Dr.

Pedro Ming Azevedo

`

Condição na qual o aumento da pressão dentro de um compartimento confinado e pouco expansivo prejudica o aporte sanguíneo para as estruturas presentes dentro do mesmo.

1881: "contraturas irreversíveis dos músculos flexores da mão secundário a processo isquêmico ocorrendo no antebraço". com concomitante insuficiência arterial. Atribuiu à estase venosa massiva causada pelas ataduras. 8:801.: Die ischaemischen Muskellahmungen und Kontrakturen.` ` Richard von Volkmann. Volkmann R. Zentralbl Chir 1881. .

Sarokhan A: Subacute ischemic contracture of the forearm. 4th ed. Palm Beach. Browner: Skeletal Trauma. ~ por exercícios) 2 1. FL. Presented at the annual meeting of the American Orthopaedic Association.Bruce C. flexão em contratura progressiva com seqüelas crônicas típicas´1 Crônica (~ recorrente.` ` ` Aguda Subaguda: ³ausência de sinais e sintomas típicos. Annunziato Amendola. Chapter 13 ± Compartment Syndromes .Eaton RG. May 15. Twaddle. 2. 1984.

Capilar Isquemia Elev. Chapter 13 ± Compartme t Sy dromes Permeabilidade Capilar Edema . veias Isquemia Edema im. retor o ve oso e li f ti o Elev. PIC Compr. 4th ed. Brow er: Skeletal Trauma. A u ziato Ame dola.Comp. PIC Compr. PIC Bru e C. Arteriola Elev. Twaddle.

J Bone Joint Surg Br 1996. PIC= Pressão Intracompartimental.M. PIC 0mmHg =~ Pressão normal PIC > 30mmHg -> compressão de pequenos vasos -> início do dano tecidual PIC + 30mmHg > PAD = Emergência PIC ³nunca´ é > que PAS ou PAD nos grandes vasos que atravessam o compartimento.. PAS= Pressão arterial sistólica McQueen M.` Compartimento confinado e pouco distensível ` compartimento fascial. cicatrizes circunferentes.M. ` ` ` ` ` ` ` Aumento no conteúdo ou redução em seu volume. gesso. ataduras.: Compartment monitoring in tibial fractures. Lesão por reperfusão Obstrução drenagem venosa -> redução do gradiente arterio-venoso -> estase -> transudação. . cavidade abdominal. garrotes. Court-Brown C. PAD= Pressão Arterial Diastólica. 78:99.

posicionamento prolongado de membro (paciente anestesiado. compressões prolongadas de membros. im.). tração). Owen CA. garrote.. 3.Mubarak SJ. Traumas diretos. Care Med. Prayson MJ. Kaplan LJ .2 Lesão por arma de fogo em antebraço são particularmente propensas a SCA (~15%) 3 Entre 6-9% das fraturas expostas tibiais são complicadas por síndrome compartimental 1. queimaduras. lesões arteriais. J Bone Joint Surg Am 1978. hemorragias. Hargens AR. embolização 1. Am Surg 73 (12): 1199±209.Maerz L. Crit. injeções (iv. Dalstrom DJ. lesão por reperfusão. cirurgias. Nelles ME. 36 (4 Suppl): S212±5. 2008. infiltrações). gesso. redução do retorno venoso (ataduras. 2. Laughlin RT.` ` ` ` Entidades que causem aumento do conteúdo ou diminuição do volume de compartimento pouco distensível. fraturas.Konstantakos EK. 2007. et al. 60:1091-1095. ..

et al. 37 (2): 157±163. diálise). condições com diminuição da coagulação (hereditárias. Jacobsen DJ. osteotomias. infecções bacterianas (Streptococcus). Owen CA. cateterismo venoso. 60:1091-1095. síndromes de hiperviscosidade. iatrogênicas. Carper MJ. Magee LJ. reposição volêmica intra-óssea. J Bone Joint Surg Am 1978.2. 2-Potteiger JA. .` ` Decúbto prolongado. J Athl Train 2002. Hulver MW. 1. Uso de monohidrato de creatina 1. Hargens AR. diabetes mellitus e infarto muscular. Randall JC.Mubarak SJ.

AB "emedicine: compartment syndrome".2. http://www.com/EMERG/topic739.htm . Acessado em 04-052009. 2.` ` ` Uso repetitivo e forçado da musculatura Classicamente em ciclistas Não é considerada uma emergência.Pocketbook of Orthopaedics and Fractures: Ronald McRae .emedicine. 1. mas pode provocar dano temporário ou permanente a músculos e nervos próximos1.

.` Lesão por esmagamento: pressão duradoura sobre um membro Paralisia flácida inicial seguida de rápido edema e enrijecimento em compartimentos do membro afetado Elevação PIC secundária a dano CELULAR Fasciotomia é CONTRAINDICADA e associada a maior mortalidade e morbidade.

.` Mão Fraturas de ossos do carpo Compartimento mais comum: interósseo ` Antebraço Relativamente raro Fraturas do radio distal. infiltração não intencional de fluidos em partes moles. flexor profundo. Flexor superficial. infecção profunda (drogas iv). extensores.

lateral. posterior superficial e posterior profundo ` Pés Medial. medial (adutores). posterior profundo ` Coxa Anterior (o + afetado). lateral. . O compartimento calcaneo (inclui musculo quadratus plantae) já foi descrtio. posterior superficial. e interosseo. central.` Perna Anterior.

` Glúteo .

Piora com alongamento do grupo muscular interno ao compartimento. ³desproporcional em relação à lesão´. mal localizada. profunda. incluindo morfina. paralysis ` Pain: precoce e universal. . Não aliviada com analgésicos. parestesia. constante. Importante. pallor.4 "Ps": pain.

paralysis ` Parestesia: nervos cutâneos do compartimento afetado. . Agulhadas e formigamento. Ocasionalmente ³dormência´ de membro inteiro (irrigação pode estar comprometida no resto do membro). parestesia.4 "Ps": pain. pallor.

paralysis. ` Pallor. parestesia. Pulso RARAMENTE está ausente (PIC < PAS).4 "Ps": pain. ` Paralisia: Achado tardio. Enchimento capilar pode estar comprometido . pallor.

` Inspeção pele tensa. . ` Palpação Tensão / pressão. edemaciada e fina.

. ` ` Flexores profundos do antebraço e posterior profundo da perna são particularmente difíceis de diagnosticar. ` Alterações de limiares (toque leve) mais sensíveis e confiáveis (medida objetiva com monofilamentos de Semmes-Weinstein).` Suspeita clínica desproporcional à lesão dor à extensão do grupo muscular. Alteração na discriminação de 2 pontos achado tardio (lesões permanentes prováveis).

se possível. ligados a monitores de pressão).` ` ³transdutores de pressão modulares´ (cateteres im ou iv. . Comparar com pressão em membro são.

Monitorizarão pode ser necessária.` Pacientes Politraumatizados: TCE. IOT. drogas paralizantes dificultam diagnóstico perda de volume leva a baixa PAD: alto risco para SCA. . ` Inconsciente e fratura isolada: sugere-se mensuração dos compartimentos profundos anteriores e posteriores para fratura de tíbia e posteriores superficial e profundo para antebraço. alcool. drogas. Mensuração de todos os compartimentos e monitorização dos compartimentos de risco podem ser necessárias (geralmente antebraço e perna).

Diagnóstico Clínico . politraumati ado. McQueen and Court-Brown. sinais clínicos inconclusi os Sinais Claros Medida de press o do compartimento PIC > 30 PIC < 30 Monitori a o de press o contínua.Sd Compartimental suspeita Paciente desacordado. informa es n o confi eis. a alia es clínicas seriadas Fasciectomia p = PAD ± PIC (mmHg).

fasciectomia. Parece melhorar cura da ferida e reduzir cirurgias de repetição .` Fasciotomia Indicação: PIC > 30mmHg (ou 45mmHg ou PAD ± 30mmHg) ` Sd. SCA. escarotomia. gesso ou material restritor) Oxigênio Hiperbárico útil para esmagamentos. outras lesões isquêmicas. retirar bandagem. Compartimental Aguda Descomprimir imediatamente (fasciotomia.

acupuntura. ` Síndrome Compartimental Cronica Tratamento conservador: repouso.` Síndrome Compartimental Subaguda Apesar de não ser considerada emergência. geralmente requer tratamento cirúrgico urgente semelhante à aguda. Tratamento cirúrgico: persistência dos sintomas (pode levar à insufiência venosa crônica) . antinflamatórios não hormonais (AINH) elevação do membro.

` ` ` ` Necr e Rabdomi li e Fal cia renal Insufici ncia enosa ( aria fasciectomia) .

Related Interests