You are on page 1of 21

AS MIGRAÇÕES

A mobilidade é uma característica de todos os povos e em todos os


tempos e é realizado para equilibrar demograficamente as regiões do mundo.

A migração é a deslocação horizontal de pessoas de uma área para


outra, com carácter temporário ou permanente.

A migração pode ser subdividida consoante o sentido da deslocação.


Assim temos:

EMIGRAÇÃO »» é o processo de saída de um indivíduo de um país ou


região, com o objetivo de fixação, temporária ou definitiva,
em outro lugar.

IMIGRAÇÃO »» é o processo de entrada de um indivíduo num país ou


região, com o objetivo de fixação, temporária ou definitiva,
nesse lugar.

Clube Europeu de Alfândega da Fé /1


AS MIGRAÇÕES

Mediante o sentido das migrações, os países/regiões adotam


designações diferentes:

 PAÍSES / REGIÕES DE PARTIDA OU


DE ORIGEM »»

são as áreas de onde sai a população


para outros lugares.

 PAÍSES/REGIÕES DE CHEGADA
OU DE ACOLHIMENTO »»

são as áreas que recebem a população


vinda de outros lugares da superfície
terrestre.
Clube Europeu de Alfândega da Fé/2
ALGUMAS DAS CAUSAS DAS MIGRAÇÕES
São várias as causas que levam as pessoas a deslocarem-se de umas
regiões para outras ou países.
CAUSAS ECONÓMICAS:
 a diferença de desenvolvimento socioeconómico entre as diferentes regiões
 o desemprego existente nas regiões.  a assistência social mais eficaz
 as condições de trabalho menos penosas.  os baixos salários.
 existência de organismos de proteção dos trabalhadores (sindicatos e outras
organizações.)
 descrédito nos rendimentos da agricultura
 onde a industrialização é mais forte.  os avanços tecnológicos.
CAUSAS SOCIOCULTURAIS

 valorização pessoal.  culturas privilegiadas.


 formação e enriquecimento de conhecimentos.
 sociedades com valores, direitos, culturas humanos/as mais defendidos.
 estudantes que optam por estudar em universidades estrangeiras, como
Cambridge (Reino Unido), Sorbone (França), Havard (EUA). CEAF/3
As causas das migrações
Causas turísticas:
 lazer  religião
 devido a festejar determinadas épocas do ano: Natal, Carnaval, Páscoa, etc.
 cultural (visitar um monumento, …)  saúde

CAUSAS POLÍTICAS:

 quando se está contra o poder politico instituído


 ditaduras
 perseguições ou represálias politicas
CAUSAS ÉTNICAS:
 racismo
 xenofobia
 conflitos étnicos
 discriminação social
 discriminação racial Clube Europeu de Alfândega da Fé/4
As causas das migrações
CAUSAS RELIGIOSAS:
 perseguições religiosas  romarias
 conversão das pessoas às doutrinas  trabalho religioso
 missões religiosas espalhadas pelo planeta  visitar um templo religioso
 quando se está contra o poder politico instituído

CAUSAS NATURAIS:
 catástrofes naturais (sismos, erupções vulcânicas, inundações, secas e
tsunamis)  condições climáticas adversas
CAUSAS BÉLICAS:
 conflitos bélicos entre grupos étnicos
 regimes ditatoriais que se mantém, no poder à base de confrontos bélicos
OUTRAS CAUSAS:
 desenvolvimento dos transportes

 desenvolvimento dos meios de comunicação  influência psicológica


 apelo à mão de obra estrangeira por parte dos países industrializados CEAF/5
AS FORMAS/TIPOS DE MIGRAÇÕES
QUANTO AO ESPAÇO:

 Internas - são as deslocações da população que se realizam de uma


região para outra dentro do mesmo país

 Externas/internacionais»» são as deslocações da população que se


realizam de um país para outro país.

NAS MIGRAÇÕES INTERNAS TEMOS OS SEGUINTES TIPOS:


são as deslocações da população que se realizam das áreas
 ÊXODO rurais para as áreas urbanas, a fim de nelas procurarem uma
RURAL - melhoria das suas condições de vida e de trabalho.

são as deslocações da população que se realizam das áreas


 ÊXODO urbanas para as áreas rurais, a fim de nelas procurarem uma
URBANO - melhoria das suas condições de vida e de trabalho (quando
acontece).

são as deslocações da população que se realizam


 MOVIMENTOS
diariamente da sua residência para o local de
PENDULARES -
trabalho/escola e vice-versa. CEAF/6
AS FORMAS/TIPOS DE MIGRAÇÕES
NAS MIGRAÇÕES EXTERNAS TEMOS OS SEGUINTES TIPOS:

 INTRACONTINENTAIS -

são as deslocações da população que se realizam entre


regiões pertencentes ao mesmo continente.

 INTERCONTINENTAIS -

são as deslocações da população que se realizam entre


regiões pertencentes a continentes diferentes.

 TRANSOCEÂNICAS -

são as deslocações da população que se realizam entre


regiões de continentes diferentes, mas separados por
oceanos.
Clube Europeu de Alfândega da Fé/7
AS FORMAS/TIPOS DE MIGRAÇÕES
QUANTO À FORMA/VONTADE:

são as deslocações da população que se realizam da


 VOLUNTÁRIAS - sua área de residência, por vontade própria das
mesmas.

são as deslocações da população que se realizam da sua


 FORÇADAS - área de residência, sem vontade própria das mesmas,
sendo obrigadas por qualquer motivo.

QUANTO AO TEMPO DE DURAÇÃO:

são as deslocações diárias da população que se realizam da


 DIÁRIAS - sua área de residência para o local de trabalho / escola e vice-
versa, com uma duração de poucas horas.

são as deslocações da população que se realizam da sua


 TEMPORÁRIAS - área de residência para outro lugar, por um determinado
período de tempo mais ou menos curto (inferior a 1 ano),
sem implicar mudança de residência. 8
AS FORMAS/TIPOS DE MIGRAÇÕES
são as deslocações da população que se realizam da sua
 DEFINITIVAS - área de residência para outro lugar, por um determinado
período de tempo (igual ou superior a 1 ano) ou mesmo
de forma definitiva, implicando a mudança de residência.

são as deslocações da população que se realizam da sua


 SAZONAIS - área de residência para outro lugar, por um determinado
período de tempo sempre na mesma época do ano e não
implica mudança de residência.

QUANTO AO CONTROLO/LEGALIDADE:

 LEGAIS - são as deslocações da população que são realizadas com o


conhecimento e autorização das entidades
administrativas/governo do país de acolhimento.

são as deslocações da população que são realizadas


 ILEGAIS OU
sem o conhecimento e autorização das entidades
CLANDESTINAS -
administrativas / governo do país de acolhimento. 9
OS PRINCIPAIS FLUXOS MIGRATORIOS
DO PASSADO …

O maior período de migrações da História teve início no século XVI, com as


colonizações portuguesa e espanhola da América do Sul e Central.

A América do Norte foi ocupada, principalmente por colonos de origem


britânica e francesa, a partir do século XVII e por europeus e chineses a partir
do século XIX.

Um dos fluxos migratórios mais marcante foi o da saída forçada dos africanos,
como escravos, durante os séculos XVI a XIX, com destino à América do
Norte, às Caraíbas e ao Brasil.

No século XIX, trabalhadores indianos optaram por países banhados pelo


oceano Índico.

DO PRESENTE …

Os países desenvolvidos, como os EUA, o Canadá, a Austrália e os da União


Europeia são os que atraem mais populações migrantes oriundas, sobretudo,
de países em desenvolvimento de África e da Ásia meridional e oriental.
Clube Europeu de Alfândega da Fé/10
NO PASSADO …

Clube Europeu
de Alfândega
da Fé /11
NO PRESENTE …

CEAF/12
OS FATORES ATRATIVOS E REPULSIVOS DAS MIGRAÇÕES
FATORES ATRATIVOS FATORES REPULSIVOS

 Maior oferta de trabalho.  Elevado desemprego ou


 Salários mais elevados. subemprego.
 Oferta de infraestruturas sociais.  Elevada pressão demográfica.
 Possibilidade de promoção  Dificuldade em viver nas
social. cidades superpovoadas.
 Níveis de vida atraentes e clima  Conflitos armados e regimes
de paz. militares repressivos.
 Sistema agrário rudimentar ou
ineficaz.
Atualmente, há países desenvolvidos que são simultaneamente, países de
imigração e de emigração. Estes recorrem a trabalhadores dos países em
desenvolvimento para executar trabalhos menos qualificados (obras públicas,
construção civil, restauração, trabalhadores domésticos a dias, …) e perdem
população qualificada – com elevada qualificação técnica e científica - devido à
falta de emprego (brain drain = fuga de cérebros).
Dantes o emigrante era do sexo masculino e adulto jovem mas hoje, a
população migrante é constituída tanto por homens como por mulheres e
acentua-se a migração de população licenciada. CEAF/13
A MIGRAÇÃO NA EUROPA
Segundo a Organização Mundial
para a Migração (OMM) chegam à
União Europeia, por ano
aproximadamente 300 mil pessoas.
A Europa tem uma postura
contraditória quanto à migração,
porque

Impede novas Necessita de crescer


entradas de populacionalmente,
estrangeiros num continente com
pouca população e
população idosa.

Crescimento das cidades.


As migrações
Alteram o perfil social,
étnico e politico da Europa.
Clube Europeu de Alfândega da Fé/14
AS CONSEQUÊNCIAS DAS MIGRAÇÕES
CONSEQUÊNCIAS DEMOGRÁFICAS:
 alterações no crescimento demográfico (natural e efetivo).
 alterações na estrutura demográfica, por gerarem frequentemente
desequilíbrios entre grupos etários e sexos.
 alterações na redistribuição espacial da população.
 alterações na evolução da população, na medida em que o crescimento efetivo
não depende apenas do crescimento natural, mas também do saldo migratório;

 alterações na redistribuição da população, uma vez que os fluxos migratórios


tanto podem acentuar como atenuar os desequilíbrios regionais
 desequilíbrio entre os sexos, já que a maior parte dos emigrantes é
população formada por homens
 diminuição/aumento da taxa de crescimento natural
 Aumento/diminuição da taxa de mortalidade  rejuvenescimento
 aumento/diminuição da população absoluta  envelhecimento
 aumento/diminuição da natalidade
 melhoria de vida para a população dos países de partida CEAF/15
AS CONSEQUÊNCIAS DAS MIGRAÇÕES
CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS:
 perda de capital humano/ perda de mão de obra.

 diminuição/aumento de mão de obra nalguns regiões.

 entrada de divisas.

 alteração nos efetivos ativos e inativos.

 alteração nos salários (subida nos países de origem e descida nos países de
chegada).

 melhoria de vida para a população dos países de partida.

 perca de alguma qualidade de vida para a população dos países de chegada.

 as divisas dos emigrantes compensa o défice da balança comercial dos


países.
 melhoria da economia dos países de partida e chegada.
/ Clube Europeu de Alfândega da Fé 16
AS CONSEQUÊNCIAS DAS MIGRAÇÕES
CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS:

 a alteração da população ativa, uma vez que se verifica uma redução do


número de trabalhadores em resultado da saída maioritária de jovens e
adultos, nas áreas de partida e, consequentemente, um aumento das áreas de
destino.

 fraco dinamismo económico.

 um aumento da população ativa, mas que pode ser acompanhada pela


possibilidade de desemprego porque há abundância de mão-de-obra, muitas
vezes em excesso, o que leva a que esta seja cada vez mais barata em
determinados sectores de atividade desemprego.

 a intensificação dos fluxos financeiros, principalmente quando se trata de


migrações externas.

 aumento da capacidade produtiva

Clube Europeu de Alfândega da Fé /17


AS CONSEQUÊNCIAS DAS MIGRAÇÕES
CONSEQUÊNCIAS SOCIAIS/CULTURAIS:
 alteração de hábitos, costumes , valores e estilos de vida nos países de
chegada e partida.
 Aumento das taxas
 alteração da arquitetura das habitações.
de desemprego.
 alterações pontuais da língua dos países.  alteração nas relações pessoais.
 alterações nas qualificações dos trabalhadores.  aculturação.
 difusão cultural/ difusão de novas ideias e costumes.  conflitos étnicos.
 problemas habitacionais /proliferação de bairros de lata. Em certas cidades,
os imigrantes dão origem a guetos e a bairros-de-lata dado a escassez de
infraestruturas habitacionais.
 dificuldade de integração e o aumento das tenções sociais.
 Quando a integração é pacífica pode ocorrer o enriquecimento e
heterogeneidade cultural, resultante da partilha, convivência e adoção de
novos hábitos.
 pode aumentar o número de pedintes, aumento dos roubos e das situações
de pobreza extrema se acaso os imigrantes não conseguem arranjar
trabalho/emprego. Clube Europeu de Alfândega da Fé/18
RETRATO DE PORTUGAL
Até aos meados dos anos 60 do séc. passado, Portugal era um país de
emigrantes.

Falta de oportunidades e o clima de Brasil, Venezuela, Canadá e os


pobreza que se fazia sentir. EUA.

A partir dos anos 60 a Europa Ocidental (França, Alemanha e


Suíça) – precisam de mão de obra
especializada e ofereciam condições de
Por isso entre 1960-1970 e 1981- trabalho superiores às de Portugal -
1991, o saldo migratório português passa a ser o destino dos emigrantes
foi negativo. portugueses.

Paralelamente a estes movimentos, Portugal foi abrindo as suas fronteiras aos


imigrantes, principalmente dos PALOP, Brasil e Europa Central e Oriental.
Desde o final do séc. XX e início do séc. XXI…
Economia favorável materializada em
grandes projetos, como a construção
Aumenta a imigração em Portugal da barragem do Alqueva, a EXPO 98
e o Euro 2004. 19
RETRATO DE PORTUGAL
Em 2011, residiam em Portugal 394 496 cidadãos de nacionalidade
estrangeira, o que representa aproximadamente 3,7% da população total. No
Algarve (12%) e Lisboa (7%) são as regiões portuguesas em que a população
estrangeira tem maior importância.

As principais comunidades estrangeiras residentes em Portugal


são:

Ao nível da estrutura etária há


contrastes consideráveis.

1ª brasileira (28%). População estrangeira - o grupo etário


2ª cabo-Verdiana (10%). dos 15 aos 64 anos (82%) domina.
3ª ucraniana (9%). População residente - o grupo etário
4ª angolana (7%). dos 15 aos 64 anos (59%) domina.
5ª chinesa (5%).
Em Portugal ganha também muita força os movimentos pendulares, nomeadamente
para as regiões mais desenvolvidas economicamente (Áreas Metropolitanas de Lisboa
e Porto e Baixo Mondego). Clube Europeu de Alfândega da Fé/20
RETRATO DE PORTUGAL
A intensidade dos fluxos de
população que diariamente
entram e saem das regiões
portuguesas é maior na…

Área Metropolitana
de Lisboa

Área Metropolitana
do Porto

Baixo Mondego
Clube Europeu de Alfândega da Fé /21