You are on page 1of 32

PERTURBAÇÃO DE PÂNICO

COM AGORAFOBIA
Conceptualização

 Perturbação de Pânico com Agorafobia

“Estado ansioso/neuropático muito particular,


caracterizado por uma angústia, uma
impressão ansiosa viva, ou mesmo um
verdadeiro terror, que se produz subitamente
em presença de um determinado espaço. Este
acidente nervoso essencialmente emotivo.”
2

(Legrand du Saulle, 1872, cit. por Rodrigues et al, 2011)


Conceptualização

 “De repente, o paciente torna-se muito ansioso, tem


medo de cair e procura apoio nas paredes das casas
ou no braço de alguém. O seu coração bate
violentamente, a sua pulsação é agitada e um suor
abundante manifesta-se.“

 “A agorafobia é uma neurose emotiva da qual o


doente tem plena consciência, mas perante a qual
ele é impotente .”

3
(Cullerre, 1988, cit. por Rodrigues et al, 2011)
Conceptualização

 “A Perturbação de Pânico é acompanhado por


agorafobia, ( medo de estar sozinho em locais
públicos ex: um supermercado), e pode ser mais
incapacitante que a Perturbação de Pânico, pois sua
presença pode interferir significativamente na
capacidade de funcionar de um pessoa em situações
sociais e profissionais fora de casa.”

(López, 2000)
Conceptualização

 “A Perturbação de Pânico, caracteriza-se pela


ocorrência espontânea e inesperada de
ataques de pânico (…) e apresenta (…) alguns
sintomas somáticos como palpitações e
taquicardia, podendo ser confundidos com
outras enfermidades como enfarte do
miocárdio ou com o chamado sintoma
histérico”

(López, 2000)
Critérios de Diagnóstico

DSM IV-TR

 Perturbações de Ansiedade

 Perturbação de Pânico com Agorafobia

Implica a existência de
Ataque de Pânico 6
Critérios de Diagnóstico - A

1. Ataques de Pânico inesperados e recorrentes


(4 sintomas dentro de 10 minutos):

 Palpitações, ritmo cardíaco acelerado


 Suores
 Estremecimentos ou tremores
 Dificuldades em respirar
 Sensação de sufoco
 Desconforto ou dor no peito
7
Critérios de Diagnóstico - A

 Náuseas ou mal estar abdominal


 Sensação de tonturas ou de desmaio
 Desrealização ou despersonalização
 Medo de perder o controlo ou de enlouquecer
 Medo de morrer
 Parestesias
 Sensação de frio ou de calor.
8
Critérios de Diagnóstico - A

2. Pelos menos um dos ataques foi


seguido por 1 mês (ou mais) de um
(ou mais) dos seguintes sintomas:

 Preocupação persistente acerca de ter novos ataques

 Preocupação acerca das implicações dos ataques ou das suas consequências

 Uma alteração significativa no comportamento relacionada com os ataques


9
Critérios de Diagnóstico - B

B. Presença de Agorafobia

A agorafobia define-se como ansiedade em estar


em locais ou situações das quais resulte difícil ou
embaraçoso escapar ou em que possa não haver
ajuda disponível no caso de se ter um ataque de
pânico inesperado ou associado a essa situação.

10
Critérios de Diagnóstico - C

C. A perturbação não é provocada pelos efeitos


fisiológicos directos de uma substância (por
exemplo, uso de drogas ou medicação) ou de
um estado físico geral.

11
Critérios de Diagnóstico - D

D. Diagnóstico Diferencial

 Fobia Social
 Fobia Especifica
 Perturbação Obsessivo-Compulsiva
 Perturbação de Stress Pós- Traumático
 Perturbação de Ansiedade de Separação

12
Perturbação de Pânico com
Agorafobia

Quando estes comportamentos e


pensamentos prejudicam a
capacidade do indivíduo de realizar
actividades quotidianas, interferindo
na sua vida quebra-se uma linha ténue
entre a saúde e a doença…

Patológico VS Saudável 13
Caso Clínico
Cópia Mortal (1995)

Uma psiquiatra agorafóbica e


um detective trabalham
juntos para encontrar o
assassino em série que copia
outros assassinos do passado…

14
Caso Clínico

 Nome: Helen Hudson


 Profissão: Psiquiatra, investigadora na área dos Assassinos em Série

“A psicopatologia que desenvolve é um problema justamente


dentro da sua especialidade.”

15
Caso Clínico

 Helen dedica-se a apresentações de


palestras sobre a sua área de
investigação - os Assassinos em Série.

 Esta personagem não é só conhecida


pela comunidade cientifica, mas
também pelo seu público-alvo.

Evento Traumático

Ataque de Assassino em Série que quase resulta na


sua morte... 16
Caso Clínico

 3:55 – 6:30

17
Caso Clínico
O evento traumático despoleta em Helen
sintomas e comportamentos tais como:
Perturbação de Pânico Agorafobia
(Critério A) (Critério B)
Ritmo cardíaco acelerado Isolamento
Sensação de tonturas Medo de sair de casa
Dificuldades em respirar Comportamentos de
segurança
Suores Contacto indirecto com os
outros

 Diagnóstico 18

 Perturbação de Pânico com Agorafobia


Caso Clínico

 Helen desenvolve uma Perturbação de Pânico com


Agorafobia, reformando-se e não saindo de casa.

 Podemos perceber através das seguintes imagens o


carácter desgastante e intenso da sua perturbação…

Sintomas
de
Agorafobia

Sintomas de
Pânico

19
Caso Clínico – Agorafobia

 18:31 – 19:56

20
Caso Clínico – Ataque de
Pânico
 26:00 – 27:45

21
Caso Clínico
Estratégias de Coping:

o Helen constrói algumas técnicas para evitar o


contacto com o exterior, controlando a possibilidade
de ter ataques de pânico, num ambiente seguro e
controlado.

Utiliza o telefone e a
Contrata um assistente e
Internet como meio de
policia para se sentir
comunicação com
segura
exterior

Estratégias não adaptativas


Perpetuam/Evitam o problema
22
Caso Clínico
Confrontação com Realidade:

 No entanto, e à parte da psicopatologia de Helen, surge um


novo Assassino em Série, e a psiquiatra é convidada a participar
na investigação.

 Apesar de perpetuar o seu comportamento de segurança


dentro de sua casa, Helen participa activamente na
investigação, cedendo pistas e perfis de outros Assassino em
Série que no passado já tinha conhecido.

 Helen é uma peça essencial nesta investigação, pois o Assassino


em Série que procuram é conhecido por “Copy Cat”, ou seja, é
um imitador de crimes realizados no passado.
23
Caso Clínico
O que melhorou?

Controlo de Ataques
de Pânico
• Aumento de • Aplicação de
auto-estima • Gestão conhecimento
emocional para lidar com
a situação
Sublimação
Sentimentos de
(mecanismo de defesa
estima
do ego)

24
Caso Clínico
 O Assassino em Série apesar de todo o
aparelho de segurança, consegue raptar Helen
e fazê-la reviver o seu evento traumático
novamente.

 Nesse momento Helen, não sofre nenhum


Ataque de Pânico, muito pelo contrário,
consegue reagir da melhor forma possível,
cooperando com a equipa de investigação.

25
Caso Clínico

 01:38:23– 01:42.46

26
Caso Clínico
Resumindo...Análise de Caso

Predisponentes Problema Precipitantes

Perpetuadores Estratégias de
27
Coping
Caso Clínico

Precipitantes Predisponentes

•Ataque no WC, quase •Conhecimento sobre


resultante em morte o potencial Assassino
em Série, uma vez
que era a sua área de
investigação
28
Caso Clínico

Perpetuadores Estratégias de
Coping
• Não confronto da •Criação de fortaleça
realidade como casa
•Sentimentos de •Pedidos de protecção
incapacidade
29
Intervenção
A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)

 Os objectivos do tratamento são a redução dos


sintomas e a aprendizagem de estratégias para lidar
com os Ataques de Pânico, tais como:

Exposição

Reestruturação cognitiva Relaxamento

Prevenção de Prevenção de
respostas recaídas Generalização
30
Referências Bibliográficas
Gustavo J., Fonseca D'EI Rey, Exposição ao Vivo no Tratamento de
Agorafobia: Relato de Caso (2002). Psicologia, Ciência e
Profissão, 22 (4).

King.,A., Valença, A. Leão de Melo-Neto, Freire, R.,Mezzasalma, M.,


Oliveira e Silva, A., Nardi, A. (2011) Eficácia de um modelo
específico de terapia cognitivo-comportamental em pacientes
com transtorno de pânico com agorafobia: um ensaio clínico
randomizado. São Paulo Med J. 129 (5).

López, A. (2000) Agorafobia y Ataques de Pânico. Madrid: Ediciones


Pirámide.

Rodrigues, T.G., Pereira, M. E. Legrand du Saulle: da agorafobia ao


medo dos espaços (2011), Revista. Latino-americana de
Psicopatatologia Fundamental, v. 14, n. 2.
31
FIM 32