FISIOLOGIA E METABOLISMO DO FERRO

Profa. Tania Beninga de Morais Disciplina de Fisiologia da Nutrição

Via Láctea

Ferro: elemento de transição Massa atômica = 55,8 Isótopos radioativos: 55 e 59 Isótopos estáveis: 57 e 58

Via Láctea

Planeta Terra

1. 2. 3. 4. 5.

OXIGÊNIO SILÍCIO ALUMÍNIO FERRO CÁLCIO

Planeta Terra

Elementos Químicos Corpo Humano Fe=3,5 g

Porcentagem 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Oxigênio Carbono Hidrogênio Nitrogênio Cálcio Fósforo Potássio Enxofre Sódio Cloro Magnésio 61,429 22,860 10,000 2,571 1,429 1,114 0,200 0,200 0,143 0,136 0,027

12
13 14

Ferro
Flúor Zinco

0,006
0,004 0,003

1. 2. 3. 4. 5.

OXIGÊNIO SILÍCIO ALUMÍNIO FERRO CÁLCIO

Planeta Terra

Fe++

Fe+++

1. 2. 3. 4. 5.

OXIGÊNIO SILÍCIO ALUMÍNIO FERRO CÁLCIO

Terra
Solo Água Alimentos

Fe++

Fe+++

Orgânico

Animal

Homem

Inorgânico

Planta
Inorgânico

Ferro no Solo

DISTRIBUIÇÃO CORPORAL DO FERRO
Hemoglobina Depósitos Mioglobina Enzimas Transferrina 65% - 70% 25% - 30% 3% - 5% 3% ² 5 % 0,1%

FUNÇÕES DO FERRO
1. Transporte de Oxigênio Hemoglobina
Eritrócito

Oxigênio dos Pulmões Oxigênio nos Tecidos

Moléculas de Hemoglobina
Oxigênio ligado às moléculas de Hemoglobina

Hemoglobina

4 cadeias de globina

Heme = Anel porfirínico + Ferro divalente

FUNÇÕES DO FERRO
2. Reserva de oxigênio Mioglobina

Mioglobina

Heme = Anel porfirínico + Ferro

FUNÇÕES DO FERRO
3. Metabolismo energético

‡ Enzimas do ciclo de Krebs

FUNÇÕES DO FERRO
3. Metabolismo energético
‡ Citocromos

Transporte de elétrons na cadeia respiratória

Heme = Anel porfirínico + Ferro

FUNÇÕES DO FERRO
4. Estrutura de Enzimas - síntese e degradação de várias substâncias (DNA; p450)

Peroxidase

Funções do Ferro
1. Ferro na hemoglobina: transporte de oxigênio 2. Ferro na mioglobina: reserva de oxigênio 3. Ferro no citocromos: metabolismo energético 4. Ferro em enzimas: funções metabólicas

Funções do Ferro
1. Ferro na hemoglobina: transporte de oxigênio 2. Ferro na mioglobina: reserva de oxigênio 3. Ferro no citocromos: metabolismo energético 4. Ferro em enzimas: funções metabólicas

CICLO DO FERRO
‡ Para a produção de novos eritrócitos são necessárias de 20 - 30 mg de ferro por dia

Hematopoiese 20 ± 30 mg Hemocaterese

CICLO DO FERRO
Ferro da Dieta

1 - 2 mg Fígado Ferro absorvido Transferrina Eritrócitos senescentes Ferritina 30 mg

Medula óssea Eritrócitos circulantes

Baço

Absorção e Transporte
10-20 mg de ferro

1±2 mg/d

Transferrina perdas de 1±2 mg/d

Hemoglobina/ eritropoiese

Outros processos biológicos

Ferritina

Não existe mecanismo fisiológico de excreção do ferro

HOMEOSTASE DO FERRO

Fatores que afetam a absorção intestinal de ferro

1.Intrínsecos

2. Extrínsecos

FATORES INTRÍNSECOS QUE AFETAM A ABSORÇÃO

estoques corporais de ferro

aumento da absorção

FATORES INTRÍNSECOS QUE AFETAM A ABSORÇÃO

concentração de hemoglobina

aumento da absorção

FATORES INTRÍNSECOS QUE AFETAM A ABSORÇÃO quantidade de oxigênio
(no ambiente)

taxa de eritropoiese

aumento da absorção

FATORES INTRÍNSECOS QUE AFETAM A ABSORÇÃO

presença de citocinas inflamatórias

diminuição da absorção

FATORES EXTRÍNSECOS QUE AFETAM A ABSORÇÃO TIPO DE FERRO DA DIETA NÃO-HEME 2-20% HEME 15-35%

‡Elementos da dieta ‡Fatores fisiológicos

Absorção Intestinal de Ferro Não-Heme NãoDMT1 (Transportador de Metais Divalente 1)
Enterócitos Lúmen Intestinal

Ferro da dieta

Dcytb

DMT1

Ferritina

Dcytb (enzima redutase férrica duodenal)

Hefastina Ferroportina

Transferrina não Saturada

Transferrina Saturada

Fleming, RE. N Engl J Med, 2005 McKie AT. Nature Genetics, 2005

Efeitos de fatores presentes na refeição na absorção do ferro não-heme nãoINIBIDORES ‡ Fitatos ‡ Polifenóis
² Taninos ² Ácido fenólico ² Flavonóides

FACILITADORES ‡ Carne ‡ Ácido ascórbico ‡ Ácido cítrico ‡ Fruto-oligossacárides Fruto-

‡ ‡ ‡ ‡

Fibra alimentar Ovo Leite Produtos lácteos

FATORES EXTRÍNSICOS QUE AFETAM A ABSORÇÃO TIPO DE FERRO DA DIETA NÃO-HEME HEME

Absorção Intestinal de Ferro Heme
Enterócitos Lúmen Intestinal Grupo Heme

?
Heme oxigenase

HCP 1 (heme carrier protein)

Ferritina

Hefastina Ferroportin

Fleming, RE. N Engl J Med 2005

Transferrina não Saturada

Transferrina Saturada

ABSORÇÃO INTESTINAL DE FERRO

FERRO SATURANDO A TRANSFERRINA

ABSORÇÃO INTESTINAL DE FERRO

FERRO SATURANDO A TRANSFERRINA

TRANSFERÊNCIA DO FERRO PARA AS CÉLULAS

Metabolismo Celular do Ferro Ciclo da Transferrina
Espaço Extracelular (pH 7,4)

FeFe-Tf

DMT1 transportador de ferro ferroso

ApoApo-Tf TfR

Endossomo Bomba de prótons H+ H+

Fe liberado

Diferentes funções biológicas

Ferritina Hemossiderina Endossomo Acidificado (pH 5,5)
Andrews NC. N England J Med (1999)

Metabolismo Celular do Ferro Ciclo da Transferrina
Espaço Extracelular (pH 7,4)

1. Ligação da transferrina com um receptor (TfR1) TfR 2. Processo de endocitose deste complexo

Fe2-Tf

DMT1 transportador de ferro ferroso

ApoApo-Tf

3. Acidificação do endossomo para liberação do Fe Endossomo da afinidade do ferro com a ferro pela diminuição Liberado Diferentes Bomba de prótons transferrina funções
H+ Ferritina 4. Transporte do ferro para fora do endossomo pela DMT1, para utilização nos processos biológicos ou hemossiderina reserva H+ biológicas

5. Reutilização da transferrina

Endossomo acidificado (pH 5,5)

Andrews NC. N England J Med (1999)

Um novo papel do fígado: regulação da homeostase do ferro corporal

HEPCIDINA

‡ ‡ ‡ ‡

Sintetizado no fígado Identificado em 2001 Peptídio com 25 aminoácidos Desempenha um papel importante na incorporação do ferro da dieta e na mobilização de ferro de reserva nos macrófagos

Papel do Fígado na Homeostase do Ferro
Hepcidina

Enterócito
Ferro Dietético Lúmen Intestinal

Hepatócito
Hepcidina

Macrófago
Eritrócito

Hemojuvelina

Hefastina Ferroportina

Ferroportina HFE Receptor transferrina 1

Receptor transferrina 2

Ferroportina

Transferrina não saturada Fleming, RE. N Engl J Med 2005

Transferrina saturada

Hepcidina

Qual é o mecanismo de regulação da síntese da hepcidina?

Regulação da Hepcidina
Hepcidina

Enterócito
Ferro Dietético Lúmen Intestinal

Hepatócito
Hepcidina

Macrófago
Eritrócito

Hemojuvelina

Hefastina Ferroportina

Ferroportina HFE Receptor Transferrina 1

Receptor Transferrina 2

Ferroportina

Transferrina não Saturada Fleming, RE. N Engl J Med 2005

Transferrina Saturada

Hepcidina

Alterações da Hepcidina
Hemocromatose Hereditária
- diminuição da produção da hepcidina (aumento na absorção intestinal de ferro) - perspectiva de aplicação clínica: tratamento da hemossiderose

Anemia da Inflamação
- aumento

na produção da hepcidina (retenção de ferro nos macrófagos e redução da absorção intestinal) -perspectiva de aplicação clínica: desenvolver um antagonista da hepcidina

Biodisponibilidade de ferro em alguns alimentos

Isótopos radioativos e estáveis de Ferro
Arroz Espinafre Feijão Preto Milho Alface Aveia Soja em Grão Ferritina Fígado Peixe Hemoglobina Carne 1 2 5 10 20
% ferro absorvido

leite de vaca leite humano 0 10 20 30 40 50 60

% ferro absorvido

Alimentos de origem vegetal Alimentos de origem animal

A deficiência de ferro é a carência nutricional mais prevalente no mundo, atingindo mais de 2 bilhões de pessoas

Estadios da deficiência de ferro
Depleção Normal Reservas Eritropoise Limitada pelo ferro Anemia ferropriva

Ferro de reserva Ferro eritrocitário Hemoglobina N N N
¡

Estadios da deficiência de ferro

ANEMIA FERROPRIVA

NORMAL

DIETA COM QUANTIDADE INSUFICIENTE DE FERRO BIODISPONÍVEL

DEFICIÊNCIA DE FERRO

DIETA COM QUANTIDADE INSUFICIENTE DE FERRO BIODISPONÍVEL

DEFICIÊNCIA DE FERRO

GRUPOS DE RISCO 1. CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS 2. ADOLESCENTES 3. MULHERES EM IDADE REPRODUTIVA 4. GESTANTES

DIETA COM QUANTIDADE INSUFICIENTE DE FERRO BIODISPONÍVEL

Grupos populacionais com maior necessidade de ferro DEFICIÊNCIA DE FERRO

GRUPOS DE RISCO 1. CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS 2. ADOLESCENTES 3. MULHERES EM IDADE REPRODUTIVA 4. GESTANTES

LACTENTES

‡

Fase da vida de maior velocidade de crescimento e maior necessidades nutricionais por Kg de peso: triplica o peso de nascimento no primeiro ano de vida Brasil: Prevalência de anemia de até 70% (NSB) e de 25% (NSA) USA: 3%

‡ ‡

CRIANÇAS E ADOLESCENTES 9-18 anos

Necessidades aumentadas: ‡ ‡ ‡ ‡ Estirão do crescimento Menarca Aumento da hemoglobina e da massa muscular Brasil - Prevalência de anemia: 7,5 - 18,0 %

MULHERES EM IDADE REPRODUTIVA

‡ ‡

Perdas menstruais Reserva

GESTANTES

Necessidades aumentadas: ‡ Ferro fetal, placentário e do cordão umbilical Aumento da massa sanguínea (hemoglobina) Perda de sangue no parto

‡

‡

IDOSOS
Fatores de risco para anemia: ‡ Ingestão insuficiente de alimentos ricos em ferro: - condições inadequadas de saúde bucal -orçamento insuficiente -solidão e isolamento social -depressão Doenças e uso de medicamentos

‡

Repercussões da deficiência de ferro e anemia ferropriva
‡ ‡ ‡ Redução na capacidade de trabalho Sintomas clínicos: apatia, anorexia, cansaço Anormalidade no controle da temperatura corporal, na produção de hormônio tireoidiano e catecolaminas Aumento do risco de prematuridade, da mortalidade da gestante, do feto e do neonato Alteração na susceptibilidade às infecções e na resposta imunológica Déficit de crescimento na criança Déficit no desenvolvimento cognitivo do lactente

‡ ‡ ‡ ‡

Repercussões da deficiência de ferro e anemia ferropriva
1. Redução na capacidade de trabalho 2. Sintomas clínicos: apatia, anorexia, cansaço 3. Anormalidade no controle da temperatura corporal, na produção de hormônio tireoidiano e catecolaminas 4. Aumento do risco de prematuridade, da mortalidade da gestante, do feto e do neonato 5. Alteração na susceptibilidade às infecções e na resposta imunológica 6. Déficit de crescimento na criança 7. Déficit no desenvolvimento cognitivo do lactente

Repercussões da deficiência de ferro e anemia ferropriva
1. Redução na capacidade de trabalho 2. Sintomas clínicos: apatia, anorexia, cansaço 3. Anormalidade no controle da temperatura corporal, na produção de hormônio tireoidiano e catecolaminas 4. Aumento do risco de prematuridade, da mortalidade da gestante, do feto e do neonato 5. Alteração na susceptibilidade às infecções e na resposta imunológica 6. Déficit de crescimento na criança 7. Déficit no desenvolvimento cognitivo do lactente

Repercussões da deficiência de ferro e anemia ferropriva
1. Redução na capacidade de trabalho 2. Sintomas clínicos: apatia, anorexia, cansaço 3. Anormalidade no controle da temperatura corporal, na produção de hormônio tireoidiano e catecolaminas 4. Aumento do risco de prematuridade, de mortalidade da gestante, do feto e do neonato 5. Alteração na susceptibilidade às infecções e na resposta imunológica 6. Déficit de crescimento na criança 7. Déficit no desenvolvimento cognitivo do lactente

Repercussões da deficiência de ferro e anemia ferropriva
1. Redução na capacidade de trabalho 2. Sintomas clínicos: apatia, anorexia, cansaço 3. Anormalidade no controle da temperatura corporal, na produção de hormônio tireoidiano e catecolaminas 4. Aumento do risco de prematuridade, da mortalidade da gestante, do feto e do neonato 5. Alteração na susceptibilidade às infecções e na resposta imunológica 6. Déficit de crescimento na criança 7. Déficit no desenvolvimento cognitivo do lactente

Repercussões da deficiência de ferro e anemia ferropriva
1. Redução na capacidade de trabalho 2. Sintomas clínicos: apatia, anorexia, cansaço 3. Anormalidade no controle da temperatura corporal, na produção de hormônio tireoidiano e catecolaminas 4. Aumento do risco de prematuridade, da mortalidade da gestante, do feto e do neonato 5. Alteração na susceptibilidade às infecções e na resposta imunológica 6. Déficit de crescimento na criança 7. Déficit no desenvolvimento cognitivo do lactente

Repercussões da deficiência de ferro e anemia ferropriva
1. Redução na capacidade de trabalho 2. Sintomas clínicos: apatia, anorexia, cansaço 3. Anormalidade no controle da temperatura corporal, na produção de hormônio tireoidiano e catecolaminas 4. Aumento do risco de prematuridade, da mortalidade da gestante, do feto e do neonato 5. Alteração na susceptibilidade às infecções e na resposta imunológica 6. Déficit de crescimento na criança 7. Déficit no desenvolvimento cognitivo do lactente

Déficit cognitivo e no desenvolvimento neuro-psicomotor nesta fase da vida
RISCO DE IRREVERSIBILIDADE
Diminuição do número de citocromos nas áreas do cérebro associadas às funções cognitivas:

percepção, atenção, memória, linguagem, planejamento e execução de tarefas

Jean Claveri Michelle Nikly

Além da dieta pobre em ferro, algumas situações clínicas podem determinar ou agravar a deficiência de ferro e a anemia ferropriva.

PARASITOSES INTESTINAIS
‡ Ancilostomíase
² Ancylostoma duodenale e Necator americanus

Outras causas de perda crônica de sangue ‡ Perdas menstruais excessivas ‡ Sangramento oculto pelo tubo digestivo

COMBATE À DEFICIÊNCIA DE FERRO
PREVENÇÃO

‡ Disponibilização universal de dieta com quantidade adequada de ferro biodisponível. ‡ Suplementação medicamentosa de grupos de risco (exemplo, lactentes e gestantes)

‡ Fortificação de alimentos

COMBATE À DEFICIÊNCIA DE FERRO

TRATAMENTO

‡ Ferroterapia para portadores de deficiência de ferro e anemia ferropriva.

CARNE BOVINA

Contra filé, com gordura, grelhado: ‡ 2,4 mgFe/100g

CARNE BOVINA

Picanha, com gordura, grelhada: ‡ 3,2 mgFe/100g

CARNE SUÍNA

Lombo assado: ‡ 0,5 mgFe/100g

CARNE DE FRANGO

Peito: ‡ 0,4 mgFe/100g

PEIXE

Filé de pescada,frito: ‡ 0,5 mgFe/100g

FÍGADO

Bovino,grelhado: ‡ 5,8 mgFe/100g

Galinha: ‡ 9,5 mgFe/100g

LEITE HUMANO

3,5 mgFe/100ml

FEIJÃO

Rosinha, cozido:

‡ 5,3 mgFe/100g

ESPINAFRE

Refogado:

‡ 0,6 mgFe/100g

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful