You are on page 1of 76

Os sismos têm origem no interior da Terra mas são sentidos à
superfície …
Em todo o planeta verificam-se mais de 3000 abalos sísmicos por
dia: um em cada trinta segundos…

Distribuição
geográfica

.

meses após o grande sismo. às vezes.Sismos: São movimentos bruscos e breves da crusta terrestre resultantes da libertação de energia acumulada no interior da Terra. Podem ser sentidos semanas e. Abalos premonitórios:Pequenos abalos que antecedem um grande sismo. . Réplicas: pequenos abalos que se seguem a um grande sismo.

dobras. abalos sísmicos sismos devastadores e muito violentos . O magma ao actividade humana movimentos das ascender pode placas tectónicas. provocar pequenos Provocam. Tectónicos Vulcânicos Provocados pela Falhas. geralmente.

Pedreiras e construção civil Explosões em minas Testes nucleares Barragens .

.

Sismo de Origem Natural – fenómeno vulcânico .

Ruptura. Deformação. Sismo de Origem Natural fenómeno tectónico . Posição original.

A zona no interior da terra na qual se dá a libertação de energia designa-se por foco ou hipocentro. . Zona onde se origina a ruptura ou a deslocação das rochas.

.O ponto à superfície da terra situado na vertical do foco é o epicentro e corresponde à zona onde o sismo é sentido com maior intensidade.

lentamente acumulada no foco. traduz-se pela vibração das partículas rochosas que se transmite segundo superfícies concêntricas denominadas ondas sísmicas.A libertação súbita de energia. .

Tipos de ondas .

as chegam na superfície rochas vibram no originam ondas na terra. . perpendicular ao avanço São tipo ondas da onda Quando as ondas P e S longitudinal. sentido avançado da onda. a vibração das partículas é São as mais rápidas. De tipo de transversal.Ondas P (primarias) Ondas superficiais Ondas S (secundarias) São mais lentas.

.

deslocando verticalmente a coluna de água que repousa sobre ele(sismos interplaca) . TSUNAMIS Os tsunamis formam-se quando o fundo oceânico é deformado. na sequência da libertação de energia sísmica.

.

Japão 2011 .

Japão 2011 .

Japão 2011 .

Japão 2011 .

Japão 2011 .

.

geralmente. a passagem das ondas sísmicas. . Numa estação sismográfica existem. Detecção e registo de sismos  Os sismógrafos são aparelhos de precisão que registam. em sismogramas. três sismógrafos: um que regista os movimentos verticais e outros dois que registam os movimentos horizontais (um orientado na direcção N-S e outro na direcção E-W).

Sismograma: registo obtido por um sismógrafo .

. da percepção do sismo pela energia libertada no foco ou população. Como se avaliam os sismos Intensidade e Magnitude de um sismo ESCALA de MERCALLI ESCALA de RICHTER Avalia a intensidade de um Avalia a magnitude de um sismo através: sismo. através do cálculo da . Aberta Qualitativa e Subjectiva Quantitativa e Objectiva Exprime-se em numeração Exprime-se em numeração romana árabe . Fechada. do grau de destruição. hipocentro. Instrumentos de trabalho: Instrumentos de trabalho: inquéritos realizados às sismogramas populações e registos descritivos do grau de destruição. com XII graus.

Carta de isossistas .

Após a determinação da intensidade do sismo nos vários locais da região onde foi sentido e localizado o epicentro. . pode-se obter uma carta de isossistas. Isossistas Isossistas – linhas curvas que unem pontos onde o sismo se fez sentir com a mesma intensidade.

O Terramoto de 1755 .

Lisboa … 1 de Novembro de 1755 … Dia de Todos os Santos … Grande parte da população estava reunida nas igrejas e capelas. população lisboeta precipitou-se para as e uma nuvem sufocante abate-se portas e muitas pessoas perderam a vida sobre a cidade como um nevoeiro sob as ruínas dos próprios edifícios que se cerrado. A seguir regressaram sob muralha de chamas. que esmagou a fazendo oscilar as igrejas de estrutura do cais e engoliu todos os que aí mármore como se fossem navios no se encontravam. . Às 9 horas começam a ouvir um grande estrondo e os edifícios tremeram. Para escaparem à queda Por toda a cidade as velas caídas e os dos edifícios muitas outras pessoas fogões das cozinhas pegaram fogo às fugiram para o cais do Tejo. de mais de continuam. Bruscamente fez-se escuro. juntaram-se para constituírem uma se subitamente. as águas do rio retiraram. durante mobílias e madeiras dos edifícios. Caem telhados. desmoronavam. devastando a cidade e dez metros de altura. Os abalos a forma de uma poderosa onda. Seguiu- se um novo abalo durante 2 longos minutos. alto mar. A Um terceiro abalo. quase de seguida. Há incêndios por todo o lado (que duraram uma semana e consumiram grande parte da cidade).. cerca de quarenta minutos depois do Todos estes pequenos fogos primeiro abalo. igrejas e lojas. Aí. paredes.

O Terramoto de 1755 Actualmente. no Sul de Espanha e na Argélia. Estendeu-se a França. abateu-se sobre a zona ribeirinha de Lisboa. Suiça.75. fugindo de uma cidade incendiada e em ruínas. Este sismo foi sentido em Marrocos. provocando pequenos estragos no Norte de Portugal. O sismo ocorreu às 9h40m e às 10h00m. alguns estudos referem a Falha do Marquês de Pombal como zona provável do epicentro. um enorme tsunami (cerca de 15m de altura). Esta Falha situa-se a 100km a W do Cabo de São Vicente. Itália. A magnitude é estimada de 8. . onde houve também grandes derrocadas e muitas vítimas. matando milhares de pessoas que aí tinham procurado refúgio. Alemanha e Madeira e Açores.

Ao todo morreram esmagadas. Lisboa ficou reduzida a destroços e cinzas. tendo ruído cerca de 10 000 casas. como se tivesse sido atingida por uma bomba atómica . afogadas ou queimadas cerca de 60 000 pessoas.

O que fazer durante um sismo? .

Devemos colocar-nos debaixo de uma mesa forte ou junto da ombreira de uma porta ou de uma coluna. Estando no interior de um edifício é melhor não sair. não devemos ficar próximos de quadros eléctricos ou de instalações de gás. . Manter a calma. Do mesmo modo. procurando inspirar confiança a todos os presentes. Falar o mais possível com tranquilidade. afastados de janelas ou objectos que possam soltar-se e escorregar.

Procurar não se assustar com a quebra de vidros e outros objectos ou com a falta de luz. Não usar nunca elevadores. ficar longe de edifícios ou cabos eléctricos. nem mesmo escadas. Se decidirmos sair e procurar espaços abertos. .

Se, no momento do sismo, nos
deslocarmos de automóvel, o
melhor é parar longe de edifícios
ou pontes, mas não sair.

Numa zona montanhosa é
preciso ter muita atenção
a rochas e outros
materiais que se podem
soltar a todo o momento.

O que fazer depois de um
sismo?

Não acender fósforos ou outra
chama até desligar a energia
eléctrica e o gás, fazendo um
balanço de fugas e outros danos.
Fechar também a água.
Localizar feridos, colaborar no seu
resgate e administrar os primeiros
socorros no caso de ter os
conhecimentos necessários.

Não utilizar o telefone a não ser em
situações de emergência.

Limpar eventuais derrames de substâncias perigosas. tóxicas ou inflamáveis. Ter o cuidado de andar sempre calçado. Não tocar em cabos eléctricos que tenham caído nem em objectos que estejam em contacto com eles. Não alimentar boatos. Abandonar o local onde nos encontramos se este não oferecer condições de segurança. .

.Manter-se atento às notícias através do rádio portátil. Colaborar com as autoridades. Manter-se alerta para os efeitos das réplicas que se seguirão ao sismo principal. Manter as ruas desobstruídas para a passagem de veículos de emergência.

Efeitos devastadores dos sismos .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Japão 2011 .

Japão 2011 .

Japão 2011 11 de Março de 2011 .

Japão 2011 .

Japão 2011 .

Casos documentados .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

http://www.pt/pt/ .meteo.