You are on page 1of 34

m m



m 



2 Margens Y 4.Divisão do Texto Y 4. Formato e Impressão Y 4. Palavras-chave. Epígrafe (facultativa) Y 2. LINGUAGEM DO ARTIGO Y 4. desenvolvimento textual e conclusão). Y 3.Notas de Rodapé .Citações Y 4.6. Resumo e Abstract Y 2.4. NORMAS DE APRESENTAÇÃO GRÁFICA DO ARTIGO Y 4.3.2 Autor (es) Y 2.7. ESTRUTURA DO ARTIGO Y 2.Espaçamento Y 4.1.3 Paginação Y 4.5.Ilustração e Tabelas Y 4.Título Y 2.8.Y 1. Referências. Conteúdo/Corpo do Artigo (Introdução. Y 2. CONCEITUAÇÃO E CARACTERÍSTICAS Y 2.7.9. Y 2. 1 PAPEL.Alíneas Y 4.4 .5.6.

? .

 .

m m .

.

m .

a metodologia empregada. dos resultados de investigações ou estudos realizados a respeito de uma questão. os resultados alcançados e as principais dificuldades encontradas no processo de investigação ou na análise de uma questão. a dúvida investigada. Y Assim. os problemas abordados nos artigos podem ser os mais diversos: podem fazer parte quer de questões que historicamente são polemizadas. através de sua publicação em periódicos especializados. Y O artigo é a apresentação sintética. o referencial teórico utilizado (as teorias que serviam de base para orientar a pesquisa). Y O objetivo fundamental de um artigo é o de ser um meio rápido e sucinto de divulgar e tornar conhecidos. . em forma de relatório escrito. quer de problemas teóricos ou práticos novos.

Y 2.4. . Palavras-chave.2 Autor (es) Y 2. Epígrafe (facultativa) Y 2.7. Referências.6. Resumo e Abstract Y 2. Conteúdo/Corpo do Artigo (Introdução. desenvolvimento textual e conclusão). Y 2.5.Título Y 2.› m    Y O artigo possui a seguinte estrutura: Y 2.1.3.

em nota de rodapé.1.Y 2. . e ser numerado para indicar. a finalidade do mesmo.TÍTULO Y Y Deve compreender os conceitos-chave que o tema encerra.

ou se houver titulações diferentes deverão seguir a ordem da maior para a menor titulação. .2. os mesmos deverão vir em ordem alfabética.AUTOR (ES): Y Y O autor do artigo deve vir indicado do centro para a margem direita.Y 2. Y Caso haja mais de um autor.

Y 2.EPÍGRAFE Y Y É um elemento facultativo. . 3. que expressa um pensamento referente ao conteúdo central do artigo.

. onde se expõe o objetivo do artigo.RESUMO e ABSTRACT Y Y Texto.4.Y 2. a metodologia utilizada para solucionar o problema e os resultados alcançados. sendo que alguns periódicos aceitam a tradução em outra língua. Y O Abstract é o resumo traduzido para o inglês. com uma quantidade predeterminada de palavras.

. até 6 palavras.Y 2.5.PALAVRAS-CHAVE: Y Y São palavras características do tema que servem para indexar o artigo.

CONCLUSÃO: .Y 2.CONTEÚDO/CORPO DO ARTIGO: Y 2. DESENVOLVIMENTO E DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS: Y 2.1. 6.6.6.3. INTRODUÇÃO: Y 2.6.2.

. Y Em suma: apresenta e delimita a dúvida investigada (problema de estudo . apontar as questões de pesquisa para as quais buscará as respostas. em seguida.o quê).1. os objetivos e as justificativas que levaram o autor a tal investigação para. os objetivos (para que serviu o estudo) e a metodologia utilizada no estudo (como).Y 2. destacar a Metodologia utilizada no trabalho.6. Y Deve-se. INTRODUÇÃO Y O objetivo da Introdução é situar o leitor no contexto do tema pesquisado. esclarecendo as delimitações estabelecidas na abordagem do assunto. ainda. oferecendo uma visão global do estudo realizado.

É importante expor os argumentos de forma explicativa ou demonstrativa. do assunto. entre outras técnicas. o autor deve fazer uma exposição e uma discussão das teorias que foram utilizadas para entender e esclarecer o problema. Y apresentar as demonstrações dos argumentos teóricos e/ ou de resultados que as sustentam com base dos dados coletados.Y 2. observações. Y Quando o artigo inclui a pesquisa descritiva apresentam-se os resultados desenvolvidos na coleta dos dados através das entrevistas. onde é necessário analisar as informações publicadas sobre o tema até o momento da redação final do trabalho. onde o autor demonstra. ter conhecimento da literatura básica. assim. ao constar uma Revisão de Literatura. através de proposições desenvolvidas na pesquisa.2 DESENVOLVIMENTO E DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS: Y Y Nesta parte do artigo. Y Neste aspecto. Y Y O corpo do artigo pode ser dividido em itens necessários que possam desenvolver a pesquisa. demonstrando teoricamente o objeto de seu estudo e a necessidade ou oportunidade da pesquisa que realizou. apresentando-as e relacionando-as com a dúvida investigada.6. o objetivo é de desenvolver a respeito das contribuições teóricas a respeito do assunto abordado. questionários. Y .

Y 2. evidenciando com clareza e objetividade as deduções extraídas dos resultados obtidos ou apontadas ao longo da discussão do assunto. lembrar que a conclusão é um fechamento do trabalho estudado. com os comentários do autor e as contribuições trazidas pela pesquisa.6. Y Neste momento são relacionadas às diversas idéias desenvolvidas ao longo do trabalho. .3. CONCLUSÃO Y Y Após a análise e discussões dos resultados. onde não se permite que nesta seção sejam incluídos dados novos. num processo de síntese dos principais resultados. apresentados na Introdução. Y Y Cabe. respondendo às hipóteses enunciadas e aos objetivos do estudo. ainda. são apresentadas as conclusões e as descobertas do texto. que já não tenham sido apresentados anteriormente.

Y As publicações devem ter sido mencionadas no texto do trabalho e devem obedecer as Normas da ABNT 6023/2009. artigos e outros elementos de autores efetivamente utilizados e referenciados ao longo do artigo. no todo ou em parte. de documentos impressos ou registrados em diferentes tipos de materiais. 7. Y . Y Trata-se de uma listagem dos livros.REFERÊNCIAS: Y Y Referências são um conjunto de elementos que permitem a identificação.Y 2.

da UFMG. Y Y KÖCHE. Júnia Lessa et alii. Julce. Metodologia do trabalho científico. 1997. 14ª ed.. 2002. José Carlos. Manual para normalização de publicações técnico- científicas. Normas e Padrões para teses. Rio de Janeiro. São Paulo: Cortez. 22ª edição. Londrina: Eduel. Fundamentos de Metodologia Científica: teoria da ciência e prática da pesquisa. Y . Belo Horizonte: Ed. 2000. (Coletânea de normas). dissertações e monografias. 6ª ed. 5ª ed.Y EXEMPLIFICANDO: Y ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ² ABNT. Rio de Janeiro. Y Y FRANÇA. Normas ABNT sobre documentação.. CORNELSEN. Y Y SEVERINO. rev. 2003. Petrópolis: Vozes. Mary Stela. Y Y MÜLLER. Antônio Joaquim. 2003.. e aum.

. principalmente. concisão e fidelidade às fontes citadas. clareza na exposição das idéias. objetividade.@   m  Y Tendo em vista que o artigo se caracteriza por ser um trabalho extremamente sucinto. que o autor tenha um certo conhecimento a respeito do que está escrevendo. exige-se que tenha algumas qualidades: linguagem correta e precisa. Y Para que essas qualidades se manifestem é necessário. coerência na argumentação.

intercaladas com parênteses. ´eu achoµ. Y .A correção gramatical é indispensável.Y Quanto à linguagem científica é importante que sejam analisados os seguintes procedimentos no artigo científico: Y Y . Y . porém dentro de um ponto de vista científico. (PÁDUA. 1996. Y . evitando muitas orações subordinadas. 82). mas cada ramo da ciência possui uma terminologia técnica própria que deve ser observada. p. tabelas são considerados como figuras e devem ser criteriosamente distribuídos no texto. muda-se o parágrafo.Impessoalidade: redigir o trabalho na 3ª pessoa do singular. Y .Os recursos ilustrativos como gráficos estatísticos. tendo suas fontes citadas em notas de rodapé.Objetividade: a linguagem objetiva deve afastar as expressões: ´eu pensoµ. onde pode-se apresentar argumentos de ordem subjetiva. O uso de parágrafos deve ser dosado na medida necessária para articular o raciocínio: toda vez que se dá um passo a mais no desenvolvimento do raciocínio.Estilo científico: a linguagem científica é informativa. firmada em dados concretos. onde se deve procurar relatar a pesquisa com frases curtas. num único período. desenhos. ´parece-meµ que dão margem a interpretações simplórias e sem valor científico. Y . Y .Vocabulário técnico: a linguagem científica serve-se do vocabulário comum. de ordem racional. utilizado com clareza e precisão.

.Y A condição primeira e indispensável de uma boa redação científica é a clareza e a precisão das idéias.

j mmm   .

DIVISÃO DO TEXTO Y 4.9.ESPAÇAMENTO Y 4.7.3 PAGINAÇÃO Y 4.CITAÇÕES Y 4.ALÍNEAS Y 4.4 .6.2 MARGENS Y 4.8. 1 PAPEL.ILUSTRAÇÕES E TABELAS Y 4.5. FORMATO E IMPRESSÃO Y 4.Notas de Rodapé .   Y 4.

formato A4 (210 x 297 mm). barras ou outros sinais. para efeito de alinhamento. com exceção das ilustrações. e menor para as citações longas. Y Utiliza-se a fonte tamanho 12 para o texto. Não se deve usar. . p. e impresso na cor preta. 2002. notas de rodapé. na margem lateral do texto. paginação e legendas das ilustrações e tabelas. utilizando-se papel de boa qualidade. 5. o texto deve ser digitado no anverso da folha. (ABNT. grifo nosso). Y Segundo a NBR 14724.j ?m  m m Y De acordo com a ABNT ´o projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalhoµ. formato A4.

no modo justificado.0 cm.0 cm. da borda superior da folha Y Esquerda: 3. Y Direita: 2.0 cm da borda esquerda da folha. com as seguintes medidas: Y Superior: 3. Y Inferior: 2. da borda inferior da folha . dentro dos limites padronizados. de modo que a margem direita fique reta no sentido vertical.0 cm.j › m  Y As margens são formadas pela distribuição do próprio texto. da borda direita da folha.

mas é contada. da borda do papel com algarismos arábicos e tamanho da fonte menor. Y . a 2 cm. sendo que na primeira página não leva número.j @  Y A numeração deve ser colocada no canto superior direito.

as legendas de ilustrações e tabelas. nome da instituição a que é submetido e a área de concentração do trabalho deve ser alinhada do meio da margem para a direita. a nota explicativa apresentada na folha de rosto.j j mm  Y O espaçamento entre as linhas é de 1. Contudo. na folha de aprovação. Y As referências listadas no final do trabalho devem ser separadas entre si por um espaço duplo. o objetivo. o resumo. sobre a natureza. . as referências. as citações textuais de mais de três linhas devem ser digitadas em espaço simples de entrelinhas. As notas de rodapé.5 cm.

1. Exemplos: i    i  . Y c) nas seções terciárias e quaternárias.1..2. Y É importante lembrar que é necessário limitar-se o número de seção ou capítulo em. precedido do indicativo numérico correspondente. no máximo até cinco vezes. se houver necessidade de mais subdivisões. precedido do indicativo numérico correspondente.j     m  Y Na numeração das seções devem ser utilizados algarismos arábicos. Y Os termos em outros idiomas devem constar em itálico. com fonte 12. utilizar somente a inicial maiúscula do título. Y Aos Títulos das seções primárias recomenda-se: Y a) seus títulos sejam grafados em caixa alta. precedido do indicativo numérico correspondente. os títulos sejam grafados em caixa alta e em negrito. com um ponto de separação: 1. estas devem ser feitas por meio de alíneas. Y b) nas seções secundárias. pois que todos os títulos destas seções sejam destacados em NEGRITO. com fonte 12. com fonte 12. Y Recomenda-se. O indicativo de uma seção secundária é constituído pelo indicativo da seção primária a que pertence. sem aspas. seguido do número que lhe foi atribuído na seqüência do assunto..

i   i  i       Para dar destaque a termos ou expressões deve ser utilizado o itálico. Evitar o uso excessivo de aspas que ´poluemµ visualmente o texto. .

anterior às alíneas. as alíneas são utilizadas no texto quando necessário. e na última alínea. Y b) as alíneas são ordenadas por letras minúsculas seguidas de parênteses. termina por ponto. Cornelsen (2003. p. termina por dois pontos.j    m Y De acordo com Müller. Y c) a matéria da alínea começa por letra minúscula e termina por ponto e vírgula. . 21). obedecendo a seguinte disposição: Y a) no trecho final da sessão correspondente. Y d) a segunda linha e as seguintes da matéria da alínea começam sob a primeira linha do texto da própria alínea.

porém. Devem aparecer sempre que possível na própria folha onde está inserido o texto. Y Quanto às tabelas. Y Conseqüentemente. mapas e fotografias. lâminas. esquemas ou outros elementos autônomos e demonstrativos de síntese necessárias à complementação e melhor visualização do texto. desenhos. fluxogramas. gráficos. da mesma forma que o texto deve prescindir das tabelas para sua compreensão. quadros.j   mm m  Y As ilustrações compreendem quadros. elas constituem uma forma adequada para apresentar dados numéricos. retratos. organogramas. principalmente quando compreendem valores comparativos. . caso não seja possível. apresentar a ilustração na própria página. devem ser preparadas de maneira que o leitor possa entendê-las sem que seja necessária a recorrência no texto. plantas.

responsável pelo fornecimento de dados utilizados na construção de uma tabela. Y g) fios horizontais e verticais devem ser utilizados para separar os títulos das colunas nos cabeçalhos das tabelas. deve ser sempre indicada no rodapé da mesma. Y f) notas eventuais e referentes aos dados da tabela devem ser colocadas também no rodapé da mesma. Y c) o título deve figurar acima da tabela. as normas do IBGE: Y a) a tabela possui seu número independente e consecutivo. precedida da palavra Fonte: após o fio de fechamento. Nesta folha também são repetidos os títulos e o cabeçalho da tabela. em fios horizontais para fechá-las na parte inferior. em algarismo arábicos. Y d) devem ser inseridas mais próximas possível ao texto onde foram mencionadas. Nenhum tipo e fio devem ser utilizados para separar as colunas ou as linhas. Y h) no caso de tabelas grandes e que não caibam em um só folha. após o fio do fechamento. seguir. pois. nesse caso.Y Recomenda-se. Y e) a indicação da fonte. precedido da palavra Tabela e de seu número de ordem no texto. . deve-se dar continuidade a mesma na folha seguinte. o fio horizontal de fechamento deve ser colocado apenas no final da tabela. ou seja. Y b) o título da tabela deve ser o mais completo possível dando indicações claras e precisas a respeito do conteúdo. na folha seguinte.

j  .

8.8.8.1.Citação Indireta Y 4. m Y 4.Citação Direta Y 4.Citação de citação .3.2.

Na forma direta devem ser transcritas entre aspas. p. 30). só se processa como resultado da articulação do lógico com o real. conforme o exemplo: Siqueland & Delucia (1990.1. p. conforme o exemplo: ´A ciência. a data e a página. enquanto conteúdo de conhecimentos.aprendizagem apontam para um desenvolvimento cognitivo na criançaµ. 30) afirmam que ´o método da solução dos problemas na avaliação ensino. da teoria com a realidadeµ. onde devem constar o autor.8.Y 4.Citação Direta Y As citações podem ser feitas na forma direta ou na indireta. quando ocuparem até três linhas impressas.(SEVERINO. 2002. . Y As citações de mais de um autor serão feitas com a indicação do sobrenome dos dois autores separados pelo símbolo &.

apresentados com objetivo de comprovar uma tese.0 cm. Não se podem buscar fundamentos mais primitivos. ou seja. em espaço simples no texto. . deve ser separada com um recuo de parágrafo de 4. 185) entende que: A argumentação. a operação com argumentos. com fonte menor: Y Severino (2002. p. A evidência racional.Y Quando a citação ultrapassar três linhas. por sua vez. justifica-se pelos princípios da lógica. funda-se na evidência racional e na evidência dos fatos. A evidência é a certeza manifesta imposta pela força dos modos de atuação da própria razão.

Caso o destaque já faça parte do texto citado usar a expressão entre parênteses: (grifo do autor). deve-se comentar o texto do autor citado. e nunca concluir uma parte do texto com uma citação. . Y No momento da citação. transcreve-se fielmente o texto tal como ele se apresenta. e quando for usado o negrito para uma palavra ou frase para chamar atenção na parte citada usar a expressão em entre parênteses (grifo nosso).Y No caso da citação direta.

porém. É ´uma transcrição livre do texto do autor consultadoµ (ABNT. ser feita de forma que fique bem clara a autoria. Y A paráfrase.8. transcrever o texto. da absorção de tecnologia . mas deve. reproduz idéias da fonte consultada.Y 4. Y Exemplificando: Y Verspagen (1991) testa o modelo para uma amostra de 135 países. no entanto. quando fiel à fonte. portanto. é geralmente preferível a uma longa citação textual. sem.Citação Indireta Y Y A citação indireta. denominada de conceitual. 2001) Y Esse tipo de citação pode ser apresentado por meio de paráfrase quando alguém expressa a idéia de um dado autor ou de uma determinada fonte. obtendo resultados que confirmam a hipótese de que a educação da força de trabalho constitui o principal fator determinante da capacidade de assimilação do conhecimento e.2.

conforme o exemplo Freire apud Saviani (1998.Citação de citação Y Y A citação de citação deve ser indicada pelo sobrenome do autor seguido da expressão latina i (junto a) e do sobrenome da obra consultada.Y 4.8. p. 30). em minúsculas.3. .

Referem-se aos comentários e/ou observações pessoais do autor e são utilizadas para indicar dados relativos à comunicação pessoal. para não interromper a seqüência lógica da leitura. na entrelinha superior sem parênteses. . menor. com numeração progressiva nas folhas. Para fazer a chamada das notas de rodapé. também.j   m Y As notas de rodapé destinam-se a prestar esclarecimentos. prejudicial. os quais não sustentam sua base científica. não deve se basear em valores morais. Algumas hipóteses lançam adjetivos duvidosos. maior. como bom. mau. usam-se os algarismos arábicos. Y As notas são reduzidas ao mínimo e situar em local tão próximo quanto possível ao texto. Exemplo de uma nota explicativa: A hipótese. tecer considerações. que não devem ser incluídas no texto. São digitadas em espaço simples em tamanho 10.