You are on page 1of 19

Anti-Histamínicos

Introdução
 Em 1927, Best, Dale, Dudley e Thorpe isolaram a
histamina.
 Encontra-se nos mastócitos e basófilos, e em
histaminócitos no estômago e em neurônios
histaminérgicos.
 Ela é liberada pelos mastócitos por exocitose nos
processos alérgicos ou inflamatórios.
Introdução
 Uma vez liberada, a histamina vai determinar seus efeitos
farmacológicos típicos através da interação com receptores
específicos; são eles:
 Receptor H1(1966).
 Receptor H2(1972).
 Receptor H3(1987).
 Receptor H4(2001).
 A liberação da histamina provoca vários efeitos, destacam-se
seus efeitos:
 No sistema cardiovascular;
 No músculo liso;
 Nas terminações nervosas;
 Nas glândulas gástricas e
 No SNC.
 A histamina é uma amina básica, armazenada em grânulos no interior dos
mastócitos e basófilos. É secretada quando os componentes do
complemento interagem com receptores de membrana específicos, ou
quando o antígeno interage com IgE fixada a células.
 As principais ações nos seres humanos (e o receptores envolvidos)
são as seguintes:
 - estimulação da secreção gástrica (H2)
 - contração da maioria os músculos lisos diferentes do músculo liso dos
vasos sangüíneos (H1)
 - estimulação cardíaca (H1)
 - aumento da permeabilidade vascular (H1)
 Quando injetada por via intradérmica, provoca a “resposta tríplice”:
vasodilatação local e pápula, através de uma ação direta sobre os vasos
sangüíneos, e rubor circundante, devido a vasodilatação.
 As principais funções fisiopatológicas da histamina são:
 - atuar como estimulante da secreção de ácido gástrico (tratada
com antagonistas dos receptores H2).
 - atuar como mediador de reações de hipersensibilidade do tipo 1,
como urticária (tratadas com antagonistas dos receptores H1).

 Toxicidade
 Efeitos tóxicos por superdosagem de histamina são
extremamente raros e, quando ocorrem, são representados por
cefaléia intensa, rubor, queda acentuada da pressão arterial,
broncoespasmo, dispnéia, vômitos e diarréia.
Introdução
 Já em contra partida os Anti-histamínicos foram
demonstrada pela primeira vez por Bovet e Staub em
1937.
 Já os Anti-histamínicos são antagonistas (inibidores) da
interação da histamina com os receptores H1.
 Podemos classificar as drogas que inibem os efeitos
farmacológicos da histamina em:
 Bloqueadores dos receptores H1 :
 São exemplos desses antagonistas: Azatadina
(Cedrin®) e Fexofenadina (Allegra®)
 Bloqueadores dos receptores H2 :
 São exemplos desses antagonistas: Ranitidina® e a
Cimetidina®.
Classificação
 Os bloqueadores dos receptores H1
podem ser classificados em:
 Anti-histamínicos de primeira geração:
 Etanolaminas: Carbinoxamina e Difenidramina.
 Etilenodiaminas: Antazolina e Pirilamina.
 Alquilaminas: Dexclorfeniramina e Triprolidina.
 Piperazinas: Ciclizina e Meclizina.
 Fenotiazinas: Isotipenidila e Prometazina.

 Anti-histamínicos de segunda geração:


 Piperidinas:Astemizol, Azatadina e Fexofenadina.
 Outros: Loratadina e Citirizina.
Fármacos e Medicamentos
Mecanismo de ação
 O mecanismo de ação é o antagonismo competitivo
dos receptores H1.
 Os anti-histamínicos atuam:
 No músculo liso;
 Na permeabilidade capilar;
 Reações de hipersensibilidade imediata: anafilaxia
e alergia;
 No sistema nervoso central:
 De primeira geração;
 De segunda geração.
Usos Clínicos
 Os antagonistas dos receptores H1 são usados no tratamento
sintomático de varias reações de hipersensibilidade imediata
(doenças alérgicas).
 Também podem ser usados no enjôo provocado pelo movimento,
vertigem e sedação.

 Bloqueadores dos receptores H2: drogas capazes de diminuir a


secreção ácida gástrica estimulada pela histamina.
 Bloqueadores dos receptores H1 (anti-histamínicos H1)
 São em geral, bem absorvidos por vias oral e parenteral. Após a
administração oral, os efeitos aparecem entre 15 a 30 minutos, aumentam
rapidamente até o fim da primeira hora.
 As principais ações dos antagonistas dos receptores H1 são: diminuem a
contração induzida pela histamina na musculatura lisa dos brônquios,
intestino e útero. Reduzem o aumento da permeabilidade vascular causado
pela histamina.

 Usos terapêuticos
 Os anti-histamínicos bloqueadores dos receptores H1 encontram sua maior
utilidade terapêutica o tratamento sintomático das reações alérgicas e, em
particular, no controle da rinite e urticária aguda.
 Os efeitos colaterais mais comuns dos bloqueadores dos receptores
H1 tradicionais incluem sedação, efeitos depressores ou estimulantes do
SNC.
 Bloqueadores dos receptores H2
 Os bloqueadores dos receptores H2 exibem semelhança estrutural
particularmente notável com a histamina. A cimetidina foi o primeiro
bloqueador dos receptores H2 a ser comercializado. Ativa por via oral e
parenteral e apresentando efeitos colaterais toleráveis. Mais recentemente,
foram entregues ao consumo a ranitidina que se mostrou mais potente e
com menor incidência de efeitos colaterais que a cimetidina. Os
bloqueadores H2 são menores e menos lipossolúveis.
 A cimetidina é bem absorvida por via oral e parenteral. Todos os
bloqueadores dos receptores H2 conhecidos são antagonistas competitivos,
reversíveis, das ações da histamina.

 Ações e efeitos
 Os bloqueadores dos receptores H2 reduzem eficazmente a secreção
ácida gástrica estimulada por alimentos.
 Os usos terapêuticos estão associados com hiperacidez gástrica e, em
particular, no tratamento da úlcera péptica. Os efeitos colaterais mais
comuns são: cefaléia, diarréia, dores musculares e reações cutâneas.
Efeitos Indesejados
Cimetidina / Omeprazol
Antieméticos
 Inibidores da bomba de protons – Omeprazol,
lansoprazol
 Os antieméticos incluem:
 - antagonistas dos receptores H1 (ciclizina,
prometazina)
 -antagonistas dos receptores 5-HT3
(ondansentrona)
 - antagonistas dos receptores D2 (metoclopramida).
 Efeitos adversos
 - sonolência e efeito parrassimpático (hioscina) ,
cefaléia (ondansetrona).
Efeitos Indesejados
 Dentre as reações podemos citar:
 sonolência, fraqueza, depressão;
 vertigem, midriase;
 convulsões, taquicardia;
 febre, hipertemia intensa;
 aumento do apetite (ou perda do apetite –
Silva,1998, p.560), náuseas, diarréia;
 aumento da freqüência urinaria;
 ressecamento das membranas mucosas, tosse;
 entre outros.
Contra Indicações
Anti-histamínicos podem causar efeitos
colaterais indesejados em gestantes ou
nutrizes, por causa de seu possível efeito
sobre o lactante, devido à sua secreção
no leite materno.
Interações Medicamentosas
 Devem ser utilizados cautelosamente em
associações com:
 barbitúricos, ansiolíticos benzodiazepínicos ou
outras drogas depressoras do SNC,
 podem aumentar os efeitos anticolinérgicos de
certas drogas como a atropina,
 em especial cuidado em indivíduos portadores de
glaucoma, retenção ou obstrução urinária e em
pacientes em idosos.
 pode antagonizar a ação de antiadrenérgicos