You are on page 1of 25

VISIBILIDADE E ESPETÁCULO

Maria Rita Kehl

´

A TV
« Poder

Imaginário de tudo mostrar e tudo ver « Está em todos os lugares

não se mostram e não se fazem em público (p. o bom gosto burgues nos ensinou que algumas coisas não se dizem.´Durante pelo menos dois séculos.141) ´ Mudanças na relação Público e Prviado ´ (Subjetividade privatizada?) ´ Outra Burguesia? ´ Mudanças nos fundamentos do contrato social? ´ .

´ Poder e Dominação na sociedade do espetáculo: A visibilidade se desliga dos espaços de decisão e migra para os telejornais.A AUTONOMIA DA IMAGEM 1960 Guy Debord ´Sociedade do Espetáculoµ ´ Impacto midiático mais importante que a história Autonomização da Imagem. Ao mesmo tempo a imagem oculta o que a engendra ´ .

143) . de tudo que depende do trabalho de simbolização do pensamento e dos discursos.µ(p.´ ´Trata-se do ocultamento não necessariamente proposital. de tudo o que não pode ser compreendido na linguagem das imagens. mas central na lógica do espetáculo.

´ Deslocamentos: política ao espetáculo « Da cidadania para a Fama « Da .

outros pensamentos sobre os reality shows? ´ .OS REALITY SHOWS Ideais invertidos? ´ Valorização do próprio cotidiano banal ´ A formatação dos desejos e sonhos ´ O Brasil de Classe C ´ E nós.

. no mundo contemporâneo. que leva as pessoas a pagar quase qualquer preço por ela?µ (p..A VISIBILIDADE POLÍTICA E A VISIBILIDADE ESPETACULAR ´ ´[. 147) .] que lugar tem a visibilidade.

mas da nossa identificação a uma imagem.PENSO LOGO EXISTO? O cogito no fundamento da existência? ´ O pensamento implica o diálogo (o Outro fora de mim ou dentro de mim) ´ ´A certeza subjetiva que nos garante. muito precocemente.µ (p.148) ´ . que ´eu souµ. A imagem corporal. não provém da nossa capacidade de pensar.

] no espaço de ligação entre o público e o privado. o sujeito é tentado a ¶aparecer·.] o Outro que atesta nossa visibilidade é uma instância pública vazia de corpo.. ² Kehl: ´[.µ (presenças mediadoras) ´[.SOU VISTO LOGO EXISTO ´ Na Psicanálise: Freud e o olhar materno constituindo o corpo.. 150 . exibir o brilho fálico da imagem que atesta: ·eu sou· (porque o Outro me vê)µ p. « Lacan: Estágio do Espelho.. ou seja. na fronteira entre a vida íntima e o poder. simbólica..

e fazerse visível depende da conjugação entre discurso e ação..µp.µ p151 .] existir é apresentar a própria imagem no espaço público. 150 ´ Hanna Arendt: A visibilidade no espaço público depende de ação política que implica discurso e responsabilidade pelas ações ´ « ´existir é fazer-se visível no espaço público..´[.

« Satisfação vicariante vs abdicar do julgamento individual . risco de ser ´nínguemµ ´ Kehl: Identificação a um lider. ´ Declínio da vida comunitária .OS CAMINHOS POSSÍVEIS PARA A VISIBILIDADE PÚBLICA NA NOSSA SOCIEDADE ´ Foucault: No confronto ou colaboração com o poder.

das composições de discursos coletivos.153) ´ ´O espaço público neste caso deixa de ser o espaço das negociações horizontais. das trocas de idéias. para se tornar espaço de adesão à palavra do líderµ(p. 153) ´ .µ(p.´O sujeito não se torna mais visível ao participar da massa.pelo contrário.mas compensa sua invisibilidade identificando-se a imagem do líder ou do ídolo.

contrato. ´ Caminho de duas vias. ´ . palavras imagens que bloqueiam a simbolização e a particularização. palavras gerais.Grandes líderes.

.DA IDENTIFICAÇÃO À IDENTIDADE: O AVESSO DOS IDEAIS ´ Sociedade do Espetáculo = Sociedade de massa em seu estágio mais avançado « Avanço da Televisão (Publicidade) ´ [..] a televisão substituiu o espaço público pelo espaço virtual do espetáculo. catarse e mímesis <> da realidade social ....]µ p154 ´ ´[..] foram desenvolvendo aos poucos um espaço de visibilidade paralelo ao da arena política [. « Espetáculo.

e não pelas características do objeto que essas imagens buscam representar...´ Espetáculo em nossa sociedade é diferente « ´[.156 . regidas pelas leis da concorrência comercial entre os canais de televisão. entretenimento e publicidade numa mesma seqüência ininterrupta de imagens.µ p.] consolidou uma espécie de ficção totalitária que articula jornalismo.

´ Todo evento deve ser traduzido na mesma linguagem e obedecer as mesmas leis. « Fluidez. « Novidade Ocultação da história ´ Toda a Imagem é mercadoria para nós . Regras de: « Rapidez.

´ ´ Este o sentido da ficção totalitária na qual o sujeito está condenado a se reconhecer.µ (p. ´ .Acontecimento reduzido ao aparecimento .158/157) ´ Difusão da imagem espetacular e expansão do capital (mesma lógica). ou reconhecer a ¶teia de relações· sociais onde está inserido.

µ p157 « . dos objetos que se apresentam no mercado como capazes de atender. sem nenhuma justificativa moral. não há realização (simbólica) dos desejos.µ Funcionamento da massa alterado.´ ´Na sociedade do espetáculo. « ´Ela opera diretamente sobre o circuito da satisfação pulsional. a dimensão dos ideais é dispensada a favor da dimensão do consumo. convocando os sujeitos a gozar. mas à satisfação das necessidades.

] os objetos e imagens da sociedade do espetáculo convocam o sujeito a aparecer enquanto consumidor: sua visibilidade é reconhecida no ato do consumo.] não existe a negação e a morte. não existem restrições impostas pelo tempo ou pelo outro. mas com seu avesso.Publicidade: ´[..µ ´ ´horizontalidade absolutaµ ´ ´[.. e não na ação política. e para isso a publicidade tem que trabalhar não com os ideais..µ ´ ..

158) ´ . inveja.Propaganda: Cobiça. luxúria. ´ Na horizontalidade da circulação das imagens/mercadorias. gula e preguiça entre outros. o mecanismo das identificações é substituído pela tentativa de produção de identidades. ostentação.µ (p.

pode servir de suporte para a construção de uma ilusão de identidade para os sujeitos da sociedade do espetáculo.. sem sofrimento e sem falhas.158) . só a imagem do corpo próprio.µ (p.´ ´(.) a eficácia dessa experiência depende do apagamento de todas as outras dimensões da vida que não caibam no puro tempo presente do acontecimento como aparecimento . sem história. então.tornado o mais parecido possível com um corpo Outro..

aqui.µ (p.158) ´ TV= Esperança de visibilidade ´ . imaginariamente representado pela televisão. depende exclusivamente da aparição da imagem corporal no campo do Outro.Na sociedade do espetáculo: ´A visibilidade.

´ . restringe espaço privado. responsabilidade de ninguém.´O caráter totalitário desta sujeição à imagem consiste justamente na ausência de um líder que ofereça seu corpo e sua palavra como referência organizadora de discurso (...)µ (p.160) ´ Discurso da TV . Oculta determinantes sociais. ´ Hipervisibilidade oculta mecanismos de pdoer ´ TV ocupa a esfera pública. e impera no espaço doméstico.

Sujeito perdeu a dimensão pública de seus atos e de sua existência --. Substituição pelo aparecimento. ´ ´Identidade entre a imagem dos corpos exibidos na tela e a imagem de seu próprio corpoµ (p161) ´ .