You are on page 1of 14

Transporte de Paciente

É a transferência do paciente de um local a outro.


Para se fazer o transporte ou remoção do paciente de
um determinado lugar para outro, nas dependências do
hospital, exige-se que a pessoa que realiza o transporte
tenha noções básicas de como atuar de forma correta e
adequada.

O ato de transportar deve reproduzir segurança e


eficiência
Tipos de Transporte

Define-se transporte intra-hospitalar como a transferência


temporária ou definitiva de pacientes por profissionais de
saúde dentro de o ambiente hospitalar.

Define-se transporte inter-hospitalar como a transferência


de pacientes entre unidades não hospitalares ou
hospitalares.
O transporte é seguro quando?

A equipe multidisciplinar responsável pelo paciente sabe


quando e como realizá-lo;

Os profissionais de Enfermagem participam do


processo de transporte do paciente em ambiente
interno aos serviços de saúde.

Assegura-se a integridade do paciente, evitando o

agravamento de seu quadro clínico;


Contraindicações de Transporte

Incapacidade de manter oxigenação e ventilação adequadas;

Incapacidade de manter desempenho hemodinâmico;

Incapacidade de monitorar o estado cardiorrespiratório;

Incapacidade de controlar a via aérea;

Número insuficiente de profissionais treinados.

Durante o transporte ou durante a permanência no setor de destino.


Transporte Intra- Hospitalar

Transferência, sem retorno do paciente, para fora da área de


tratamento intensivo;

Transferência em um único sentido de um paciente para uma


área de cuidados intensivos;

Transferência da UTI para o Centro Cirúrgico, com retorno à


UTI;

Transferência do CTI para áreas não-CTI e

retorno do paciente de volta ao CTI;


Tipos de Pacientes

PACIENTES CRÍTICOS

Define-se como doente crítico aquele que, por disfunção ou falência de um ou


mais órgãos ou sistemas, depende para sobreviver de meios avançados de
monitorização e terapêutica. Portanto, o transporte destes pacientes é sempre
arriscado, devido ao quadro clínico complexo e,

na maior parte das vezes instabilidade


Tipos de Pacientes

PACIENTES NÃO CRÍTICOS

Pacientes estáveis e de baixa complexidade. Neste tipo, em que os deslocamentos


são considerados sempre eletivos, discute-se frequentemente qual o profissional que
deve realizar este transporte.

A maioria dos hospitais em nosso país


utiliza a figura do “maqueiro”.
Legislação

Envolve dois Conselhos Federais:

Conselho Federal de Medicina, através da Resolução CFM nº 1.672/03, de


9 de julho de 2003;

É de Responsabilidade MÉDICA decidir de forma segura solicitar e


acompanhar a transferência do paciente.

RESOLUÇÃO COFEN Nº 376/2011.

Dispõe sobre a participação da equipe de Enfermagem no processo de


transporte de pacientes em ambiente interno aos serviços de saúde.
Planejamento para Transferência

Todas as intercorrências e intervenções de Enfermagem durante o processo de


transporte devem ser registradas no prontuário do paciente.

a) avaliar o estado geral do paciente;

b) antecipar possíveis instabilidades e complicações no estado geral

do paciente;

c) prover equipamentos necessários à assistência durante o transporte;

d) prever necessidade de vigilância e intervenção terapêutica durante

o transporte;
Planejamento para Transferência

Deve-se comunicar ao setor (no caso a


R.P.A.) que haverá o deslocamento do
paciente para que o mesmo se prepare
para recepcionar o paciente;
Planejamento para Transferência
Deverão acompanhar o paciente:

1médico (Responsável pelo transporte)

1 Maqueiro

1 Técnico de Enfermagem com leito apropriado para conduzir o paciente, mantendo


grades elevadas para erradicar o risco

de quedas, observando os SSVV do paciente,

que deverá seguir com monitoramento de frequência

cardiorrespiratória e infusão de

medicação segundo critério médico


Conclusão

É fundamental que o transporte seja realizado de


modo consistente e científico, utilizando o
conhecimento teórico e prático, incorporando novas
tecnologias e antecipando os erros, visando sempre
tornar mais eficiente o transporte do paciente crítico
ou eletivo.
Inayra Nº 06
Ketilyn Nº 09
Natália Nº 12
Renato Nº 17
Sheila Nº 18