You are on page 1of 127

ESTRUTURAS

METÁLICAS

PROF. MAURO CRUZ


mauro@metacustica.com.br
AULA
AULA 11 -- 10/03/2018
10/03/2018

1
Proporcionar ao aluno os conhecimentos necessários à
elaboração de projetos em estruturas metálicas, com
dimensionamento através do método dos estados limites.

Fornecer subsídios para o bom desempenho profissional,


quando de suas atividades em obra ou escritório de
projeto para os assuntos correlatos ao tema.

2
3
USO DO FERRO

OS PRIMEIROS USOS DO FERRO ACONTECERAM, APROXIMADAMENTE,

7000 ANOS, EM CIVILIZAÇÕES TAIS COMO: EGITO, BABILÔNIA E ÍNDIA.

• ADORNO

• CONSTRUÇÕES

• MILITARES

O USO DO FERRO EM ESCALA INDUSTRIAL SÓ TEVE LUGAR EM MEADOS

DO SÉCULO DEZENOVE, NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

INGLATERRA, FRANÇA E ALEMANHA.


4
5
CURIOSIDADE:

POR VOLTA DO SÉCULO IV D.C., OS HINDUS FORAM CAPAZES DE


FUNDIR ALGUNS PILARES DE FERRO QUE SE TORNARAM FAMOSOS.

UM DELES, AINDA EXISTENTE EM N. DHELI, TEM UMA ALTURA DE MAIS


DE SETE METROS, COM OUTRO MEIO METRO ABAIXO DO SOLO E UM
DIÂMETRO QUE VARIA DE QUARENTA CENTÍMETROS NA BASE A
POUCO MAIS DE TRINTA CENTÍMETROS NO TOPO.

SUA FUNDIÇÃO TERIA SIDO IMPOSSÍVEL, NAQUELE TAMANHO, NA


EUROPA, ATÉ ÉPOCA RELATIVAMENTE RECENTE. MAS, A COISA MAIS
NOTÁVEL NESSE E EM OUTROS PILARES DE SUA ESPÉCIE, É A
AUSÊNCIA DE DETERIORAÇÃO OU DE QUALQUER SINAL DE
FERRUGEM.
6
CURIOSIDADE:

Vista do pilar no Complexo de Qutb, em


Déli, Índia.

7
BREVE HISTÓRICO


Após a queda do império romano, desenvolveu-se na Espanha a Forja
Catalã, que veio a dominar todo o processo de obtenção de ferro e aço
durante a Idade Média.

8
BREVE HISTÓRICO

A Grã-Bretanha
foi a maior
beneficiária dessa
conquista
científica, em
razão de possuir,
em territórios
próximos a jazidas
de minério de
ferro, de carvão e
de pedra.
Dominou o
mercado
Internacional de
ferro, a ponto de
ter sido
considerada a
OFICINA
MECANICA DO
9
MUNDO.
BREVE HISTÓRICO

1779, construiu-se a primeira ponte de ferro, em Coalbrookdale, na


Inglaterra
1787, o primeiro barco de chapas de ferro e outras inovações.

10
BREVE HISTÓRICO

As ferrovias foram a maior contribuição à expansão das atividades da metalurgia


e, no ano de 1830, entra em operação a ferrovia Liverpool-Manchester.

11
BREVE HISTÓRICO

Por volta de 1847, estava em andamento a execução de cerca de dez mil


quilômetros de ferrovias.
Os Estados Unidos, constroem na década de 1870, cinqüenta e uma mil milhas
de estradas de ferro, o que representava, na época, tanto quanto se havia
construído no restante do mundo.

12
A primeira companhia
ferroviária dos
Estados Unidos foi a
Baltimore and Ohio
Railroad (B & O),
fundada em 1827.

Ferrovia norte americana em 1860. 13


Britannia Brigde, com dois vãos centrais de 140 metros cada
,

14
Brooklyn Bridge em Nova Iorque, nos Estados Unidos, a
primeira das grandes pontes penseis, com 486 metros de
vão livre e construída em 1883;

15
Torre Eiffel, em Paris, datada de 1889, com 312 metros de altura;
Empire State Building, também em Nova Iorque, com seus 380
metros de altura e datado de 1933;

16
Golden Gate Bridge, na cidade de São Francisco,
com 1280 metros de vão livre, construída em 1937 .

17
O AÇO CHEGA AO BRASIL
Outubro de 1888, chegou a Bananal, no Estado do Rio de Janeiro, a
estação ferroviária que ali seria montada.

18
Estação ferrovia no Bananal, Rio de Janeiro. 1888.
O AÇO CHEGA AO BRASIL

Estação da Luz, no centro da cidade de São Paulo em 1901 é a marca


até hoje da paisagem da capital paulista.

19
O AÇO CHEGA AO BRASIL

O Mercado do Peixe, em Belém, por muito tempo conhecido como


o Mercado de Ferro, inaugurado em 1901.

20
O AÇO CHEGA AO BRASIL

O Mercado do Peixe, em Belém

21
O AÇO CHEGA AO BRASIL

O Mercado de São José, no Recife;

22
O AÇO CHEGA AO BRASIL

O Mercado de São José, no Recife, 1875

23
A CSN – GOVERNO VARGAS

1946 - A primeira corrida de aço em uma usina siderúrgica integrada de
grande porte, no Brasil, deu-se em 22 de junho de 1946, na Usina
Presidente Vargas, da CSN – Companhia Siderúrgica Nacional, em Volta
Redonda, no Estado do Rio de Janeiro.

24
25
BRASILIA 1960

26
RIO DE JANEIRO 1961

27
FEM


1953 - FEM – Fábrica de Estrutura Metálicas

Ttecnologia brasileira da construção metálica.

28
AÇO É UMA LIGA METÁLICA FORMADA ESSENCIALMENTE

POR FERRO E BAIXAS PORCENTAGENS DE CARBONO,

(VARIANDO ENTRE 0,008 E 2,11%).

DISTINGUE-SE DO FERRO FUNDIDO, QUE TAMBÉM É UMA LIGA

DE FERRO E CARBONO, MAS COM TEOR DE CARBONO ENTRE

2,11% E 6,67%.

O CARBONO É UM MATERIAL MUITO USADO NAS LIGAS DE

FERRO, PORÉM VARIA COM O USO DE OUTROS ELEMENTOS

COMO: MAGNÉSIO, CROMO, VANÁDIO E TUNGSTÊNIO.

29
O PRINCIPAL MINÉRIO ENCONTRADO NO BRASIL É A
HEMATITA COM 50 A 70 % DE FERRO (8% DAS RESERVAS
MUNDIAIS) É DE BOA QUALIDADE DEVIDO AOS BAIXOS
ÍNDICES DE FÓSFORO E ENXOFRE.

30
31
32
33
34
A PRODUÇÃO DIÁRIA EM MÉDIA DE UM ALTO FORNO VARIA DE 5.000 A 10.000
TONELADAS.
A CARGA DO ALTO FORNO PARA A PRODUÇÃO DE 1 TONELADA DE FERRO GUSA:
• 1,7 TONELADAS DE MINÉRIO
• 0,25 TONELADA DE CALCÁREO
• 0,5 TONELADA DE CARVÃO
• 2 TONELADAS DE AR
PRODUÇÃO:
• 1 TONELADA DE FERRO GUSA
• 0,2 A 0,4 TON. DE ESCÓRIA
• 2,3 A 3,5 TON. DE GÁS (REAPROVEITÁVEL).

35
36
INJETA-SE OXIGÊNIO PURO
REMOVENDO O CARBONO
DO FERRO

37
38
39
40
41
CARACTERÍSTICAS DE RESISTÊNCIA
EXEMPLOS DE APLICAÇÃO

• TRAÇÃO - CABOS E TIRANTES


• COMPRESSÃO - COLUNAS, BASES DE MÁQUINAS E
EQUIPAMENTOS
• FLEXÃO - VIGAS E PÓRTICOS
• TORÇÃO - MOLAS E EIXOS
• IMPACTO - BLINDADOS E ARMAMENTOS
• ALTAS TEMPERATURAS - CALDEIRAS
• INTEMPÉRIES - PONTES E VIADUTOS
• ABRASÃO E DESGASTE - TRILHOS E SERRAS
• AGRESSÕES QUÍMICAS - RESERVATÓRIOS E INDÚSTRIAS.
42
43
1 MPa = 10 Kgf/cm²

fy a resistência ao escoamento do aço à tensão normal ou limite


de escoamento

fu é a resistência de ruptura do aço à tração ou limite de


resistência à tração,

44
45
46
CORROSÃO
DETERIORAÇÃO,
QUE OCORRE QUANDO UM METAL REAGE COM O MEIO AMBIENTE

47
Métodos de Controle da Corrosão

UM DADO METAL PODE SER SATISFATÓRIO EM


UM CERTO MEIO E PRATICAMENTE INEFICIENTE
EM
OUTROS MEIOS.
POR OUTRO LADO, VÁRIAS MEDIDAS
PODEM SER TOMADAS NO SENTIDO DE
MINIMIZAR A CORROSÃO

48
EVITAR FRESTAS, RECESSOS, CANTOS VIVOS E
CAVIDADES;

BOM ACABAMENTO SUPERFICIAL ÀS PEÇAS;

SUBMETER AS PEÇAS A UM RECOZIMENTO DE ALÍVIO


DE TENSÕES INTERNAS;

USAR JUNTAS (BEM) SOLDADAS NO LUGAR DE JUNTAS


PARAFUSADAS.
49
50
Escala Elétrica dos Metais

mais ativo
Quanto mais afastados no escala elétrica,
zinco maior será o potencial de reação entre dois
liga Al+Zn metais.
alumínio

aço
Quando expostos a um ambiente corrosivo
chumbo como a nossa atmosfera ou a água da
chuva, dois metais diferentes que estejam
cobre em contato direto ou que estejam
conectados por algum outro meio,
grafite estabelecem um par elétrico, no qual o
metal mais ativo irá se sacrificar (ou
menos ativo dissolver) para proteger o menos ativo.
51
Ação da Proteção Catódica

Arranhão Ar Óxido de Água


na Chapa Zinco

Aço 1 2 3 4

Zinco

Hidróxido CO2 Carbonato


de Zinco de Zinco

5 6 7

52
53
54
55
56
PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

O AÇO SOFRE REDUÇÃO DE RESISTÊNCIA COM O AUMENTO DE TEMPERATURA.

NO SÉCULO XIX, QUANDO EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES DE AÇO


COMEÇARAM A SER CONSTRUÍDOS, O CONCRETO ERA UTILIZADO COMO
MATERIAL DE REVESTIMENTO DO AÇO, SEM FUNÇÃO ESTRUTURAL, MAS, COM
GRANDES ESPESSURAS, APESAR DO CONCRETO NÃO SER UM ISOLANTE IDEAL.

HOJE, SE RECONHECE QUE A CAPACIDADE RESISTENTE DO AÇO, DO CONCRETO, DA


MADEIRA, DA ALVENARIA ESTRUTURAL E DO ALUMÍNIO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO
É REDUZIDA EM VISTA DA DEGENERAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS
MATERIAIS OU DA REDUÇÃO DA ÁREA RESISTENTE.

57
58

PROF. MAURO CRUZ – AULA 1


59
60
61
62
63
64
65
66
67
68
69
70
Este produto possui
baixo peso específico
(aproximadamente 340
Kg/m3) sendo
completamente atóxico
projetado diretamente
na estrutura,

71
72
73
Chama-se isolante térmico um
material ou estrutura que dificulta
a dissipação de calor, usado na
construção e caracterizado por sua
alta resistência térmica.

74
75
A MANTA FIBROCERÂMICA É
FABRICADA A PARTIR DE SÍLICA E
OUTROS MATERIAIS

SUA APLICAÇÃO ATRAVÉS DE


PRESILHAS E BOTÕES SOBRE A
ESTRUTURA, ATENDE TANTO A
PROTEÇÃO PASSIVA CONTRA
FOGO DE ESTRUTURAS METÁLICAS

76
77
A tinta intumescente,
quando exposta à ação do
fogo direta, ao atingir 200°C
inicia-se o processo de
expansão volumétrica
formando um filme isolante
com espessura de até 40
vezes

78
79
80
81
82
83
84
85
86
87
88
89

Edger = desbastador – alinha bordas – passe de controle dimensional


90
91
92
93
94
AEROPORTO DOS GUARARAPES
RECIFE PE 95
AEROPORTO DE CARRASCO – MONTEVIDEO - URUGUAI

96
TORRE EIFELL – PARIS - FRANÇA

97

PROF. MAURO CRUZ – AULA 1


98
AEROPORTO CHARLES DE GAULLE – ROISSY- FRANÇA

99
PERFIS SOLDADOS

PERFIL SOLDADO É O PERFIL CONSTITUÍDO POR TRÊS CHAPAS DE AÇO


ESTRUTURAL, UNIDAS ENTRE SI POR SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO,
FORMANDO APROXIMADAMENTE EM SUA SEÇÃO TRANSVERSAL UM I.

 EMPREGADOS NA CONSTRUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO


 GRANDE VERSATILIDADE DE COMBINAÇÕES POSSÍVEIS DE
ESPESSURAS COM ALTURAS E LARGURAS
 REDUÇÃO DO PESO DA ESTRUTURA, COMPARATIVAMENTE COM OS
PERFIS LAMINADOS DISPONÍVEIS NO MERCADO ATUALMENTE.
100
101
102
103
PRODUZIDOS PELOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS METÁLICAS A PARTIR DO
CORTE E SOLDAGEM DAS CHAPAS FABRICADAS PELAS USINAS SIDERÚRGICAS

SOLDAGEM:
ELETRODO REVESTIDO, ARCO SUBMERSO OU OUTRO TIPO
MATERIAL DE SOLDA –
COMPATÍVEL COM O TIPO DE AÇO A SER SOLDADO
(CARACTERÍSTICAS SIMILARES DE RESISTÊNCIA MECÂNICA, À CORROSÃO,
ETC.)

104
105
106
107
PERFIL LAMINADO I ou W
108
PERFIL LAMINADO I ou W

109
PERFIL LAMINADO I ou W

110

Edger = desbastador – alinha bordas – passe de controle dimensional


A nomenclatura dos perfis I, H e C (ou U) segue uma regra geral, onde é fornecida a
indicação da forma do perfil seguida de sua altura total (d, em mm) e de sua massa
linear (kg/m). Por exemplo:
I 101 x 12,7, perfil I, com d = 101,0 mm e massa linear 12,7 kg/m.
C (ou U) 254 x 22,7, perfil Tipo C (Channel, ou U), com d = 254,0 mm e massa linear 22,7
kg/m. 111
PERFIL LAMINADO I ou W

PERFIS LAMINADOS ESTRUTURAIS


SÃO PERFIS FORMADOS PELO MESMO
PROCESSO PARA OS PRODUTOS PLANOS COMO AS CHAPAS, SÃO OBTIDOS A PARTIR DE
LAMINAÇÃO À QUENTE, CONFORMADOS POR UMA SUCESSÃO DE PASSES.

112
PERFIL "W" (Wide Flange Shape), podendo ser também, PERFIL
"I", PERFIL duplo Tê ou PERFIL "H".
Ex. W 250 x 17,9.

Muitas vezes se confunde ao diferenciar o Perfil "I", do PERFIL


"W", mas o único diferencial destes perfil é sua nomenclatura.
PERFIL "I" = Devido ao seu formato parecido com a letra "I".
PERFIL "W" = Apesar de ser o mesmo perfil vem do americano
que usa a inicial "Wide", (Wide Shape Flange), que quer dizer,
"Forma Larga da Flange".

PERFIL "H" O mesmo perfil apesar do seu diferencial ser a altura


da alma ser mais reduzida "tw", e sua mesa ser mais alongada
"bf". 113
A REFERÊNCIA À ALTURA DO PERFIL E À SUA MASSA LINEAR É ARREDONDADA NOS
NOMES DE PERFIS DAS TABELAS, DE MODO QUE DEVE-SE CONSULTAR OS VALORES
EXATOS NAS PRÓPRIAS TABELAS.

114
115
116
COLUNA FLAMBADA

VIGA FLEXIONADA
NOMENCLATURAS USUALMENTE UTILIZADAS

DIZEMOS QUE A

VIGA É FLEXIONADA
COLUNA É FLAMBADA 117
Eng. Gerson Moacyr Sisniegas Alva –
UNIV. PASSO FUNDO

118
EXEMPLO DE CONSEQUÊNCIAS
DE FLECHAS EXCESSIVAS EM
VIGAS E LAJES

FISSURAS INCLINADAS EM
PAREDES DE ALVENARIA

119
FUNCIONAMENTO DE
JANELAS PREJUDICADO

EXEMPLO DE CONSEQUÊNCIAS DE DESLOCAMENTOS


HORIZONTAIS EXCESSIVOS

FISSURAS EM ALVENARIAS
(DISTORÇÃO)

120
PATOLOGIAS EM ALVENARIA DESLOCAMENTOS
HORIZONTAIS EXCESSIVOS
Fonte: Fissuras na interface estrutura-alvenaria em edifícios de multipavimentos
SAHB & CARASEK (2006) – VI Simpósio EPUSP de Estruturas de Concreto 121
Tabela 13.2 da NBR 6118: Limites para deslocamentos

122
123
= 2,1 x 106 Kgf/cm2 124
1 MPa = 10 Kgf/cm²

fy a resistência ao escoamento do aço à tensão normal ou limite


de escoamento

fu é a resistência de ruptura do aço à tração ou limite de


resistência à tração,

ASTM-A572 Gr 50 345 450

125
345 MPa = 3450 Kgf/cm²

Ѱ=2
segurança

126
SEGUNDA VERIFICAÇÃO QUE FAZEMOS

Ѱ = 2 - fator de segurança para vigas laminadas


Utilizaremos a resistência do aço ASTM A-572
GR.50 como 3.450 Kgf/cm² ÷ 2 = 1.725 Kgf/cm²

MOMENTO FLETOR MÁXIMO


RESISTÊNCIA W = __________________________
RESISTÊNCIA DO AÇO

127