You are on page 1of 13

HISTORIA E LIDERANÇA

CORONEL FALUR RATE LAEK


CHEFE DO ESTADO MAIOR COORDENADOR CONJUNTO
Das FALINTIL - FDTL
1
Âmbito
 Historia TL
 Colonialização Portugues
 Pré e pós ocupação Indonesia
 FALINTIL contra ocupação Indonesia
 A reverificação da prática
 Concluções

2
Colonialização Portugues

 Quando em 1512 os mercadores Portugueses primeiro chegaram à Ilha, a


parte Leste que hoje equivale a Timor-Lorosae, era habitada pelo Povo
Maubere dividido entre duas confederações de reinos, os Serviãos e os Belos.
Já a parte Osidental da ilha, hoje equivalente à província Indonésia de Timor
Osidental era habitada pelo povo Atoni tradicionais inimigos dos Serviãos e
dos Belos. Assim, enquanto estes últimos se aliaram aos Portugueses, os Atoni
resistiram a fazer comércio com eles e quando em 1651 a Companhia
Holandesa das índias Orientais conquistou Kupang, os Atoni decidiram aliar-se
aos Holandeses contra os Portugueses e os Mauberes.

 A primeira fonte documental europeia conhecida que refere a ilha é uma carta
de Rui de Brito Patalim a Manuel de Portugal, datada de 6 de Janeiro de 1514,
na qual são mencionados navios que tinham partido para Timor.

3
Cont…..
 Em 1702, primeiro governador Portugueses chegaram
à Ilha Timor que foi chefiado pelo António Coelho
Guerreiro, para Lifau

4
Pré ocupação Indonesia

a. Em 1975 foi criação partidos politicos. Foram criados:

 União Democrática Timorense (UDT), que defendia a integração de Timor


numa Comunidade de Países de Língua Portuguesa;

 Assosiação Social Democrática Timorense(ASDT) que se viria a tornar a


Frente Revolucioária (FRETILIN) que defende a independência.

 Assosiação Popular Democrática Timorense(ASDT(APODETI) que defendia a


integração de Timor-Leste na Indonesia como uma região autónoma.

5
Cont….
• Em 1975 se realizaram as eleições municipais nos quais a ASDT obteve 55%
dos votos, a UDT, ainda dividida entre os partidários de Lopes da Cruz (e da
integração na Indonésia) e os partidários de uma evolução rumo à
independência obteve cerca de 40% e a APODETI teve muito pouco apoio
popular.

• Insatisfeito com os resultados, Francisco Lopes da Cruz e os seus apoiantes


pró-Indonésia levaram a cabo um golpe de estado contra as autoridades
Portuguesas na noite de 10 de Agosto de 1975.

• Nessa altura 23 soldados e oficiais Portugueses foram feitos reféns e levados


para a Indonésia. O Alto Comissário Mario Lemos Pires e as restantes forças
Portuguesas no território, sem apoio de Portugal numa altura.

6
Cont…
• Entre Setembro e Dezembro a ASDT/FRETILIN consegue derrotar Lopes da
Cruz e os seus seguidores, consegue o controlo da maioria do território e o
apoio da maioria da população

Como resultado destes acontecimentos:


 - A FRETILIN encontra-se em controlo da maioria do território e com o apoio
da população;
 - Já não aceita entrar em negociações com os outros dois partidos;

 Em 7 de Dezembro de 1975 Timor-Leste foi invadido pela Indonesia


que a ocupou durante os 24 anos.

 A Indonésia justificou a invasão alegando a defesa contra o


comunismo.

7
Pós ocupação Indonesia
 Em 7 de Dezembro de 1975 Timor-Leste foi invadido
pela Indonesia que a ocupou durante os 24 anos.
 A Indonésia justificou a invasão alegando a defesa
contra o comunismo.

8
FALINTIL contra ocupação Indonesia

 1ª Etapa - guerra cientifica disputa pelo controlo


posicional e populacional.

- 2ª Etapa guerra de guerillha que decorreu desde 31


de Dez de 1978 a 1990.

- 3ª Etapa guerrilha urbana, etapa decisiva para a


conquista de vitoria.

9
A reverificação da prática

a. A prática como esforço no desempenho dos deveres.


 Não a executa cabalmente, não demonstra esforço.
 Se deixa o tempo correr, não existe esforço
 Se não cumpre , não há esforço
b. A prática deve buscar – se na capacidade.
 A capacidade situa-se no campo teórico e no campo da prática.
 Se a teoria ilumina a prática, a capacidade deve buscar-se na
acção recíproca dos elementos: teoria e prática.
c. A compenetração dos deveres na aplicação da prática.
 Saber enfrentar as dificuldades iniciais; é no facto de procurar
saber, exactamente, o que e que se deve fazer.
Referencia; Livrino Comandante-em-Chefe das FALINTIL Kay Rala Xanana Gusmão

10
Cont…..
d. A prática está também na aplicação dos princípios.
 A democracia é para servir a luta! A democracia não é para servir de defesa da
personalidade ferida. A democracia é para encontrar o caminho certo para os
esforços das FALINTIL.
e. A vontade de aperfeiçoamento pessoal faz parte da prática.
 O aperfeiçoamento pessoal insere-se também no plano de pensamento,
na busca da compreensão que devemos ter das questões sob a nossa
responsabilidadde.
f. O tempo colocado na prática.
g. A prática deve ser medida nas responsabilidades.
 Devo exigir de mim mesmo o peso da responsabilidade que recebi.
 Devo saber medir a minha própia prática.
h. A prática é a constante melhoria da prática.
 O empenhamento na realização de tarefas , a observãncia dos princípios e a
correta aplicação dos métodos.
Referencia; Livrino Comandante-em-Chefe das FALINTIL Kay Rala Xanana Gusmão
11
Concluções

 Uma nação forte é uma nação que elogia e valoriza todos os


seus herois da pátria

 A prática situa-se, portanto, na materialização das tarefas.


Todavia, isso não basta, porque prática é um processo complexo.

 Coloquei questões sobre o COMANDO SUPERIOR DA GUERRA


porque a DIRECÇÃO é o CÉREBO da Organização e, no cérebo,
RESIDE A ACTIVIDADE MENTAL, A CAPACIDADE DE PENSAR!

 A direcção deve ser vista em termos de teoria, em termos de


Princípios, em termos de Planeamento, em termos de
orientação e em termos de Capacidade de activar!

12
Dúvidas?

13