Monitorização em Anestesia

Anestesiologia ± HGU

Monitorização em Anestesia  

   

Objetivos:
Segurança do paciente Detectar efeitos adversos produzidos por drogas Prevenir instabilidades fisiológicas Avaliar o estado fisiopatológico do paciente Orientar a terapia

freqüência e ritmo. carotídeo e femoral).  . edema.Monitorização em Anestesia   Palpação: Pulsos arteriais periféricos palpáveis (radial. temporal. associado a extremidades nornais e coradas (nariz. é indicador de débito cardíaco adequado. braquial. umidade. textura (rash papular). Pulso regular e cheio. lobos das orelhas). cubital. Sentir tônus muscular.  Pele: verifique temperatura. Sentir amplitude. hematoma e enfisema subcutêneo.

   Ausculta: Ventilação: sons respiratórios Bulhas cardíacas: freqüência. formando o globo vesical.Monitorização em Anestesia   Percussão: Durante anestésica. e a bexiga. quando há distensão por gás devido às bolhas de ar. hidro ou pneumotórax. o abdômen. as áreas que requerem percussão são o tórax. O abafamento das bulhas pode indicar hipotensão e depressão miocárdica significativa. sons patológicos e murmúrios. . quando grandes volumes de fluidos são dados no intraoperatório e a bexiga está distendida. quando há suspeita de hemo. ritmo.

Medida do sangue coletado no reservatório do aspirador (subtrair o volume da solução usada para irrigação pelo cirurgião).5ml/Kg/h no período perioperatório representa oligúria e deve ser investigada.    Estimativa de perda sangüínea: Pesagem diferencial de compressas e gases (subtrair a solução salina usada para molhar as compressas). .Monitorização em Anestesia   Diurese: A taxa de fluxo urinário em adultos de menos de 0.

um dos dedos. obtida dirigindo-se um Pletismográficomesmo feixe de ultra-som paraem um da artéria. ser muitoalargo ou muito estreito do membro A largura deve corresponder 40% da circunferência Os valores pressóricos são fornecidos por microprocessador que Deve ser acoplado aproximadamente a 2cm acima da prega cubital Ultra-som com (Doppler). medindo a amplitude interpreta as oscilações dentro Éde oscilação do (fotosensor colocado a parede dedo). do manguito. A determinação da pressão é obtida iluminando-se a pele com uma fonte de luz fraca e um fotossensor que detecta as alterações da luz refletida. . Pequeno manguito posicionado em PA invasiva (medida direta).Monitorização em Anestesia       Pressão arterial (PA) periférica: Auscultatório. Manguito não pode Oscilométrico.

  . trombose arterial. vasoespasmo. presença de infecção nas proximidades do sítio da canulação e canulação prévia recente. lesões de nervos. Evitar cateterismo arterial em pacientes portadores da doença de Raynaud. braquial e axilar.  Indicações: pacientes em mau estado circulação colateral do Teste de Allen: avalia a viabilidade da geral com instabilidade hemodinâmica. injeção inadvertida intraarterial.2. femoral. glicose e testes de coagulação. porte que envolvam variações rápidas de pressão arterial Contra-indicações: pacientes que já possuam ou sejam de alto risco para insuficiência arterial ou trombose. de sangue para a análise dos gases sangüíneos arteriais eletrólitos. Complicações: isquemia distal. presença de circulação colateral deficiente. fornecido pelo arco palmar.  Medida direta da PA Está justificada em pacientes cirúrgicos graves pelo seu Via de escolha: artéria radial ± Proporciona acesso à amostragem grande potencial informativo. circulação extracorpórea e cirurgias de grande arco palmar.  Outras vias. infecções. por ser confortável p/ o pct e pela dupla circulação p/ a mão. artéria pediosa. .

Cirurgias nas quais estão previstos grandes dois ramosde volume ou Local: Triângulo eqüilátero. . .Monitorização em Anestesia  1. .É o trajeto mais direto p/ o átrio direito Indicação:  .Neurocirurgias com possibilidade de embolia aérea.Administração de drogas vasoativas ou irritantes às veias periféricas. . esternoclidomastóideu e tendo como base a clavícula. que equivale à pressão Via de escolha: Veia Jugular interna direita diastólica finalincidência de complicações . .Menor do ventrículo direito. formado pelos mudanças do músculo infusões EV prolongadas.Paciente em choque.  Pressões centrais: Pressão Venosa Central (PVC) A PVC estima a pressão do átrio direito.  O valor normal da PVC é 8-12mmH2O ao nível da linha axilar média (nível dos átrios).com a agulha em inclinação de 30°. . .Pacientespunção deverá ser realizada na(obstrução intestinal).Pacientes massivamente politraumatizados. a potencialmente hipovolêmicos proximidade do ápice do triângulo.

.2. .câmaras cardíacas direitas.pressão de oclusão de artéria pulmonar ou capilar pulmonar (PCP).   . . Podem auxiliar no esclarecimento dos mecanismos de hipotensão.  Artéria pulmonar Têm um papel importante no diagnóstico e no manejo dos pacientes críticos. edema pulmonar.pressão de artéria pulmonar (PAP). As principais indicações são as necessidade de medida de pressão de : .medida de débito cardíaco e obtenção de sangue venoso misto da artéria pulmonar. oligúria e orientação na administração de líquidos e drogas vasoativas.

Avaliação perioperatória de distúrbios hemodinâmicos graves e agudos/ estratificação de risco cardíaco.   . .Diagnóstico pré-operatório de dissecção de aorta ou trauma em paciente instável. pré. É o método mais sensível para o diagnóstico e tratamento precoce de embolia aérea Indicações: .  Ecocardiografia transesofágica Fornece dados sobre ventrículo esquerdo (função.carga e pressão de enchimento) e sobre débito cardíaco. .3.Avaliação intra-operatória da função da valva aórtica durante dissecção ou correção.

 Monitorização do Sistema Respiratório Monitorização da oxigenação No sangue arterial duas técnicas podem ser utilizadas Oximetria de pulso .Fornece medidas contínuas. não-invasivas.Monitorização em Anestesia  1. da saturação da hemoglobina pelo oxigênio no sangue arterial durante o seu transporte ate os tecidos Gasometria arterial   .

isoflurano e desflurano) presentes na mistura gasosa inalada ou exalada. Informa a freqüência respiratória. corrente e vol. vol. Monitorização do Sistema Respiratório Monitorização da oxigenação Analisador de gases No circuito respiratório o informa continuamente a concentração ou pressão parcial de todos os agentes anestésicos (óxido nitroso. pressão das vias aéreas. halotano. 1. minuto    . enflurano. sevoflurano.

  Monitorização da Ventilação A capnometria. em relação ao tempo. . hipertermia. gordurosa). A capnografia é a representação gráfica da curva de pressão parcial de CO2 na mistura gasosa expirada e inspirada. mede a pressão parcial de CO2 na mistura expirada. intubação seletiva. como a desconexão do ventilador. embolia pulmonar (gasosa.2.     Classificados Aspirativos Não Aspirativos Problemas que podem ocorrer durante a assistência ventilatória. depressão respiratória na ventilação espontânea.

Interpretação dos Gráficos .

.

.

.

.

.

.

mudanças de postura do paciente e durante extubação. . Verificar distúrbios eletrolíticos. Observar a função do marcapasso. Detectar alterações isquêmicas. injeção de drogas.Monitorização em Anestesia        Eletrocardiografia contínua (ECG) É indispensável durante a anestesia e na sala de recuperação pós-anestésica: Identificar arritmias. controle da respiração.  Deve ser verificado durante a intubação. Monitorar a reanimação cardiorrespiratória.

      O estimulador de nervos periféricos permite: Relaxamento preciso em determinadas circunstâncias Certificar recuperação espontânea do bloqueio neuromuscular.Monitorização em Anestesia   Monitorização do bloqueio neuromuscular Estimulador de nervos periféricos  Método mais satisfatório para avaliar a ação dos bloqueadores neuromusculares. Determinar o momento de administrar uma dose suplementar. . Consiste na estimulação elétrica de um nervo motor e na avaliação da resposta de um músculo distal. Reverter o bloqueio neuromuscular com dose adequada de anticolinesterásico. Ajustar a dose do bloqueador.

Locais mais utilizados para avaliação da temperatura: pele.Monitorização em Anestesia   Temperatura corporal Considera-se normal a faixa entre 36oC e 37.5 oC. durante e após a anestesia.   . esôfago e nasofaringe Procure medir a temperatura corporal dos pacientes antes.

.Monitorização em Anestesia  Monitorização   do Plano da anestesia Avaliação clínica da profundidade anestésica: É avaliada principalmente pela observação dos reflexos autonômicos e somáticos: midríase. hipertensão e movimentação. sudorese. lacrimejamento. taquicardia.

com uma escala numérica de 0 a 100 para classificar o estado hipnótico do paciente: 100 Acordado 70 Efeito hipnótico leve 60 Efeito hipnótico moderado 40 Efeito hipnótico profundo 0 Supressão EEG 65 a 85: sedação 40 a 65: anestesia profunda . Índice  Biespectral (BIS) Deriva do processamento do EEG.

término e intensidade dos efeitos de uma determinada dose do fármaco utilizado.       Índice Biespectral (BIS) Vantagens: Mede o início. Promove indicação precoce de alterações no plano anestésico. Detecta despertar (consciência). Facilita anestesia balanceada. . Permite titulação precisa do agente anestésico.

IV ± Equipamentos (ANEXO II).Monitoração contínua da oxigenação do sangue arterial. pg. incluindo a determinação da pressão arterial e dos batimentos cardíacos. e determinação contínua do ritmo cardíaco.802/2006 (Publicado no D. 1363/1993 RESOLVE: Art.Monitoração contínua da ventilação. incluindo a oximetria de pulso. II . 102) Dispõe sobre a prática do ato anestésico . Seção I. Revoga a Resolução CFM n.O. instrumental e materiais (ANEXO III) e fármacos (ANEXO IV) que permitam a realização de qualquer ato anestésico com segurança. III . . incluindo os teores de gás carbônico exalados nas seguintes situações: anestesia sob via aérea artificial (como intubação traqueal. RESOLUÇÃO CFM N° 1. bem como a realização de procedimentos de recuperação cardiorrespiratória.U. incluindo cardioscopia. de 01 novembro 2006. brônquica ou máscara laríngea) e/ou ventilação artificial e/ou exposição a agentes capazes de desencadear hipertermia maligna. 3º Entende-se por condições mínimas de segurança para a prática da anestesia a disponibilidade de: I ± Monitoração da circulação.

Em cada sala onde se administra anestesia: secção de fluxo contínuo de gases. 2. 3. bem como em procedimentos com duração superior a duas horas. nas demais situações. Recomenda-se a monitoração da temperatura e sistemas para aquecimento de pacientes em anestesia pediátrica e geriátrica. Recomenda-se a adoção de sistemas automáticos de infusão para administração contínua de fármacos vasoativos e anestesia intravenosa contínua. Na unidade onde se administra anestesia: desfibrilador. . marca-passo transcutâneo (incluindo gerador e cabo). 4. sistema respiratório e ventilatório completo e sistema de aspiração.ANEXO II Equipamentos básicos para a administração da anestesia e suporte cardiorrespiratório: 1.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful