O RISCO DA MASSIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA NAS SOCIEDADES BUROCRÁTICAS MODERNAS

:
Uma advertência jurídica de Hannah Arendt

Sumário
1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9.

Motivos da escolha do tema Problema e Objetivos Metodologia Estudo do Caso Eichmann O Conceito de Massificação Administrativa O Existencialismo Jurídico no Estatuto do TPI O Existencialismo Jurídico como aperfeiçoamento do direito O remédio Existencialista Conclusão

Motivos da Escolha do Tema 
Experiência

na formação de Bacharel em Ciências Militares 

Evolução na maneira de compreender o Direito,

a Ética e a Justiça na formação do operador do direito 

Interesse de compreender o existencialismo

jurídico e suas possibilidades

Problema
De que forma o direito positivo operacionalizou a experiência do holocausto e como o existencialismo jurídico pode contribuir para evitar a massificação administrativa nas sociedades burocráticas modernas?

Metodologia ± Inventário Epistemológico
BANCO DE DADOS CONCEITO FINAL ONTOLOGIA

CONTEXTUAL

METODOLOGIA

PRAGMÁTICA

AXIOLOGIA

TEORIA

Metodologia
CASO EICHMANN TPI

O Caso Eichmann

O Caso Eichmann
O livro e Hannah Arendt

O Caso Eichmann
a) Karl Adolf Eichmann ± 1906 b) 1932, com 26 anos afilia-se ao partido c) 4 anos antes da II GM ± Secretária de Assuntos

Judeus d) A criação dos apátridas

O Caso Eichmann

-

1937 / 1941 ± coordenar tratados de embarque e transporte (OBS: as Leis de Nuremberg já existiam a 2 anos e o programa nazista a 17 anos)

³SOLUÇÕES´

EXPULSÃO CONCENTRAÇÃO EXTERMÍNIO

O Caso Eichmann

- Capturado por tropas americanas - Fuga em 1946 - Em 1950 esconde-se na Argentina

O Caso Eichmann
- 11 de maio de 1960

The image cannot be displayed. Your computer may not have enough memory to open the image, or the image may have been corrupted. Restart your computer, and then open the file again. If the red x still appears, you may have to delete the image and then insert it again.

Análise de Eichmann
a) b) c) d) e) f) g) h) i) j)

Não defendeu sua inocência Objeções legais Sem traços de ³monstro´ Defesa fraca Sua abdicação vontade O desapego Mediocridade O novo tipo de criminoso O novo tipo de crime A banalização do mal

O Caso Eichmann

O Conceito de Massificação Administrativa
A Massificação Administrativa é uma fonte para a prática de crimes contra a Pessoa Humana, onde a participação de funcionários públicos, paradoxalmente, os torna vítimas e culpados do Massacre Administrativo executado pelo Estado, operacionalizado por meio de ritos burocráticos tidos como ³legais´, que afrontam toda a diversidade e a coexistência que resiste ao poder instituído.

O Conceito de Massificação Administrativa
DEFINIÇÃO ONTOLÓGICA: A massificação administrativa é um processo negativo de alienação, constrangimento e de submissão irrefletida do indivíduo à ditadura da ordem político-legal que o transforma em objeto puro do poder.

O Conceito de Massificação Administrativa
DEFINIÇÃO administrativa metodológico, METODOLÓGICA: despersonaliza formando um o a massificação de modo anônimo, indivíduo funcionário

padronizado e supérfluo (uma mera peça de engrenagem da máquina pública), meio de manipulado esse mesmo indivíduo por institucionais que produzem a tecnologias

obediência cega, o medo e a alienação de si próprio.

O Conceito de Massificação Administrativa
DEFINIÇÃO AXIOLÓGICA: a massificação administrativa despreza a autonomia moral e a liberdade crítica do indivíduo, seja dos pares, dos estrangeiros, das minorias dissidentes e particularmente, do funcionário público que não deve questionar a validade moral dos atos do governo e da lei positivada em que ele se inscreve.

O Conceito de Massificação Administrativa
DEFINIÇÃO TEÓRICA: a massificação administrativa é uma fonte de interpretação dos crimes contra a Pessoa Humana.

O Conceito de Massificação Administrativa
DEFINIÇÃO PRAGMÁTICA: o massacre administrativo é a prática criminosa da massificação que ocorre dentro e fora da burocracia estatal, sustentada pela perda da capacidade de pensar de forma autêntica.

O Conceito de Massificação Administrativa
DEFINIÇÃO CONTEXTUAL: é na Modernidade que surge a massificação administrativa.

O Existencialismo Jurídico no Estatuto do Tribunal Penal Internacional

O Existencialismo Jurídico no Estatuto do TPI
a) O que é o TPI a) O que faz a) O que é o Estatuto a) Diferença entre TPI e a CIJ

O Existencialismo Jurídico no Estatuto do TPI
REGRAS ONTOLÓGICAS
A norma fundamental do TPI é co-existencialista, reconhecendo e afirmando a necessidade do respeito universal à pluralidade como condição para a convivência pacífica e aberta entre os povos, estabelecendo para isso um espaço público obrigatório (o próprio TPI) para a discussão dos crimes que venham a afetar a comunidade internacional. -Cidadania Universal ou Transnacional do Gênero Humano -Complementar às juridições penais nacionais -Diversidade cultural torna-se patrimônio da humanidade, não violável por nenhum direito positivo de qualquer Estado

O Existencialismo Jurídico no Estatuto do TPI
REGRAS METODOLÓGICAS
COMPOSIÇÃO BUROCRÁTICA

Presidência Seção de Instrução/Questões Preliminares Seção de Julgamento em Primeira Instância Seção de Apelações Gabinete do Promotor Secretaria

O Existencialismo Jurídico no Estatuto do TPI
REGRAS METODOLÓGICAS
METODOLOGIA DA COOPERAÇÃO Assembléia dos Estados Partes Dependência Financeira Regime de Cooperação Impossibilidade de Reservas Mecanismos de Revisão

O Existencialismo Jurídico no Estatuto do TPI
REGRAS METODOLÓGICAS
METO O O IA DO P O ESSO Inquérito e Procedimento Criminal Julgamento Penas Meios de Impugnação Execução da Pena

O Existencialismo Jurídico no Estatuto do TPI
REGRAS AXIOLÓGICAS
PRINCÍPIOS Responsabilidade penal internacional do indivíduo Complementaridade e Jurísdição universal Ne bis in idem Irrelevância da função oficial

O Existencialismo Jurídico no Estatuto do TPI
REGRAS TEÓRICAS
CRIME DE GENOCÍDIO CRIMES CONTRA A HUMANIDADE CRIMES DE GUERRA CRIME DE AGRESSÃO

O Existencialismo Jurídico no Estatuto do TPI
REGRAS PRAGMÁTICAS
COMPETÊNCIA RATIONE LOCI

COMPETÊNCIA RATIONE TEMPORIS

COMPETÊNCIA RATIONE PERSONAE

COMPETÊNCIA RATIONE MATERIAE

O Existencialismo Jurídico no Estatuto do TPI
REGRAS CONTEXTUAIS

Discussão

O Existencialismo Jurídico como aperfeiçoamento do Direito
a) Não se pode negar os benefícios da filosofia da

existência b) Não é possível unir devido:

Paulo Nader - Juiz do Direitoaposentado/RJ, Membro do InstitutoBrasileiro de Filosofiae Academia Brasileira de LetrasJurídicas, professor daUniversidade de Juiz de Fora. Autor de diversoslivrosJurídicos.

O Existencialismo Jurídico como aperfeiçoamento do Direito
Incapacidade do direito de captar o existencial da consciência individual Generalidade dos preceitos jurídicos

Subordinação dos juízes a esquemas normativos fechados

O Existencialismo Jurídico como aperfeiçoamento do Direito

Sim, é possível! Através do existencialismo jurídico!
-

Avanços além da segurança mínima (nova segurança) Fonte ontológica de regras e de interpretação Modelos jurídicos aplicáveis Prova: o TPI e Jerusalém

O Remédio Existencialista contra a Massificação Administrativa

TEÓRICO

PRÁTICO

LINK METODOLÓGICO

O Remédio Existencialista contra a Massificação Administrativa
PRIMEIRO PARÂMETRO - TEÓRICO
Raízes em Heidegger. Trata-se, especificamente, dos conceitos de vida autêntica e inautêntica. Para Heidegger, vida autêntica é a vida interior, quando o homem estabelece o seu próprio modo de ser. Daí que o homem é o único e soberano senhor de seu destino, conforme já salientou Jean Paul Sartre. Cada ser humano possui as suas peculiaridades, seu modo de ser, sua existência própria. Em lugar de submeter os indivíduos a uma camisa-de-força, mediante padrões uniformes, especificamente o Direito deveria abrir espaço para as preferências e personalizar os métodos jurídicos.

O Remédio Existencialista contra a Massificação Administrativa
SEGUNDO PARÂMETRO - PRÁTICO
Tem como base a filosofia existencialista de Karl Jaspers, especialmente no que se refere à idéia de situação limite. Hannah Arendt entende que na situação limite a desobediência civil é legítima e pode ser bem sucedida na resistência à opressão. Para Hannah Arendt, a desobediência civil é uma forma extrema de dissentimento, que ao exprimir-se por meio da associação, fala a linguagem da persuasão, resgata a faculdade de agir, gera poder pela ação conjunta de muitos e se coloca na esfera do interesse público (LAFER, 2003, p. 119).

O Remédio Existencialista contra a Massificação Administrativa
TERCEIRO PARÂMETRO - LINK
Ligando a teoria com a prática, o remédio epistemológico inclui, ainda, um terceiro componente, um link de natureza metodológica, inspirado em Kant, especificamente tratando da importância da liberdade humana. No âmbito do Direito, Kant situou a liberdade como valor máximo a ser alcançado: ³O Direito é o conjunto de condições segundo as quais o arbítrio de cada um pode coexistir com o arbítrio dos demais, de harmonia com uma lei universal de liberdade´. Ele distinguiu a Moral do Direito, entendendo que a primeira se ocuparia com o motivo da ação, que deveria identificarse com o amor ao bem, enquanto que para o segundo, o relevante seria o plano exterior das ações (NADER, 2005, p. 145).

O Remédio Existencialista contra a Massificação Administrativa
Não foi, portanto, a crueldade ou o fanatismo que definiram o mal praticado por Eichmann, mas foram a rotinização e a indisponibilidade para mudar a sua conjuntura que existia entorno de si. Perante o Tribunal, Eichmann era não somente um criminoso, mas também, paradoxalmente, vítima do mal banalizado pelo sistema jurídico de sua época. Sem motivação pessoal, sem intencionalidade e de certa forma bitolado ou alienado ao esquema da divisão criminal do trabalho administrativo em andamento, Eichmann surge como um novo tipo de criminoso.

Conclusão

CONCLUSÃO
Por fim, concluímos que a sociedade internacional tem buscado instrumentos para criar um sistema de monitoramento constante da observância dos direitos humanos, defendendo o ideal de uma coexistência pacífica e pluralista no mundo em processo de globalização, buscando, juridicamente, acabar com a impunidade, confirmando, nesse sentido, uma premissa geral que o existencialismo jurídico a muito defendia: a indissociabilidade entre a Justiça e a Verdade dos fatos.

Indissociabilidade entre a Justiça e a Verdade dos fatos!

Indissociabilidade entre a Justiça e a Verdade dos fatos!

Indissociabilidade entre a Justiça e a Verdade dos fatos!

Indissociabilidade entre a Justiça e a Verdade dos fatos!

Indissociabilidade entre a Justiça e a Verdade dos fatos!

Indissociabilidade entre a Justiça e a Verdade dos fatos!

Indissociabilidade entre a Justiça e a Verdade dos fatos!

Indissociabilidade entre a Justiça e a Verdade dos fatos!

Indissociabilidade entre a Justiça e a Verdade dos fatos!

Indissociabilidade entre a Justiça e a Verdade dos fatos!