You are on page 1of 49

AGUA E SAIS

A importância da bioquímica no metabolismo


• No interior das células ocorrem, reações químicas
fundamentais à vida, como a digestão, na qual e a
célula ingere o alimento e o “quebra” liberando
energia.
• Ou as vezes este alimento ingerido serve para
produzir outras substâncias necessárias para o
organismo.
Composição Química da célula

• Os compostos celulares são baseados em


compostos de carbono
• C, H, N e O constituem quase 99% do peso celular
• Água = 70% do peso da célula, logo a maioria das
reações químicas da célula ocorrem em ambiente
aquoso.
ÁGUA
é uma substância líquida que parece incolor
a olho nu em pequenas quantidades,
inodora e insípida, essencial a todas as
formas de vida, composta por hidrogênio e
oxigênio.
Estrutura
Abaixo está representado o envoltório de van der Waals (onde os
componentes de atração das forças de van der Waals
contrabalançam os componentes de repulsão)

Envoltório de van Raio de van der Waals do


der Waals O = 1.4 Å
O—H covalente;
Raio de van der distância de ligação
Waals = 0.958 Å
do H = 1.2 Å
As moléculas da água podem associar-se
através de pontes de hidrogênio
MOLÉCULA DE ÁGUA
Na água líquida a molécula de H2O reorienta-se
uma vez a cada 10-12 segundo

A água líquida consiste numa rede rapidamente flutuante


de moléculas de H2O unidas por pontes de hidrogênio, a
qual, em distâncias curtas, assemelha-se ao gelo
Ligações de hidrogênio comuns nos
seres vivos
As propriedades físicas da água são resultantes das
pontes de hidrogênio intermoleculares
PROPRIEDADES QUIMICAS DA
ÁGUA
• SOLVENTE UNIVERSAL

A água dissolve vários tipos de substâncias polares


e iônicas (hidrofílicas), como vários sais e açúcar,
e facilita sua interação química, que ajuda
metabolismos complexos.
Pontes de
hidrogênio com
solutos polares
Polaridade
O cristal de NaCl
desfaz-se à medida que
as moléculas de
água se amontoam
ao redor dos íons
cloreto e sódio

As cargas
iônicas são
parcialmente
neutralizadas
e as atrações
eletrostáticas
entre os íons de
cargas opostas
são
enfraquecidas
Constantes dielétricas de alguns solventes

Formamida  110 Etanol  24,3


Água  78,5 Amônia  16,9
Dimetilsulfóxido  48,9 Acetona  20,7
Metanol  32,6 Clorofórmio  4,8

Éter dietílico  4,3


Benzeno  2,3
Tetracloreto de carbono  2,2
Hexano  1,9

Solventes com altas constantes dielétricas podem solvatar


(“envolver”; no caso da água “hidratar”) as moléculas do soluto,
conforme ilustrado pelo esquema abaixo:
A água tende a hidratar a porção polar; ao
mesmo tempo tende a excluir a porção apolar
(hidrofóbica)

A porção apolar força as moléculas de água


circundantes a assumir um estado altamente
ordenado

De um modo geral, no entanto, as estruturas


lipídicas tendem a agrupar-se, reduzindo a
superfície em contato com a água
As porções apolares são estabilizadas por
interações hidrofóbicas que resultam da
tendência de excluir a água

As micelas são um bom exemplo de


estruturas que expõem à água apenas os
grupos hidrofílicos (polares) e escondem
completamente os grupos apolares
As micelas não são as associações de moléculas
anfipáticas mais importantes na célula viva

Mais importantes são os agregados planares em


bicamada molecular, os quais constituem a base
da estrutura da membranas biológicas

Micela Bicamada lipídica

A REPULSÃO DA ÁGUA POR PARTE DAS ESTRUTURAS


APOLARES É UM FATOR INDISPENSÁVEL PARA A
ESTRUTURA DAS MEMBRANAS TAL COMO ELAS SE
APRESENTAM NA CÉLULA VIVA
Proteínas transportadoras
Enzima substrato
PROPRIEDADES DA ÁGUA
• ALTO CALOR ESPECÍFICO

Calor específico é definido como a quantidade de calor


que um grama de uma substância precisa absorver para
aumentar sua temperatura em 1°C sem que haja
mudança de estado físico. Devido ao alto calor
específico da água, seres vivos não sofrem variações
bruscas de temperatura.
PROPRIEDADES DA ÁGUA

• CALOR DE VAPORIZAÇÃO

É a quantidade de calor necessária para que uma


substâncias passe de estado líquido para o estado
de vapor.
Devido ao elevado calor de vaporização da água,
uma superfície se resfria quando perde água na
forma de vapor
PROPRIEDADES DA ÁGUA
• CAPILARIDADE

Quando a extremidade de um tubo fino de paredes


hidrófilas é mergulhada na água, as moléculas
dessa substância literalmente “sobem pelas
paredes” internas do tubo, graças a coesão e a
adesão entre as moléculas de água.
FUNÇÕES DA ÁGUA
• TRANSPORTE DE SUBSTÂNCIAS
• FACILITA REAÇÕES QUÍMICAS
• TERMORREGULAÇÃO
• LUBRIFICANTE
• REAÇÕES DE HIDRÓLISE
• EQUILÍBRIO OSMÓTICO
• EQUILÍBRIO ÁCIDO BASE
TRANSPORTE DE SUBSTÂNCIAS

• A presença de água permite a difusão nos seres


mais primitivos.
• Organismos mais evoluídos apresentam sistemas
circulatórios ( hemolinfa, sangue e seiva vegetal).
• A urina é uma maneira de eliminar toxinas.
• As células apresentam-se em estado colóidal (rico
em água) o que facilita transporte de substâncias.
FACILITA REAÇÕES QUÍMICAS
• Reações químicas ocorrem mais facilmente com os
reagentes em estado de solução.
• Em algumas reações químicas a união entre moléculas
ocorre com formação de água como produto (síntese
por desidratação).
• Reações de quebra de moléculas em que a água
participa como reagente são denominadas reações de
hidrólise.
TERMORREGULAÇÃO

• Seres vivos só podem


existir em uma estreita
faixa de temperatura.
• A água evita variações
bruscas de temperatura
dos organismos.
• A transpiração diminui a
temperatura corporal de
mamíferos.
LUBRIFICANTE

• Nas articulações e entre os órgãos a água exerce


um papel lubrificante para diminuir o atrito entre
essas regiões.
• A lágrima diminui o atrito das pálpebras sobre o
globo ocular.
• A saliva facilita a deglutição dos alimentos.
VARIAÇÕES NA TAXA DE ÁGUA
• ESPÉCIE

Água-viva - 98%
Sementes - 10%
Espécie humana - 70%
VARIAÇÕES NA TAXA DE ÁGUA

• IDADE

Feto humano – 94% de água


Recém-nascido – 69% de água
Adulto – 60% de água
METABOLISMO
• A quantidade de água é diretamente proporcional à
atividade metabólica da célula.

Neurônio – 80% de água


Célula óssea – 50% de água
Uma característica importante da água é que as suas moléculas
estão constantemente reagindo entre si da seguinte maneira:

H2 O + H2 O H3 O+ + HO -

Salto
protônico

Isto significa que em qualquer solução aquosa sempre haverá uma certa
quantidade do íon hidrônio (H3O+) e do íon hidroxila (HO)

Estes íons tem grande mobilidade, maior que a dos outros íons, pois os
prótons saltam de uma molécula para outra.
Ação das Massas

aA + bB → cC + dD
EQUILIBRIO QUÍMICO - Concentração (Kc)
aA + bB cC + dD
Aplicando-se a lei da ação das massas de Guldberg-Waage, temos:
 para a reação direta: v1 = K1 · [A]a · [B]b
 para a reação inversa: v2 = K2 · [C]c · [D]d
 No equilíbrio: v1 = v2 ou seja:
 Igualando as equações: K1 · [A]a · [B]b = K2 · [C]c · [D]d
A relação é constante e denomina-se constante de equilíbrio em
termos de concentração molar (Kc):

 A constante de equilíbrio Kc é, portanto, a razão das concentrações dos


produtos da reação e das concentrações dos reagentes da reação,
todas elevadas a expoentes que correspondem aos coeficientes da
reação.
Pode-se analisar a dissociação da água da mesma maneira:

H2 O + H2 O H3 O+ + HO -
Ou, na forma abreviada

H2 O H+ + HO -

A expressão de equilíbrio:
[H ][OH ]
 
K
[H2O]
Em soluções aquosas diluídas o valor de [H2O] é
essencialmente constante e igual a 1000 g litro-1 ou seja
1000 g litro-1/18,015 g mol–1 = 55,5 M; por isto, pode-se
incluir [H2O] na constante K, definindo uma nova constante Ka
Como [H2O] é constante e igual a 55,5 M, pode-se
definir uma nova constante Kw (constante de ionização da
água):

Kw  K[H2O]  [H ][OH ]


A 25oC Kw é igual a 1014 M2
Na água pura

[H ]  [HO ]  Kw  10 M
  7

[H+] > 107 M  solução ácida


(neste caso HO < 107 M)

[H+] < 107 M  solução básica ou alcalina


(neste caso HO > 107 M)
Nos líquidos biológicos o valor de [H+] costuma estar
próximo de 107 M; no sangue, por exemplo [H+] = 4,0
 108 M
Há exceções, no entanto, como o suco gástrico, por
exemplo.
Tomando logaritmos negativos da expressão do
produto iônico da água (Kw = [H+][HO–]), teremos
 log Kw   log(10 1 4 )   log([H  ][OH ]) 

  log[H  ]  log[OH ]

Se chamarmos –log[H+] = pH e –log[HO–] =


pOH, podemos escrever:

14  pH  pOH
A escala de pH é prática e costuma ser usada entre 0 e 14
Na água pura
pH = log[H+] = log(107)= 7
Também na água pura:
pOH = 14 – pH = 14 – 7 = 7
Numa solução 1 M de
14 NaOH 1 M
NaOH, que também
Alvejante
13
doméstico
dissocia 100%
12 Detergente
Progressi-
vamente
amoniacal NaOH  HO + Na+
11
mais básico
10 pOH = –log[HO] = –
Suspensão de log(1) = 0
9 fermento químico
8 Clara de ovos pH = 14 – pOH = 14
7 Neutro
Sangue humano – 0 = 14
Lágrimas
Leite, saliva
6 Numa solução 1 M de
5 Café preto HCl, um ácido forte
Cerveja que dissocia quase
4
100%
Suco de tomate
Progressi- Vinho tinto
3 vamente mais Refrigerante
HCl  H+ + Cl
ácido vinagre
2 Suco de limão
Suco gástrico
1 pH = –log[H+] = –
0 log(1) = 0
HCl 1 M
Na célula predominam ácidos e bases fracos
A relação entre o pH e o grau de dissociação de um ácido
ou base fraco pode ser melhor analisada em termos da
equação de Henderson-Hasselbalch
Consideremos novamente a equação simplificada da
dissociação de um ácido fraco em solução aquosa

HA H+ + A -
A expressão de equilíbrio:
[H ][A ] [HA]
Ka  [H ]  Ka 

[HA] ou, rearranjando [A ]
Tomando [HA]
logaritmos  log[H ]   logKa  log
negativos
[A ]
Como –log[H+] = pH, se definirmos –log Ka = pKa podemos
escrever
[A ]
pH  pKa  log
[HA]
A ÁGUA PODE ACEITAR PRÓTONS TAMBÉM DE OUTRAS
SUBSTÂNCIAS, UM FENÔMENO EXTREMAMENTE IMPORTANTE NÃO
APENAS EM TERMOS BIOLÓGICOS

Considera-se um ÁCIDO a substância que pode doar prótons


Considera-se uma BASE a substância que pode aceitar prótons

HA + H2O H3O + + A -
HA  ácido
H2O  base
A  base conjugada do ácido HA
H3O+  ácido conjugado da base H2O
Uma forma abreviada da reação acima seria:

HA H+ + A -
Em termos gerais:

[ aceptor de prótons]
desde que a razão [doador de prótons] seja conhecida,
pode-se calcular o pH de qualquer solução

O valor de pKa é uma medida da força de um ácido


QUANTO MENOR O VALOR pKa, MAIS FORTE É O ÁCIDO

Costuma-se usar o valor de pKa também para medir a força


de bases fracas; para tanto utiliza-se o pKa do ácido
conjugado

pKa  pKb  14

Portanto, vale a regra

QUANDO MAIOR O pKa DE SEU ÁCIDO CONJUGADO, MAIS


FORTE É A BASE
E TAMBÉM, QUANDO MENOR O pKb, MAIS FORTE É A BASE
Se adicionarmos uma gota de 10 l de HCl 1 M a
um litro de água pura, o pH desce de 7 para 5

Se fizermos a mesma coisa com um litro de sangue,


no entanto, a variação será mínima

Isto ocorre porque o sangue, assim como o interior


das células, está TAMPONADO, isto é, possui um
sistema de ácidos e bases fracas que tende a
absorver excessos de prótons ou íons hidroxila
CURVAS DE TITULAÇÃO DE ÁCIDOS/BASES FRACOS

Para entender o fenômeno de tamponamento convém


analisar as curvas de titulação de ácidos/bases fracos
Soluções de ácidos fracos podem ser tituladas com
uma base forte como a HO , por exemplo
No ponto inicial existe
apenas HA; à medida que
HO é adicionado forma-se
A
No ponto médio pH = pKa e
NH4  NH3  H  [HA] = [A]
No ponto final existe
apenas A
Durante a maior parte da
H2PO4  HPO42  H 
curva, exceto nas
extremidades, vale a
equação
x 
pH  pKa  log  
 co  x 
CH3COOH  CH3COO  H  onde x são os equivalentes
de HO adicionados e co os
equivalentes de HA
inicialmente presentes

Nas extremidades das curvas o pH varia MUITO com POUCOS


equivalentes de HO adicionados
Na faixa média, com pH’s próximos aos dos pKa’s, no entanto, o pH
varia POUCO com MUITOS equivalentes de HO adicionados
A faixa que resiste a variações de pH é chamada de faixa
tamponante; ela situa-se mais ou menos, entre pKa  1 e pKa + 1