Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Jurídicas Curso de Pós-Graduação em Direito - Programa de Mestrado

Tribunais, Processos e Feiticeiras

Lucas Machado

Aspectos Históricos Origem 
Centralização da Fé (Cristianismo Religião do Estado)
o Edito da Tolerância de Milão (313 d.C) Torna o império romano Cristão 

Inquisição Medieval
o triunfo da Igreja Católica (única fé e detentora da verdade absoluta) o necessidade de combater aqueles que contestavam os seus dogmas (heresia): poderoso instrumento

Inquisição Medieval
Confoederatio cum principais ecclesiasticis (Frederico II, 1232) (Tratado com os príncipes da igreja)

Inquisição Medieval 

Bula Licet ad capiendos (1232) Papa Gregório IX (dá o início da Inquisição)
"Estais facultados, se os pecadores persistem em defender a heresia apesar das advertências, a privá-los para sempre de seus benefícios espirituais e proceder contra eles, sem apelação, solicitando se necessário a ajuda das autoridades seculares."

Transição: Idade Média - Moderna
o o o o o o a queda de Constantinopla (1453) a ascensão das monarquias nacionais europeias o início da recuperação demográfica e econômica após a Peste os Descobrimentos Marítimos o movimento de redescoberta da cultura clássica (Século XV) a Reforma Protestante (1517) 

A Inquisição ultrapassou a Idade Média, alcançando a Era Moderna, contudo, com novos contornos.

Aspectos Históricos Inquisição Moderna 
Contexto social
o o o o o o explosão demográfica más-colheitas e pragas pestes e surtos de doenças epidêmicas guerras constantes sistema capitalista mercantil e agrário oferta limitada de recursos FOME MISÉRIA

TENSÃO SOCIAL

MEDO DE REBELIÕES E DESORDEM o dimensão política da Inquisição Moderna, como instrumento de manutenção do poder (nobreza)

A Inquisição Moderna 
União dos Estados- Nacionais e da Igreja
o manutenção do status quo (instrumento) o ampliado o rol de culpáveis (qualquer oposição ao saber ou à ordem oficial) 

Tribunais Eclesiásticos e Tribunais Seculares
o coexistência de 3 jurisdições
Central (juízes do Rei) Local (cidades ou regiões) Eclesiástica

o avanço na repressão

Inquisição Espanhola 
Peculiaridades:
o tolerância durante a Idade Média (coexistência entre muçulmanos e judeus num mesmo território) o prosperidade financeira (comércio) de mouros e judeus o casamento da Princesa Isabel de Castela com o Príncipe Fernando de Aragão (1456) e unificação dos reinos Castela e Aragão o política de pacificação, com a expulsão dos mouros e judeus (1492) o Perseguição aos convertidos (cristãosnovos)

Inquisição Espanhola 
Instituída sob o pretexto de verificar a sinceridade da conversão; O que emerge de tal situação é que a inquisição nada mais era que uma arma de classes, usada para impor, (...) a ideologia de uma única classe: a aristocracia dos leigos e eclesiásticos.
(Kamen, Henry)

Bruxas e Repressão ao Feminismo 
Caça às Bruxas
o séculos XIV XVIII o influência dos dominicanos o grande expressão na Alemanha, França e Suíça 

Definição de Bruxaria (4 elementos)
o pacto feito com o diabo o casamento realizado pelo ato sexual o feitiços maléficos para prejudicar pessoas ou animais o participação no sabá das bruxas

Bruxas e Repressão ao Feminismo 
Bula Papal Summis Desiderantes Affectibus Papa Inocêncio VIII (1489)
(...) tem chegado recentemente a nossos ouvidos que, certas regiões da Alemanha setentrional, muitas pessoas de ambos os sexos, esquecendo-se de sua própria salvação e apartando-se da fé católica, têm mantido relações com os demônios, por meio de encantamentos, feitiços, conjuros e outras superstições malditas (...) .

Bruxas e Repressão ao Feminismo 

Bula Papal Summis Desiderantes Affectibus
(...) têm assassinado crianças ainda no útero da mãe, além de novilhos, e têm arruinado o produto da terra, as uvas das vinhas, os frutos das árvores, e mais ainda: têm destruído homens, mulheres, bestas de carga, rebanhos, animais de outras espécies, parreiras, pomares, prados, pastos, trigo e muitos outros cereais; estas pessoas miseráveis ainda afligem e atormentam homens e mulheres, animais de carga, rebanhos inteiros e muitos outros animais com dores terríveis e lastimáveis e com doenças atrozes, quer internas, quer externas; e impedem os homens de realizar o ato sexual e as mulheres de conceberem, de tal forma que os maridos não vêm a conhecer as esposas e as esposas não vêm a conhecer os maridos .

Bruxas e Repressão ao Feminismo 
Malleus Malleficarum (1487)
o Embasado na Bula Papal Summis Desiderantes
Affectibus

o Inquisitores (dominicanos) Jacob Sprenger e Heinch Framer o Foram 29 edições entre a publicação (1487) e 1669 (perdendo apenas para a Bíblia naquela época) o Obra mais vendida (depois da Bíblia) até 1678 o 3 partes:
Como reconhecer uma Bruxa Os malefícios Forma de inquirir e condenar uma Bruxa

Bruxas e Repressão ao Feminismo 
Perseguição às mulheres:
o Antiguidade Doadora da vida (símbolo da fertilidade) Curadoras populares, parteiras, detentoras de um saber próprio e transmitido de geração em geração (ameaça ao saber médico) o Manifestação do demônio pela sexualidade

...porque Eva nasceu de uma costela torta de Adão, portanto nenhuma mulher pode ser reta... (Malleus Malleficarum)

Aspectos Jurídicos 
Direito Canônico
o Aplicado inicialmente apenas ao Clero, teve grande influência sobre o direito laico

Aspectos Jurídicos 
Motivos dessa influência:
o ser um direito escrito e formalizado o constituir-se objeto de vários estudos doutrinais, tendo sido sistematizado antes do laico o em virtude das relações da Igreja com o Estado o a extensão da competência dos tribunais eclesiásticos tornou a caça aos hereges uma operação judicial

Aspectos Jurídicos 
Competência dos Tribunais Eclesiásticos:
Heresia Apostasia (afastam. def.) Simonia (favores Divinos) Sacrilégio (Profanação) Bruxaria Adultério Usura

Aspectos Jurídicos 
Classificação dos crimes: - Crimes contra a moral; - Crimes contra os costumes; - Crimes contra a fé; (mais grave e penas mais severas)

Processo penal 
Processo penal acusatório:
o Acusação
legitimidade exclusiva da vítima e sua família (privada) Acusação pública, feita sob juramento, com risco de responder pelo processo no caso de declarada inocência do acusado

o Investigação (Sistema de provas)
Provas inequívocas: condenação Dúvidas do Juízo: verificação pelo ordálio, pelo duelo ou por testemunhas (compurgação)

Processo penal
o Papel do Juiz:
mero arbitro imparcial, pois a verdade seria anunciada por meio da intervenção divina (ordálio);

o Deficiências:
tornava os crimes ocultos difíceis de serem julgados consistia em um risco à pessoa do acusador, que responderia um processo em caso de inocência do acusado o apelo a meios sobrenaturais dava ensejo a manipulação do sistema resistência a dor, facilidade de cura dos ferimentos e técnicas respiratórias poderia facilitar a passagem pelo ordálio homens com mais posses poderiam reunir muitas testemunhas e ser inocentado.

Um novo processo penal 
Processo penal inquisitório
o vem substituir o processo acusatório a partir do século XIV; o grande influência da Igreja (pois o identificou como método mais eficaz no combate à heresia)

o Acusação
qualquer do povo ou do Estado possuíam legitimidade para apresentar a denúncia, que não precisaria ser identificada não há mais responsabilidade do acusador no caso de absolvição meros boatos eram suficientes para a abertura do processo

Um novo processo penal
o Investigação (Sistema de provas)
Provas divididas em:
Plenas Indícios próximos
Testemunho ocular de duas pessoas Semiplenas Qualquer condenação Suplícios, mas não a pena capital Suficiente para iniciar o processo

Indícios longínquos Opinião pública e má fama

Importância da confissão, especialmente nos crimes ocultos

o Peculiaridades:
Todo o processo era escrito (testemunhos, confissões, sentenças...) Processo corria em sigilo absoluto, inclusive para o acusado Elemento chave do funcionamento do Santo Ofício O SEGREDO O morto poderia responder pelo processo (exumação do corpo)

Tortura

o Decorre da grande importância conferida à confissão o Processo Infalível (condenação de 95% dos acusados)

Tortura 
Bula Ad exstirpanda (1252) Papa Inocêncio IV (autorização da tortura de heréticos, heresia é uma razão de Estado)

Os hereges devem ser esmagados como serpentes venenosas

Tortura
A culpa pela tortura era do torturado que insistia em não confessar: - Assinava um termo em caso de ferimentos, mutilações e até mesmo a morte; Termo de Segredo em que o réu prometia segredo sobre os atos durante sua prisão, sob pena de voltar ao encarceramento;

Tortura 
Manual do Inquisidor (Directorium Inquisitorum) Nicolau Eymerich (1376) e Francisco de la Peña (1576)

Instrumentos de tortura

ESMAGA CABEÇAS

Instrumentos de tortura

RODA DE ESPEDAÇAMENTO

Instrumentos de tortura
QUEBRADOR DE JOELHOS

Instrumentos de tortura

DAMA DE FERRO

Instrumentos de tortura
BERÇO DE JUDAS

Instrumentos de tortura

PÊRA

Instrumentos de tortura
TORTURA DA ÁGUA

Instrumentos de tortura

CADEIRA

Instrumentos de tortura

CADEIRA DA BRUXA

Instrumentos de tortura

CAVALETE

Instrumentos de tortura
PÊNDULO

Instrumentos de tortura

MESA DE EVISCERAÇÃO

Instrumentos de tortura

POTRO

Instrumentos de Condenação

GAIOLA DE SUSPENSÃO

Instrumentos de Condenação

SERROTE

Instrumentos de Condenação

FOGUEIRA
"Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora à semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam (João 15, versículo 6)

Condenação 
Necessárias provas conclusivas
o Confissão era a mais conclusiva das provas 
Penas o Fogueira o Prisão perpétua o Prisão temporária o Confisco de bens o Usar o sambenito o Trabalhos nas galés de navios o Flagelação

Condenação 

Procedimento
o o o o o o Leitura pública Oportunidade para confessar e se arrepender Apelação (raríssimo) Execução Confisco dos bens a título de custas processuais Extensão da pena aos familiares

Execução
Autos de fé

- Festas populares ; - Era montado um palco na praça central; - Toda comunidade convocada; - Começavam com uma procissão seguida de uma missa;

Execução
Autos de fé
Desfile dos réus vestidos com os sambenitos (saco bendito) ou hábito; - Os reconciliados com a igreja eram obrigados usar eternamente a roupa, e depois de mortos era exibida no alto da igreja; - Após tempos a roupa era substituída por algum pano com o nome da família; - Excomungado pela igreja, pela sociedade e família, sem bens, vivia mendigando;

Execução
Autos de fé

- no lugar de réus mortos ou fugitivos eram queimados seus restos mortais ou efígies, para memória seja marcada a família; - A igreja não executava a pena da fogueira, apenas condenava e entregava o culpado para o poder secular (Estado) executar .

Revisando o Processo 
        Denúncia; Prisão e confisco dos bens; Audiência para obter a confissão da heresia; Tortura; Confissão; Condenação Sentença; Auto de fé arrependimento; Execução da pena; Extensão da pena aos familiares e as próximas gerações

Declínio 
A Inquisição foi extinta, gradualmente, ao longo do século XVIII
o O único Estado a formalizar o final da Inquisição foi Portugal, em 1821, numa sessão das Cortes Gerais 

3 grandes fatores:
o Atuação revolucionária dos magistrados franceses o Humanismo penal o Racionalismo jurídico

Declínio 
Jurisprudência revolucionária
o o o o Críticas do médico Jean Wier (1563) Decisão do Tribunal de Dijon (1570) Decisão do Parlamento de Paris (1589) Uniformidade das decisões ( 1640) - medida terapêutica

Declínio 
Humanismo Penal e Racionalismo Jurídico
o jusnaturalismo de cunho humanitário o superação dos obstáculos metafísicos e o prevalecimento da razão (busca irrestrita de racionalidade dos atos processuais) o crime é desvinculado do pecado, passando a vincular-se a noção de ilicitude o Novos direitos legados:
reserva legal taxatividade e irretroatividade personalidade, individualização e proporcionalidade das penas devido processo legal igualdade perante a lei.

Referências
GONZAGA, João Bernardino. A Inquisição em seu mundo. 6 ed. São Paulo: Saraiva, 1993. KRAMER, Heinrich; SPRENGER, James. O Martelo das Feiticeiras. 9 ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1993. EYMERICH, Nicolau. Manual dos Inquisidores. Rio de Janeiro: Roda dos Tempos, 1993. MAX, Fréderic. Prisioneiros da Inquisição. Porto Alegre: L&PM, 1991. NOVINSKY, Anita. A Inquisição. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1983. WOLKMER, Antonio Carlos (Org). Fundamentos de História do Direito. 4 ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2009. Vídeo Vigiar http://www.youtube.com/watch?v=huMArRCxmN0e Punir Foucault