ARRANJO FÍSICO - LAYOUT

y Arranjo Físico é definido como a disposição

de máquinas, equipamentos e serviços de suporte em uma determinada área com o objetivo de minimizar o volume de transporte de materiais no fluxo produtivo de uma fábrica. fábrica.

T

1

ARRANJO FÍSICO - LAYOUT

y Preocupa-se com a localização física dos Preocuparecursos de transformação (decidir onde colocar máquinas, equipamentos e pessoal); pessoal); y O AF determina: determina: 1. Forma e aparência dos locais de trabalho; trabalho; 2. Como os processos irão fluir. fluir. y Mudanças no AF implicam em alterações no fluxo e na produtividade, afetam custos e eficácia na produção. produção.
T 2

ARRANJO FÍSICO - LAYOUT

O AF é importante para: y Determinar e facilitar a disposição dos centros de atividades em uma unidade; y Facilitar o fluxo de materiais e informações; y Aumentar a eficiência de mão-de-obra e equipamentos; y Reduzir riscos com acidentes; y Melhorar o acesso de clientes.
T 3

Custos. y Alterações podem levar à insatisfação do cliente ou perdas na produção. 2. materiais. confusos. y Um MAU AF gera: gera: 1.LAYOUT y Difícil de ser realizado e de longa duração em função dos recursos e das dimensões. 4. produção. T 4 . Filas (gargalos). (gargalos). Estocagem desnecessária de materiais. 3.ARRANJO FÍSICO . Fluxos longos e confusos. dimensões. Custos.

setups). Um BOM AF gera: gera: Segurança. Segurança. coordenação. 3. acesso. sinalização(informação). Boa sinalização(informação). espaço. 7. 2.LAYOUT y 1. 4. Facilidade de acesso. distâncias. 6. Conforto para trabalhadores.ARRANJO FÍSICO . Facilidade de coordenação. caso necessário T 5 . Mudanças de operações (diminuição de setups). 5. 8. Otimização do espaço. Minimiza distâncias. trabalhadores.

segurança. características de manuseio e segurança. peso e dimensões unitárias. T 6 . um dos princípios básicos. consiste em: em:  Avaliar previamente a área de armazenagem antes de aceitar a contratação de um determinado lote.Layout de Armazém y RODRIGUES (2007) 2007) afirma que o planejamento da armazenagem. verificando condições técnicas e físicas. observando natureza.

Layout de Armazém y A gestão de estoques abrange atividades que se estendem desde a programação e planejamento das necessidades de materiais até o controle das quantidades adquiridas. com a intenção de medir a sua localização. utilização e armazenagem desses estoques de modo a responder aos clientes em relação a preços. 7 T . movimentação. quantidades e prazos. prazos.

T 8 .Layout de Armazém y O layout de armazém é a forma como as áreas de armazenagem de um armazém estão organizadas. y O objetivo é minimizar a distância total percorrida com uma movimentação eficiente entre os materiais. equipamentos e espaço. de forma a utilizar todo o espaço existente da melhor forma possível. com a maior flexibilidade possível e com custos de armazenagem reduzidos. verificando a coordenação entre os vários operadores.

e y Qual o método de movimentação dentro do armazém.Layout de Armazém  A escolha do layout de armazém dependerá da análise dos seguintes fatores: y Qual a área de armazenagem. T 9 . y Qual o volume de expedição/recepção. y Qual o estoque máximo e médio. y Qual a política de reposição de estoque.

 Quantidades/volumes(quanto de cada material será armazenado?).  Serviços de suporte(como será a estocagem?).Layout de Armazém DEFINIÇÃO DO LAYOUT (Perguntas chaves):  Produtos/materiais(o que será armazenado?). 10 .  Roteiros/processos(onde serão estocados?).  Tempo(por quanto tempo serão armazenados os T materiais?).

T 11 .Layout de Armazém ARRANJO DO ESPAÇO FÍSICO Baixa rotação de Estoque: pontos de armazenagem Estoque: largos e de grande profundidade e o empilhamento tão alto quanto permitir. Os corredores podem ser estreitos. Alta rotação de Estoques os itens devem ser postos Estoques: em locais ou divisões de armazenagem de baixa altura e pouco profundos. Rotatividades Diferentes Deve-se fazer um Diferentes: mapeamento de quantidade de volume e um arranjo físico proporcional.

T 12 . no entanto. aqueles que apresentam um coeficiente de recepção/expedição elevado devem estar localizados próximos do ponto de entrada.Layout de Armazém O LAYOUT de armazém deve obedecer aos princípios do armazenamento:  Popularidade Os materiais mais populares podem estar distribuídos dentro do armazém de diferentes formas.

se isso não acontecer. pequenos materiais podem ser armazenados em espaços que foram desenhados para armazenar T grandes materiais. 13 .  Tamanho O espaço de um armazém deve ser organizado tendo em conta a popularidade e o tamanho dos materiais pois. havendo desperdício de espaço.Layout de Armazém  Semelhança Os materiais que são recebidos e expedidos ao mesmo tempo devem ser armazenados juntos.

Layout de Armazém y Utilização do espaço O desenvolvimento do layout deve levar em conta alguns fatores como: a conservação do espaço. T 14 . as limitações do espaço e a sua acessibilidade.

rebocadores. empilhadeiras.Layout de Armazém Entenda a relação direta entre o Layout e o sistema de movimentação de materiais:  Utilizando um sistema de movimentação baseado em veículos industriais. 15 . etc.. temos que considerar no layout um adequado dimensionamento de corredores a fim de que os mesmos atendam à circulação do equipamento e da carga a ser T movimentada. tais como carrinhos industriais.

16 .Layout de Armazém Entenda a relação direta entre o Layout e o sistema de movimentação de materiais:  A utilização de transportadores contínuos na movimentação de materiais possui uma concepção diferente dos corredores de circulação. pois os mesmos serão necessários para atender basicamente ao fluxo de pessoas. sendo que o fluxo de materiais estará restrito aos T transportadores.

y tamanho dos contenedores. y tamanho da carga a ser movimentada. 17 .Layout de Armazém Entenda a relação direta entre o Layout e o sistema de movimentação de materiais:  Dessa forma. y largura de carrinhos industriais. T y dimensões dos transportadores contínuos. y raio de giro de uma empilhadeira. as variáveis dos sistemas de movimentação de materiais que afetam o layout são: y área de acesso de uma ponte rolante.

20 m de comprimento por 1.Layout de Armazém Tipo de empilhadeira Contrabalanceada Patola (operador em pé) Patola (operador sentado) Lar ura de corredores* 2.20 m 2.90 m 1. capacidade de 1. 18 .000 a 1.50 m 2.10 a 3.40 m 2.00 a 1.10 a 3.20 m T * Nota: Considera-se movimentaç o de paletes de 1.00 m 2.60 a 3.00 m 1.500 kg e diferentes modelos de empilhadeiras disponíveis no mercado.00 a 2.70 m 2.00 ti o Lar ra Mastro Retrátil Pantográfica Trilateral Selecionadora de pedidos Manual (traç o manual) de empilhadeira utili ada: 2.00 m de largura.60 a 1.00 a 2.70 m Lateral / Qadridirecional média de corredores em funç o do a 2.40 a 2.

a otimização dos sistemas de movimentação de materiais deve-se à escolha correta do layout.  A simples troca de posição de endereços dos itens/produtos exemplifica uma ação econômica que afeta a movimentação.Layout de Armazém Entenda a relação direta entre o Layout e o sistema de movimentação de materiais:  Por outro lado. ou seja. reduz as distâncias a T serem percorridas pelos fluxos de materiais. 19 .

menor o tempo gasto pelo equipamento de movimentação. T 20 . tais como: paletes/dia. Quanto menor a distância a ser percorrida.Layout de Armazém Entenda a relação direta entre o Layout e o sistema de movimentação de materiais:  Há duas variáveis que se destacam no layout que afetam os sistemas de movimentação de materiais: y Intensidade de fluxo quantifica o fluxo de materiais em termos de movimentação por unidade de tempo. viagens de empilhadeiras/hora. y Distância quanto um determinado equipamento de movimentação deve percorrer no fluxo.

Exemplos: y Usuários aguardando ligação telefônica. gerando gargalos no atendimento. etc. T 21 . cantina. y Caminhões aguardando a pesagem. elevador. y Supermercado. banco.Teoria das Filas A fila de espera é um fenômeno comum que ocorre sempre que a demanda atual por um serviço excede a capacidade atual de fornecer aquele serviço.

que podem ser encontradas na literatura de probabilidade. correios. comunicações). pessoas. programas em computadores). Entre elas destacam-se: y Fluxo de tráfego (aviões. y Escalonamento (pacientes em hospitais. lanchonetes). y Prestação de serviços (bancos. carros.Teoria das Filas Existem diversas aplicações da teoria das filas. T 22 . pesquisa operacional e engenharia industrial.

e também pode mudar de uma fila para outra em sistemas com servidores paralelos. ele pode esperar na fila mas depois de um tempo desistir e sair do sistema.Teoria das Filas A reação do cliente na fila pode variar. Ele pode esperar independentemente do tamanho da fila. T 23 . também pode decidir não entrar no sistema caso a fila esteja muito grande (cliente decepcionado).

9.Teoria das Filas A dinâmica da fila pode ser verificada conforme exemplo abaixo: y os clientes número 6. 7. 11 e 12 tiveram que esperar em fila da seguinte forma: Cliente: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Tempo em Fila: 0 0 0 0 0 3 4 0 3 1 3 2 y Tempo médio na fila = (3+4+3+1+3+2)/12 = 1.33 minutos y Tempo mínimo de espera na fila = 0 y Tempo máximo de espera na fila = 4 minutos T 24 . 10.

Objetivo do Estudo de Filas: y Fornecer Teoria das Filas subsídios à decisão de quanto de capacidade de um determinado recurso deve ser colocado à disposição a fim de que um determinado nível de atendimento possa ser alcançado. y A decisão será norteada pelo equacionamento entre o custo do serviço e o custo associado à T espera por este serviço. 25 .

T 26 . um conjunto de atendentes e uma ordem pela qual os usuários chegam e são atendidos.Teoria das Filas Características das Filas de Espera: Um sistema de filas consiste de um conjunto de usuários.

y Servidor. T 27 . y Número de servidores. y Capacidade do sistema. y Processo de chegada. y Disciplina de atendimento.Teoria das Filas Elementos das Filas de Espera: y Cliente. y Processo de atendimento.

)... Variáveis: ritmo de chegada (clientes por minuto.Teoria das Filas Elementos das Filas de Espera: y Processo de chegada É usualmente especificado pelo tempo entre chegadas de usuários ao estabelecimento de prestação de serviços.). intervalo entre chegadas (minuto. T 28 ...

ou seja. o padrão de chegada muda com o tempo. a chegada T de clientes diminui no horário de almoço. a distribuição de probabilidade que descreve as chegadas é independente do tempo. nesse caso o padrão não muda no tempo. isto é. 29 .Teoria das Filas Elementos das Filas de Espera: y Processo de chegada O processo de chegada de clientes em função do tempo pode ser estacionário. Também pode ser não-estacionário. Por exemplo.

o tempo requerido por um atendente para atender um usuário.Teoria das Filas Elementos das Filas de Espera: y Processo de atendimento É usualmente especificado pelo tempo de serviço. ou seja. T 30 . duração do serviço/atendimento. Variáveis: ritmo de atendimento (clientes por minuto).

maior o descongestionamento atendimento. do sistema de T 31 .Teoria das Filas Elementos das Filas de Espera: y Número de servidores Quanto maior o número de atendentes.

tanto aqueles que estão na fila como aqueles que estão em atendimento. ou seja. T 32 .Teoria das Filas Elementos das Filas de Espera: y Capacidade do sistema É o número máximo de usuários que estão no sistema.

Por exemplo: .Teoria das Filas Elementos das Filas de Espera: y Disciplina de atendimento É a ordem pela qual os usuários são atendidos. .ou outra ordem de prioridade pré-estabelecida.aleatório. . primeiro a sair (LIFO). primeiro a sair (FIFO).último a entrar. Isto pode ocorrer segundo regras de prioridade pré-estabelecidas.primeiro a entrar. . T 33 .