You are on page 1of 69

XV ENAnpur

BRASIL no
início do
século XXI:

Desenvolvimento recente e Políticas Territoriais

Tania Bacelar de Araújo - UFPE


Recife, 21 de maio de 2013
OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO e DESENVOLVIMENTO :
tendências recentes

POLITICAS PUBLICAS E TERRITORIO :


tendências recentes

PERSPECTIVAS E DESAFIOS para o futuro


MUDANÇAS NA OCUPAÇÃO HUMANA DO
TERRITORIO

• População cresce no interior do país

• Mudanças nas migrações internas ( menos para SE,


mais para SUL urbano, CO e NO . NE retém mais)
VER MAPA

• Dinamismo das cidades médias : cidades de 100mil a


2 milhões têm elevadas taxas de crescimento da
população e do PIB
VER TABELA
5
1/3

40,3%
Source: ESTUDO DO CEDEPLA/UFMG para CGGE/ MPOG, 2007
INDUSTRIA TENDEU A
DESCONCENTRAR
EMPREGO
VTI
INDUSTRIAL
REGIÕES/ESTADOS 1970 2005 1986 2005
NORTE 0,8 4,8 2,6 3,7
NORDESTE 5,7 9,2 10,7 12,7
SUDESTE 80,7 61,8 75,3 53,2
- SÃO PAULO 58,1 44,0 45,5 35,9
- RMSP 43,5 22,0 28,4 11,5
- INTERIOR DE SP 14,6 22,0 17,0 24,4
SUL 12,0 20,5 19,4 25,6
CENTRO-OESTE 0,8 3,7 2,1 4,8
BRASIL 100,0 100,0 100,0 100,0
Fonte: CAMPOLINA DINIZ com base no FIBGE, Censos Industriais 1970. / MTE/RAIS, 2005 /
IBGE. Sistema de Contas Regionais, 2007
As 10 MRH mais industrializadas caem de 46,8% para 32,2% o peso
no emprego industrial total do país

1990 2007
Fonte : OLIVEIRA CRUZ, Bruno e SOARES DOS SANTOS, Iury Roberto.
Dinâmica do Emprego Industrial no Brasil entre 1990 e 2007: Uma Visão Regional da
“Desindustrialização”. IPEA/ Boletim DIRUR n. 02, jul/09
BRASIL RURAL SE AFIRMA EM
NOVOS TERRITÓRIOS ( 1970 A 2006)
REGIÕES

CENTRO- VOLUME
NORTE NORDESTE SUDESTE SUL BRASIL
OESTE FÍSICO*

VALOR 1970 3,1 18,3 37,3 33,8 7,5 100,0 -


PROD.
AGROP. 2006 7,1 14,3 29,7 28,2 20,8 100,0 -

PROD. 1968/70 0,7 12,3 30,6 45,6 10,8 100,0 25.060


GRÃOS 2004/06 3,3 7,9 14,6 39,4 34,8 100,0 112.817

EFET. 1970 2,2 17,6 34,2 24,1 22,0 100,0 78.562


BOVINO 2006 19,9 13,5 19,0 13,2 34,3 100,0 205.886

PESSOAL
1970 5,3 43,0 22,5 23,8 5,3 100,0 17.582
OCUPADO
2006 8,7 45,9 21,5 17,8 6,1 100,0 17.264

Fonte: CAMPOLINA, CLELIO, com base no FIBGE


CREDITO

POLITICAS
SOCIAIS POLITICAS
Aumento da ECONOMICAS
Elevação
demanda popular
da renda
por des bens
das famílias
dos setores modernos

Elevação da
produtividade Investimentos
renda, em maquinas
Competitividade e em inovação
e exportações
POLITICAS
DESAFIO ATUAL ECONOMICAS

Gráfico baseado em Ricardo Bielshowsky


( ADAPTADO)
BRASIL: Rendimento médio domiciliar cresce
mais fora do Sudeste
Brasil e Grandes Regiões: Valor do rendimento nominal médio mensal
dos domicílios particulares permanentes (Reais) – 2000 e 2010

PESO das
TRANSFE
RÊNCIAS
DE
RENDA
e do
aumento
real do
SALÁRIO
MÍNIMO
Crescimento do Emprego Formal: NO,NE e CO
apresentaram taxas mais elevadas
Brasil e Grandes Regiões: Variação Brasil e Grandes Regiões: Taxa (%)
Absoluta do estoque de emprego de crescimento média anual do
formal – 2010/2000 estoque de emprego formal
2010/2000
Emprego formal : mesma tendência se
revela por microrregiões ( 2004-2010)

Fonte: RAIS – MTE. Elaboração: SPI/MP


100
150
200
250

0
50
Ac
re
Al
ag
M oas
ar
an
Ri hã
o R o
Gr on
an dô
de n
do ia
No

Fonte: IBGE/PMC
rt e
Se
rg
ip
e
Ce
ar
To á
ca
nt
in
s
Pi
au
Pa í
ra
íb
a
Am
a
A m pá
Es az
pí on
rit as
o
Sa
nt
o
Ba
hi
Sã a
o
Pa
Pe ul
rn o
Dezembro/2009 (2003 = 100)

am
bu
c
Ro o
ra
im
a
M B ra
in sil
as
Índice do volume de vendas do comércio varejista

Ge
ra
is
Ri
o P
de ará
Ja
ne
iro
BR: redução da pobreza em todas as regiões,
em especial no Nordeste e Norte
BRASIL: mortalidade infantil cai
significativamente em todas as regiões
( destaque é para o Nordeste e Norte)
Brasil e Grandes Regiões: Taxa (%) de mortalidade infantil
2000 e 2010
BRASIL: analfabetismo cai em todas as regiões
especialmente no Nordeste, embora quadro
rural ainda seja desafiador
Brasil e Grandes Regiões: Taxa (%) Brasil e Nordeste : Taxa (%) de
de analfabetismo das pessoas de analfabetismo das pessoas de 10
10 anos ou mais de idade anos ou mais de idade por situação
2000 e 2010 do domicílio – 2000 e 2010
Infraestrutura econômica
Infra viária (rodovias, ferrovias, hidrovias..)
Portos, aeroportos ...
Infraestrutura urbana
Investimentos da Copa 2014 (capitais)
Habitação ( MCMV)
Atividade Produtiva
Refinarias , Estaleiros, Petroquímica, Siderurgias
Estudo CEDEPLAR/UFMg: efeito regional desconcentrador
Final do século XX

• Crise financeira do setor público ( endividado,


estado reduz políticas)

• Avanço da visão liberal : estado se reestrutura


com privatizações e retração de presença

Redução da presença do Estado


Esvaziamento das instituições regionais e dos
seus antigos instrumentos
Na contramão:CF/88 cria Fundos Constitucionais
Abordagem regional do final do século
XX ( Governos FHC):
OS EIXOS da INSERÇÃO COMPETITIVA
Iniciativas recentes

POLITICAS
PÚBLICAS

POLÍTICAS HORIZONTAIS
e SETORIAIS POLÍTICAS
com tratamento ou REGIONAIS
impacto STRICTU SENSU
REGIONAL ( explícitas)
( implícitas)
1 .Políticas nacionais setoriais consideram a
dimensão territorial : Educação

2. Políticas setoriais no território ( TERRITORIOS da


CIDADANIA, Apoio a APLs)

3. Germe de preocupação com os IMPACTOS


REGIONAIS DE GRANDES PROJETOS (BR 163,
Petrobrás, BNDES ...)

4. Governos Estaduais adotam políticas regionais de


corte sub nacional
2002: 2010:
2002: 2010:
230
230
43 campi campi
campi campi
IFET’s e Escolas Técnicas : novo mapa

Fonte: Ministério da Educação


BRASIL : Matrículas no ensino superior
crescem em todas as regiões, e NO e NE
reduzem distância
Brasil e Grandes Regiões: Proporção (%) das pessoas de 18 a 24 anos
de idade matriculadas no ensino superior – 2000 e 2010
AREAS de Concentração
INDUSTRIAL

Fonte: MDA – Os Territórios da Cidadania


Recursos Naturais /
Agronegócio

Baixa Intensidade Tecnológica /


Agroindústrias

Média Intensidade Tecnológica /


alavancada pela mineração

Administração Pública / Serviços –


base econômica frágil

Área com diversidade de


tipologias

Alta Intensidade Tecnológica


em produções urbanas
(Transformação – Serviços)

Fonte: PNLT
Fonte: MDIC
POLÍTICA DE C,T&I amplia recursos mas
mantém concentração espacial

Financiamento a atividades de C&T baseado em editais públicos, a


distribuição dos recursos está diretamente relacionada à infra-estrutura de
C&T prévia disponível em um processo de “causação circular e
cumulativa”, de auto-reforço, das desigualdades regionais em C&T no
Brasil (FAGUNDES et al., 2005, p. 61).
Governo Federal :
Novidade: A proposta da PNDR com foco nas
MESORREGIÕES de todo o país
Exemplo - a FRONTEIRA SUL do RS
Ver mapa MESO

Problemas : Sem o FNDR e Obras Hídricas como


prioridade do MI

Usando a Herança: FUNDOS CONSTITUCIONAIS


( ESCALA MACRO-REGIONAL): Bancos regionais
ampliam peso do credito a atividade produtiva.
Norte mantém incentivos a ZFM.
PNDR: TIPOS DE REGIÕES
PNDR: MAPA das MESORREGIOES
(PROMESO)
POLITICAS DE BASE LOCAL

• Protagonismo de agentes locais

Partida: valorização de atributos /


especificidades da região ( dialoga com
diversidade regional do país)

• Movimento: botton up
 Os PPAs estaduais em bases regionais

( PA,BA,PI, RN, SE, PE …ao lado de


experiências mais antigas como a do RS)

BA : ZEE + 6 Planos Macro regiões + Planos de Terr. de Identidade

( escala estadual + macro regional + sub regional)


Há sinais em várias direções: com avanços
e bloqueios

E a “agenda federativa” preocupa


- políticas de desoneração tributária
- discussão sobre royalties do petróleo
- revisão de critérios do FPE
- unificação das alíquotas inter-regionais do ICMS
- ...........
 MERCADO INTERNO AMPLO e INTEGRADO
 BASE INDUSTRIAL GRANDE, MODERNA E
DIVERSIFICADA(Aviões, equipamentos, produtos
eletroeletrônico, siderúrgicos, automóveis,
minérios,moda, ....)
 BOA BASE DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS

COMO ENFRENTAR NOVAS AMEAÇAS?


TENDÊNCIA A DESCONCENTRAR SE MANTÊM?
Fonte : PNLT
 Criação da EMBRAPII

 Política de financiamento à inovação revisitada:

• Com olhar que inclui as PMEs


• Com articulação com Bancos Regionais
• Com articulação com Sistema Estadual de
C,T&I (Fundações Estaduais de Amparo a
Pesquisa)
PETROLEO e GAS : extração e cadeia de
fornecedores muito concentrados no SE e SUL
PAC e investimentos produtivos
PAC e investimentos produtivos
PAC e investimentos produtivos
MATRIZ ENERGÉTICA DIVERSIFICADA e

POTENCIAL PARA RENOVÄVEL

Ver tabela
 Urânio e derivados 1,4%
 Carvão mineral e derivados 6,2%
 Gás Natural 9,3%
 Energia hidráulica e eletricidade 14,7%
 Biomassa (inclui carvão vegetal) 15,6% 46,3%
 Produtos da cana-de-açúcar 16,0%
 Petróleo e derivados 36,7%

12,7% na
média
Fonte: EPE, 2007 mundial
FAO e Banco Mundial estimam que a demanda por
alimentos aumentará fortemente, como resultado
do crescimento da população, do avanço da
urbanização e da transição para preferências
alimentares ocidentais por uma nova e mais ampla
classe média mundial.

Por outro lado, a falta de acesso ao abastecimento


estável de água atingirá proporções críticas,
especialmente para fins agrícolas.
 DISPONIBILIDDE DE ÁGUA RELATIVAMENTE
ALTA
 TERRAS FÉRTEIS (40% a mais do estoque atual)
 COMPETITIVO em: GRÃOS, CARNES ( bovina e
frangos),AÇUCAR, CAFÉ, FRUTAS ....
 APRENDE A FAZER CONVIVER MELHOR O
AGRONEGÓCIO PATRONAL E AGRICULTURA DE
BASE FAMILIAR

POTENCIAL AGROINDUSTRIAL (em contexto


mundial de demanda crescente)
REDISCUSSÃO DO BRASIL RURAL : COMO se ORGANIZAR e
que TENDÊNCIAS REGIONAIS ?
BRASIL do agronegócio : exemplo da soja
Brasil e Grandes Regiões: Produção de soja por safra – 1999/2000 e 2009/2010
BRASIL : investimentos na infra estrutura
econômica e a importância do olhar regional
BRASIL : investimentos na infra estrutura
econômica e a importância do olhar regional
BRASIL: METRÓPLES se MULTIPLICARAM
SEM VISÃO NACIONAL

FONTE:
IBGE
FONTE: ESTUDO DO CGEE para o MPOG ( Módulo 2)
• 11 MACRO POLOS
CONSOLIDADOS

• 7 NOVOS
MACROPOLOS

• 22 SUB-POLOS

Nos anos recentes


crescem mais as
cidades médias e
as periferias das
metrópoles (IPEA)
FONTE: CEDEPLAR PARA ESTUDO MPOG
Eixos de Integração com A. do Sul: que
impactos na dinâmica regional futura ?
Andino Escudo Guianês

Amazonas

Peru–Brasil–
Bolívia Interoceânico
Central

Capricórnio
Mercosul –
Chile
Hidrovia Paraná -
Paraguai

Andino do Sul
Sul
Há um avanço importante:

Foram criados cursos PÓS GRADUAÇÃO EM


DESENVOLVIMENTO REGIONAL em muitos
lugares do país.
Obrigada

TANIA BACELAR
taniabacelar@gmail.com