You are on page 1of 49

Fundamentos de Termodinâmica

Francisco Márcio Braga Freitas

Sumário 
Temperatura  Pressão  Conceitos auxiliares  Pontos relacionados a substâncias puras  Pontos importantes de Termodinâmica  1ª lei da Termodinâmica  2ª lei da Termodinâmica e máquinas térmicas

Temperatura 
Temperatura ± Indica o nível de energia, isto é, o nível de agitação molecular de um corpo de forma comparativa.

Temperatura 
As escalas mais usadas para medir a intensidade do calor são:  Celsius, Fahrenheit e Kelvin.  Para converter Fahrenheit para Celsius temos: ° F = TºC x1.8 + 32  Para converter Celsius para Kelvin temos:  TK = T° C + 273

Comparações entre as escalas  ºC K ºF  Ponto de Ebulição da água  100 373 212  Ponto de fusão do gelo 0 273 32 .

a= Área. . pode ser calculada pela relação:  p= F/A [p] = N/m2  Onde: p = pressão. F P A . f= Força. Pressão ± É a força exercida por unidade de área.Pressão 3.

denominada pressão atmosférica.Pressão  Tipos de Pressão: Atmosférica.7 lb/in2 = 760 mm Hg de mercúrio .Como o ar tem peso e está sujeito a ação da gravidade.033 Kg/cm2 = 14. exerce uma pressão. manométrica ou relativa e absoluta  Pressão Atmosférica .  Ao nível do mar: 1atm = 1.

MANOMÉTRICA OU RELATIVA .é simplesmente o valor da pressão causada pela altura da coluna de líquido em uma dada profundidade de um recipiente.Pressão  A PRESSÃO EFETIVA. Pressão Absoluta = Pressão Manométrica + Pressão Atmosférica .

.

.

Manômetros .

O estado pode ser caracterizado por um subconjunto de propriedades. como descrito por propriedades macroscópicas observáveis. .Conceitos Auxiliares Estado Condição do sistema.

é necessário que pelo menos uma propriedade do sistema se altere. Ciclo termodinâmico Seqüência de processos que começam e terminam em um mesmo estado. .Conceitos Auxiliares Processo É o caminho definido pela sucessão de estados através dos quais o sistema percorre. Para ocorrer uma mudança de estado.

mesmo existindo nos estados físicos. .Substâncias  Substância pura ± Possui composição química invariável.

Diagramas de Fase ± diagrama PxT .

a uma determinada pressão.033 kgf/cm2.033 kgf/cm2/cm2.Pontos importantes Qualidade: é a fração em massa do vapor na mistura deste com O seu líquido em equilíbrio. Temperatura de saturação:temperatura na qual se dá a vaporização de . X = Mv/Mv+ML Ponto de orvalho: ponto em que inicia a condensação quando A temperatura é reduzida a pressão constante. então a temperatura de saturação é 100ºC a pressão de saturação é 1. Ponto de bolha: temperatura na qual o líquido puro ou uma solução inicia a evaporação quando é submetido a um aquecimento a pressão constante. uma substância pura. para um sistema De composição invariável. Ex: a água a 100 ° C entra em ebulição a uma pressão de 1.

 Vapor saturado:substância na temperatura de saturação. . e pressão de sat.  Vapor superaquecido:vapor acima da temperatura de saturação.Pontos importantes  Líquido saturado: fase líquida de uma substância na temp.  Líquido subresfriado:líquido abaixo da temperatura de saturação.

.

T = Temperatura .Gás ideal Grandezas fundamentais de um gás: P V T = pressão = volume Equação dos gases ideais P.V = n.R.

É designado pela letra Z. sendo que: Z = PV/RT  Para os gases ideais. .Gás ideal e gás real  É um coeficiente que representa o desvio das propriedades de um gás ideal que um gás real apresenta. Z = 1.

W=P (Vf ± Vi) Vf < Vi W<0 Z .Trabalho de um gás Compressão O volume diminui e o gás ³recebe trabalho³ do meio externo.

Trabalho de um gás  Expansão W = P (Vf ± Vi) Vf > Vi W>0 .

Transformações Gasosas Transformações isotérmicas P1 ™ V1 ! P2 ™ V 2 .

Transformações Gasosas  Transformações isobáricas V 1 V ! T 2 1 2 T .

Transformações Gasosas Transformações isométricas Transformações adiabáticas P1V1 ! P2 V2 Cp K! Cv K K P1 P2 ! T1 T2 Isolamento .

apenas a energia cinética de translação é considerada. No caso dos gases ideais.1ª Lei da Termodinâmica Energia interna (U) de um gás: Está associada à energia cinética de translação e rotação das moléculas. a variação da energia interna ((U) depende unicamente da variação de temperatura ((T). Portanto. . Podem também ser consideradas a energia de vibração e a energia potencial molecular (atração).

P x V Processo isobárico Processo isotérmico P Tf > Ti A Vi N W Vf .Proc. Termodinâmicos Diag.

Processos termodinâmicos .

há dois tipos de trocas energéticas com o meio exterior: O trabalho realizado W.Primeira lei da termodinâmica O sistema recebe calor Trabalho realizado pelo gás (expansão) Trabalho realizado sobre o O sistema cede gás (compressão) calor No processo termodinâmico sofrido por um gás. O calor trocado (Q). Como conseqüência do balanço energético. tem-se a variação da energia interna (¨U). Para um sistema constituído de um gás perfeito: (U ! Q  W .

Consequências da 1ª lei: Processo adiabático É o processo que se realiza do modo que o sistema não receba nem forneça calor. num processo adiabático. é igual em valor absoluto ao trabalho. Q=0 (U !  W . A variação de energia interna de um sistema.

Processo adiabático Expansão: ¨V > 0 W>0 ¨U<0 Compressão: ¨ V<0 W<0 ¨U>0 .

ou seja . Volume constante = trabalho nulo (U ! Q W !0 e . não realiza e nem recebe trabalho.Transformação isovolumétrica Ocorre quando o sistema opera de maneira que o volume permanece constante.

D-E-A abaixo. . Ex: na transformação A-B-C.Transformação cíclica A transformação cíclica corresponde a uma sequência de transformações na qual o estado termodinâmico final é igual ao estado termodinâmico inicial.

..passa por outras etapas evolta ao mesmo estado. Ciclo no sentido horário: W > 0 Ciclo no sentido anti-horário: W < 0 trabalhos: Assim. se o sistema sai de um estado inicial.Transformação cíclica O trabalho num ciclo corresponde à soma dos W = Wi +. a variação de energia interna será nula: (U ! 0 e Q ! W .

definida como: H ! U  PV Sua aplicação é grande em sistemas que envolvem vapores e troca de fase.Entalpia Energia responsável pela formação das subs. É uma variável de estado termodinâmico. como em balanços energéticos de ciclos a vapor d¶água. .

determinar qual o melhor desempenho teórico dos ciclos. A segunda lei e suas deduções propiciam meios para: predizer a direção dos processos. e avaliar quantitativamente os fatores que impedem que esse melhor desempenho seja atingido.A segunda lei da termodinâmica Os processos espontâneos possuem uma direção definida: Corpo quente p esfriamento p equilíbrio. motores e outros dispositivos. . estabelecer condições de equilíbrio. Vaso pressurizado p vazamento p equilíbrio.

Enunciados da 2ª lei da termodinâmica Enunciado de Kelvin-Planck É impossível para qualquer sistema operar em um ciclo termodinâmico e fornecer trabalho líquido para sua vizinhança trocando energia na forma de calor com um único reservatório térmico. .

Exemplo: atmosfera. grandes massas de água: oceanos.Reservatório térmico Classe especial de sistema fechado que mantém constante sua temperatura mesmo que energia esteja sendo recebida ou fornecida pelo sistema. . lagos.

.Máquina Térmica O funcionamento de uma máquina térmica está associado à: *presença de uma fonte quente (que fornece calor ao sistema). *à presença de uma fonte fria (que retira calor do sistema) *à realização de trabalho.

Princípio da máquina térmica .

Máquina Térmica Do esquema anterior. o trabalho líquido do sistema e igual a: Trabalho líquido ! W ! Q H  Q L L! Calor consumido Q H QH O rendimento da máquina térmica é dado por: W = Wt ± Wb . devido ao balanço energético. conclui-se que: QH Caldeira Wt Turbina Bomba Wb QH = W + QL QL Condensador Fronteira do sistema Sendo W.

de um corpo frio para um corpo quente.´ .Enunciados da 2ª lei da termodinâmica Clausius: ³é impossível um sistema operar de modo que o único efeito resultante seja a transferência de energia na forma de calor.

à presença de uma fonte fria (da qual o calor é retirado). .Refrigeradores O funcionamento de um refrigerador está associado à: fornecimento de trabalho. presença de uma fonte quente (à qual o calor é fornecido).

Eficiência de um refrigerador A eficiência de um refrigerador é dado pelo coeficiente de performance K. definido como: K! QL QL ! W QH  QL .

Ciclo de Carnot É um ciclo reversível que proporciona a uma máquina térmica o rendimento máximo possível. cd: compressão isotérmica com fornecimento de calor QL à fonte fria. da: compressão adiabática (Q = 0). bc: expansão adiabática (Q = 0 ). . ab: expansão isotérmica com o recebimento do calor QH da fonte quente.

Ciclo de Carnot .

não dependendo do fluido operante (substância de trabalho) utilizado.Rendimento do Ciclo de Carnot É função exclusiva das temperaturas absolutas das fontes quente e fria. W L! Fonte quente TH Máquina térmica W TL Fonte fria QH ! QH  QL QH L ! 1 TL TH Este é o máximo rendimento que se pode obter de uma máquina ideal operando em um ciclo de Carnot. .

define-se como: QH QL (S !  TH TL . Processos ditos espontâneos ou irreversíveis são aqueles que tendem a um aumento de entropia.Entropia É uma propriedade extensiva de um sistema termodinâmico (depende apenas do estado inicial e final) que aponta a espontaneidade dos processos. Para processos reversíveis.

Até amanhã! .Parada para o chá.