You are on page 1of 29

CURSO PIEF MISTO 23 E PROFISSIONAL DE SECUNDÁRIO

DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA
Referencial - Despacho n.º5908/2017 de 5 de julho

PIEF Misto de 2º e 3º
ciclo – 2º ciclo (1 ano) e
3º ciclo (2 anos)

Curso Profissional de
Secundário de Técnico de
Apoio à Gestão Desportiva
– 3 anos
PIEF – Programa Integrado de Educação e Formação
A) O PIEF é uma medida socioeducativa, de caráter temporário e excecional, a adotar
depois de esgotadas todas as outras medidas de integração escolar.
B) São destinatários desta medida os jovens com idades compreendidas entre os 15 e os
18 anos, à data de 1 de setembro, que, no momento da sinalização não frequentem,
injustificadamente, as atividades letivas previstas no calendário escolar 2 há mais de 20
dias úteis.
MATRIZ CURRICULAR DO PIEF MISTO (2º CICLO)
Carga horária Carga horária Tempos
Número de
Domínio/Unidades de Formação semanal 1º ano semanal (50 semanais (50
professores
(horas) minutos) minutos)

Viver em Português 93 112 3 1
Matemática e Realidade 93 112 3 1
Comunicar em Língua estrangeira
(Inglês) 45 54 2 1
Educação Física 80 96 3 1
Ciências Sociais (HGP) 100 120 4 1
Ciências Naturais 100 120 4 1

Oferta de Escola: Educação Artística
100 120 4 1
e Artes Plásticas

Formação Vocacional: Multimédia 189 227 7 1

Total 800 960 29 8
Formação Pessoal e Social com
50 50 50 1
Técnico de Intervenção Local (TIL)
MATRIZ CURRICULAR DO PIEF MISTO (3º CICLO)
Carga
Carga horária Carga horária Tempos
Domínio/Unidades de horária Número de
semanal 1º ano semanal 2º ano semanais (50
Formação semanal (50 professores
(em minutos) (em minutos) minutos)
minutos)
Viver em Português 77 77 92 3 1
Matemática e Realidade 77 77 92 3 1
Comunicar em Língua
45 45 54 2 1
Estrangeira (Inglês)
Educação Física 80 80 96 3 1
Ciências Sociais (HIS/GEO) 100 100 120 4 1
Ciências Naturais (CN/CFQ) 100 100 120 4 1
Oferta de Escola: Educação
100 100 120 4 1
Artística e Artes Plásticas

Formação Vocacional:
221 221 265 8 1
Multimédia

Total 800 800 960 29 8
Formação Pessoal e Social com
Técnico de Intervenção Local 50 50 50 50 1
(TIL)
EQUIPA PEDAGÓGICA DO CURSO PIEF MISTO DE 2º E
3º CICLO

Da equipa pedagógica do PIEF MISTO 2,3
fazem parte:

a) O coordenador de curso;

b) O diretor de turma;

c) Os professores/formadores das diferentes
disciplinas;

d) O psicólogo do CARE;

e) Técnico de Intervenção Local (TIL);

d) Os professores de apoio.
EQUIPA PEDAGÓGICA DO PIEF MISTO (2º CICLO)

DISCIPLINAS/ ÁREAS DISCIPLINARES PROFESSORES

Viver em Português José Carlos Azinhais

Matemática e Realidade Maria João Rita

Comunicar em Língua Estrangeira (Inglês) Maria Manuela Tinoco

Educação Física Miguel Couto da Costa

Ciências Sociais (HGP) Paulo Jorge Fernandes

Ciências Naturais Maria João Rita

Oferta de Escola: Educação Artística e Artes Plásticas João Costa

Formação Vocacional: Multimédia Maria Cândida Coelho

Formação Pessoal e Social Ana Sofia Louro
EQUIPA PEDAGÓGICA DO PIEF MISTO (3º CICLO)

DISCIPLINAS/ ÁREAS DISCIPLINARES PROFESSORES

Viver em Português Ana Maria Roque

Matemática e Realidade Sandra Cristina Resende

Comunicar em Língua Estrangeira (Inglês) Maria Manuela Tinoco

Educação Física Miguel Couto da Costa

Ciências Sociais Tânia Gonçalves Nunes

Ciências Naturais (CN/CFQ) Goreti Silva/Maria José Candeias

Oferta de Escola: Educação Artística e Artes Plásticas João Costa

Formação Vocacional: Multimédia Maria Cândida Coelho

Formação Pessoal e Social Ana Sofia Louro
ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURRÍCULO PIEF MISTO DE 2º E 3º
CICLO
- Organização dos vários domínios em torno de
temas aglutinadores recorrendo a metodologias
que privilegiem a diferenciação pedagógica,
nomeadamente a de trabalho de projeto ou
outra que respeite as especificidades
associadas à implementação de cada Plano de
Educação e Formação, permitindo o
desenvolvimento de aprendizagens dos vários
domínios da matriz curricular do PIEF, de modo
a contribuir para o desenvolvimento das áreas
de competências do “Perfil dos alunos à saída
da escolaridade, nomeadamente que garantam
a integração do aluno nas exigências do mundo
atual e futuro.
- Organização do horário escolar com blocos
mais alargados para permitir o trabalho prático e
experimental, esbatendo a fragmentação
disciplinar ao longo do dia, da semana ou do
ano letivo.
- Fazer a avaliação diagnóstica para a
construção do PEF. Atenção às
competências do PIEF.
ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURRÍCULO DO PIEF MISTO DE 2º E 3º CICLO
(ORGANIZAÇÃO POR TEMAS AGLUTINADORES, COMPETÊNCIAS DE ACORDO COM O PERFIL DO
ALUNO, EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA)
CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO E DO PROJETO CURRICULAR DE
TURMA (PCT) E METODOLOGIAS DE TRABALHO NO PIEF MISTO 23

Tema Matriz Curricular Aprendizagens
Projeto
Aglutinador de Base essenciais

Contributos Territorialização Perfis e
Articulações
curriculares dos do currículo (até Competências a
disciplinares
alunos 25%) desenvolver

Metodologias de Metodologias de Monitorização
Produto Final
Trabalho avaliação Avaliação
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO CURSO PIEF 2º E 3º CICLO
A) A avaliação dos alunos obedece aos
normativos legais em vigor para cada um dos
ciclos de ensino, designadamente o disposto
no Despacho Normativo n.º 1-F/2016, de 5
de abril, e é orientada por critérios de
análise de competências socioeducativas e
demais aprendizagens essenciais a
desenvolver.
B) Sem prejuízo do número anterior, o Conselho
de Turma deve, no âmbito da avaliação
diagnóstica, formativa e sumativa, registar
Plano de Educação e Formação (PEF) de cada
aluno as aprendizagens essenciais e as áreas
de competências definidas no «Perfil do
aluno à saída da escolaridade obrigatória»,
desenvolvidas e a desenvolver, no período
em análise e no período subsequente,
respetivamente, tendo como referência os
documentos curriculares em vigor para o
ciclo em que o aluno se encontra inserido.
REFERÊNCIAS CURRICULARES PARA O CURSO DE PIEF
MISTO 2,3

• Perfil do aluno
• Aprendizagens
essenciais 2º ciclo
• Aprendizagens
essenciais 3º ciclo
AVALIAÇÃO NO CURSO PROFISSIONAL DE SECUNDÁRIO DE
TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

• A avaliação enquanto parte integrante do
currículo, as técnicas, instrumentos e
procedimentos, devem ser diversificados e
adequados às finalidades, ao objeto em
avaliação, aos destinatários e o tipo de
informação a recolher. Com instrumentos de
recolha e divulgação das avaliações
adequados aos diversos momentos de
avaliação ao longo do percurso escolar do
aluno.
• Ao nível dos critérios de avaliação são
atribuídos as seguintes percentagens aos
conhecimentos (qual %), capacidade (qual
%) e atitudes (qual a %).
• A escala de avaliação 2º 3º ciclo, é feita
numa escala numérica de 1 a 5 em todas as
disciplinas e domínios.
NOTAS IMPORTANTES A RETER…
• TEP (Trabalho da Equipa Pedagógica) – reuniões
semanais da equipa restrita e mensal da equipa
alargada com as técnicas do CARE. Das mesmas deve
decorrer a elaboração de uma ata existindo modelo
próprio para a sua redação. Nestas reuniões devem ser
abordados os temas tratados a nível transversal, bem
como numa perspetiva de territorialização do currículo
realizar uma adequação das estratégias ao perfil dos
alunos.

• Embora se deva atender às características e
especificidades de cada turma e aos percursos
curriculares distintos, o Projeto Curricular de Turma deve
atender ao Projeto Educativo.

• No PIEF o percurso pedagógico e formativo do aluno
regista-se no PEF (Plano de Educação e Formação).
Atenção cada PEF adequado ao aluno. Desenvolvimento
de competências sociais e vocacionais

• Em suma os documentos a entregar pelos docentes são
planificações (alterar modelo), o PEF no PIEF e as
participações no Plano Curricular de Turma.
CURSO PROFISSIONAL DE SECUNDÁRIO DE TÉCNICO DE APOIO À
GESTÃO DESPORTIVA
FILME DE ENQUADRAMENTO DO CURSO
MATRIZ CURRICULAR DO CURSO PROFISSIONAL DE SECUNDÁRIO DE
TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

Componente de formação (Portaria n.º74-A/2013 de 15 de fevereiro)/ Despacho nº5094/2017 de julho Cargas Horárias Anuais Total
Formação sócio cultural (50m) 1º 2º 3º 1000
Português 157 86 140 384
Língua Estrangeira 91 86 86 264
Área de Integração 89 88 88 264
Tecnologias de Informação e Comunicação 120 - - 120
Educação Física 70 70 -- 140
Formação cientifica (50m) 1º 2º 3º 600
Matemática 86 89 65 240
Psicologia 94 86 60 240
Estudo do movimento 60 60 - 120
Formação Tecnológica (60m) 1º 2º 3º 504
Práticas de Atividades Fisicas e Desportivas 100 150 100 350
Organização e Gestão Desportiva 75 75 75 225
Gestão de Programas e Projetos de Desporto 100 75 100 275
Gestão de Instalações Desportivas 75 75 100 250
Formação em Contexto de Trabalho (60m) 99 242 359 700

A Área de Integração é desenvolvida com o contributo de todas as
disciplinas ou unidades de formação constante na presente matriz
Nota:
curricular.
• 35 semanas de aulas
• 104 horas de estágio interno
MATRIZ CURRICULAR DO CURSO PROFISSIONAL DE SECUNDÁRIO DE
TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

Componente de formação (Portaria n.º74-A/2013 de 15 de fevereiro)/ Despacho nº5094/2017 de julho Cargas Horárias Anuais Total
Formação sócio cultural (50m) 1º 2º 3º 1000
Português 4 2 4 11
Língua Estrangeira 3 2 2 8
Área de Integração 3 3 3 8
Tecnologias de Informação e Comunicação 3 - - 3
Educação Física 2 2 - 5
Formação cientifica (50m) 1º 2º 3º 600
Matemática 2 3 2 7
Psicologia 3 2 2 7
Estudo do movimento 2 2 4
Formação Tecnológica (60m) 1º 2º 3º 216
Práticas de Atividades Fisicas e Desportivas 3 4 3 9
Organização e Gestão Desportiva 2 2 2 6
Gestão de Programas e Projetos de Desporto 3 2 3 7
Gestão de Instalações Desportivas 2 2 3 6
Formação em Contexto de Trabalho (60m) 3 6 9 18
Total de Blocos de Formação (50 e 60 minutos) 34 32 32 98
EQUIPA PEDAGÓGICA E FORMATIVA DO CURSO PROFISSIONAL DE
SECUNDÁRIO DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

Da equipa pedagógica e formativa do
curso vocacional devem fazer parte:

a) O coordenador de curso;

b) O diretor de turma;

c) Os professores/formadores das
diferentes disciplinas;

d) O psicólogo CARE;

e) Professores e técnicos do CARE.
EQUIPA PEDAGÓGICA DO CURSO PROFISSIONAL DE SECUNDÁRIO DE TÉCNICO
DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

DISCIPLINAS/ ÁREAS DISCIPLINARES PROFESSORES

Português Ana Maria Roque
Inglês Maria Manuela Tinoco
Área de Integração Tânia Gonçalves Nunes
Tecnologia de Informação e Comunicação Maria Cândida Coelho
Educação Física Miguel Couto Costa
Matemática Sandra Cristina Resende
Biologia Maria Goreti Silva
Psicologia Miguel Couto da Costa

Miguel Couto da Costa
Formação Tecnológica e Estágio
ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURRÍCULO NO CURSO
PROFISSIONAL DE TECNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

- Organização dos vários domínios em torno
de temas aglutinadores recorrendo a
metodologias que privilegiem a
diferenciação pedagógica, nomeadamente
a de trabalho de projeto ou outra que
respeite as especificidades associadas à
turma de forma a contribuir para o
desenvolvimento das áreas de
competências do “Perfil dos alunos à saída
da escolaridade, nomeadamente que
garantam a integração do aluno nas
exigências do mundo atual e futuro.
- Organização do horário escolar com
blocos mais alargados para permitir o
trabalho prático e experimental, esbatendo
a fragmentação disciplinar ao longo do dia,
da semana ou do ano letivo.
- Avaliação diagnóstica?
CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO E DO PROJETO CURRICULAR DE TURMA (PCT) E
METODOLOGIAS DE TRABALHO NO CURSO PROFISSIONAL DE SECUNDÁRIO DE
TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

Aprendizagens
Tema Matriz Curricular essenciais
Projeto
Aglutinador de Base
ou conteúdos

Contributos Territorialização Perfis e
Articulações Competências
curriculares dos do currículo (até
disciplinares
alunos 25%) ou Metas

Metodologias de Metodologias de Monitorização
Produto Final
Trabalho avaliação Avaliação
APRENDIZAGENS NO CURSO PROFISSIONAL DE SECUNDÁRIO DE TÉCNICO DE
APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

Articulação
pedagógica entre
as diferentes
disciplinas e
componentes de
formação do
curso

Uso das novas Diversificação dos
tecnologias instrumentos de
avaliação

Técnicas ativas
de aprendizagem/
Territorialização ensino
do currículo experimental/
Trabalho de
grupo
REFERÊNCIAS CURRICULARES E DE FOAMAÇÃO PARA O CURSO
PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA
• Perfil do aluno
• Aprendizagens essenciais
• Metas de aprendizagem

Catálogo de Qualificações
AVALIAÇÃO NO CURSO PROFISSIONAL DE SECUNDÁRIO DE
TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

• A avaliação enquanto parte integrante do
currículo, as técnicas, instrumentos e
procedimentos, devem ser diversificados e
adequados às finalidades, ao objeto em
avaliação, aos destinatários e o tipo de
informação a recolher. Com instrumentos de
recolha e divulgação das avaliações
adequados aos diversos momentos de
avaliação ao longo do percurso escolar do
aluno.
• Ao nível dos critérios de avaliação são
atribuídos as seguintes percentagens aos
conhecimentos (qual %), capacidade (qual
%) e atitudes (qual a %).
• No ensino secundário numa escala numérica
de 0 a 20, em todas as disciplinas, domínios,
módulos, UFCT e FCT.
AVALIAÇÃO DO CURSO VOCACIONAL DE SECUNDÁRIO DE TÉCNICO DE APOIO À
GESTÃO DESPORTIVA
1. A avaliação assume caráter diagnóstico, formativo e sumativo.
2. No início de cada ciclo de estudos, deverá proceder-se a uma avaliação de diagnóstico, detalhadas as
dificuldades na aprendizagem e diagnosticadas as causas efetivas de insucesso, a equipa pedagógica
propõe a estratégia de recuperação assentes num processo individualizado de acompanhamento.
3. A avaliação sumativa interna incide também na formação em contexto de trabalho.
4. A avaliação sumativa interna expressa-se numa escala de 0 a 20 valores.
5. A avaliação sumativa de cada módulo é da responsabilidade do professor, sendo os momentos de
realização da mesma no final de cada módulo, conforme a calendarização dos módulos, de acordo com
os seguintes procedimentos:
a) Finalizado o módulo, o professor dispõe de 5 dias úteis para entregar ao diretor de turma a ficha de
classificação final do módulo/UFCD;
b) O diretor de turma lança as classificações no programa de alunos;
c) A avaliação sumativa interna ocorre, após a conclusão do conjunto de módulos de cada disciplina e
UFCD, e é validada em reunião do conselho de turma de avaliação que deverão ser 5 ao longo do
ano letivo;
d) É entregue à direção a respetiva pauta para ser ratificada e afixada e aos alunos um relatório de
avaliação.
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO CURSO PROFISSIONAL DE SECUNDÁRIO
DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

•Compete ao professor organizar a avaliação sumativa de cada módulo, de
acordo com as realizações e os ritmos de aprendizagem dos alunos. Os
docentes deverão entregar em cada conselho de turma as grelhas com as
atribuições nos conhecimentos, capacidades e atitudes atribuídos aos alunos
em cada módulo. Deverão ser diversificados ao máximo os instrumentos e
modalidades de avaliação de caracter eminentemente formativo.

•No caso de a avaliação sumativa revelar que o aluno não apresenta condições
de conclusão do módulo, pode transitar para o módulo seguinte de forma a não
perturbar o desenvolvimento global do processo de ensino e aprendizagem.

•No caso referido no ponto anterior, compete ao professor, em conjunto com o
aluno, criar atividades de remediação e instrumentos, novas modalidades e
momentos de avaliação para a recuperação de módulos em atraso, que
poderão incluir trabalhos práticos ou entrevistas orais.
ASSIDUIDADE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO
PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

Os alunos têm de assistir a pelo
menos 90 % dos tempos letivos
de cada módulo integrando as
componentes geral,
complementar e vocacional e
participar integralmente no
estágio em contexto de trabalho
(100%). Caso se verifique o
incumprimento do previsto
no número anterior, o professor
de cada disciplina ou
o formador acompanhante do
estágio deverá estabelecer um
plano de recuperação do aluno a
submeter a aprovação
da equipa pedagógica e formativa
vocacional.
NOTAS IMPORTANTES A RETER…

• TEP (Trabalho da Equipa Pedagógica) – reuniões
semanais da equipa restrita e mensal da equipa
alargada com as técnicas do CARE. Das mesmas deve
decorrer a elaboração de uma ata existindo modelo
próprio para a sua redação. Nestas reuniões devem ser
abordados os temas tratados a nível transversal, bem
como numa perspetiva de territorialização do currículo
realizar uma adequação das estratégias ao perfil dos
alunos e à natureza do curso profissional no caso do
secundário.

• Embora se deva atender às características e
especificidades de cada turma e aos percursos
curriculares distintos, o Projeto Curricular de Turma deve
atender ao Projeto Educativo.

• Em suma os documentos a entregar pelos docentes são
planificações e participações no Plano Curricular de
Turma.