You are on page 1of 34

A Eletricidade nos Fenômenos Químicos do Dia-a-dia

Aula: Os Fenômenos Elétricos Aluno: Vilmar Konageski Jr Estágio Supervisionado IV: Ensino de Química I Professor: Dr. Otavio Aloisio Maldaner

Parte Experimental:
• Realização do Experimento de ligar uma lâmpada de lanterna com o uso de uma pilha comum. • Realização da montagem de uma pilha de Cu(s)/Zn(s) e verificar seu funcionamento com a lâmpada de lanterna da experiência anterior, ou com multímetro.

Reflexão:
• Por que existe o “fenômeno” da eletricidade nas pilhas? • O que há na pilha comum e na pilha que foi montada que faz com que exista a eletricidade? • Qual propriedades os materiais possuem que fazem este “fenômeno” existir?

Observe:
Lâmina de Zn(s) Papel filtro com ZnSO4(aq) Papel filtro com CuSO4(aq) Lâmina de Cu(s) Lâmina de Zn(s) Papel filtro com ZnSO4(aq) Papel filtro com CuSO4(aq) Lâmina de Cu(s)

Esta foi a ordem de montagem para a pilha de Cu(s)/Zn(s), veja que a ordem se repete porque assim fica mais fácil de visualizar o acendimento da lâmpada.

Reação Principal da Pilha experimental
# Pólo Positivo: Cu2+ + 2e-  Cu0 Redução # Pólo Negativo: Zn0 - 2e-  Zn2+ Oxidação
# Com base no fato evidenciado de deposição do metal cobre sobre as placas da pilha, o que podemos deduzir? A

Lembre-se de:
• Os elementos químicos possuem determinadas características, que, dão à eles certas propriedades. Uma característica importante dos metais é a reatividade, relembre da série de reatividade dos metais em ordem decrescente:

Li>Cs>Rb>K>Ba>Sr>Ca>Na>Mg> Be>Al>Zn>Cr>Fe>Cd>Co>Ni>Pb> H>Sb>Bi>Cu>Hg>Ag>Pd>Pt>Au

E a pilha comum?
Na pilha comum existe um eletrodo de grafite no centro, este grafite é envolvido por uma pasta de NH4Cl, ZnCl2 MnO2. Esta pasta é envolvida pelo envoltório de Zinco que constitui o corpo da pilha sendo este o pólo negativo. Entre o bastão de grafite e o pólo metálico externo as empresas fabricantes utilizavam uma pequena porção de Hg(l), entre outros metais pesados, e isto tornava as pilhas grandes fontes de poluição pois poucas delas eram destinadas adequadamente.

A Pilha Comum
• Um circuito é o caminho por onde passam os elétrons. O circuito permite aos elétrons saírem da casca de zinco (lembre-se de nossa experiência, o Zn passando a Zn+2 portanto "perdendo" elétrons), viajando até a lâmpada pelo fio de cobre (que não participa da reação) viaja pela lâmpada, o que faz a lâmpada se acender, voltam à pilha através do contato metálico no topo do carvão, atravessam o carvão e vão provocar reações químicas pela pasta úmida negra dentro da pilha.

Redução e Oxidação no Experimento
• E temos aí um tipo particular de reação química chamada REDOX, ou de oxidação e redução. Quando o zinco perde elétrons, dizemos que ele SE OXIDA, e o chamamos de agente redutor, pois ele vai forçar o cobre a ganhar elétrons, cujo processo a gente chama de REDUÇÃO.

Reações de algumas pilhas
Tipo Pilha Alcalina Reações Zn + 2OH-  ZnO + H2O + 2e2 MnO2 + H2O + 2e-  Mn2O3 + 2OHBateria de Chumbo Pilha de Mercúrio Bateria de Níquel-Cádmio Pilha de Lítio Pb + SO42-  PbSO4 + 2ePbO2 + SO42- + 4H+ + 2e-  PbSO4 + H2O Zn + 2OH-  ZnO + H2O + 2eHgO + H2O + 2e-  Hg + 2OHCd + 2OH-  Cd(OH)2 + 2e2NiO(OH) + 2H2O + 2e-  2Ni(OH)2 + 2OH2Li  2Li+ + 2eI2 + 2e-  2I2,8 V 1,4 V 1,5 V 2V Voltagem 1,5 V

Reação Espontânea ddp
Me(s) + Mex- (aq)  Produtos E0 red - E0 red > 0
Eletrodo que recebe eEletrodo que doa e-

a voltagem da pilha é positiva

Me(s) + Mex- (aq)  Nada ocorre E0 red - E0 red < 0 a voltagem da pilha é negativa

Potencial Padrão em solução aquosa
Em solução K+(aq) Na+(aq) Zn2+(aq) Pb2+(aq) Ag+(aq) Cl2(g) Cu2+(aq) Metal K(s) Na(s) Zn(s) Pb(s) Ag(s) 2Cl-(aq) Cu(s) E0 red (V) -2,93 -2,71 -0,76 -0,13 0,8 1,36 0,34

Como calcular a voltagem?
• • • • Entre Potássio e Cobre? K>Cu K oxida(-e-) e Cu reduz(+e-), logo: Para saber qual oxida e qual reduz veja o próximo slide. • ddp = +0,34V - (-2,93V) = 3,27V • ddp>0 maior que zero e portanto há uma pilha

Lembre-se de: Oxida
Li>Cs>Rb>K>Ba>Sr>Ca>Na>Mg> Be>Al>Zn>Cr>Fe>Cd>Co>Ni>Pb> H>Sb>Bi>Cu>Hg>Ag>Pd>Pt>Au

Reduz

Exercício:
• Calcule a voltagem da seguinte pilha: • Chumbo e Prata sabendo que: • E0 red Pb = -0,13V • E0 red Ag = 0,8V • Série: Ni>Pb>Sb>Hg>Ag

Resolução:
• Quem oxida e quem reduz? • Pb oxida e Ag reduz • Cálculo da voltagem, lembre-se quem reduz vem primeiro e quem oxida depois. ddp= 0,8V - (-0,13V) = 0,93V Esta pilha gera 0,93 volts de energia.

A Transmissão da Eletricidade
• Os metais quando formam ligas com outros metais utilizam a ligação metálica, ou seja, é formado um “mar de elétrons”.
++++++++++++++++++ ++++++++++++++++++ ++++++++++++++++++ ++++++++++++++++++ ++++++++++++++++++ ++++++++++++++++++

Barra de Metal

Meio Ambiente e Pilhas
• Durante muito tempo utilizamos pilhas, sem o devido cuidado na hora da fabricação e disposição final e o resultado disto está ai hoje, os lixões que não são preparados para receber este tipo de material, acabaram concentrando grande quantidade de metais pesados e colocando-os em contato com os mais diversos meios de dispersão.

E as pilhas de Ijuí v para onde?

Falando em saúde:
 A TOXICIDADE é uma característica assim como todas as demais características que possuem os átomos.

• A toxicidade de um metal, assim como sua disponibilidade (capacidade de interação de um contaminante com um sistema biológico) estão relacionadas com vários fatores, como: a forma química em que o metal se encontra no ambiente; as vias de introdução do metal no organismo humano; a sua capacidade de biotransformação em sub-produtos mais ou menos tóxicos; etc. Desta forma, da sua emissão para o ambiente até o aparecimento dos sintomas da intoxicação, vários serão os interferentes que influirão nos efeitos negativos

Tabela 3 - Efeitos nocivos à saúde humana ocasionados por alguns metais presentes nas pilhas e baterias METAL Cádmio (Cd) EFEITOS § Câncer § Disfunção renal § Disfunções digestivas (náusea, vômito, diarréia) § Problemas pulmonares § Pneumonite (quando inalado) § Anemia § Disfunção renal § Dores abdominais (cólica, espasmo e rigidez) § Encefalopatia (sonolência, manias, delírio, convulsões e coma) § Neurite periférica (paralisia) § Problemas pulmonares

Chumbo (Pb)

Lítio (Li)

§ Disfunção renal § Disfunção do sistema neurológico § Cáustico sobre a pele e mucosas (hidróxido de lítio) Manganês (Mn) § Disfunção do sistema neurológico § Efeitos neurológicos diversos § Gagueira e insônia

Mercúrio (Hg)

§ Congestão, inapetência, indigestão § Dermatite § Diarréia (com sangramento) § Dores abdominais (especialmente epigástrico, vômitos, gosto metálico) § Elevação da pressão arterial § Estomatites, inflamação da mucosa da boca, ulceração da faringe e do esôfago, lesões renais e no tubo digestivo § Gengivite, salivação § Insônia, dores de cabeça, colapso, delírio, convulsões

Níquel (Ni) Zinco (Zn)

§ Câncer § Alterações no quadro sangüíneo, particularmente ferritina e hematócrito § Problemas pulmonares

Fonte: COMLURB e IQ/UFRJ

Pilhas, o que fazer após o uso?
• Para a correta disposição das pilhas deve-se observar o seguinte: • Existe alguma marcação na pilha indicando sua disposição final? • A pilha é de origem confiável? • E as baterias de Celular?

E o futuro?