You are on page 1of 39

PLANEJAMENTO DAS

NECESSIDADES DE MATERIAIS
ERP – Enterprise Requirement Planning
MRP – Material Requirement Plannig
Antes da existência de MRP

 As empresas trabalhavam com níveis de estoque


muito elevados;
 Alguns itens tinham sua demanda calculada (não
sujeita a erro) e outros apenas prevista (sujeito a
erro);
 A este fenômeno chamamos de Demandas
DEPENDENTE E INDEPENDENTE
Demanda Independente

 Demanda impossibilitada de calcular;


 Pode ser apenas prevista;
 Exemplos são a maioria dos produtos acabados;
Demanda Independente

 Demanda futura amarrada a uma infinidade de


fatores alheios ao controle do planejador, como:
- Ofertas de concorrentes;
- Preço;
- Condições climáticas;
- Moda;
- “Humor” do mercado....
Demanda Dependente

 A partir de algum evento (programa mestre de


produção por exemplo) sob controle do planejador,
pode ser calculada;

 Exemplos são os componentes de produtos


acabados;
Demanda Dependente

 A partir da definição de um programa mestre de


produção, ou seja, dos produtos acabados que se
pretende disponíveis período a período, até o final do
horizonte de planejamento, e do conhecimento das
quantidades de componentes necessárias por
unidade de produto acabado, calculam-se então as
necessidades (o consumo) futuras dos itens
componentes.
Vantagens da Demanda Dependente

 Cálculo preciso do consumo futuro dos itens;

 Dispensa necessidade de quantidades de segurança.


MRP

 Técnica que permite determinar as necessidades dos


materiais que serão utilizados na fabricação de um
produto;
 Técnica voltada à administração de materiais;
 Software desenvolvido pela indústria de máquinas
CASE junto à IBM
MRP

 Auxilia as empresas a planejar suas necessidades de


recursos, com o apoio de sistemas de informações
computadorizadas;
 Técnica para converter a previsão de demanda deum
item de demanda independente em uma
programação das necessidades das partes
componentes do item.
O que é MRP II e ERP?

 O MRP II deriva do aumento de capacidade de


processamento das informações, passando a atuar
em outras áreas da organização, controlando
também equipamentos e mão-de-obra;
O que é MRP II e ERP?

 Os programas atuais, que evoluíram a partir dos MRP


´s, além do gerenciamento de materiais e dos
recursos/capacidade de produção, englobam todas as
atividades de uma organização, ou seja: atividades
mercadológicas, contábeis, de recursos humanos,
logísticas e financeiras. Esses programas mais
completos, são denominados ERP´s (Enterprise
Resource Planning)
Exemplo

 Fábrica de bolos do João:

1. João é bancário mas sabe fazer ótimos bolos, todos


sabem disso e apreciam;
2. Ao ser convidado para o aniversário do chefe,
resolve levar um bolo feito por ele mesmo;
3. O cunhado do chefe é dono de uma confeitaria e
aprecia demais o bolo feito por João;
Exemplo

4. O cunhado do chefe propõe então uma encomenda


de 100 bolos a João, para serem entregues em 10
dias;
5. João aceita na hora, motivado pela perspectiva de
iniciar seu próprio negócio;
6. Além da encomenda do cunhado do chefe, sua
esposa lhe avisa que uma amiga pretende fazer uma
festa e demonstrou interesse em dez bolos
fabricados por João;
Conceitos Iniciais

- Item 4: Pedido em carteira – Pedidos para os quais já


existe a confirmação do cliente (Pedidos Firmes)
- Item 6: Previsão de venda – Expectativa de possíveis
pedidos de vendas, ainda não confirmados
Exemplo

7. Aquisição de matérias-primas;
8. João irá adquirir com base na demanda, ou seja,
multiplicará a receita do bolo por 110 para atender à
produção encomendada e prevista;
Exemplo
BOLO DA FESTA

ITEM QUANTIDADE

OVOS 3

MARGARINA 1 Colher de sopa (20 gramas)

AÇUCAR 3 Xícaras de chá (200 gramas)

FARINHA DE TRIGO 3 Xícaras de chá (200 gramas)

AMIDO DE MILHO 1 Xícara de chá (70 gramas)

FERMENTO EM PÓ 1 Colher de sopa (20 gramas)

LEITE MORNO PARA AMOLECER A MASSA 1 Copo (200 ml)

Modo de Fazer: Bata as claras em neve e reserve, separe as gemas e bata-as com a
margarina e o açúcar até que fique branco, coloque um copo de leite morno, a farinha e o
amido de milho em seqüência, bata bem e adicione, por último, o fermento em pó e as
claras de neve.
Asse em forno quente em forma untada com farinha
Conceito

 A receita descreve a quantidade e unidade


necessárias;
 Porém é mais fácil medir a quantidade necessária de
alguns itens que de outros;
 Por exemplo, a farinha e margarina necessárias para
untar a forma, dependem muito mais de quem está
produzindo;
Conceito

 A receita de bolo é chamada de “estrutura do


produto”:
- A estrutura do produto contém a lista e a quantidade
de cada material que compõe o produto e a sequência
que os componentes, formados por esses materiais
obedecem, durante sua manufatura em produto
acabado
Conceito

Bolo de Festa

Massa Segunda Clara de Neve Fermento


Nível 1
Mistura

Massa Primeira Leite Farinha Amido de Milho


Nível 2
Mistura

Nível 3 Gema de Ovo Margarina Açúcar


Estrutura do Produto

Tempo de Estoque de
Nível Cód. Descrição Unidade Quantidade reabastecimento Segurança Tamanho do lote Fabricado Comprado Estoque

1 1.1 Ovos Un. 3 4 12 12 x 120

1 1.2 Fermento Kg 0,020 0 0,050 LL x 0,100

1 1.3 Massa 2ª Mistura Un. 1,000 30 min. 0,000 LL x 0,000

2 2.1 Leite Lt 0,200 0 1,000 1,000 x 1,000

2 2.2 Farinha Kg 0,200 0 1,000 1,000 x 1,000

2 2.3 Amido de Milho Kg 0,070 0 0,500 0,500 x 0,500

2 2.4 Massa 1ª Mistura Un. 1,000 30 min. 0,000 0,000 x 0,000

3 3.1 Margarina Kg 0,020 0 0,100 0,500 x 0,500

3 3.2 Açúcar Kg 0,200 0 1,000 1,000 x 1,000


Exemplo

9. Após multiplicar a quantidade necessária de cada


item por 110, João se depara com outra situação:
Alguns itens ele já têm em casa;
10. Os itens que João já possuí em casa, não precisarão
ser comprados, podendo ser descontados da
necessidade calculada da receita para os 110 bolos;
Exemplo

11. Alguns itens João não gostaria de utilizar em sua


totalidade do que possuí em casa, pois precisará
para preparar outros alimentos em sua casa, são
elas: Parte do açúcar, da farinha e alguns ovos;
Exemplo

12. João deverá então, comprar os ingredientes de


acordo com o previstos, descontando a quantidade
que possui em casa, considerando que alguns deles
devem sobrar em estoque após a fabricação dos
bolos;
Exemplo

13. Além disso, João precisa se preocupar com os


múltiplos da quantidade de ingredientes a ser
comprada, por exemplo, é necessário comprar 22
quilos de açúcar. Ele poderia comprar embalagens
de um quilo, porém, as embalagens de cinco quilos
são mais econômicas. Ele opta então, por comprar
25 quilos.
Exemplo

 Pensando no futuro, ele poderia comprar embalagem


de 60 quilos, que seria ainda mais econômica.
Conceito

 Lote Mínimo de Compra / Lote Econômico de Compra: é


a quantidade que deve ser comprada para que o
custo total de aquisição e de manutenção de
estoques seja mínimo.
Exemplo

14. Para a aquisição de ovos, João se depara com uma


nova situação: Ele pode comprar apenas uma dúzia
e levar na hora, porém , para adquirir 30 dúzias na
quitanda (local onde João conhece a procedência e
possuí melhor negociação de pagamento) será
necessário aguardar 4 dias pela entrega dos ovos.
Ou comprar no supermercado, onde não conhece a
procedência e pagará mais caro.
Exemplo

 João resolve aguardar a quitanda.


Conceito

 Ao aguardar a quitanda, João familiariza-se com um


novo conceito, de “tempo de espera” ou “lead time”;
 Lead Time do ponto de vista do fornecedor, é o tempo
que decorre desde o recebimento de uma encomenda
até a entrega do produto. Da perspectiva do cliente
pode incluir também o tempo para a preparação e a
transmissão da encomenda.
Conceito

Lead Time
Pedido Entrega
Exemplo

15. Durante o processo, João toma contato com outras


dificuldades relacionadas à produção em grande
quantidade:
- Não possui espaço suficiente em casa para armazenar
alguns tipos de ingredientes, por serem volumosos ou
por necessitarem ser armazenados no único
refrigerador da casa;
Exemplo

16. João decide negociar para entregar cerca de 10


bolos por dia, desta forma os ingredientes
poderiam ser adquiridos de forma distribuída, de
acordo com a necessidade
Estrutura de item no MRP
ITEM

Ovos Períodos (dias)

Código 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Descrição Ovos Necess. Bruta 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30

Tam. Lote Mín. 12 Receb. Prog. 0 0 0 12 36 24 36 24 36 24

4 dias
Lead Time Disponível (on hand) 120 90 60 42 48 42 48 42 48 42
(D+3)

E.S. 12 Necess. Líq. -78 -48 -18 0 -6 0 -6 0 -6 0

Estoque de
Em estoque 1º dia 100 Segurança 12 12 12 12 12 12 12 12 12 12

Liberação de pedido 12 36 24 36 24 36 24
Conceito

 Explosão de necessidade de materiais:


- NL = (NB)t - (Di)t-1 + (ES)t
- NL = Necessidade Líquida
- NB = Necessidade Bruta
- Di = Disponível (on hand / em estoque)
- ES = Estoque de Segurança
Exemplo

17. Além da administração de materiais, é necessária a


elaboração de um plano de produção que
determine o que e quando fazer. A cobertura por
exemplo, só pode ser feita quando a massa estiver
assada e o bolo montado. Caso seja feito com muita
antecedência, a clara de neve perderá sua
consistência;
Conceito

 Dessa forma, João percebe que, além da receita,


necessitará das indicações de como fabricar o bolo.
Este processo é conhecido nas empresas como
“roteiro de fabricação”.
Conceito

 No caso dos bolos de João, os ingredientes a serem


comprados indicados na receita, servem como
“ordens de compra”;
 E o que fazer, está associado com o conceito de
“ordem de fabricação”;
Conceito

 Ordem de Fabricação: é uma autorização, enviada via


escrita ou sistema, dirigida para um determinado
setor ou departamento para fabricar uma
determinada quantidade de itens ou componentes.
 Ordem de Compra: é uma autorização, enviada via
escrita ou sistema, dirigida a um determinado
fornecedor externo para faturar e entregar um
determinada quantidade de matéria-prima ou
componente.
Exemplo

18. João também é obrigado a lidar com sua


capacidade máxima de produção, pois ele tem
apenas um forno, podendo assar 2 bolos por vez. E
cada fornada dura em média 2 horas;

Tais conceitos relacionam-se com a Administração de


Produção e de Materiais