You are on page 1of 40

Entendendo a Contabilidade nas Cooperativas de Crédito

Belém(PA), 26/AGO/2008

Alex Furtado Gonçalves
Contador, Profº da FACICON/UFPA

1ª Parte: Conceitos e Definições iniciais sobre o Cooperativismo e as Cooperativas de Crédito

O Cooperativismo
COOPERATIVISMO é um segmento representado por organizações de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações e necessidades econômicas, sociais e culturais comuns, por meio de uma empresa de propriedade coletiva e democraticamente gerida, denominada Cooperativa.

Valores Universais do Cooperativismo
=> Democracia => Igualdade => Equidade => Solidariedade => Honestidade => Transparência => Responsabilidade Social

cipação Indepen-Formação Voluntária e Livre tica Econômica dênciae Informção .Princípios do Cooperativismo (Lei 5.Comuni Controle. Inter. Democrá.764/71) Neutralidade Interesse pela Reunião. cooperação dade Operações Autonomia e Adesão Gestão PartiEducação.

Agropecuário 2. 8.Crédito 4.Especial 6.Ramos do Cooperativismo no Brasil 1.Consumo 3.Turismo e lazer 13.Habitacional 7.Educacional 5.Saúde 11.Mineração 9.Produção 10.Trabalho 12.Infra-estrutura Foco de nossa palestra.Transporte .

profissionais liberais. com a finalidade de prestar serviços financeiros.O que é uma Cooperativa de Crédito (CC)? É uma sociedade sem fins lucrativos.). constituída por grupos de pessoas de determinada comunidade. como funcionários de empresas. microempresários. As CC atendem diretamente aos associados como agente financeiro. produtores rurais. aplicações. oferecem-lhes produtos e serviços similares aos bancos (ex.: empréstimos. ou seja. servidores públicos. econômica e educativa aos seus cooperados. etc. . de natureza social. etc. recebimanto de contas.

Pecuárias ou Extrativas Pequenos e Micro Empresários Empresários Livre Admissão Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo Cooperativa de Crédito Rural . de Crédito Servidores Públicos Modalidades Tipos Básicos Empregados Profissionais Liberais Trab.Tipos e Modalidades de Coop. Agrícolas. Ativ.

Características das Cooperativas de Crédito Tipo Societário É uma sociedade de pessoas. Denomina-se Sobras ou Perdas. Sobras Líquidas retornam aos associados. . Integra o Sistema Financeiro Nacional (SFN). proporcionalmente às suas operações na CC. É dividido em quotas-partes. Objetivo principal Capital Resultado Retorno do Resultado Controle Democrático Prestação de serviços financeiros aos cooperados (associados). Nas Assembléias. o quorum é baseado no nº de cooperados (1 homem = 1 voto).

e 3) O Empreendedorismo. subordinação as normas do Banco Central. e não pode ser comparada com nenhum outro tipo de instituição..  São sustentadas por 3 pilares básicos e distintos: 1) O Associativismo.As Cooperativas de Crédito. 2) O Mutualismo..  Tem natureza jurídica própria. .

595/1964 Regras Criou o Banco Central do Brasil (BACEN) e definiu o atual Sistema Financeiro Nacional (SNF). . Trabalhistas. e de Outros Órgãos Procedimentos. Federais Fiscais.Lei do Cooperativismo Resolução BACEN nº 3. que não podem contrariar as Leis. Regulamentou a constituição e o funcionamento das Cooperativas Regulamenta a constituição e o funcionamento das CC Lei 5.442/2007 Outras Normas do BACEN Regulamentam as Operações.764/1971 .Principais Normativos das CC Normativos Lei 4. das CC Estatuto Social e Regimento Interno Normas internas às CC. etc. Aspectos Contábeis.

Organograma Básico de uma CC => Órgão Social e Deliberativo => Órgão Fiscalizador => Órgão de Gestão Estratégica => Órgãos de Controle => Órgão de Gestão Tática => Órgãos de Apoio => Órgãos Operacionais .

Coop.Representação Gráfica de uma CC No Sicoob: .Sicoob Brasil .Coop. Central . Central .Bancoob No Sicoob: .

2ª Parte: O Papel da Contabilidade em Cooperativas de Crédito .

e seus associados. Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Fundo destinado ao desenvolvimento da cooperativa e seus associados. são tributadas. que geram lucro e. oriundo das sobras apuradas no final do exercício social Divisão entre os cooperados do resultado positivo da Cooperativa Divisão entre os cooperados do resultado negativo da Cooperativa . e seus associados. que não geram lucro e. Rendimentos Despesas. portanto.Termos Contábeis Usados nas Cooperativas Termos Ingressos Dispêndios Sobras Perdas Atos Cooperativos Atos Não Cooperativos Demonstração de Sobras ou Perdas (DSP) Fundo Assistencial. não são tributadas. Educacional e Social (FATES) Distribuição das Sobras Rateio das Perdas Significado Receitas. Relação entre as Coop. Rendas. Custos Lucros Prejuízos Relação entre as Coop. portanto. Técnico.

obedecendo aos Princípios Fundamentais de Contabilidade.  A Contabilidade coleta. Cons. demonstrativos ou de comunicados e interpretando-os para a geração de informações aos diversos usuários (Dirigentes. etc. Governo. . sumarizando-os em forma de relatórios. econômico-financeiros e patrimoniais das CC.). à legislação vigente e às normas emanadas pelo BACEN.O Papel da Contabilidade nas CC  Contabiliza e acompanha os fatos administrativos. mensura monetariamente e registra todos os dados financeiros e econômicos das CC. Fiscal.

Principais Normativos para a Contabilidade das CC:  Lei nº 5. 3. de Crédito (CC)  É um grande instrumento que auxilia os gestores (dirigentes/gerentes) das CC no processo decisório.8 (Norma técnica expedida pelo CFC que estabelece critérios e procedimentos específicos de avaliação.442 de FEV/2007 e outras Normas expedidas pelo    CMN/BACEN. NBC T 10.  Res.764/1971 (Constituição e Funcionamento).A Contabilidade das Coop. RIS – Regimento Interno (Regulamenta as Normas Estatutárias) . registro das variações patrimoniais e de estrutura das Demonstrações Contábeis das Cooperativas). Estatuto Social (Norma Interna – respeita a Lei).

 NE: Notas Explicativas.  NE: Notas Explicativas.Demonstrações Contábeis das CC  Balancete Mensal (COS 4010)  Balancete Mensal (COS 4010)  BP: Balanço Patrimonial (COS 4016) --Semestral / /Anual  BP: Balanço Patrimonial (COS 4016) Semestral Anual Demonstrações Demonstrações Contábeis Contábeis Obrigatórias Obrigatórias  DRS/E: Demonstração do Resultado do Semestre/Exercício. com a publicação da Lei nº 11. . * A DFC substituiu a DOAR (Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos).  DFC*: Demonstração do Fluxo de Caixa.  DMPL: Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido  DMPL: Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido  DFC*: Demonstração do Fluxo de Caixa.638. de 28/12/2007.  DRS/E: Demonstração do Resultado do Semestre/Exercício.

Livros Obrigatórios nas Coop. Administração Livros Livros Sociais Sociais Livro de Atas das Reuniões do Conselho Fiscal Livro de Atas das Reuniões do Conselho Fiscal Livro de Atas das Assembléias Gerais Livro de Atas das Assembléias Gerais Livro de Presença dos Cooperados nas Assembléias Gerais Livro de Presença dos Cooperados nas Assembléias Gerais . Administração Livro de Atas das Reuniões da Diretoria/ Cons. de Crédito (CC) Livros Livros Contábeis Contábeis Livro Diário Livro Diário Livro Razão Livro Razão LALUR: Livro de Apuração do Lucro Real LALUR: Livro de Apuração do Lucro Real Livros Livros Fiscais Fiscais LACS: Livro de Apuração da Contribuição Social LACS: Livro de Apuração da Contribuição Social Livro de Registro de Empregados eeLivro de Inspeção do Trabalho Livro de Registro de Empregados Livro de Inspeção do Trabalho Livro de Matrícula dos Associados Livro de Matrícula dos Associados Livro de Atas das Reuniões da Diretoria/ Cons.

 CAGED: Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados.  RAIS: Relatório Anual de Informações Sociais.  RAIS: Relatório Anual de Informações Sociais. de Crédito (CC)  DCTF: Declaração de Débitos e Créditos de Tributos Federais  DCTF: Declaração de Débitos e Créditos de Tributos Federais  DACON: Declaração de Ajuste . .  DACON: Declaração de Ajuste Declarações Declarações Fiscais Fiscais Obrigatórias Obrigatórias  DIPJ: Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica  DIPJ: Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica  DIRF: Declaração do Imposto Retido na Fonte..Declarações Fiscais das Coop.  DIRF: Declaração do Imposto Retido na Fonte.  CAGED: Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados.

COSIF: O Plano de Contas Padrão das CC  O COSIF foi criado através da Circular do CMN/BACEN nº 1.273/1987.  O COSIF é dividido em 4 partes básicas: • Capítulo 1 .Elenco de contas • Capítulo 3 .Função das Contas .Normas básicas • Capítulo 2 .Documentos • Capítulo 4 . avaliação do desempenho e controle das instituições integrantes do SFN. análise. para unificar os diversos planos contábeis existentes à época e uniformizar os procedimentos de registro e elaboração de demonstrações financeiras  Isso facilitou o acompanhamento.

COSIF: O Plano de Contas Padrão das CC .

COSIF: O Plano de Contas Padrão das CC .

O Balanço Patrimonial de uma CC Recursos de > Liquidez: +47% Recursos Imobilizados: -46% +43% .

O Balanço Patrimonial de uma CC Recursos de Terceiros: +49% Recursos Próprios: +24% +43% .

A DRE de uma CC +12% -44% +23% +12% +47% -26% -58% .

. Área Financeira Área de Recursos Humanos. e Área de Auditoria (Interna e Externa).Campos de Atuação do Contador nas CC Área Contábil. Área Fiscal. Área de Controles Internos.

 Prestação de Contas mensal aos Dirigentes e anual aos associados.Atividades da Área Contábil nas CC  Escrituração contábil diária (debitar e creditar). na Assembléia Geral Ordinária.  Fechamento mensal do Balancete (4010) e semestral do Balanço (4016) envio dos mesmos ao BACEN.  Controle das mutações ocorridas no ativo permanente. .  Conciliação dos saldos das contas contábeis com os controles extracontábeis.

Atividades da Área Contábil nas CC  Elaboração das Demonstrações Contábeis (Balanços.). DRS/E.  Outras rotinas da área contábil.  Extração e análise de Índices de Desempenho e informação periódica aos dirigentes das CC (liquidez. Grau de Imobilização.  Emissão. . etc.  Suporte direto às atividades da Auditoria Interna e Externa. endividamento. DMPL e Notas Explicativas). atualização e guarda dos Livros Contábeis (Diário Geral e Razão). DFC.

CSLL.  Cálculo e confecção das guias para recolhimento de tributos (IRRF. ISSQN. atualização e guarda dos Livros Fiscais obrigatórios (LALUR e LACS).). COFINS.Atividades da Área Fiscal nas CC  Confecção.  Outras rotinas da área fiscal. CPMF. etc.  Colaboração com a elaboração de normas e procedimentos inerentes à área. DACON e DIPJ). PIS. . envio e guarda das Declarações Fiscais (DCTF. participando de Comitês e Comissões nas CC.  Emissão.

 Outras rotinas da área Financeira.Atividades da Área Financeira nas CC  Controle da tesouraria – contas a pagar e receber. .  Acompanhamento do fluxo financeiro de aplicações e resgates.  Análise de crédito – capacidade e da própria cooperativa.

transferências. PIS sobre Fopag) e dos descontos legais (IRRF. critérios e procedimentos para a Gestão de Recursos Humanos.) . Humanos em CC  Orientação sobre políticas.  Confecção da Folha de Pagamento mensal e das guias de recolhimento dos encargos sociais (FGTS. etc.  Processamento das admissões. pedidos de férias e demissões dos colaboradores.Atividades da Área de R.  Execução dos procedimentos formais referentes à confecção de Contratos de Trabalho e a manutenção dos registros funcionais dos colaboradores. INSS.

. envio e guarda das Declarações Fiscais da área trabalhista (CAGED.  Outras rotinas da área de Recursos Humanos. RAIS). Humanos em CC  Acompanhamento e assessoramento à Diretoria da CC em assuntos inerentes às relações trabalhistas. DIRF. atualização e guarda dos Livros Fiscais da área trabalhista (Livro de Registro de Empregados e Livro de Inspeção do Trabalho).Atividades da Área de R.  Confecção.  Registro.

=> Risco Operacional. => A credibilidade dos registros financeiros da CC.  Monitoramento e identificação de Riscos: => Risco de Crédito. => Risco de Liquidez. => Risco de Mercado. Bacen nº 2. => A conformidade com as leis e normativos aplicáveis. => A eficiência e a efetividade operacional da CC.  Principal Normativo: Res. => A confiança dos registros contábeis da CC.554/1998. com razoável certeza: => O alcance dos objetivos da CC. .Atividades da Área de Controles Internos em CC  Prática de um conjunto de instrumentos/procedimentos necessários que garanta.

 Outras rotinas da área de Auditoria. . visando atestar os procedimentos contábeis e operacionais das CC.  Confecção e entrega dos Relatórios de Auditoria Interna.  Acompanhamento da regularização das ocorrências detectadas nas inspetorias.  Emissão de Pareceres da Auditoria Externa.Atividades da Área de Auditoria em CC  Auditoria Operacional: Inspeções in loco.

.  Ajuda no processo de transparência da gestão dos dirigentes perante o Conselho Fiscal e demais cooperados.Para as Coop.  Também auxilia na transparência das operações das CC perante o SFN e a sociedade em geral.  Auxilia os gestores nas tomadas de decisões. sendo fundamental para a administração das CC. de Crédito. a Contabilidade.  É o principal mecanismo de controle das suas operações.  Permite o cumprimento das exigências do Bacen. .

.Para os Profissionais da Contabilidade.. Contábeis.  Ainda é um ramo de atuação profissional pouco conhecido e explorado por nossos profissionais. que por suas particularidades requer conhecimentos específicos. que podem desempenhar diversas atividades nas CC. e também pouco estudados em nossas Instituições de Ensino Superior (IES). as CC.  Servem como um ótimo “laboratório” para a formação prática de estudantes de C. inclusive através de estágios. .  São mais um espaço de atuação profissional.

   . Capacidade de tomar decisões importantes. Pensamento crítico. Organização. Grande senso de responsabilidade.Perfil do Contador que atua nas CC     Espírito de iniciativa (pró-atividade). Capacidade de discernimento para julgar e optar diante de alternativas. Gerência participativa.

Perfil do Contador que atua nas CC  Conduta ética associada à responsabilidade profissional e social. Preocupação em manter-se atualizado em áreas sujeita à alterações mais freqüentes. Visão de conjunto da área de conhecimento abrangido pela profissão. Domínio mais apropriado de algum campo específico da área profissional. Capacidade de administrar adequadamente o cumprimento de cronogramas de prioridades. de prazos estabelecidos e outros.     .

com MSN: alex-contador@hotmail. Ex-Contador da Central das Cooperativas de Crédito do Pará (Sicoob Central Amazônia). Colaborador da Área de Controladoria Corporativa da NORSERGEL S/A Professor da Faculdade de Ciências Contábeis – FACICON/UFPA Contatos: 91 8141-7462 / 4005-3304 / 3237-6384 contadoralex@gmail. Especialista em “Gestão de Cooperativas de Crédito na Amazônia” pelo NAEA/UFPA.Muito Obrigado por sua atenção!!! Alex Furtado Gonçalves Bacharel em Contabilidade e em Administração.com . ambos pela UFPA.