You are on page 1of 31

É um estilo natural que não é mais do que ser

directo, honesto e respeitoso ao interagir com
os outros.
Significar afirmar, por palavras e por gestos, o
que realmente eu quero, sinto e penso, levando
simultaneamente o meu interlocutor a afirmar o
que ele sente, pensa e quer.

1

Como poderá afirmar-se na comunicação com os
outros quem não gostar de si mesmo e não
apreciar as suas obras e actividades?

2

Qual é a imagem espontânea que tenho de mim próprio?
Como é que me vejo?
Vejo-me a fazer isto?
De que sou capaz?
3

A auto-estima tem a ver com os aspectos avaliativos que um indivíduo elabora a seu próprio respeito. 4 .

Cada indivíduo desenha uma imagem de si próprio com maior ou menor dimensão Formato reduzido / Formato normal Maior ou menor brilho Cores /Preto e branco 5 .

O gostar de si próprio ● respeitar-se a si mesmo dar ouvidos às suas necessidades e aspirações Imagem positiva de si próprio ● acreditar nas suas capacidades projectar-se no futuro Auto-confiança ● agir sem medo excessivo do fracasso e do juízo dos outros 6 .

dignos. a sensação de sermos merecedores. 2. A confiança em nossa capacidade para pensar e enfrentar os desafios da vida.Mais especificamente a auto-estima é: 1. A confiança em nosso direito de ser feliz. qualificados expressar nossas necessidades e desejos e desfrutar os resultados dos nossos esforços. 7 .

8 .Na sua formação intervém três processos: Diz respeito à repercussão que A avaliação reflectida tem sobre o indivíduo a avaliação que de si é feita pelos outros.

Ocorre quando o indivíduo se compara com os seus pares sociais. nas alturas A comparação social em que não possui uma informação objectiva sobre um dado comportamento seu. 9 .

Refere-se à tendência que o ser humano tem para tirar conclusões a seu respeito. em função do êxito ou fracasso dos seus esforços. A auto-atribuição na observação das suas próprias acções. 10 .

A noção do valor pessoal (auto-respeito) 11 . A noção da eficiência pessoal (auto-eficiência) 2.A auto-estima tem dois aspectos inter-relacionados: 1.

E ENFRENTAR PROBLEMAS SER AMADO E RESPEITADO 13 . Auto-estima AUTO-CONFIANÇA E DIREITO DE SER FELIZ AUTO-EFICIÊNCIA AUTO-RESPEITO CONFIANÇA NA PRÓPRIA CERTEZA DOS PRÓPRIOS CAPACIDADE DE PENSAR VALORES. DE PODER AMAR.

injustificadamente. em relação a outros quando os progenitores prestam atenção ao que faz de errado e nunca valorizam o que faz bem feito 15 .Circunstâncias que podem conduzir um indivíduo a adquirir uma má auto-estima: quando na sua família não lhe dão a atenção devida. o reprimem na expressão dos seus pontos de vista e das suas emoções. quando é preterido.

Tem dificuldade em lidar com as circunstâncias do dia-a-dia Reage mal a críticas Estados de espírito negativos (“distimia”) Mostra-se perturbado quando o rejeitam Falta de confiança nas ideias próprias Busca segurança naquilo que conhece 16 .

Adopta uma atitude passiva perante a vida (pessimismo defensivo) Sente-se inferior quando se compara com os outros Tem a tendência a atribuir o êxito a factores externos (como a sorte ou o acaso) e o fracasso a factores internos (como as aptidões pessoais) 17 .

conhecido pelo desconhecido próprio pelo próprio conhecido DOMÍNIO PÚBLICO MANCHA CEGA pelos outros desconhecido DOMÍNIO DOMÍNIO pelos outros OCULTO DESCONHECIDO 20 .

e até pedir opinião às pessoas que o rodeiam 21 . conhecido pelo desconhecido próprio pelo próprio conhecido DOMÍNIO PÚBLICO pelos outros MANCHA CEGA Escutar sistematicamente.

conhecido pelo próprio Auto-revelação exprimir os seus conhecido pensamentos. pelos outros DOMÍNIO PÚBLICO as suas emoções mesmo que não estejam de acordo com os do desconhecido nosso interlocutor DOMÍNIO OCULTO pelos outros 22 .

conhecido pelo desconhecido próprio pelo próprio Conhecer conhecido situações DOMÍNIO PÚBLICO pelos outros inabituais e em fazer novas experiências desconhecido DOMÍNIO DESCONHECIDO pelos outros 23 .

Se a sua auto-estima é reduzida. e de uma forma neutra e moderada: pense em tornar o seu retrato um pouco mais vivo Gosto/não gosto É capaz de definir claramente o que gosta e o que não gosta? Como falaria disso aos outros? E como aceitaria pontos de vista diferentes do seu? Conheço/não conheço Em que áreas é mais entendido do que a média? Como falaria nisso para ensinar coisas aos outros? Ousaria fazer perguntas acerca dos assuntos que ignora? Os meus defeitos/as minhas qualidades Sabe identificar os seus defeitos e as suas qualidades? E – quando -a situação o exige – comentá-los sem gabarolices e sem lamentações? 24 . terá tendência para falar pouco de si.

FRACA AUTO-ESTIMA E FALTA DE AUTO-AFIRMAÇÃO TENHO UMA FRACA AUTO-ESTIMA NÃO ME TENHO MEDO DA NÃO ME ARROGO O REJEIÇÃO SE ME AFIRMAR HABITUO A DIREITO DE AFIRMAR-ME ME AFIRMAR PERANTE OS OUTROS NÃO ME AFIRMO CONTINUO A TER MEDO DA REJEIÇÃO: “O QUE TERIA ACONTECIDO SE EU ME TIVESSE AFIRMADO? 25 .

• Benevolência os outros abuso e exploração dos • Boa vontade outros • Nebulosas. BAIXA ALTA AUTO-ESTIMA AUTO-ESTIMA • Busca a segurança do que • Busca metas desafiadoras é conhecido e não exigente • Resposta às oportunidades Metas • Subestimam ou de maneira mais rica e superestimam as suas apropriada capacidades • Avaliam as suas capacidades de maneira realista • Acomodação frente à falta • Respeito pelos outros Relação com de cortesia. desrespeito. evasivas e • Aberta honesta e adequada impróprias devido à incerteza • Atracção de pessoas Comunicação dos nossos próprios também com boa auto-estima pensamentos e sentimentos e devido à ansiedade diante da reacção do outro 27 .

incerta. maneira positiva mediana O juízo que fazem de si O juízo que fazem de si próprias próprias pode depender das depende relativamente pouco das circunstâncias e dos circunstâncias e dos interlocutores interlocutores Falam de si próprias de maneira Falam de si próprias de maneira contraditória coerente 28 . vaga. AUTO-ESTIMA REDUZIDA AUTO-ESTIMA ELEVADA As pessoas sentem que se As pessoas têm ideias claras acerca conhecem mal de si próprias Falam de maneira neutra Falam de si próprias com clareza Descrevem-se de maneira mais Sabem falar de si próprias de moderada.

conhecimento ou feedback que afirme os nossos valores.  Buscar e compreender não apenas o mundo à nossa volta. metas e planos.A PRÁTICA DE VIVER CONSCIENTEMENTE  Participar intensamente naquilo que fazemos.  Buscar e estar totalmente aberto a qualquer informação. 29 . mas também o nosso mundo interior.

 Disposição para defender a si mesmo e suas ideias de maneira apropriada.A PRÁTICA DA AUTO-AFIRMAÇÃO  Respeitar os próprios valores.  Ser autêntico nas relações interpessoais. 30 .  Recusar camuflar a realidade de quem somos ou do que gostamos para evitar a desaprovação do outro.

aprová-las ou justificá-las. sentimentos e acções.  Analisar as nossas acções sem necessariamente apreciá-las. sem fugir. experimentar e assumir a responsabilidade por nossos pensamentos.A PRÁTICA DA AUTO-ACEITAÇÃO  Disposição de admitir. 31 . negar ou refutar.

que cada um de nós é responsável pela própria vida.A PRÁTICA DO SENSO DA RESPONSABILIDADE  Consiste em perceber que somos autores das nossas escolhas e acções. 32 . pelo próprio bem estar e pela realização das nossas metas.

A PRÁTICA DE VIVER OBJECTIVAMENTE  Estabelecer os nossos objectivos ou planos de curto e longo prazo e as providências necessárias para concretizá-los. 33 . organizar o comportamento em função desses objectivos.

traímos as nossas próprias mentes e a auto-estima é inevitavelmente prejudicada. honrar os nossos compromissos e servir de exemplo dos valores que declaramos admirar. 34 .  Tratar os outros de maneira justa e benevolente.  É dizer a verdade.  Quando traímos os nossos valores.A PRÁTICA DA INTEGRIDADE PESSOAL  É viver coerentemente com os nossos conhecimentos. palavras e actos.

Criatividade •Mente menos subserviente ao sistema de crenças dos outros •São mais auto-suficientes •Podem aprender com os outros ou inspirar-se neles mas valorizam os próprios pensamentos e as próprias percepções Independência •A prática de pensar por si mesmo •Prática de assumir toda a responsabilidade pela própria existência Flexibilidade •Capacidade de reagir às mudanças sem apegos inadequados ao passado 35 .

se estou seguro dos meus limites.Capacidade para enfrentar mudanças •Disponibilidade para admitir (e corrigir) erros •Forte orientação pela realidade •Os factos são prioritários em relação às crenças •A verdade tem muito mais valor do que estar certo Capacidade de cooperação •Se centrado em mim mesmo. confiante em meu direito de dizer “sim” e “não” quando quero 36 .