You are on page 1of 133

Gestão de Materiais

Prof. Arias Garcia


 Controle do estoque de uma
companhia.
 Engloba uma sequência de
operações, que vão desde a
identificação do fornecedor até
armazenagem e transporte.
 administrar materiais é ter os
produtos necessários.
Fatores de Produção
A natureza
O capital = Empresa
O trabalho Materiais
Financeiros
Recursos Humanos
Mercado logísticos
Gestão
A capacidade da empresa para se mantêr
competitiva, e de se desenvolver, está
directamente relacionada com a sua
capacidade de funcionamento, com os
capitais mais reduzidos possiveis.

Pág. 4
Gestão de stocks

Gestão de stocks
é a função que assegura a
manutenção do nivel stock com
capitais mais reduzidos possiveis.

Compete-lhe as decisões sobre o


que comprar, quando comprar,
e em que quantidade.
Pág. 6
Gestão de stocks

Gestão de stocks
Deverá depender sempre da politica
de vendas adoptada.

Pág. 6
Gestão de stocks
é uma função que tem a seu cargo
as decisões sobre onde comprar,
a que preço e em que condições
comerciais.

Pág. 6
Gestão de stocks

Pág. 10
SISTEMAS PEPS/UEPS
1 Primeiro que Entra, Primeiro que Sai – PEPS ou
FIFO.
Nesse critério, a empresa dá saída nos estoques dos
produtos mais antigos, ou seja, adquiridos primeiro,
permanecendo estocados os produtos de aquisição
mais recente.
2 Último que Entra, Primeiro que Sai – UEPS
Adotando esse critério, a empresa dará baixa em
primeiro lugar nos estoques mais recentes ficando
estocado sempre os produtos mais antigos.
Gestão da Distribuição Fisica e os
sistemas de estoques
 Rede de suprimentos
 Armazenagens
 Centros de Distribuição

OBJETIVOS

 Simplificar a Comunicação
 Reduzir o numero de rotas de transporte
 Pontos para fracionamento de volumes
 Coordenar oferta e demanda
VIDA ÚTIL DO BEM
Periodo de tempo em que o bem
consegue exercer as funções que dele se
espera.

VIDA ECONÔMICA DO BEM


Custos globais para manter a operação
de certo equipamento:
1. Equipamentos = Desgaste com o uso
Manutenção
2. Valor de mercado diminui
3. Implica despesas para manter a sua
operacionalidade
ESTRATEGIA DA MANUTENÇÃO

1- Preventiva = Realiza tarefas

2 – Corretiva = Quebra = conserto ou Retrofit


ultrapassado

3 – Preditiva = Coleciona dados e verfica

4 – Proativa = Soluciona problemas


LEC = LOTE ECONOMICO DE COMPRA

$
CA Custo armazenagem

CP Custo pedido

$ FIXOS

QTD
LEC = LOTE ECONOMICO DE COMPRA

$
CA Custo armazenagem

CP Custo pedido

$ FIXOS

QTD
GRÁFICO DENTE DE SERRA

Exemplo: a demanda de um determinado SKU é


50 unidades por dia e o pedido de compra é de
400 unidades. Quando um pedido é feito, o
fornecendo leva 3 dias para realizar a entrega.
Além disso a empresa mantem um estoque de
segurança equivalente a 2 dias de consumo.
Revisão Contínua = Tamanho do pedido é fixo
Intervalo de reposição

Ponto de reposição
Exercício
Curva de custo de transporte e estocagem

F.E Fluxo de estocagem

3 $ Total

2 $ Trasnporte

1 $ Estoque

Ferrov Rodov Áereo


Curva de custo de transporte e estocagem

F.E Fluxo de estocagem

3 $ Total

2 $ Trasnporte

1 $ Estoque

Ferrov Rodov Áereo


Curva de custo de transporte e estocagem

F.E Fluxo de estocagem

3 $ Total

2 $ Trasnporte

1 $ Estoque

Ferrov Rodov Áereo


Curva de custo de transporte e estocagem

F.E Fluxo de estocagem

3 $ Total

2 $ Trasnporte

1 $ Estoque

Ferrov Rodov Áereo


Curva de custo de transporte e estocagem

F.E Fluxo de estocagem

3 $ Total

2 $ Trasnporte

1 $ Estoque

Ferrov Rodov Áereo


CLASSIFICAÇÃO ABC OU CURVA DE PARETO

GERENCIAR E MONITORAR ESTOQUES


= VALOR E NECESSIDADE

HÁ MENOR IMPORTANTE
EM FUNÇÃO A MOVIMENTAÇÃO
Aprovisionamento e gestão de stocks

Tem a sua origem numa sistemática


constatação prática, em que duma forma geral a
20% das causas estão geralmente associados
80% dos efeitos.

Análise ABC Pág. 15


Aprovisionamento e gestão de stocks

Esta análise classifica as causas associadas a


determinado processo, em três niveis distintos
de importância, assim sendo teremos seguinte

- nivel A são 20% as causas responsáveis por


80% dos efeitos
- nivel B são 30% as causas responsáveis por
15% dos efeitos
- nivel C são 50% as causas responsáveis por
5% dos efeitos

Análise ABC Pág. 18


ATIVIDADE AVALIATIVA 5 PONTOS

 ANALIZAR UMA EMPRESA NOS PONTOS:


 GESTÃO DA DISTRIBUIÇÃO FISICA E O SISTEMA DE
ESTOQUE
 VIDA ÚTIL
 VIDA ECONÔNICA
 QUAL O TIPO ESTRATEGIA DA MANUTENÇÃO E PORQUE.
 AVALIAR O LEC = LOTE ECONOMICO DE COMPRA
USANDO O GRÁFICO DENTE DE SERRA
 OBSERVAR A CURVA DE CUSTO DE TRANSPORTE E
ESTOCAGEM
 DESENVOLVER A CURVA ABC DO PROCESSO.
Pág. 18
Aprovisionamento e gestão de stocks

Suponha uma empresa comercial,


onde por motivos diversos se equacionam
tanto a racionalidade como a dimensão do
stock actual. Dispondo apenas
dos dados relativos ao último ano
de actividade desta empresa, identifique
justificando,

Análise ABC Pág. 22


Aprovisionamento e gestão de stocks

- Quais os artigos passiveis de serem


suprimidos do stock ?
- Quais as acções de racionalidade
possiveis com o stock ?
- Quais as medidas para melhorar as
vendas ?
- Será viável a melhoria do preço de
venda ? E em que artigos ?

Análise ABC Pág. 23


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise ABC Pág. 24


Aprovisionamento e gestão de stocks

Este estudo tem óbviamente


por base a aplicação da análise ABC,
no entanto são necessárias
algumas considerações prévias.
Numa empresa comercial
teremos que orientar o nosso estudo
com base em dois factores,
o volume de negócios (facturação)
e a margem comercial (lucro).

Análise ABC Pág. 25


Aprovisionamento e gestão de stocks

Ao volume de facturação,
está associado um volume de vendas
e ao lucro, associada nossa margem
comercial, poderemos assim dizer que
bom produto do ponto de vista comercial
é um produto com uma
boa margem comercial e com um
bom volume de vendas.

Análise ABC Pág. 26


Aprovisionamento e gestão de stocks

Os produtos com boas margens


comerciais mas que vendam pouco,
ou produtos que vendam muito, mas
com fracas margens comerciais,
não são do ponto de vista empresarial
bons produtos, como fácilmente se
compreende.

Análise ABC Pág. 27


Aprovisionamento e gestão de stocks

Na nova perspectiva, vamos ter


que fazer uma análise ABC
à facturação (volume de vendas)
e outra análise ABC para a
margem comercial (isto é, o lucro)
integrando-as seguidamente numa
grelha tipo matricial.

Análise ABC Pág. 28


Aprovisionamento e gestão de stocks

A aplicação da análise é muito simples,


envolve duma forma geral os seguintes
passos
(1) ordenação simples das causas
(2) calcular o seu valor acumulado
(3) determinar qual a percentagem
do seu valor de acumulado face ao
valor do acumulado total.

Análise ABC Pág. 29


Aprovisionamento e gestão de stocks

Posteriormente represente
os valores obtidos sobre um
gráfico caracteristico da análise ABC,
classifique as causas
nas categorias respectivas e
indique qual o seu valor relativo.

Análise ABC Pág. 30


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise ABC Pág. 31


Aprovisionamento e gestão de stocks

Método de análise ABC


A facturação é obtida
quant vendida x preço un venda
Ordene agora os produtos em ordem à
sua facturação
Exemplo de cálculo para o produto com
o código 010
Calcule os seus valores acumulados
288.900,0+113.400,0 = 402.300,0
Calcule agora a % do acumulado
402.300,0 / 840.563,0 x 100 = 47,9%

Análise ABC Pág. 32


Aprovisionamento e gestão de stocks

O traçado deste seu gráfico


poderá não coincidir integralmente
com a curva caracteristica teórica
da análise ABC, no entanto o seu
principio continua válido, vejamos então
a curva obtida nesta situação,

Análise ABC Pág. 33


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise ABC Pág. 34


Aprovisionamento e gestão de stocks

De forma similar efectuariamos


um estudo idêntico agora para a
margem comercial ou lucro.
Essa listagem seria reordenada
de acordo com o novo critério, isto
é o lucro, fariamos o seu acumulado
e determinariamos a percentagem
do acumulado face ao seu valor
de acumulado total.

Análise ABC Pág. 35


Aprovisionamento e gestão de stocks

Continuando a análise ABC


da facturação vs lucro,
Neste momento e após execução da
análise ABC
dentro destes dois pressupostos
poderemos criar uma tabela ordenada
para estas duas caracteristicas,
assim sendo teremos :

Análise ABC Pág. 36


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise ABC Pág. 37


Aprovisionamento e gestão de stocks

Vamos agora marcar sobre um gráfico


os diversos pontos obtidos na tabela anterior,
em que cada artigo assume uma determinada
importância na facturação e no lucro,
teremos esta nossa análise práticamente
concluida.

Análise ABC Pág. 38


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise ABC Pág. 39


Aprovisionamento e gestão de stocks

Só falta agora classificar cada um


dos produtos segundo as suas classes
A, B ou C e tirar todo o tipo de
conclusões sobre a presente análise.
A representação gráfica na forma matricial
é muitissimo importante pois indica-nos
práticamente toda a situação
dos artigos em stock, e numa perpectiva
integrada com base nos critérios mais
importantes deste estudo, isto é a
sua facturação e o lucro.

Análise ABC Pág. 40


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise ABC Pág. 41


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise ABC facturação versus lucro,


Simplificadamente poderemos identificar
a situação actual do nosso stock
afirmando o seguinte,
os produtos identificados como de
classe A são de extrema importância uma
vez que são responsáveis por cerca de
80% da nossa facturação e lucro.

Análise ABC Pág. 42


Aprovisionamento e gestão de stocks

Os produtos de classe B são de


importância relativa uma vez que são
responsáveis por 15% da nossa
facturação e lucro.
Por sua vez os produtos identificados
como da classe C são perfeitamente
dispensáveis uma vez que
representam apenas 5% da nossa
facturação e lucro.

Análise ABC Pág. 43


Aprovisionamento e gestão de stocks

As conclusões e análises possiveis


neste estudo não se limitam às conclusões
aqui apresentadas, mas no essencial
foi apresentado e exemplificado
uma abordagem com base na análise ABC,
que nos permitiu com objectividade identificar
quais os produtos mais importantes dentro
das existências de material em stock numa
perspectiva de exploração meramente
comercial.

Análise ABC Pág. 44


Aprovisionamento e gestão de stocks

Redução
de stocks ?
Saiba mais

Análise ABC Pág. 45


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão
de vendas ou
consumos

Previsão de vendas ou consumos Pág. 46


Aprovisionamento e gestão de stocks

Relativamente a esta matéria


existem diversos métodos mais
ou menos universais
e que habitualmente se encontram
classificados como :
Métodos de previsão tradicionais,
e métodos de previsão modernos.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 47


Aprovisionamento e gestão de stocks

Métodos de previsão tradicionais


- Médias móveis
- Decomposição
- Alisamento exponencial
Métodos de previsão modernos
- Avaliação de vendedores
- Avaliação de clientes
- Modelos de simulação

Previsão de vendas ou consumos Pág. 48


Aprovisionamento e gestão de stocks

Relativamente à sua prestação e


selecção poderemos afirmar que os
métodos modernos são mais eficazes,
mas têm como senão,
a necessidade de grandes recursos
o que habitualmente não é o cenário
normal na maioria das pequenas e
médias empresas.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 49


Aprovisionamento e gestão de stocks

Assim, focalizaremos este


nosso estudo apenas nos dois
métodos tradicionais de
maior divulgação e aplicabilidade
uma vez que serão estes as
ferramentas mais acessiveis
para efectuarmos as nossas
previsões.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 50


Aprovisionamento e gestão de stocks

A eficácia e exactidão nos resultados


obtidos dependerá da experiência na
utilização dos métodos, bem como, do
grau de conhecimento do processo
a cujo método é aplicado.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 51


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas consumos regulares

Método das médias móveis


O método das médias móveis é feito através
da análise e do cálculo das médias móveis. A
curva de tendência das médias móveis tem
uma muito menor sensibilidade permitindo
antever gráficamente a verdadeira tendência
de vendas ou de consumos.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 52


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas consumos regulares

Método das médias móveis


Matemáticamente e para este caso,
utilizam-se normalmente periodos de índice
n=3 (dependendo do processo)
as médias móveis são determinadas pela
expressão :
M(n) = [ Valor(n-1) + Valor(n) + Valor(n+1) ] / n

Previsão de vendas ou consumos Pág. 53


Aprovisionamento e gestão de stocks

Supondo uma determinada empresa cujos


consumos do último ano se encontram
representados na tabela seguinte, determine e
represente o gráfico da evolução das suas
Mm(n) correspondentes.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 54


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas ou consumos Pág. 55


Aprovisionamento e gestão de stocks

O gráfico correspondente terá um


aspecto, em que podemos verificar
que a curva das médias móveis a
vermelho tem menor sensibilidade
que o traçado do gráfico original.
Poderemos ainda neste caso aferir
duma ligeira tendência para o
aumento de vendas.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 56


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas ou consumos Pág. 57


Aprovisionamento e gestão de stocks

Efectivamente o método pressupõe


uma grande subjectividade de análise
a experiência na utilização do método e
o conhecimento do processo fisico em
estudo são fundamentais para uma
correcta previsão a ser tomada com
base neste indicador.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 58


Aprovisionamento e gestão de stocks

Este método é ainda um dos preferidos


dos gestores, uma vez que é simples,
rápido e deixa à consideração dos mesmos
uma grande dose de subjectividade na
avaliação de futuras previsões.
Duma forma geral este método é aplicado
a previsões de consumo ou vendas regulares,
detecta também alterações significativas do
processo original visto que estamos a
monitorizar tendências.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 59


Aprovisionamento e gestão de stocks

Suponha agora que esta mesma


empresa dispõe do registo das
médias móveis relativo aos últimos
cinco anos de actividade,
determine na base nestes registos
qual a sua previsão de consumos
para o próximo mês de Março.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 60


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas ou consumos Pág. 61


Aprovisionamento e gestão de stocks

Como se depreende pelo gráfico


no ano de 1997 entre Agosto/Setembro
existiu uma ocorrência que teve um
forte impacto no nosso volume de vendas
por exemplo nesta data foi identificada a
falência dum forte concorrente.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 62


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas consumo sazonal

Método da decomposição
O método da decomposição pressupõe
que um dado consumo ou que um dado
volume de vendas, é composto por
diversas componentes a saber,

Previsão de vendas ou consumos Pág. 63


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas ou consumos Pág. 64


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas ou consumos Pág. 65


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas ou consumos Pág. 66


Aprovisionamento e gestão de stocks

Determinemos matemáticamente
a recta designada por T(x) considerando
os períodos mensais como o eixo das
abcissas (x) e o valor das vendas (y)
o eixo das coordenadas.
Relembramos que a recta T(x) é uma
recta obtida matemáticamente que nos
dará uma tendência de consumos
ou vendas a médio prazo.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 67


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas ou consumos Pág. 68


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas ou consumos Pág. 69


Aprovisionamento e gestão de stocks

Observa-se uma tendência positiva


nos valores das vendas a médio prazo
o que óbviamente nos irá conduzir a
previsões de vendas favoráveis,
e com base na recta de tendências
determinada.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 70


Aprovisionamento e gestão de stocks

O factor T(x) recta de tendências


poderá em determinados casos ser
considerada como uma alternativa muito
válida ao método das médias móveis,
anteriormente apresentado, nomeadamente
quando se pretendem projecções de
consumos a médio e longo prazo.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 71


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas ou consumos Pág. 72


Aprovisionamento e gestão de stocks

O coeficiente S(x) traduz


qual o tipo de sazonalidade, nos
períodos que considerámos.
Analisando a tabela poderemos
fácilmente concluir que o segundo
trimeste é um periodo em que
se esperam consumos nominais
equivalentes a 103,9% do valor
anual médio ponderado.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 73


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas ou consumos Pág. 74


Aprovisionamento e gestão de stocks

Previsão de vendas ou consumos Pág. 75


Aprovisionamento e gestão de stocks

Qual seria a sua previsão de vendas


para o mês de Março do próximo ano ?

A previsão de vendas para Março do


próximo ano seria de 23.258 unidades.

Previsão de vendas ou consumos Pág. 76


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise custo
benefício

Análise custo benefício Pág. 77


Aprovisionamento e gestão de stocks

Esta técnica designada por análise


de custo benefício, é utilizada em
inúmeros contextos, e básicamente
recorre à composição dos diversos
factores de um projecto, os factores
que lhe são favoráveis são doravante
designados por benefícios, e os
factores que lhe são desfavoráveis
são designados por custos.

Análise custo benefício Pág. 78


Aprovisionamento e gestão de stocks

Como sabemos, em qualquer projecto


existe sempre um ponto de equilibrio
entre estes factores a que corresponde
um óptimo de decisão, isto é um ponto
ponderado onde o custo efectivo é
o menor, então qual é esse ponto ?

Análise custo benefício Pág. 79


Aprovisionamento e gestão de stocks

Para sabermos a resposta a esta questão


teremos de recorrer a uma análise custo
benefício, e cuja representação gráfica se
encontra indicada na figura seguinte.

Análise custo benefício Pág. 80


Aprovisionamento e gestão de stocks

Para compreendermos melhor os


pressupostos desta nossa análise,
temos de introduzir agora, e
em antecipação, um novo conceito
o de ciclo de consumo ideal.

Análise custo benefício Pág. 81


Aprovisionamento e gestão de stocks

O ciclo designado de ideal corresponde a


um ciclo de consumos onde se verifiquem
consumos regulares e entradas periódicas
fixas, o aspecto gráfico será o da figura

Análise custo benefício Pág. 82


Aprovisionamento e gestão de stocks

O gráfico representa um ciclo ideal de


consumo, representa um processo que
consome Qea unidades num determinado
tempo T, findo o qual se aprovisiona uma
quantidade de Qea unidades que cobrem o
periodo de consumo seguinte T e assim
sucessivamente.

Análise custo benefício Pág. 83


Aprovisionamento e gestão de stocks

Neste ciclo é relativamente fácil de


aferir o seu nivel médio de stock que
corresponderá a Qea/2 unidades, uma
vez que por analogia de triângulos
as áreas A1 e A2 são iguais.

Análise custo benefício Pág. 84


Aprovisionamento e gestão de stocks

Consideremos agora que Qea


não é uma quantidade qualquer,
mas sim uma quantidade que nos
apresenta a melhor relação de
custo versus benefício, e apartir
de agora designada como
quantidade económica de aquisição.

Análise custo benefício Pág. 85


Aprovisionamento e gestão de stocks

Nas análises custo benefício em gestão


de stocks consideram-se normalmente a
existência dos seguintes custos:
Cpu - Custo posse unitário do artigo
(custo) inclui encargos com stock, e
encargos financeiros posse do stock.
Ceu - Custo encomenda unitária artigo
(benefício) inclui encargos administrativos,
amortização de material informático,
manutenção sistema aprovisionamento
e sistema da gestão de stocks.

Análise custo benefício Pág. 86


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise custo benefício Pág. 87


Aprovisionamento e gestão de stocks

Claro que nesta fase poderemos detalhar


todos os custos inerentes a este processo,
no entanto para não complicarmos muito
a nossa apresentação mencionaremos
apenas os custos relevantes para a inteira
compreensão da resolução do exercicio.

Análise custo benefício Pág. 88


Aprovisionamento e gestão de stocks

Nomenclaturas da análise custo benefício:

Cpu - custo de posse unitário do artigo


Ceu - custo encomenda unitária do artigo
Qea - quantidade económica de aquisição
Qea/2 - nivel médio de stock ciclo ideal
Qc - quantidade consumida
Qe - dimensão da encomenda
Qc/Qe - número de encomendas

Análise custo benefício Pág. 89


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise custo benefício Pág. 90


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise custo benefício Pág. 91


Aprovisionamento e gestão de stocks

Quantidade
económica de
aquisição ?
Saiba mais
Análise custo benefício Pág. 92
Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise custo benefício Pág. 93


Aprovisionamento e gestão de stocks

Suponha agora um artigo A, em que se


verificam os seguintes encargos anuais

V stock médio = 100.000 €


V encargos stock = 5.000 €
V unitário artigo = 30 €
V encargos capital = 4%

Análise custo benefício Pág. 94


Aprovisionamento e gestão de stocks

a) Determine o custo de posse do artigo ?


(valores unitários anuais)

Análise custo benefício Pág. 95


Aprovisionamento e gestão de stocks

b) Sabendo que a previsão de vendas para


próximo ano de 4.600 unidades e um custo
estimado de 120 € por encomenda.

Determine, a quantidade e a periodicidade


óptima de aprovisionamento ?

Análise custo benefício Pág. 96


Aprovisionamento e gestão de stocks

Ciclo óptimo de aprovisionamento

Análise custo benefício Pág. 97


Aprovisionamento e gestão de stocks

c) Determine o custo de aprovisionamento ?

Após determinarmos na alínea anterior, qual o


ciclo óptimo aprovisionamento, determinemos
agora quanto nos custa o respectivo ciclo.

Análise custo benefício Pág. 98


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise custo benefício Pág. 99


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise custo benefício Pág. 100


Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise custo benefício Pág. 101


Aprovisionamento e gestão de stocks

Qea
Análise custo benefício Pág. 102
Aprovisionamento e gestão de stocks

Análise custo benefício Pág. 103


Aprovisionamento e gestão de stocks

Uma nota final para o facto dos custos designados de


aprovisionamento serem cada vez mais importantes
para qualquer actividade comercial, em virtude de que
a composição habitual do preço de venda dum artigo
é normalmente composta pelos seguintes factores,

Custo Aquisição
+
Custo Aprovisionamento + Margem Comercial

Cada vez mais os preços de venda dos artigos e os seus


custos de aquisição são fortemente condicionados pelo
mercado, isto é mais ou menos constantes, logo existe
uma relação directa entre a margem comercial e o custo
de aprovisionamento do artigo.

Análise custo benefício Pág. 104


Aprovisionamento e gestão de stocks

Métodos de
aprovisionamento

Métodos de aprovisionamento Pág. 105


Aprovisionamento e gestão de stocks

Métodos de aprovisionamento Pág. 106


Aprovisionamento e gestão de stocks

Métodos de Aprovisionamento

Métodos de aprovisionamento Pág. 107


Aprovisionamento e gestão de stocks

Métodos de aprovisionamento Pág. 108


Aprovisionamento e gestão de stocks

Consumos regulares

Exemplo:

Rolos papel higiénico, reaprovisionar


15 rolos papel higiénico mensalmente.

Aplicação:

Produtos preponderância factor T(x).

A taxa de consumo é dada por Qea/T.

Métodos de aprovisionamento Pág. 109


Aprovisionamento e gestão de stocks

Métodos de aprovisionamento Pág. 110


Aprovisionamento e gestão de stocks

Consumos irregulares

Exemplo:

Consumo de gasolina, semanalmente


atestar ie reposição nivel do depósito.

Aplicação:

Produtos preponderância factor R(x).

Q1 = (Qs – Qc)/Pc x T

Métodos de aprovisionamento Pág. 111


Aprovisionamento e gestão de stocks

Métodos de aprovisionamento Pág. 112


Aprovisionamento e gestão de stocks

Métodos de aprovisionamento Pág. 113


Aprovisionamento e gestão de stocks

Periodos irregulares

Exemplo:

Consumo de perfume, compra frasco


novo quando o frasco atingir um det.
nivel isto é quando atingir o ponto de
encomenda.

Aplicação:

Produtos preponderância factor S(x).

Ponto encomenda é o valor do stock


de cobertura com base no ciclo ideal
ou seja, no ciclo de consumo médio.

Métodos de aprovisionamento Pág. 114


Aprovisionamento e gestão de stocks

1º Problema

Métodos de aprovisionamento Pág. 115


Aprovisionamento e gestão de stocks

Solução 1: utilização diversas ferramentas


estatisticas, na determinação do ponto de
encomenda e do nivel do stock segurança.

Métodos de aprovisionamento Pág. 116


Aprovisionamento e gestão de stocks

Solução 2: algoritmo de decisão empírico,


aplicando técnica da melhoria continuada.

Métodos de aprovisionamento Pág. 117


Aprovisionamento e gestão de stocks

2º Problema

Métodos de aprovisionamento Pág. 118


Aprovisionamento e gestão de stocks

Solução : construção modelo especifico


para determinação do ponto encomenda
com auxilio de ciclo de consumo ficticio.

Métodos de aprovisionamento Pág. 119


Aprovisionamento e gestão de stocks

Métodos de
Aprovisionamento
Saiba mais

Métodos de aprovisionamento Pág. 120


Aprovisionamento e gestão de stocks
Métodos de Aprovisionamento
Multivariáveis

JIT
MRP Gamas de
Planeamento
KANBAN Fabrico

PERT/CPM Estrutura
GANTT do
Produto
Métodos de aprovisionamento Pág. 121
Aprovisionamento e gestão de stocks
Métodos de Aprovisionamento
Multivariáveis

JIT
MRP Gamas de
Planeamento
KANBAN Fabrico

PERT/CPM Estrutura
GANTT do
Produto
Métodos de aprovisionamento Pág. 122