You are on page 1of 4

2- Fisiopatologia da Hipertensão

Muitos mecanismos fisiopatológicos foram identificados no desenvolvimento e propagação de pressão


arterial elevada, incluindo:

• aumento da atividade do sistema nervoso simpático e alterações nos receptores adrenérgicos;


• manuseio alterado do sódio devido ao aumento da retenção renal de sódio,
• aumento da ingestão alimentar e alterações nos canais de sódio-ion em vários locais do corpo;
• aumento da secreção de renina levando a alterações no eixo do sistema renina-angiotensina
aldosterona (SRAA);
• anormalidades estruturais e funcionais na vasculatura.
Renina-Angiotensina- Sistema Aldosterona
A angiotensina II aumenta a pressão arterial por várias abordagens, incluindo:

• estimulando a síntese e liberação de aldosterona;

• aumentando a retenção de sódio tubular renal,

• aumentando a sede e a libertação do hormônio antidiurético e aumentando o fluxo simpático do cérebro.

• aumenta a hipertrofia e remodelação de células cardíacas e vasculares

• aumento na produção de espécies reativas de oxigênio


3.2 Inibidores da ECA / BRAs e CCBs
• Os antagonistas do SRAA e os BCCs são ambos agentes anti-hipertensivos relativamente novos e uma combinação dessas duas classes de drogas. Estudos
mostram que essa combinação é segura, bem tolerada e eficaz para reduzir a pressão arterial e o risco de eventos cardiovasculares adversos. O benefício
global desta combinação é a partir da redução de risco vascular causada pelas classes individuais tais como a redução do AVC pelos BRAs.

• O estudo ASCOT-BPLA é um dos marcos desta combinação. Neste ensaio, uma combinação de inibidor de ACE e do CCB foi comparada com uma
combinação de BB e tiazida em pacientes 40-79 anos de idade com hipertensão e 3 ou mais de outros factores de risco cardiovascular. A combinação
inibidor da ECA / CCB mostrou-se superior em relação à redução do risco cardiovascular.

• Uma baixa dose da combinação candesartan/nifedipina (20 mg / 8 mg) foi comparada com a monoterapia de candesartan (12 mg) em pacientes com
hipertensão ligeira a grave não controlada com candesartan 8 dose de mg / dia. A pressão arterial sistólica / diastólica foi reduzido de 12,1 / 8,7 mmHg no
grupo de combinação e 4.1 / 4.6 mmHg no grupo da monoterapia com candesartan.

• Outro estudo comparou benazepril / HCTZ com benazepril / amlodipina, e a combinação inibidor / CCB ACE foi encontrado para ser superior à combinação
inibidor da ECA / HCTZ na redução de eventos cardiovasculares e morte em pacientes que têm sido de alto risco para tais eventos.

• Noutro estudo, pacientes com histórico de hipertensão e doença arterial coronária foram expostos aleatoriamente para uma combinação de verapamil /
Trandolapril ou atenolol / HCTZ. O grupo de tratamento combinação verapamil / trandalopril teve mais de bem-estar e uma tendência para uma menor
incidência de angina de peito e enfarte.
4.0 Como escolher a terapia de combinação
certa
• As diferentes classes de fármacos anti-hipertensivos têm benefícios terapêuticos adicionais específicos nestas condições, tais como BBs em
doentes com doença arterial coronária ou insuficiência cardíaca.

• Comparando o efeito das cinco principais classes de medicamentos anti-hipertensivos nos desfechos cardiovasculares, a redução com cada
classe de medicamentos foi semelhante, mas cada classe foi notada como tendo alguns benefícios adicionais. Nessa análise, os diuréticos
foram superiores na prevenção da insuficiência cardíaca, os IECA foram mais eficazes na prevenção da doença arterial coronariana, os BCCs
foram superiores na prevenção do AVC e todos causaram a morte, enquanto o BB foi menos eficaz na prevenção do AVC.

• Em uma revisão sistemática e metanálise, compararam as diferentes combinações de anti-hipertensivos em pacientes com diabetes, as
combinações inibidor da ECA / CCB causaram a redução mais significativa na mortalidade, seguida pelos inibidores da ECA / diuréticos
tiazídicos, inibidores da ECA isoladamente, placebo e somente CCBs.

• Em uma análise da eficácia do perindopril na redução de eventos cardiovasculares entre pacientes com estudo de doença arterial
coronariana estável (EUROPA), um inibidor da ECA e combinação de CCB (perindopril / amlodipina) reduziu mortalidade total em 46% e
mortalidade cardiovascular em 35% quando comparado ao placebo em pacientes com hipertensão e doença arterial coronariana estável.