A REVISTA DO PROFESSOR

CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO E ESPECIALIZAÇÃO. UMA CHAMADA A QUE AS NOSSAS ESCOLAS CONVENIADAS RESPONDEM.
SISTEMA POSITIVO DE ENSINO. FAÇA PARTE DESSA GRANDE ESCOLA.

A REVISTA DO PROFESSOR

Edição 1 Julho, 2007

Sala de aula
9 Um terrário para ob servar o ciclo da água .
Você vai construir um instrumento para entender a natureza.

Foto : Gustavo Lourenço

Em dia 5 Meio Ambiente O homem
e a natureza no Brasil.

Capa
11 A inclusão que funciona . Os
caminhos para transformar a escola e passar a atender todos os alunos.

Seção 4 Caro professor 11 Com a palavra Cibele Rodrigues

CARO PROFESSOR

Cada vez mais perto de você Está sendo um grande barato fazer esta revista. Entrevistar pessoas, observar sua realidade, conhecer histórias – e contar tudo na forma de textos, fotos e ilustrações. Sim, esta é a melhor parte. Saber que existe alguém que espera pelas novidades – e irá ler o que foi produzido . Para descobrir se estamos no caminho certo, só há um caminho:ouvir você, leitor, compreender o que tem a dizer – e o que quer encontrar em nossas páginas.

Diretora de Redação: Elizabeth Cardoso Diretora de Arte: Luzimar Redatora chefe: Edilaine Editores: Maria do Rosário e Luciana, Repórteres: Sérgio e Vilma Atendimento ao leitor: Neide Colaboradores: Joana, Franciane, Ricardo e Marinéia.

Elizabeth Cardoso
Diretora de redação
4 Julho 2007 INFORMAÇÃO

MEIO AMBIENTE
Conhecer para preservar

Da chegada de Cabral até os dias de hoje , os brasileiros construíram um país de enormes riquezas. Mas, para, isso, pagaram um preço alto: o desgaste ambiental. Os danos recaíram especialmente na Mata Atlântica, explorada desde o início da colonização , com a extração do pau-brasil. Nesta matéria você vai saber por que e como salvar o que sobrou desse grande ecossistema, que garante melhor qualidade de vida a 70% da população brasileira e já ganhou o título de “ campeão mundial” em biodiversidade.

Por que salvar a Mata Atlântica
Não faltam razões para salvar a Mata Atlântica. Seus mananciais abastecem as cidades e comunidades do interior. Sua presença contribui pra regular o clima, a temperatura, a umidade e as chuvas, proporcionando melhor qualidade de vida à 70% da população brasileira. Além disso, a Mata Atlântica é campeã em biodiversidade de espécies ani – mais e vegetais. E só esse aspecto justificaria a preservação. Um hectare de floresta no nordeste dos Estados Unidos contém 10 espécies de árvo -res, enquanto um hectare da Mata Atlântica abriga 450 espécies. Existem no ecossistema brasileiro:
6 Julho 2007 INFORMAÇÃO

• mais de 10 mil espécies de plantas. • aproximadamente 1 milhão e 600 mil espécies animais , incluindo insetos. • 261 espécies de mamíferos. • 620 espécies de anfíbios. • 620 espécies de pássaros.

Conhecemos a resposta: recuperar e preservar é a saída. E também sabemos que não é fácil.A Constituição de 1988 tornou a Mata Atlântica patrimônio nacional , isto é um ambiente a ser protegido por todos , inclusive pelo poder público – e nem por isso a situação se resolveu. Veja algumas propostas: • Valorizar as unidades de conservação existentes e criar outras em regiões críticas. • Incentivar o ecoturismo, que tem tudo a ver com a paisagem belíssi ma da Mata Atlântica.

Como salvar a Mata Atlântica
Iniciativas bem sucedidas
Também é importante conhecer e divulgar as ações de mais de 200 Ongs ( organizações não-governamentais), assim como apoiar pesquisas sobre estratégias de conservação da biodiversidade e projetos de conservação em andamento. Para as multinacionais, é mais barato conservar florestas ameaçadas de extinção do que produzir sem gerar poluição.Para a Mata Atlântica pode ser um saída.

Um terrário para observar O ciclo da água
O terrário é um recipiente de vidro com pedras, carvão, terra e plantas que permite observar o funcionamento do mundo natural.

Com o instrumento, crianças e jovens compreendem melhor esse fenômeno da natureza Elizeth Ferreira

Como fazer 2. Monte as camadas
Dentro do vidro, coloque primeiro as pedrinhas, depois o carvão e, por último, a terra. Essas três camadas representam de maneira simplificada as condições ideais do solo. A de terra serve para nutrir o vegetal e as de pedregulho e de carvão têm a função de drenar a água. Abra buracos na última camada e plante as mudas.

3. Acompanhe o fenômeno
Uma vez lacrado, instala-se o ciclo: a água penetra na planta pela raiz e é liberada por meio das folhas pela evaporação. Esse ambiente não dá conta de absorver o vapor que fica nas paredes e no teto do vidro. Quando a umidade che ga ao ponto de saturação, ocorre uma espécie de chuva que devolve a água ao solo.

4. Versão reciclada
O terrário também pode ser feito em outros tipos de vidro, como os aquários reutilizáveis. Uma outra opção é usar garrafas PET. Corte uma em cerca de ¾ de seu corpo e a outra, em ¼. Utilize a maior para fazer montagem.Tampe com a menor de modo que ela fique por dentro da que serve como base Vede com fita crepe.

2. Regue e tampe
Molhe cuidadosamente a terra, cubra o vidro com plástico e vede bem com o elástico. O ter rário tem de receber luz, porém não deve ficar exposto diretamente ao sol.

10 Julho 2007 INFORMAÇÃO

(

.

)
que funciona
Mais do que criar condições para os deficientes, a inclusão é um desafio que implica mudar a escola como um todo.

CAPA
Todos juntos, sem preconceito Em 1999, a Secretaria Municipal de Educação de Sorocaba, a 120 quilômetros de São Paulo, acabou com as classes especiais e passou a matricular todos os no sistema regular de ensino . Para auxiliar o processo, foram criados o Núcleo de Capacitação para o Ensino Fundamental Composto por supervisores coordenadores e professores formadores Que promovem o treinamento continuado do quadro docente – e a Seção de Apoio Psicológico e TerapêuTico – responsável pelo atendimento Extracurricular dos alunos. Hoje a rede municipal conta com 304 estudantes deficientes, de um total de 40 mil matriculados em 124 unidades. “Desde o início do projeto, o índice de evasão diminui e o preconceito foi podado pela raiz , havendo muita amizade”, comemora Terezinha Del Cístia, a atual se – cretária de Educação. Veja as principais medidas que garantem o sucesso da proposta: • Estímulo para que as escolas elaborem sua proposta pedagógica , diagnosticando a demanda por atendimento especial. • Criação de um currículo que reflita o meio social. • • Apoio à descentralização da gestão administrativa. Oferta de transporte escolar para todos. “A inclusão postula uma reestruturação do sis – tema de ensino, com o objetivo de fazer com que escola se torna aberta às diferenças e competente para trabalhar com todos os edu -candos , sem distinção de raça, classe, gêneros ou características pessoais” Cláudio Dutra

12

julho 2007 INFORMAÇÃO

COM A

PALAVRA

A formação exige prática

É
[ Cibele Rodrigues ]
“ Não existe uma licenciatura em Matemática que forme os professores de nossos sonhos”
Cibele Rodrigues é professora de Matemática do C. E. Etelvina Alves da Siva, Itaperuna- RJ. 14 Julho 2007 INFORMAÇÃO

provável que a frase mais dita sobre a educação matemática nas escolas seja ”os professores estão mal preparados”. Em geral argu -menta-se que a culpa é de cursos ruins. É fundamental para os professores de Matemática ter acesso a um

volvimento de forma continuada. O objetivo da licenciatu-ra é educar futuros pro- fessores. De “mal preparado” o professor passa a se ver “em processo, já que situações novas para ele são parte da profissão, e não resultado de uma preparação inadequada. Os professores não são mal preparados. Mal preparado é o modelo de formação docente.

C. E. ETELVINA ALVES DA SILVA

FUNDAMENTAL MÉDIO
Torne-se o mais competitivo de sua cidade. Matricule-se já. FONE: ( 22 ) 38271212