x Múltipla

Corticoterapia Sistêmica
Fatores que influenciam na supressão do eixo HHA: ‡ Horário da administração:
‡ ‡ Manhã x Noite Freqüencia: Alternada x Diária Duração da ação: Curta x Intermediária x Longa

Prednisona e Supressão Adrenal: Relação Dose X Duração da Terapia Dose
(única, matinal)

(Thygeson, 1985)

Duração 1 sem. 1 mês 6 meses
± ± ± ± + ± ± ± +/± +/± ++ ± ± +/± +/± + +++

1 ano
± ± + ++ +++

dias alternados
(qualquer dose)

< 7,5 mg/dia 10 mg/dia 15 mg/dia > 30 mg/dia

Sinais indicam probabilidade de supressão do eixo HHA: ±: rara; +/±: alguns; +:muitos; ++: maioria; +++: todos +/± ++: +++:

< 20 mg/dia. ‡ não está bem estabelecido.Considera ões gerais quanto ao manuseio dos Corticosteróides Tomando como base a Prednisona. o tempo de recuperação do eixo HHA: ‡ pode variar de 2 meses a 1 ano. . u 40 mg/dia. por períodos > 3 meses mg/dia. se usadas doses estabelecido. por períodos de 2 a 4 semanas mg/dia. se usadas doses ano.

Corticoterapia Sistêmica Semelhanças entre ³Síndrome da Retirada ou Deprivação de Corticosteróides´ e Insuficiência Adrenocortical Secundária: ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Letargia e astenia Emagrecimento Descamação de pele Artralgia e mialgia Hipotensão ortostática ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Anorexia Náuseas Hipertermia Tonturas Hipoglicemia .

Corticoterapia Sistêmica Prevenção dos efeitos colaterais Cuidados dietéticos (respeitar condições gerais do paciente e a doença de base): ‡ Dieta hipocalórica com redução do conteúdo de lípides e carboidratos ‡ Aumentar ingesta protéica (suplementação) ‡ Reduzir conteúdo de sal (NaCl) ‡ Suplementar cálcio e potássio .

anabolizantes .Corticoterapia Sistêmica Prevenção dos efeitos colaterais Cuidados dietéticos (respeitar condições gerais do paciente e doença de base): ‡ Fisioterapia e atividade física programada ‡ Medicamentos: hipoglicemiantes orais ou insulina. anti-hipertensivos. antialendronatos. vitamina D.

Corticosteróides e Osteoporose Avaliar a presença de fatores de risco associados: ‡ Sexo feminino ‡ Origem caucasiana ‡ Baixa estatura ‡ Menopausa ‡ Tabagismo ‡ Sedentarismo .

Corticosteróides e Osteoporose Prevenção e tratamento da osteoporose. durante tratamento com glicocorticóides: ‡ ‡ ‡ ‡ o atividade física o ingesta cálcio Estrógenos Bisfosfonatos ‡ ‡ ‡ ‡ Exercícios Vitamina D Anabolizantes Tiazídicos .

Corticosteróides e Miopatia Comprometimento maior da musculatura proximal Degeneração de fibras musculares do tipo II Piora do quadro em presença de hipocalemia Prevenção e tratamento: Fisioterapia .

Corticosteróides e Hipertensão Vasoconstrição e o Resistência Vascular Periférica: o substrato e atividade da renina: o níveis de angiotensina II q degradação de catecolaminas (COMT): o concentração de noradrenalina q sistemas vasodilatadores: q cininas e prostaglandinas o reatividade vascular aos vasoconstritores .

Corticosteróides e Hipertensão o Volume plasmático e o Débito cardíaco: o fluxo de fluidos do intra para o extravascular: o volume extracelular e plasmático q atividade enzimas metabolizadoras (redutase do anel A e 11 -HSD): o atividade mineralocorticóide o atividade da medula adrenal (PNMT): o concentração de adrenalina .

segundo esquema a ser visto adiante 4) Passar GC para dias alternados . por GC de ação intermediária 2) Concentrar a posologia em dose única matinal 3) Reduzir doses.Planejamento para Suspensão de Terapia com Corticosteróides 1) Substituir. se for o caso.

Planejamento para Suspensão de Terapia com Corticosteróides 5) Suspender GC quando cortisol plasmático basal u 10 g/dl 6) Repor GC em situações de stress. até stress. resposta normal do cortisol ao ACTH (> 20 Qg/dl) .

Esquema para Retirada de Terapia com Corticosteróides Com base na Prednisona.15 mg/d) (5- 1/5 da dose 1/4 da dose 1/4 da dose por 2 semanas por 2 semanas por 1 semana ‡ Tentar dias alternados após 1 a 2 meses . em uso crônico (> 2 meses): ‡ Reduzir a dose. segundo o esquema: Dose Alta (40-100 mg/d) 40Dose Média (15(15.40 mg/d) Dose Baixa (5.

naqueles com doses altas .40 mg/d) 40(151/4 da dose por 1 semana 1/3 da dose por 1 semana ‡ Tentar dias alternados após 1 mês. em uso por tempo intermediário (2 sem.15 mg/d) (51/3 da dose por 3 a 4 dias ‡ Reduzir a dose.Esquema para Retirada de Terapia com Corticosteróides Com base na Prednisona. a 2 meses): Dose Baixa (5. segundo o esquema: Dose Alta Dose Média (40-100 mg/d) (15.

Esquema para Retirada de Terapia com Corticosteróides ‡ Com base na Prednisona. em uso por tempo curto (< 2 semanas): Reduzir a dose. segundo o esquema: Dose Média (15(15.40 mg/d) Dose Baixa (5.15 mg/d) (5- Dose Alta (40-100 mg/d) 401/3 da dose por 3 a 4 dias redução gradual não necessária .

Hipercortisolismo Endógeno X Administra ão Exógena de GC Sinais e sintomas mais freqüentes na ³Síndrome de Cushing´ endógena: ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Hipertensão arterial Acne e Hirsutismo Irregularidade menstrual Estrias Equimoses Pletora .

Hipercortisolismo Endógeno X Administra ão Exógena de GC Sinais e sintomas virtualmente exclusivos da administração exógena: ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Hipertensão intracraniana Glaucoma Catarata Necrose asséptica de ossos Pancreatite Paniculite .

Hipercortisolismo Endógeno X Administra ão Exógena de GC Sinais e sintomas comuns a ambas as situações: ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Obesidade Osteoporose Miopatia Intolerância aos carboidratos Manifestações psiquiátricas Cicatrização difícil .

Hipercortisolismo Endógeno X Administra ão Exógena de GC Estados de Hipercortisolismo não associados a nenhuma das condições (Pseudo Cushing): Stress prolongado ‡ Gravidez ‡ Etilismo ativo ‡ Depressão ‡ Obesidade severa ‡ Anorexia nervosa ‡ Resistência a glicocorticóides .

+/±: alguns. ++: maioria.Prednisona e Supressão Adrenal: Rela ão Dose X Dura ão da Terapia Dose (única. 1 mês 6 meses ± ± ± ± + ± ± ± +/± +/± ++ ± ± +/± +/± + +++ 1 ano ± ± + ++ +++ dias alternados (qualquer dose) < 7. +:muitos. 1985) Duração 1 sem. matinal) (Thygeson.5 mg/dia 10 mg/dia 15 mg/dia > 30 mg/dia Sinais indicam probabilidade de supressão do eixo HHA: ±: rara. +++: todos +/± ++: +++: .

500 .6 .Corticoterapia Sistêmica Dose (mg/dia) Cortisol (HC) Prednisona Betametasona Prednisolona Dexametasona 4-6 5 .5 .100 0.0.2 2-6 6 .200 200 .16 Reposição 12 .7 0.70 70 .20 Baixa Média Alta 20 .15 15 .40 40 .

com risco de vida. .2.400 20 . edema cerebral e compressão medular. insuficiência adrenal aguda (crise adrenal). quimioterapia para câncer.000 MetilMetilBetametasona Prednisolona Dexametasona 80 .Corticoterapia Emergencial Dose (mg/IV) Cortisol (HC) 400 .100 Maciça Indicações: Processos inflamatórios e alérgicos agudos graves.

analgesia e quimioterapia em câncer USO INTERMEDIÁRIO: Recidiva de processos inflamatórios graves ou degenerativos. imunosimunossupressão. rebeldes ou resistentes Corticoterapia sistêmica . imunossupressão.Dose ALTA de Prednisona 40-100 mg/dia 40USO CURTO: Proc. iminência de rejeição de transplantes USO PROLONGADO (raramente utilizado): Proc. inflamatórios e alérgicos agudos graves. dose de ataque em transplantes. inflamatórios graves.

controle de imunossupressão de transplantes .Corticoterapia sistêmica Dose MÉDIA de Prednisona 15 .40mg/dia USO CURTO: Processos inflamatórios e alérgicos agudos leves e moderados USO INTERMEDIÁRIO: Exacerbação de processos inflamatórios e alérgicos. períodos de stress em reposição hormonal USO PROLONGADO: Manutenção de processos crônicos inflamatórios ou degenerativos.

15 mg/dia USO CURTO: Adjuvante no tratamento de processos infecciosos e inflamatórios agudos leves USO INTERMEDIÁRIO: Adjuvante no tratamento de processos infecciosos e inflamatórios crônicos leves USO PROLONGADO: Reposição hormonal. controle e manutenção de processos crônicos e quiescentes .Corticoterapia Sistêmica Dose BAIXA de Prednisona 5 .