You are on page 1of 43

| 

 
   
  | |

 
 !
V 

 
" 
#$

 
 
m      


      
 

   

 
 


    

   
   
        


  
m 
A Grande guerra e a reconstrução
da Europa
^ ^^ ^

Ñ  % ! !&' (!


) * + %*&  %
^ ^' (% (& *(*&%
 ,+ !*- '  %!
% )%.  ^ ^
*(* *(*  ,!
%% ! , &/

Ñ *&( ' % *&


,& 0%*- 12(3'
4/' 5  0- ^ ^' 6!
(%/!  )&!/7 ! 3 
    *  ^ ^

Ñ *&( &/' % *&


%*- &%7' %*- ! 
#5,  %*- !( %

89:


Ñ  *;* ,! (&  )&)% -(( %


%! (%* '  (%   *  
%!!  %&

Ñ   !/+ .-&(  .!  * 


) *!) %*+ ,)  !, 
 ( !/7

Ñ  5  )&  *   *!/7  . 


( !% 6! %  (   * /7

Ñ 
Ñ  6!!  (   
!   *&<% !.' 
( !/7  (    *&
=.( >

Ñ  %  * .&  


( !  !!  %&  ((
% (%./7 (%  )>

Ñ !   % !(& % - ! 


* (& (  6!!  
^ |
  
Ñ u   
        

        
        

    
     
>

Ñ ›o aspecto social, a Guerra provocou o empobrecimento das


classes médias, a ruína dos rendeiros, e na @ 

  
         
     

Ñ Ao nível da mentalidade, a guerra trouxe importantes modificações,


de que se salienta a aceitação da entrada das mulheres no mundo
empresarial e na vida política (através da conquista do direito ao
voto);

Ñ „  
      
  

    ! 
 parecimento de regimes
políticos autoritários, como o nazismo e fascismo;
 
Ñ A crise mundial no fim da década de 1920,
1920, reafirma a padronização
dos objetos na industria, e a necessidade de preços baixos levou à
introdução de novos produtos com diferenciais estéticos e
tecnológicos.. Esse conceito dominou o mercado e se espalhou como
tecnológicos
estratégia básica de atuação nas grandes corporações ao redor do
mundo..
mundo

Ñ ›os Estados Unidos não havia uma tradição artística e talvez em


função disso existisse uma maior adequação dos produtos a um
mercado de massa com uma estética aliada à simplicidade e à
padronização..
padronização

Ñ A Racionalização americana organizou métodos de trabalho e adaptou


técnicas existentes que foram utilizadas em toda a indústria da guerra.
guerra.

Ñ O "taylorismo", como organização científica do trabalho,


trabalho, e o
"fordismo", como racionalização dos métodos de produção,
conduziram à padronização dos produtos industriais:
industriais: assim se entrou
definitivamente na fase da produção em massa
mOVImE› OS AR S ICOS

CORES PRImRIAS

FORmAS GEOm RICAS

as experiências e teorias artísticas amadurecem,


coincidindo com o período antes e pós conflito
mundial
CUBISmO
Ñ O cubismo surgiu em 1907
1907,, quando o sistema
industrial estava plenamente estabelecido na
Europa A partir do cubismo, os estilos e
Europa
influências começaram a se disseminar das
artes mais nobres para outras áreas do 
..
Sua arte é baseada nas formas geométricas
geométricas..

Ñ A indústria, a mecanização e a velocidade


passaram a ser os conceitos dominantes em
diversos movimentos e ganharam força com a
expressão geométrica do Cubismo

DADAISmO
A forma de fazer pintura com o uso de
colagens, surgida entre os cubistas, foi
plenamente apropriada pelos dadaístas.
dadaístas.

›o dadaísmo, havia espaço para a


espontaneidade, o automatismo e o
irracional.
SURREALISmO
Ñ O surrealismo foi lançado oficialmente em 1924, com
o manifesto do escritor André Breton (1896
1896--1966).
Deu lugar ao onírico, às alucinações e às livres
associações dos sonhos.

Ñ Os surrealistas encontraram na teoria freudiana do


inconsciente uma forma de manifestar ideais
democráticos libertárias.

EXPRESSIO›ISmO
mais que um estilo, o expressionismo é uma postura
assumida em diversas formas de manifestação artística
durante o século XX.
XX.

Utiliza-se da distorção das formas, da cor e do desenho


Utiliza-
para representar o sentimento do artista e seu mundo
interior..
interior

rabalhavam nessa linha, sem ligar


ligar--se a movimentos ou a
grupos
grupos
4!! %'!*% %
 !) %
4 "#$ .  . 
  ! ?* 7 ³criar
uma obra é criar um mundo´ *  ( 
(%* /+ @ 8! ,A  @%&'
B%&=  C!&A  )-  &= ' ((!& '
6!  2,!& ( !% %! D (
(

Mondrian: &!( *&


!. %  *& 4!! %
! *! )  ,%C
,%C .&= 
E  F ( *%D   ! !% /7 
) 7   */' ,!&D  (&' .! ( 
=%  &/+  =%% (%  !. %
(&C
(&C

&)(= 4C  !  *!'  */  6!!


6!!
! 
!. %   4!! %  (%  %*
  ,%
,%
 !)  6!% (
!%  ) (%  .  ,!)
(E%(' !%  )& * 
E(  
)/  (&,   % * *! 
)* %
Ñ  * 7 (G%(  .!  &/7
% !%  , (&  '  % 
=D. (  , =6! (& 
)(%  E( ) 

H& *!  
 @  aquele violento abalo, cada er enante entiu a
neceidade de uma mudança de frente intelectual.
Cada um, dentro de ua efera articular de atividade,
deejava dar ua contribuição ara u erar o deatroo
abimo aberto entre a realidade e o ideal.
O pensamento que nascia nesse momento era o de
quê através da arte, seria modificado não só o
produto industrial, mas também as relações de
trabalho e, ainda, a própria sociedade, com toda uma
estética buscando o seu caráter coletivo, além de
estender a reflexão sobre a autonomia do fazer
artístico para todo tipo de atividade humana,
diminuindo as diferenças sociais e abrindo espaço
para o novo.
4  4  B  
*; ,!!*<D7% % %
 *(* %!/  7

  &!,*(* >


Ñ !%;) ((!&*& ! >
Ñ !.% )+ (%!%)&>
Ñ (%D%.-%(%/% ?*>
Ñ  %!&= %%( (E(  !  
% % &) >
Ñ ! ((C)!%) %!&'
(!%) -(!&
ë  
  

1 # 

Ñ A  (& 1!=!  ( % ^ ^ '  *  ! 7  


 (&    (  H% (%   (& !*
  *&(  7
7 !(  ?;'  )
H& *! (% ! *% 


Ñ ! .<)
.<)  !&C/7 (&' =!%   (%
*,    %*& (!  !  % 

Ñ  1!=! 0(   ( !/73 **+ !%  !(&' 


7 * ()' 6!  F (  
( ! &   % =%   ( 
*  
,%
 ,  1!=!  %  )&!/7  (
)(    )&!/7 ! &   /7   

 -  ! (= HI.!
HI.!   )%
)% 
)( E %* &!(

Ñ Ashbee > 4%/7 &! %( *C,%>

Ñ Van de Velde > )!&C/7()&!>

Ñ Behrens > &/7 (*!/7! &>


Ñ Arts & Crafts
Crafts:: forte preconceito contra a indústria,

Ñ O movimento De Stijl, o Suprematismo e o


Construtivismo russo marcam a estética geral e a
tipografia professa dentro da Bauhaus.
Bauhaus.

Ñ Werkbund: Conceitos e enfoque Racionalista.


Werkbund: Racionalista.
Objetivos práticos de melhorar a indústria alemã.
alemã.
melhoria das condições de trabalho dos operários
na Alemanha.
Alemanha.

Ñ Percepção entre qualidade e quantidade, apresentando


melhorias semelhantes com as mudanças de mercado
ocorridas nos EUA;
EUA;
J

/7*%DC1!=! !% (&(%.
6!!' '!%(% 

A Bauhaus apresentava as seguintes propostas:

a) Aproximação das diferentes expressões artísticas, como:


pintura, dança, teatro, escultura, etc;
b) Artista e artesão trabalhando juntos;
c) Aproximação professor
professor--aluno
aluno;;
d) Eliminação do antagonismo entre o artista e a Indústria;

A intenção era Humanizar a racionalidade da tecnologia


industrial, não no sentido espiritual, e sim humanizar com
racionalidade, forma e função
O currículo da escola era organizado da
seguinte maneira:
maneira:
Ñ 1) curso preliminar (6 meses);

Ñ 2) ensino técnico (3 anos);

Ñ 3) mais dois anos para formação em arquitetura, que segundo


Gropius, era a síntese de todas as artes. O estudante também podia
optar pela formação técnica em um dos temas que estudavam .

Como a proposta é superar a distinção entre artesão e artista


e ligar o autor à realidade cotidiana, todos os alunos
recebem aulas de marcenaria, pintura, escultura, tipografia,
trabalham com vidro e outros materiais.
Aorkur
 Aorkur

K&%curo re aratrio  !%


K&%curo
(! ?,  &! 
%  %& 6!-
%(!   =1D ('
!%&% (& 6!!
*%!
A ? % &%%?  %'   0*,%
 ! 3-*(!/7'%^ ^ '
(%*
a) elementare>
Etudo do materiai elementare>

b) Estudo da natureza;

c) Etudo da configuração (deenho, intura, modelagem,


contrução), etudo da forma báica, configuração de
oição>>
u erfície, cor o e e aço, etudo da com oição

d) Desenho (estudo das projeções e desenhos de estruturas) e


construção modelar para toda e qualquer estrutura
tridimensional (objetos de uso comum, móveis, espaço,
3
edifícios3
edifícios
Primeira fase
A Bauhaus Expressionista - '  %(%)*+*+
%(%)*+*+*+,-


((% !/7República'&%=&,*; %
!!&'6!=(%  %,)%&
*&% %(D(

Ñ   *% * (=%


(=%  ?*   *6!  *%  
 *  ?* 7 %(&   )!&   ! 

Ñ % H% *
*  C     .&=     
 + ,  *!/7 % - ! &&>> .<) !%&
  (& >  !7      >   !% !*&  % 
  % 6!  %   %   %   7 !. !% 
(& * 

Ñ  L=  > 4  *% %   (!  *&%'  ! 


 ( - !% %* (.!/7 *  *(%  ) ( 
 ! 
&/7
&/7 !,% (&  *!  
  -( (&
 )!&  ? .,% %)  % (  

Ñ = (I >   (  (2%( .   (& %
^ |M 0 %  ^  3  & N > (  *% 
6!!  %%& #! 01& ^ |
6!! |^ |^
|^33 -  *% *<
 (%   (& (&>> KN& 4, >   ( 
*,       =  *! >

Ñ % ^ ||'  ,)  !, ! F 1!=! !% %*- % * 


( !/7  &E  *!/7 % (*'   (& 
.,  ,C !% , ?* /7'   ,!' *
*   *!/7   (&   *' %.-%  ( (%
 &/7 * ) !% %/ *  !(%   (&
   !% ! C7 * 6!  *!/7  1!=! ' (
*  %( ! &' !% 

Ñ % ^ ||'
||'  1!=! % !% !% ' 
  * !%
) &%
&% @  (&,
(&, !% ) A
A  E  -  
 ( *( ( )C % * F ?,E(  %
*!/7 ! &
Ñ . *& (  .&=  * ,! *&
( ) ' *! (! 5,'  (%' 
!    % * ! 7  ,!  !/7

Ñ % /7  D %   1!=! '  )&)% 


 ( &%7 ,!*  ( 6! )7 %) ( 
 (& (% !%  * /7 *&(' &)  !
(%   % %  % 6! ( % H%
0^ |M3'  1!=! . %  !  !% % %
( )

Ñ 8! &%  &  * ( )  


)(!  ( &/+ *&%     !,'
% )  ^ |'   %  1!=! % H%
Segunda Fase
Formalismo - '  %u %)*+,-
%)*+,-*+.,/

Ñ *! *!C *& ( * )% !% &!E(  -( 


&% % ( !)   (  !% /7  *!C .<
() >

Ñ %  ?%*&   -( &%  -  *, an erif, !  *


#. 1N  L  (=%'  ?* /7  1!=! ' % ^ |O>

Ñ  *   '  1!=! !  ( )C % .<)' &  


%)%  ) .<)>

Ñ  %'  1!=! * ! * !% )&!/7  -(    ^ |O' %! 


?*  % *  &% %>

Ñ ! %%.   (& C% !% * ,% 6P&   ,  


) % '   %' *%% 6!   (& ( ,!  )   
* !.!& %  (& 
Ñ N ,)  )  -('
N Bauhaus em Dessau
*(!*  *  6! +
*(!*
-((  !( 

Ñ E( &;,(   6!'


(%/%  &%  ,) 
 !' !% &%= ( )C %
*&C    6!
%!  
  C 


,  1!=! (% F * 7  *7 *5.&(  %!% 


 (& *  !' !'  *  1&%
1&% %!(* = ( ,! 
 )   1!=! )-  *%   ( ! !% ( )
*   !/7
!/7

*! .  1!=! >  /7 !(


!(&=  6! !/ #
N O Funcionalismo -  .&( (% &,
N &,% 


.  /7  N % ^ |' |' )  *! ' 6!  %
*!C  &%' * %   *!C % - (%  *
 5 
 %*% !% ) %     *(' )&C 
) (&,   ) %
erceira Fase
Racionalismo - '  %' %)*+.,
%' %)*+.,*+..

Coincide com depressão econômica que iniciou-


iniciou-se com a quebra da bolsa de
›ova York, em 1929, alarmando as economias mundiais.

Ñ N * % 7 * * + *&( ' * &! ( 
(%! %  *(&%  
 *  *&( %!(*& (%
! *   &%7 *%  (=%  1!=!  
(/7  !% ) (=  %&  B 


Ñ #!)  !% )  /7    ( 7 (  %


  )  =' %   (& *%/ . % *
%   >

Ñ Q     (& % (& (% E   *!/7 6!G(


6!G(
.  /7   )  =
=

Ñ C  06!  ()%  1!=!  @1&(=) % (!&!&A3


%%  (&   !' .,  )  =  %! 
 (& * 1&%
1&%
Ñ KD C&; =&N
=&N,N   (  %& * 
%&,% ! &' ((C  *(*
(&%  * *!

Ñ ^ O
O  6!  )  = - %  
1!=!  !& R&    (& % ^ O^'O^' % L 
&.  R IN -  %
%

Ñ % ^ O|  1!=! - (=  ! 6!) 7


  * !% )&= *;    
1&% ) %  * ' (% *!( (.!/+
1&%
;( ! *D( &) '  1!=! - (=
,/  ,) C  % ^ OO
A ELIERS DA BAUHAUS
Atelier de ecelagem

Ñ Este foi constituído genericamente


pelas alunas da Bauhaus, dada a
impossibilidade ou dificuldade de
seguimento nos outros ateliês.
ateliês.

* (D)
&!E( L!, & 

Atelier de Publicidade
Com meyer, associa
associa--se a este atelier o
departamento de fotografia e o objetivo básico
era o de aumentarem os lucros da escola
através da publicidade dos trabalhos
produzidos nos ateliês e das exposições
Atelier de metal:
O atelier de metal esteve sob a direção artística de Itten até 1922 e
produziu sobretudo artigos quotidianos com formas geométricas
básicas, apresentando um modelado orgânico com influências de
Jugendstil..
Jugendstil

Produtos realizados neste atelier:

Ñ 1923- candeeiros;
1923-
Ñ 1924-- duas versões de candeeiros;
1924
Ñ 1924-- fruteira de Albers;
1924
Ñ 1924-- bule de essência de chá;
1924
Ñ 1924-- cinzeiro em latão niquelado.
1924
Atelier de eatro
Surgiu no final de 1921 com o ensino
de Lothar Schreyer.
Schreyer. A sua ideologia
temática adaptava
adaptava--se ao espírito da 1ª
fase da Bauhaus.
Bauhaus.

Atelier de Escultura
O atelier de escultura iniciou
iniciou--se em 1925
em Dessau com o mínimo de atividades
devido à falta de equipamento.
equipamento. Foi neste
atelier que se utilizou primeiramente a
fotografia no sentido de 0
 
    0     

   12
  12
Atelier de mobiliário ou Carpintaria:
Em 1921
1921,, este atelier surge na escola, com o seu diretor à chefiá
chefiá--
lo no papel de mestre de forma; forma; acompanhado da
produtos. ›essa fase construtiva da escola
estandardização de produtos.
surgiram influências dos movimentos artísticos
contemporâneos, destacando os produtos de marcel BreuerBreuer..
O   



 %%%
 %%  L #II
L # E› H&*! (Mie Aan der Rohe) # N
(Loui Sullivan)

mES RES DA BAUHAUS



   
Ñ %.7=< *(  ' %
% 6!=% !
1!=! ' !/7%^ ^ -(=%%
^ OO'^|M&! 6! !(*(&, 
*,!|M*  0M3
%!%%-^M&! 
*'= !%%-S&! ** 
*'=

Ñ !(,  !(&%% %(%(&7


*&1!=!  *C ?,)%(&,%(%!%
%

Ñ Um dos professores   *(&C/7em


*(&C/7em tecelagem 
 *&D (Paul
(Paul Klee, *(*&%6!F
%*›o começo * 22
 %*›o 22 alunos  %
 *(&C/7E?&'% depois
depois da exposição !&
 !/7%^ |O'(% &, H&er
H&er Gropius, o
5%&! !%!*^^
%* .&=  *& &!  !& (
)!,!!!&!%)D 
.&= % ! *& C  
K
Ñ *; (=%1!=! '%^ OO' !&!E((%/ *(.
%('*(*     '(%!%?* /7%)TI%
^ O'(% *  N&,%(
Ñ  *(.* / &1!=! %%!'(&! (& 

 ,(% (& &%
Ñ 1!=! * ! %((%?%*& (& ,*'
Ñ
  -, %I,* % !,!%. & (E(*,%
) (  -(  *! '6!* ! !%(( (
%('(%(     *C6!&'
*/ .? *C/7 %& 
Ñ
1%  ,%()!%) 7!*(=((%!4%'
6!((.*?1&&(%!%(D%& ( (( ( 
*!)   ( F6!&!(&

Ñ

( &( F!4%1!=!  )%(%. 
* )&)% (& &%'6!' ,!?1&&' 
!%(!/71!=! 

Ñ -=<'  !  G. ,(1!=! (%!%%&


)/7F !%*
-
  ^
K 

K K1
 
K
#
1K
#
KB
L #HKT 
B  
K 
  
4  UU
K1
KK 
4