Interpretação Radiográfica

Abel Salgado Universidade Fernando Pessoa

Pag. Pag. 227 e seguintes

 .

.

Pequeno exercício« (10 segundos) .

.

OBJECTIVOS ‡ Identificar a presença ou ausência de patologia ‡ Fornecer informação sobre a natureza e extensão da doença ‡ Permitir a formação de um diagnóstico diferencial .

branco.REQUISITOS ‡ Os requisitos essencias para interpretação de radiografias maxilo-faciais são: ± Condições óptimas de visualização ± Entendar as limitações de cor das imagens (preto. cinzento) ± Conhecimento das técnicas radiológicas usadas e avaliação crítica da qualidade ± Conhecimento detalhado da anatomia radiográfica normal e suas variações .

‡ Abordagem sistemática na visualização de toda a radiografia e na visualização e descrição de lesões específicas ‡ Acesso a exames anteriores para comparação .REQUISITOS (cont) ‡ Conhecimento detalhado dos aspectos radiográficos das situações patológicas que afectam a cabeça e pescoço.

uniforme. de luz brilhante e. . com um dispositivo de variação da intensidade luminosa. de preferência.Condições de Visualização ‡ Negatoscópio liso.

amplia a imagem .Condições de Visualização ‡ Leitor SDI ± exclui a luz externa.

Condições de Visualização ‡ Ambiente calmo e escuro para a visualização .

de modo a que a luz passe só através da radiografia ‡ Usar lente de aumento para permitir melhor visualização de pequenos detalhes .Condições de Visualização ‡ A região à volta da radiografia deve ser coberta com material escuro.

.Condições de Visualização ‡ Com luz secundária e condições inadequadas de visualização a quantidade de informação obtida é reduzida.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ‡ É necessário saber o que a radiografia deve representar e quais as estruturas que devem ser mostradas. .

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ‡ Os factores que podem influenciar a Qualidade da Imagem são: ± Aparelho de RX ± Combinação de filme/ecran ± Processamento ± Paciente ± Operador e técnica radiográfica .

película.AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ‡ TÉCNICA ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± Qual a técnica utilizada? Qual o posicionamento (paciente.RX)? Esta radiografia é exemplar? Há distorção? Imagem alongada ou encurtada? Há rotação ou assimetria? Resolução ? Nitidez? Há enevoamento ? Há imagens de artefactos ? Há interferência da variação da técnica na imagem ? .

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ‡ Factores de Exposição ± Foi correctamente exposta ? ± Está sobrexposta (escura) ? ± Está subexposta (clara) ? ± Contraste? ± A variação da exposição pode interferir na área a avaliar? .

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE ‡ Processamento ± Correcto ? ± Sobre-revelada (escura ? escura) ± Sub-revelada (clara ? clara) ± Está sub-fixada (opaca ? opaca) ± A película está molhada . ou não ? .

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE Uma radiografia de má qualidade ou é um mau auxiliar de diagnóstico ou pode não ter nenhum valor. .

‡ É preciso conhecer também o tipo de radiografia que estamos a avaliar e a técnica usada (posicionamento do paciente filme e ampola de RX) .Conhecimento da Anatomia Radiológica ‡ É necessário um conhecimento profundo das estruturas anatómicas normais e um reconhecimento dos aspectos anormais das patologias que afectam os maxilares.

.Conhecimento das Patologias A interpretação radiológica depende do reconhecimento dos padrões típicos e aspectos das diferentes patologias.

ABORDAGEM SISTEMÁTICA ‡ A abordagem deve ser feita: ± Em toda a radiografia ± Nas lesões específicas .

Visão Geral da Radiografia .

TECIDOS APICAIS 5.Visão Geral da Radiografia 1.DENTES 4.CORPO E RAMO DA MANDÍBULA 7.TECIDOS PERIODONTAIS 6.observar a idade cronológica e de desenvolvimento do paciente 2.OUTRAS ESTRUTURAS .traçar o contorno de todas as imagens anatómicas normais e comparar as suas formas e densidades radiográficas. 3.

posição .estágio de desenvolvimento .número de dentes presentes .reabsorção .proporção coroa/raíz .restaurações .situação das raízes .conteúdos .comprimento .cáries .Visão Geral da Radiografia DENTES Observar: .

integridade da lâmina dura .radiotransparências ou radiopacidades associadas aos ápices .Visão Geral da Radiografia TECIDOS APICAIS .

qualquer perda óssea Vertical ou Horizontal .qualquer deposição de cálculos .espessura do LP .qualquer envolvimento da furca .Visão Geral da Radiografia TECIDOS PERIODONTAIS .nível e qualidade da crista alveolar .

Visão Geral da Radiografia TECIDOS PERIODONTAIS .

forma .espessura do bordo inferior .padrão do trabeculado .contorno .quaisquer áreas radiolúcidas ou radiopacas -forma dos côndilos .Visão Geral da Radiografia CORPO e RAMO DA MANDÍBULA .

Visão Geral da Radiografia CORPO e RAMO DA MANDÍBULA .forma .quaisquer áreas radiolúcidas ou radiopacas -forma dos côndilos .espessura do bordo inferior .padrão do trabeculado .contorno .

Visão Geral da Radiografia CORPO e RAMO DA MANDÍBULA .

densidade radiográfica b) cavidade nasal c) apófises estilóides .Visão Geral da Radiografia OUTRAS ESTRUTURAS a) Seio Maxilar 1.contorno do pavimento e paredes anterior e posterior 2.

se conhecido .Lesões Específicas ‡ Uma descrição sistemática de uma lesão deve incluir: ± ± ± ± ± ± ± Local e posição anatómica Tamanho Forma Contorno/limite ou periferia Densidade radiográfica relativa e estrutura interna Efeito em estruturas vizinhas adjacentes Tempo de duração.

Lesões Específicas .

é de grande ajuda para interpretação radiográfica. ‡ A presença. para fins comparativos.Comparação ‡ A disponibilidade de filmes anteriores. ou do grau de reparação . a extensão e as características das lesões podem ser comparadas para assegurar a velocidade do desenvolvimento e crescimento.

Comparação .

Comparação Deve ter-se o cuidado de escolher para comparação imagens executadas com técnica e densidades comparáveis .

Comparação EXAMES COMPLEMENTARES X .

Exames Complementares .

.

Comparação .