You are on page 1of 18

LINHAS PEDAGÓGICAS E

PERÍODO ESCOLAR
Linhas pedagógicas

• Linha Tradicional
• Linha Comportamentalista
• Linha Construtivista
• Linha Montessoriana
• Linha Freiriana
• Linha Democrática
• Linha Waldorf
Linha tradicional
Como funciona: A linha tradicional de ensino teve a sua origem no século
XVIII, a partir do Iluminismo. O objetivo principal era universalizar o
acesso do indivíduo ao conhecimento. Possui um modelo firmado e certa
resistência em aceitar inovações, e por isso foi considerada ultrapassada nas
décadas de 60 e 70. O professor é a figura central. Ele ensina as matérias de
maneira sistematizada.
As escolas que adotam a linha tradicional acreditam que a formação de um
aluno crítico e criativo depende justamente da bagagem de informação
adquirida e do domínio dos conhecimentos consolidados. Geralmente, as
aulas são expositivas, com muita teoria e exercícios sistematizados para a
memorização. Nas aulas tradicionais, os conhecimentos são concebidos
como verdades não sujeitas a variações nem à dependência de contextos,
diferentemente de pedagogias mais modernas, em que o estudante deve
"construir o conhecimento" e não simplesmente absorvê-lo.
Avaliação: A forma de promoção é a avaliação, que mede a quantidade de
conhecimento que foi memorizada. Quem não alcança a pontuação mínima
é reprovado e deve cursar a mesma série novamente. São escolas que
preparam seus alunos para o vestibular desde o início do currículo escolar e
enfatizam que não há como formar um aluno questionador sem uma base
sólida, rígida e normativa de informação.
Linha comportamentalista
Como funciona: A concepção comportamentalista enfoca a
técnica, o processo e o material postos em jogo. O ensino deve ser
bem planejado, com materiais instrucionais programados e
controlados. O objetivo é que os resultados possam ser
mensurados e que o estudante adquira os comportamentos
desejados, moldados segundo necessidades sociais determinadas.

Por essa pedagogia, o professor tem como tarefa controlar o


tempo e as respostas dos alunos, dando-lhes feedback constantes.
O aluno é visto como alguém que pode aprender a partir de
estímulos, que são recompensados, caso os objetivos sejam
alcançados.

Avaliação: O processo de avaliação é feito por provas,


semelhantes às da linha tradicional.
Linha construtivista
Como funciona: Inspirado nas idéias do suíço Jean Piaget. O construtivismo é filho do movimento
iluminista, fiel defensor da capacidade humana de guiar-se pela razão e através dela, criar e recriar
o mundo. Fiel ao princípio interacionista, procura demonstrar, ao contrário das demais tendências, o
papel central do sujeito na produção do saber. “Um sujeito que procura ativamente compreender o
mundo que o rodeia e trata de resolver as interrogações que este mundo provoca. Não é um sujeito
que espera que alguém que possui um conhecimento o transmita a ele, por um ato de benevolência.
É um sujeito que aprende basicamente através de suas próprias categorias de pensamento ao mesmo
tempo que organiza seu mundo” (ferreiro, E. & Teberosky A., 1985:26).
O construtivismo propõe que o aluno participe ativamente do próprio aprendizado, mediante a
experimentação, a pesquisa em grupo, o estimulo a dúvida e o desenvolvimento do raciocínio, entre
outros procedimentos. A partir de sua ação, vai estabelecendo as propriedades dos objetos e
construindo as características do mundo, ou seja, o saber não é passado do docente ao aluno: o
estudante é que constrói o conhecimento, por meio da formulação de hipóteses e da resolução de
problemas. O objetivo do construtivismo é que o aluno adquira autonomia. A ênfase está no aspecto
cognitivo.
Noções como proporção, quantidade, causalidade, volume e
outras, surgem da própria interação da criança com o meio em
que vive. Vão sendo formados esquemas que lhe permitem
agir sobre a realidade de um modo muito mais complexo do
que podia fazer com seus reflexos iniciais, e sua conduta vai
enriquecendo-se constantemente.
As disciplinas são trabalhadas em uma relação mais próxima
com os alunos e envolve diversos elementos, como música e
dramatização. As séries são organizadas em ciclos.
Existem várias escolas utilizando este método. Mais do que
uma linha pedagógica, o construtivismo é uma teoria
psicológica que busca explicar como se modificam as
estratégias de conhecimento do individuo no decorrer de sua
vida.
Avaliação: A linha construtivista foi idealizada para que não
houvesse provas, uma vez que o aluno deve construir o
conhecimento ao longo das aulas. As escolas, no entanto,
podem adaptar esse conceito em suas avaliações.
Linha montessoriana
Como funciona: Criada pela pedagoga italiana Maria Montessori, no início do século 20, a
linha montessoriana valoriza a educação pelos sentidos e pelo movimento para estimular a
concentração e as percepções sensório-motoras da criança. O método parte da idéia de que
a criança é dotada de infinitas potencialidades. Individualidade, atividade e liberdade do
aluno são as bases da teoria, com ênfase para o conceito de indivíduo como,
simultaneamente, sujeito e objeto do ensino.
As escolas montessorianas incentivam seus alunos a desenvolver um senso de
responsabilidade pelo próprio aprendizado e adquirir autoconfiança. As instituições levam
em conta a personalidade de cada criança, enfatizando experiências e manuseios de
materiais para obter a concentração individual e o aprendizado. Os alunos são expostos a
trabalhos, jogos e atividades lúdicas, que os aproximem da ciência, da arte e da música.
A divisão das turmas segue um modelo diferente do convencional: as crianças de idades
diferentes são agrupadas numa mesma turma. Nessas classes, alunos de 5 e 6 anos estudam
na mesma sala e seguem um programa único. Posteriormente eles passam para as turmas
de 7 e 8, em seguida para as de 9 e 10, e, finalmente alcançam o último estágio, que agrega
jovens de 11,12,13 e 14 anos. Até os 10 anos, os alunos têm aulas com um único professor
polivalente, enquanto nas salas de 11 a 14, esse professor ganha a companhia de docentes
específicos para cada disciplina. removem obstáculos da aprendizagem e trabalham as
dificuldades de cada aluno. Sugerem e orientam as atividades, deixando que o próprio
aluno se corrija, adquirindo assim maior autoconfiança.
Avaliação: Pode ter provas ou não, de acordo com a escola. Quando não há provas, a
avaliação é feita a partir dos registros que o professor tem sobre a produção do aluno.
Linha freiriana
Como funciona: Pela pedagogia baseada nas ideias de Paulo
Freire, que é mais voltada para a alfabetização, os aspectos
culturais, sociais e humanos do aluno devem ser levados em conta.
Esta postura implica em ouvir o aluno para ajudá-lo a construir
confiança, para que ele possa entender o mundo por meio do
conhecimento.

Segundo Freire, o conhecimento faz sentido para o estudante


quando o transforma em sujeito que pode transformar o mundo.
Bom senso, humildade, tolerância, respeito, curiosidade são alguns
dos princípios defendidos por essa corrente. A educação se torna
uma ferramenta para "libertar" o aluno.

Avaliação: Assim como a linha construtivista, pedagogia de Paulo


Freire não prevê provas, mas as escola podem ter avaliações.
Linha democrática
Como funciona: As escolas democráticas
Apareceram nos anos 20 e são baseadas na
Escola Summerhill, nascida na Inglaterra.
Seu grande diferencial é que seus alunos não
são "obrigados" a assistir as aulas
obedecendo um cronograma comum, único.
Eles escolhem as atividades a fazer de
acordo com seus interesses.

Avaliação: Para avaliar os alunos, procura-


se abolir também lições de casa e provas; a
avaliação é feita por sua participação e por
trabalhos que podem ser escritos, artísticos
etc.
Linha Waldorf
Como funciona: A pedagogia Waldorf prioriza as necessidades do desenvolvimento do
estudante. Foi criada em 1919 na Alemanha e está presente no mundo inteiro. O currículo, que se
orienta pela lei básica da biografia humana, os ciclos de sete anos- (0-7/ 7-14/ 14-21) oferece
ricas vivências, alternando as matérias do conhecimento com aquelas que se direcionam ao sentir
e agir. Não há repetência, justamente para que as etapas de aprendizagem possam estar em
sintonia com o ritmo biológico próprio de cada idade.
No primeiro ciclo (0-7), a ênfase é no desenvolvimento psicomotor, essa fase é dedicada
principalmente às atividades lúdicas, ela não inclui o processo de alfabetização. O segundo ciclo
(7-14), que corresponde ao ensino fundamental, compreende a alfabetização e a educação dos
sentimentos, para que os alunos adquiram maturidade emocional. Nesta fase, não existe
professores específicos para cada disciplina, mas sim um tutor responsável por todas as matérias,
que acompanha a mesma turma durante os sete anos. Já no terceiro ciclo, equivalente ao ensino
médio (14-21), o estudante está pronto para exercitar o pensamento e fazer uma análise crítica do
mundo. As disciplinas são dividas por épocas, em vez de ter aulas de diversas disciplinas ao
longo do dia ou da semana, o estudante passa quatro semanas vendo uma única matéria. Nessa
fase entram os professores especialistas, mas as classes continuam com um tutor.
Avaliação: A avaliação dos alunos é baseada nas atividades diárias, que resultam em boletins
descritivos. O progresso dos alunos é exposto detalhadamente em boletins manuscritos, nos quais
são mencionadas as habilidades sociais e virtudes como perseverança, interesse, automotivação e
força de vontade. Como consequência, o jovem aluno tem grandes chances de se tornar um
adulto saudável e equilibrado capaz de agir com segurança no mundo.
Períodos escolares

As arenas de desenvolvimento do período escolar deixam de ser só o lar e passam a ser a


sala de aula, a vizinhança e o grupo. Ao longo deste período, a criança sofre importantes
transformações em termos físicos, cognitivos e psicossociais. Apesar de a família continuar
a ter um grande impacto na sua personalidade, o grupo de pares torna-se mais influente
que anteriormente. A memória e a linguagem desenvolvem-se também bastante neste
período. A adaptação da criança à escola e a sua capacidade para se aplicar depende não só
das suas capacidades cognitivas, mas também do seu temperamento, das suas atitudes e
das suas emoções.
Infantil ( Berçário, Mini-maternal, maternal 1, Maternal 2, Jardim 1 e Jardim 2)
De 0 à 6 anos

Horário Parcial: 13h às 17h30


Horário Integral: 8h às 17h30
Horário Estendido: até às 19h, com banho e jantar.
Fundamental (1º ao 9º ano)
De 6 à 15 anos

Horário manhã: 7h10 às 12h40


Horário tarde: 13h às 17h30
Ensino médio
De 15 à 17, 18 anos

Horário manhã: De 07h às 12h


Horário Tarde: 13h às 18h
REFERÊNCIAS

http://www.pedagogia.com.br/linhasPedagogicas.php

S. DA ROSA, Sanny. Construtivismo e mudança - 8. Ed –São Paulo, Cortez, 2002

DA GRAÇA AZENHA, Maria. Contrutivismo de Piaget a Emilia Ferreiro – 7. ed – São Paulo, Ática, 1999

http://pt.wikipedia.org/wiki/Idade_escolar