You are on page 1of 12

Nesta aula discutimos os seguintes tópicos

 Os textos passados em sala de aula sobre “Senso


Comum”

 Os aspectos principais relacionados ao Senso


Comum: “verdade”, “comportamento cotidiano”

 A corrente sociológica compreensiva e


fenomenológica que pesquisam a estrutura da
vida cotidiana e o papel do senso comum
 conhecimento prático e cotidiano sobre a vida social;

 saber informal, subjetivo, acrítico e heterogêneo;

 orientado por experiências cotidianas: costumes, hábitos,


tradições, normas, ética e valores;

 saber informal que se origina de um indivíduo ou grupo


social;

 é subjetivado no processo de “socialização” dos


indivíduos por meio dos grupos sociais e instituições.
I- Representações sociais sobre a realidade humana (relações sociais)
e a natureza que são generalizadas socialmente e cotidianizadas, ao
longo do tempo

 representações sobre a natureza: lendas e crendices

 crenças sobre relações entre causas e efeitos

 generalizações como “verdades”, sem base científica, de


acontecimentos ocorridos nas experiências pessoais ou do grupo
social;

 discriminações e preconceitos
II- Orienta a maior parte das ações sociais dos indivíduos. É
estruturante da vida cotidiana.

 confere sentido/significado à vida cotidiana e às ações sociais dos


indivíduos - “Significado compartilhado”

 ações dirigidas conscientemente a outros que são compartilhadas


(compreendidas enquanto motivação)–“significado compartilhado”

 tem caráter coercitivo – “controle social” cotidiano

 o que possibilita a reprodução da vida social (econômica, política


e cultural): escola, família, trabalho, lazer...
III - Realidade social é percebida como “natural”, a-histórica,
“presentificada”

 fenômenos, acontecimentos, fatos sociais são conhecidos em sua


imediaticidade e geralmente aceitos como “naturais”

 aparência de “obviedade”, “objetividade”, “coerência”, “verdade”:

- “Assim é... assim sempre foi...”


- “O que fazer? Paciência...”

 Conhecimento que pouco indaga sobre os grandes fenômenos sociais e


políticos, ou pequenos acontecimentos cotidianos

 “naturaliza” como se existissem por si mesmos: os fenômenos sociais, os


modos de fazer e pensar, as “verdades” e as “certezas” sobre as relações
sociais
IV - Correntes sociológicas que estudam o senso comum (sentido
comum) – vida cotidiana

 Sociologia compreensiva – Max Weber (1864-1920):

 ciência histórica, cultural e compreensiva

 preocupa-se com os significados subjetivos presentes nas ações,


comportamento e acontecimentos sociais;

 ciência da realidade humana: conhecimento subordinado às


questões que o cientista indaga sobre a realidade; à medida em que
a história avança e novos sistemas de valores surjam, novas
questões são formuladas sobre os fatos, presentes e passados.
 A realidade social é construída nos significados e através deles e só
podem ser identificadas na linguagem significativa da interação
social

 a linguagem, as práticas sociais, as coisas e os acontecimentos são


inseparáveis

 Pesquisa empírica a fim de fornecer dados que dêem conta das


formulações teóricas

 as atores sociais conferem significados a seus ambientes sociais

 os atores sociais podem descrever, explicar e justificar suas ações


que são sempre motivadas por causas tradicionais, sentimentos
afetivos ou são racionais.
 Senso comum: o “mundo da cotidianidade” como experimentado e
naturalizado nos indivíduos: sistema objetivado e compartilhado

 “atitude natural”: o indivíduo não questiona a estrutura


significativa do mundo, mas age e vive nele

 crítica radical ao “objetivismo” (positivismo) da ciências sociais;


propõe a subjetividade como fundante do sentido

 Três categorias de conhecimento

- vivido e experimentado no cotidiano


- epistemológico que investiga esse mundo
- metodológico de investigação
 Revelar os significados subjetivos implícito no universo
dos atores sociais

 intersubjetividade : relações uns com os outros – categoria


central “nós”

 compreensão: para atingir o mundo do vivido, sociologia


deve apreender as coisas sociais como significativas

 racionalidade e interacionalidade: mundo social


constituído por ações e interações que obedecem a usos,
costumes e regras que conhecem meios, fins e resultados
 Interacionismo simbólico – George Hebert Mead e Hebert Blumer

 Concepção interacionista das relações sociais:

- comportamento humano é autodirigido: simbólico e interacional


- isso permite aos indivíduos planejar e dirigir suas ações aos outros
- conferir significado aos objetos que utilizam em seus planos
- consenso estabelecido nas inter-relações

“Nós podemos e eu penso que posso olhar a vida humana, acima de


tudo como um vasto processo de interpretação, no qual o povo,
individual e coletivamente, guia a si mesmo para definir objetivos,
acontecimentos e situações que encontram... Nenhum esquema
designado para analisar a vida dos grupos humanos em seus caracteres
gerais se adequa a esse processo de interpretação”
 Eixo de investigação

- símbolos e interação: principais elementos a apreender


na investigação

- investigador sai do “objetivismo” e substitui sua


perspectiva pela dos grupos estudados para apreender:
símbolos, significados e definições forjados pelos atores
sociais

- Análise de pequenos grupos


Hebert Blumer – Interacionismo simbólico.
Perspectiva e método (1969)

“realidade social seria a soma de ações individuais


construídas por atores em situações sociais que eles
interpretam por referência não a uma cultura comum e
estável, e sim ao curso do próprio processo de interação – ou
seja, em função dos comportamentos dos outros atores. A
ordem social, portanto, é instável e contingente:
perpetuamente reconstruída pelos atores, ela é o produto
temporariamente institucionalizado de interações que ela
jamais determina”