Impulso nervoso BOMBA DE Na+ e K

+

Impulso nervoso

Prof. Alexandre S. Osório

Tecido cartilaginoso
Constituído por:Células e Matriz extracelular Células: • Condroblasto - célula jovem apresenta-se em franca atividade de síntese com um retículo endoplasmático rugoso (RER) e complexo de Golgi bastante desenvolvidos. A membrana emite curtos e finos microvilos e a célula ocupa totalmente seu condroplasto. • Condrócitos - tem forma globosa a ovóide, contendo um núcleo que acompanha sua forma e um citoplasma vacuolizado. No condrócito maduro observa-se poucas organelas, acúmulo de lipídios em seu citoplasma e, em certos casos, reservas de glicogênio.

Tecido cartilaginoso
Condroplastos – lacunas situadas dentro da substância intercelular, que recebe o nome de matriz cartilaginosa. Matriz cartilaginosa - é rica em glicoproteínas e contém fibras colágenas (hialina), fibras elásticas (elástica) e feixes colágenos (fibrosa).

Tecido cartilaginoso
O tecido cartilaginoso é constituído por três tipos de cartilagem: • Cartilagem hialina – é a mais comum, apresenta matriz homogênea e poucas fibras colágenas. Encontrada na laringe, na traquéia, nos brônquios e nas extremidades ósseas. • Cartilagem fibrosa – apresenta grande quantidade de fibras colágenas e é a mais resistentes das três. Encontrada nos discos intervertebrais. • Cartilagem elástica – é semelhante a hialina (apresenta fibras elásticas entrelaçadas). Ocorre na epiglote na orelha e septo nasal.

Cartilagem Hialina
Na cartilagem hialina não se evidenciam as fibras colágenas ao microscópio óptico devido ao seu índice de refração estar muito próximo ao da substância fundamental.

Cartilagem Fibrosa
Na cartilagem fibrosa, os feixes colágenos aparecem claramente no corte corado pela H.E. identificando-se o tecido cartilaginoso devido à presença de condrócitos em seus condroplastos

Cartilagem Elástica
Na cartilagem elástica as fibras são evidenciadas quando o corte é tratado por métodos seletivos

Osso
Constituído por: Célula e Matriz extracelular Funções: - Sustentação esquelética. - Reservatório de cálcio. - Produção de células sangüíneas ( Medula óssea) Matriz óssea: Fibras colágenas e substância fundamental (proteoglicanas) mineralizadas (fosfato de cálcio, Mg+2,K+ e Na+).

Tecido ósseo compacto e Tecido Ósseo Esponjoso

Célula osteoprogenitora (desenvolve-se em osteoblasto)

Osteoblasto (forma o tecido ósseo)

Osteócito

Osteoclast o

Os osteócitos ficam em lacunas distribuídos em círculos concêntricos em torno de um canal central, no tecido ósseo compacto, e em lacunas distribuídas irregularmente nas trabéculas do tecido ósseo esponjoso. canalículos Osteócito Lamelas concênctricas Lacuna Osso Compact o Vaso linfático

Lacuna

Canal medular

Perióste o

Canais Haversianos Trabéculas do osso esponjoso

Vasos sangüíne os Periósteo

Canais de Volkmann Canais de

OSSIFICAÇÃO: FORMAÇÃO ÓSSEA

Ocorrem dois métodos de formação óssea: Ossificação Intramembranosa: (intra = dentro; membranous = membrana).Refere-se à formação de osso diretamente sobre ou dentro das membranas de tecido conjuntivo fribroso. Ossificação Endocondral: (endo = dentro; condro = cartilagem), refere-se à formação de osso dentro de um modelo de cartilagem.

A ossificação intramembranosa envolve a formação de osso diretamente sobre ou dentro das membranas de tecido conjuntivo fibroso frouxo Capilar sangüíneo Osteoblast Centro de ossificação o Célula mesenquimatosa Fibra colágena Osteoblast o Matriz óssea recém-calcificada

Osteócito na lacuna Canalículo

Osteoblasto s Vasos sangüíneo

Mesênquima se condensa Trabéculas

Osso compacto Osso esponjoso

Periósteo

FRATURA E REMODELAÇÃO ÓSSEA 1 – Fratura (traumatismo): rompimento de vasos do periósteo. 2 – Restos celulares e coágulos sanguíneos são removidos pela ação de macrófagos. 3 - Células do periósteo, do endósteo e do tecido mielóide (medula óssea) diferenciam-se em células osteoprogenitoras e osteoblastos que passam a secretar a matriz. 4 - Após calcificação, forma-se o calo ósseo que une ou consolida os fragmentos originados pela lesão. O tecido ósseo do calo é primário.

FRATURA E REMODELAÇÃO ÓSSEA 4 – Submetido, o osso, a trações e tensões, surgem osteoclastos que reabsorvem o calo, originando-se em seu lugar, osso secundário. Trata-se da remodelação do calo ósseo, cuja eficiência depende de inúmeros fatores (nutricionais, endócrinos, etários, etc).

FRATURA E REMODELAÇÃO ÓSSEA

FRATURA E REMODELAÇÃO ÓSSEA

Tecido Ósseo e ossos.

Classificação do tecido ósseo: • Tecido embrionário • Tecido compacto (ou denso) • Tecido esponjoso (ou trabeculado)

Admitem-se três variedades de tecido ósseo: embrionário, compacto e esponjoso. a) Tecido embrionário: Existe no osso jovem e no calo das fraturas. b) Tecido compacto: É constituído por lâminas ósseas, formando cilindros concêntricos e canais de Havers. É encontrado na diáfise dos ossos longos e nas camadas periféricas dos ossos curtos e chatos. c) Tecido esponjoso: É menos resistente, poroso, e desprovido de sistema de Havers. É encontrado na epífise dos ossos longos e nos ossos curtos

Osso esponjoso cortado longitudinalmente.

Classificação e estrutura geral do osso Ossos curtos Ossos chatos Ossos Longos Ossos irregulares.

Osteoporose Causas : - Produção excessiva de Paratormônio (Glând. Paratireóides) estimula o aumento do número de osteoclastos. - Deficiência de vitamina A desequilibra a atividade de osteoblastos e osteoclastos. - Carência de vitamina C prejudica a síntese de colágeno.

Raquitismo Causa : - Falta de vitamina D durante a infância.

Osteomalacia Causa : - Falta ou deficiência de vitamina D na idade adulta