You are on page 1of 10

PLANO DE CURSO

EMENTA

Conceito de cultura através dos Estudos Culturais. Compreensão da


diversidade cultural. Os desafios do diálogo num mundo multicultural.
Comunicação e Conteúdos Culturais. Os efeitos da comunicação e os produtos
culturais. Políticas de fomento e práticas educomunicativas a favor da
diversidade cultural. Educação para a diversidade. Aprendizagem participativa
e competências interculturais.
OBJETIVO DA DISCIPLINA

Compreender os fenômenos da comunicação no mundo contemporâneo e sua


relação com a diversidade cultural. Refletir acerca da importância da
diversidade cultural nos diferentes domínios de intervenção (comunicação,
línguas, educação e criatividade), que, à margem das suas funções intrínsecas,
revelam-se fundamentais para a salvaguarda e para a promoção da diversidade
cultural.
PLANO DE CURSO
PROGRAMA

Módulo I: Introdução aos Estudos Culturais. Conceito de cultura. Multiculturalismo.


Diversidade cultural.

Módulo II: A comunicação como mediação simbólica e a diversidade cultural.

Módulo III: Práticas educomunicativas e diversidade cultural.

Metodologia: aulas expositivas; leitura, análise e debates, seminários e arguições;


dinâmicas de grupo, orientação de trabalhos.

Forma de Avaliação: relatório de investigação dos movimentos culturais; projetos de


ação educomuticativa com movimentos culturais.
PLANO DE CURSO
Bibliografia básica

CANCLINI, Nestor García. Culturas Híbridas. São Paulo, EDUSP, 3ª ed.,


2000.
HALL, Stuart. Da diáspora – Identidades e mediações culturais. Belo
Horizonte/Brasília: Editora UFMG/UNESCO, 2003.
_______. A identidade cultural na pós modernidade. 10. ed. Rio de
Janeiro: DP&A,2005.
JOHNSON, Steven. Cultura da Interface. Rio de Janeiro, Zahar.
MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura
e hegemonia. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2003.
RECTOR, Mônica e NEIVA, Eduardo (org.). Comunicação na Era Pós-
Moderna. Petrópolis, Vozes, 1995.
SODRÉ, Muniz. Reinventando a cultura: a comunicação e seus produtos.
Petrópolis, Vozes, 1996.
É acumulação de saberes?

A cultura sofre alguma forma de determinação?

O que você entende por cultura?


ESTUDOS CULTURAIS BRITÂNICOS
1964: Fundação do Centre for Contemporary Cultural Studies (CCCS),
no English Department, da Universidade de Birmingham.
Contexto Histórico:
A Inglaterra vivenciava o período
do pós-guerra; a classe operária
atravessava um período de
transformações nos seus valores
tradicionais.

Raymond Willians
Referencial teórico:
Richard Hoggart, Marxismo
fundador do Centro.
Eixo de pesquisa:
Relações entre a cultura
contemporânea e a sociedade;
relação das formas, instituições e
práticas culturais com as mudanças
sociais. Relações entre cultura,
história e sociedade.
Edward Thompson
ESTUDOS CULTURAIS BRITÂNICOS
Visão do Marxismo ortodoxo:

A sociedade se divide entre a produção (economia) e a dominação (ideologia). De modo


que as ideias que prevalecem na sociedade são as ideias de uma classe dominante.
Assim, toda ação cultural, nessa perspectiva, é determinada pela economia.

Inovação dos Estudos Culturais:

Nova forma de enxergar a dinâmica cultural através da comunicação. Nesse sentido, a


ação cultural não é vista como um resíduo das relações econômicas e de classe, mas
como um local de construção de significados. Desse modo, não se concebe uma
relação passiva de dominação das classes dominantes sobre as camadas populares.
Assim, as formas de recepção passam a ser investigadas. Isto é, as camadas populares
não são vistas como meramente passivas, e a cultura não é determinada pela
economia, uma vez que há processos de construção de significados na recepção das
mensagens. Portanto, há um interesse privilegiado no estudo das culturas populares.
ESTUDOS CULTURAIS BRITÂNICOS

AMPLIAÇÃO DO CONCEITO DE CULTURA:

- A cultura não é, meramente, sabedoria acumulada, nem tampouco


experiência passiva.

- A cultura se manifesta de forma diferente em qualquer formação social e


época histórica.

- A cultura se constrói a partir de intervenções ativas e se manifesta através do


discurso e do simbólico.

- A cultura se situa dentro de um espaço social e econômico, manifestando-se


como forma material e simbólica, mas não é condicionada pelo econômico.
ESTUDOS CULTURAIS BRITÂNICOS

Intersecção entre diversas disciplinas para um projeto teórico:

- Literatura Inglesa (preocupação com as formas culturais populares; compreensão


dos textos e textualidades para além da linguagem);

- Sociologia (análise crítica e sociológica do corpo social);

- História (reconhecimento da história oral e da memória popular).

"a identificação explícita das culturas vividas como um projeto distinto de estudo, o
reconhecimento da autonomia e complexidade das formas simbólicas em si mesmas;
a crença de que as classes populares possuíam suas próprias formas culturais, dignas
de nome, recusando todas as denúncias, por parte da chamada alta cultura, do
barbarismo das camadas sociais mais baixas; e a insistência em que o estudo da
cultura não poderia ser confinado a uma disciplina única, mas era necessariamente
inter, ou mesmo anti,disciplinar" (SCHWARZ, 1994:380).
ESTUDOS CULTURAIS BRITÂNICOS

Fases, etapas, deslocamentos...


ANOS 70

Início dos anos 70: interesse na emergência de formações culturais que oferecem
focos de resistência às estruturas dominantes de poder.

Segunda metade dos anos 70: interesse na importância crescente dos meios de
comunicação de massa.

Questionamentos e interesses: estudos das culturas populares, dos seus sistemas de


significação e valores, do seu universo de sentido, das formas de resistência às
estruturas dominantes. A questão da autonomia das culturas populares, da constituição
de identidades coletivas que negociam sentidos e apresentam focos de resistência às
relações de poder que lhes afetam.
ESTUDOS CULTURAIS BRITÂNICOS

ANOS 70 – ESTUDOS CULTURAIS - FEMINISMO

As questões de gênero e sexualidade para a compreensão da categoria de


“poder”;

As questões em torno do subjetivo e do sujeito – aproximações entre teoria


social e psicanálise;

Trabalhos desenvolvidos a partir de 1974, constituindo um foco de interesse


dentro do Centro;

Interesse no estudo das imagens da mulher no meio massivo, do trabalho


doméstico, etc.

Novos questionamentos em torno dos processos de constituição das


identidades.