You are on page 1of 24

ERROS E VIESEZ

DEFINIÇÃO
Erros ou vieses nada mais são do que fatores que levam (induzem) o pesquisador a encontrar um resultado distorcido, diferente da realidade; Quando um viés ocorre o poder de uma associação entre causa e feito pode ser modificado, chegando algumas vezes a inverter o sentido desta associação.

Exemplo: moradores adultos de Rio Grande. .CONCEITOS População Externa: todos os indivíduos para os quais se gostaria de generalizar os resultados de um estudo. Exemplo: adultos de 20 a 65 anos. População-alvo: grupo restrito de pessoas sobre o qual o estudo poderá fazer inferências.

CONCEITOS População real: indivíduos elegíveis para entrar no estudo. cor de pele. O termo representativa significa que todos os indivíduos da população de onde saiu a amostra tinham a mesma chance de ser incluídos na amostra. Exemplo: dos moradores de RG. renda.). etc. a precisão da amostra é que depende do tamanho da mesma. idade. Amostra representativa: é uma amostra que se assemelha à população original sob todos os aspectos (principalmente sexo. A representatividade não tem a ver com o tamanho da amostra. . aqueles que seriam captados pelo estudo.

ele mediu realmente o que se propôs a medir. INTERNA: capacidade de extrapolar o resultado de um estudo para toda população estudada. Quando um estudo tem validade interna. como para outras cidades e países. .VALIDADE EXTERNA: possibilidade de se extrapolar os achados de uma pesquisa para a população externa ao estudo.

SISTEMÁTICO: erro que ocorre sempre (ou quase sempre). e que desvia o resultado sempre da mesma maneira.ERROS ALEATÓRIO: também conhecido como erro nãodiferencial ou erro causal. Este tipo de erro pode reverter uma associação ou dissolver a real associação entre um fator e o desfecho. . Este tipo de erro produz achados que são muito altos ou muito baixos em quantidades aproximadamente iguais.

A definição dos tipos de cegamento varia. .CEGAMENTO Artifício usado em pesquisa para evitar distorções que poderiam surgir devido principalmente aos aspectos comportamentais e psicológicos que envolvem pesquisas com humanos. o ideal é que o pesquisador informe o que realmente foi feito.

Triplo-cego: é quando os participantes. Uni-cego: quando o sujeito a ser analisado não sabe a que está sendo submetido. os médicos que lidam com eles e os pesquisadores que farão a análise dos dados não sabem a que grupo cada um pertence. O pesquisador sabe quem recebeu o que.CEGAMENTOS Não-cego: participantes e profissionais que acompanham o estudo sabem a que grupo cada sujeito pertence. os sujeitos não. . Duplo-cego: quando nem os sujeitos nem os pesquisadores que estão próximos deles sabem a que grupo cada um pertence.

Os autores da epidemiologia foram classificando estes erros na medida em que eles surgiam em sua prática de pesquisa. produzindo desvios ou distorções. . Fator que induz o pesquisador ao erro. erro diferencial ou tendenciosidade.VIÉS São sinônimos: vício. produz associação espúria ou distorce a direção aparente de uma associação entre variáveis. Torna-se um problema sério quando enfraquece uma associação verdadeira.

: um entrevistador precisa escolher casas para realizar entrevistas.VIESES Viés de Seleção A escolha dos sujeitos que pertencerão ao estudo pode levar a conclusões que não se aplicam à toda população. Ex. Essa amostra não representará a população do local. já que nem todos terão a mesma chance de entrar na amostra. . e tende a bater nas casas de melhor aparência. A alocação dos sujeitos para os diferentes grupos de um estudo também pode resultar num viés.

: mães que tiveram filhos anormais tendem a pensar mais sobre sua gestação e provavelmente se lembrem mais de infecções. .VIESES Viés de medição ou de aferição É introduzido por falhas mecânicas ou humanas.: num trabalho de campo algumas balanças não estão aferidas. Viés de recordatório ou de memória Quando ocorre um evento marcante como uma doença grave. Ex. esta pessoa pode refletir mais sobre os fatores envolvidos na determinação da doença. Ex. levando a erros sistemáticos ou aleatórios. medicamentos ou lesões.

: mulheres que tomam AO são mais diagnosticadas com ca de colo de útero. Viés de Berkson ou de hospitalização Pacientes com uma determinada característica podem ser examinados ou hospitalizados mais freqüentemente do que pacientes sem esta característica. Ex. e ao aplicar os testes nas brancas fala mais pausadamente.VIESES Viés do entrevistador/pesquisador a maneira com que o pesquisador ou entrevistador conduz a pesquisa pode exercer influência sobre a resposta obtida.: um pesquisador quer provar que mulheres brancas apresentam menos déficit cognitivo do que as negras. Ex. .

. Ex.: em uma pesquisa sobre tabagismo e fatores associados para doenças crônicas. e a taxa de não respondentes é bem maior entre os fumantes do que entre os não-fumantes. Viés do não respondente (non respondent bias) As pessoas que não respondem a um questionário.VIESES Viés de seguimento (follow-up bias) Em um estudo longitudinal as perdas podem ocorrer de forma desigual entre 2 ou mais grupos estudados. distorcendo as associações encontradas. a princípio são diferentes daquelas que responderam. é enviado por correio um questionário.

a prevalência de doentes entre os pobres é maior. parece que existem mais ricos doentes do que pobres. . (para estar empregado e ativo é preciso estar relativamente saudável) Viés de sobrevivência ou incidência/prevalência É quando a doença ou o fator estudado tem características diferentes entre os grupos de estudo. Como os ricos ficam mais tempo vivos. podendo levar a associações distorcidas.VIESES Viés do trabalhador sadio ou auto-seleção (membership bias) Sujeitos com determinada característica podem ter maior probabilidade de entrar em um estudo.: num estudo de saúde ocupacional numa indústria descobre-se que os empregados têm menor morbimortalidade do que a população em geral.: num estudo de AIDS. Ex. Ex. no entanto o tempo de sobrevivência dos ricos é maior.

Exemplos: associações entre obesidade e exercício físico. calvície e uso de chapéu. etc. Quando a exposição pode mudar como resultado da doença. . e não se sabe o que veio antes.Causalidade Reversa Acontece quando não é possível estabelecer o que surgiu antes causa ou efeito. Pode ocorrer em estudos transversais e de casos e controles. o fator de risco ou o desfecho..

apenas é preciso reconhecer a causalidade reversa.Causalidade Reversa O QUE FAZER? Após coletados os dados nada pode ser feito. . discuti-la e de preferência não fazer estudos testando hipóteses quando a priori já se tenha consciência deste problema.

chamado de variável de confusão . . mas na realidade acaba medindo o efeito de um terceiro fator. É uma mistura de efeitos. Para ser considerada como confusão. Um pesquisador tenta mostrar associação de uma exposição com um desfecho.: idade materna e paridade como causas para baixo peso ao nascer. estar associada com a exposição sendo avaliada e não fazer parte da cadeia causal que liga a exposição ao desfecho. a variável precisa estar associada com o desfecho.Fatores de Confusão (Confounding Factors) Confusão é uma situação em que os efeitos de duas variáveis são difíceis de separar um do outro. Ex.

. Para detectar confusão deve-se fazer uma análise estratificada pelo fator de confusão. Além disso. o referencial teórico é um excelente auxiliar na formulação de suspeitas de confusão. mas diferentes do risco bruto.Fatores de Confusão A confusão pode ser controlada após a coleta de dados. mostrando que os riscos entre os diferentes estratos são similares entre si. desde que os mesmos tenham sido coletados de maneira que possibilite tal controle.

2 (ter carro parece proteger contra anemia). . mas estratificando por renda o RR entre os pobres e os ricos foi igual a 1.Detectando Confusão Um estudo avaliou em pessoas de alta e baixa renda a influência de ter carro ou não sobre a anemia. na verdade ter dinheiro é que protege contra anemia. A renda é o fator de confusão. Na amostra total (ricos + pobres) o RR para ter carro foi 0.

: a depressão é um fator mediador entre morar sozinho e o suicídio.Fatores Mediadores São parte da cadeia causal que liga uma exposição a um desfecho. Ex. Estes fatores por si só não levam ao desfecho. e portanto não podem ser fatores de confusão. a hipertensão é mediadora entre o sedentarismo e a cardiopatia isquêmica. . mas estão sempre na cadeia causal.

: num estudo de casos e controles sobre dislipidemias em pessoas que não consomem medicamentos contra esse problema. quando na realidade ela apresenta este problema porém ele está mascarado pelo uso de remédios. . Ex. O conceito de erro de classificação está atrelado aos conceitos de sensibilidade e especificidade. uma pessoa que consumiu ultimamente medicação é equivocadamente classificada como não tendo dislipidemia.Erros de Classificação (Misclassification) Ocorrem quando sujeitos são alocados equivocadamente nos grupos de estudo.

Para estimar devidamente a sensibilidade e especificidade. A acurácia de um procedimento diagnóstico é comumente medida através da: sensibilidade (proporção de positivos verdadeiros identificados corretamente) e especificidade (proporção de negativos verdadeiros identificados corretamente).Especificidade & Sensibilidade Os testes diagnósticos são imperfeitos. é preciso conhecer o estado real do indivíduo ("padrão-ouro ). Alguns indivíduos saudáveis podem ser classificados como doentes (falso positivo) e outros que realmente são doentes podem não ser detectados (falso negativo). .

. Para crianças com idades entre 2 e 12 meses. a falta de leite continua sendo um fator de risco. Exemplo: a falta de aleitamento materno é um forte fator de risco (RR = 23) para a morte por diarréia em crianças com menos de 2 meses. portanto. A idade. porém representando um risco bem menor (RR = 5). diz-se que há modificação de efeito. modifica o efeito do aleitamento.Modificadores de Efeito Quando o efeito de uma exposição sobre um desfecho varia conforme o nível de uma terceira variável.

: para determinada doença. para a mesma doença. O efeito dos dois fatores juntos é maior do que se somássemos o efeito dos dois separados. mas algo acima de 6. Ex.INTERAÇÃO É uma modificação de efeito. . o risco dela não será apenas 5. Interagir não é apenas agir ao mesmo tempo . caso a pessoa fume e beba. o fumo representa um risco de 2. interagir é aumentar o poder de determinado fator em causar uma doença. o álcool representa um risco de 3.