TOXICOLOGIA FORENSE

O que é Prática Forense? Forense?
‡ Prática forense é a aplicação de técnicas científicas dentro de um processo legal. ‡ Essas práticas envolvem pesquisadores altamente especializados ± ou criminalistas ± que localizam e interpretam vestígios.

Toxicologia forense ‡ A toxicologia forense. ‡ Aplica-se em situações com questões judiciais subjacentes onde é importante reconhecer. identificar e quantificar o risco da exposição humana a agentes tóxicos. está inserida na toxicologia analítica. almeja detectar e quantificar substâncias tóxicas. .

Fisiologia. Genética e Patologia. . Química.‡ É multidisciplinar. entre outras. Bioquímica. pois engloba conhecimentos de Farmacologia.

pós-graduação. Desenvolvimento de métodos analíticos aplicados à toxicologia. . Ensino .TOXICOLOGIA FORENSE E SAÚDE PÚBLICA: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES COMO FERRAMENTA PARA A VIGILÂNCIA DE AGRAVOS DECORRENTES DA UTILIZAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS SERGIO RABELLO ALVES Fundação Oswaldo Cruz .RJ Departamento Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana Atividades Coordenador de Ensino e Pesquisa.

tais como aspectos da investigação a nível da atividade laboral ou do ambiente. ‡ Atualmente o campo de ação desta ciência é mais vasto. LEGAIS E HISTÓRICOS ‡ Até ao século XX. .ASPECTOS CONCEITUAIS. a toxicologia forense limitava-se a estabelecer a origem tóxica de um determinado crime. estendendose desde as perícias no vivo e no cadáver até circunstâncias de saúde pública. o ´toxicologistaµ atuava diretamente no cadáver com a mera intenção da pesquisa e identificação do tóxico.

de 22/01) e com o regime legal da fiscalização do uso de substâncias psicoativas nos utilizadores da via pública .‡ No caso das pessoas vivas estes exames têm sobretudo a ver com perícias toxicológicas para rastreio e confirmação de drogas de abuso no âmbito dos exames periciais ou médicos para caracterização do estado de toxicodependência (Decreto-Lei nº 15/93.

e diagnosticar/quantificar qualquer eventual fenômeno de subnotificação.OBJETIVOS ‡ O objetivo geral desta Tese foi desenvolver um Sistema de Informações toxicológicas forense no âmbito do Estado do Rio de Janeiro. . avaliar o perfil epidemiológico (estudo descritivo) das exposições/intoxicações envolvendo a utilização de substâncias químicas.

PERÍCIA ‡ Em toxicologia forense executam-se perícias toxicológicas que implicam investigação toxicológica humana no vivo ou no cadáver. com o objetivo do esclarecimento de questões de âmbito judicial supostamente relacionadas com intoxicações. baseada em procedimentos de garantia de qualidade e de cadeia de custódia. .

O PASSO A PASSO DE UM LABORATÓRIO TOXICOLÓGICO FORENSE .

). tais como órgãos colhidos na autópsia.A AMOSTRA ‡ Existe uma grande variedade de amostras que podem ser analisadas em toxicologia forense. procede-se à seleção e colheita da amostra ou das amostras mais adequadas. . vegetais. ‡ Conforme a especificidade do caso e o tipo de análise pretendida. fluídos biológicos obtidos do cadáver ou do vivo. etc. e produtos orgânicos e inorgânicos suspeitos (líquidos. sólidos.

CONTAMINANTES DAS AMOSTRAS ‡ A amostras não pode ser adicionado qualquer preservante ou conservante. na conservação das amostras deve ser eliminado todo e qualquer fator de contaminação. humidade e calor . ‡ Assim. passos fundamentais à preservação da prova e correta realização da perícia. devendo o seu acondicionamento e remessa obedecer a critérios de garantia da cadeia de custódia.fontes prováveis de reações de oxidação ou hidrólise que podem acelerar a decomposição dos produtos. nomeadamente para o seu acondicionamento deve-se atender às condições de luz. .

‡ O fato de existirem um elevado número de substâncias tóxicas constitui uma limitação importante na realização destas perícias. clínico. segundo a casuística da respectiva área de atividade. estão implicados na maior parte dos casos. ‡ Para a seleção dos tóxicos a pesquisar é fundamental a informação sobre o evento (policial. uma vez que cada caso tem as suas próprias particularidades. pelo que a maior parte dos laboratórios dirigem a sua investigação na procura daqueles que. . familiar) e a descrição dos achados da autópsia.‡ O exame toxicológico deve ser capaz de detectar qualquer substância química exógena (xenobiótico) presente no material objeto da perícia.

± confirmação.METODOLOGIA ‡ As metodologias de investigação passam por uma série de fases: ± rastreio. ± quantificação ± interpretação. .

VARIEDADE DE TÉCNICAS ‡ As técnicas de análise toxicológica variam desde os clássicos métodos não instrumentais.AAS ± Cromatográficas ‡ cromatografia gasosa ² GC e cromatografia líquida . .HPLC ± Imunoquímicas ‡ Elisa. imunoensaios com fluorescência polarizada ² FPIA ± Radioimunoensaio ‡ RIA ± Espectrometria de massas ‡ MS. de infra-vermelhos . tais como reações volumétricas ou colorimétricas. como as técnicas espectrofotométricas: ± Espectofotometria de absorção molecular ‡ UV-Vis. até outros mais sofisticados para os quais se recorre a tecnologia apropriada. simples ou acoplada.IR ou de absorção atómica .

± estado das amostras analisadas. ± e outros que possam ser considerados relevantes para elaboração de conclusões. . ± especialista responsável pela execução das análises. os seguintes dados: ± identificação do processo e da entidade requisitante. ± níveis de detecção e de quantificação. ± método analítico utilizado e referências à técnica de isolamento utilizada. para além de uma eventual interpretação dos resultados. ± datas de recepção de amostras e de conclusão dos exames. ± amostras analisadas.RESULTADO ‡ O resultado destas perícias apresenta-se na forma de relatório onde devem constar.

morte há muito tempo (cadáver inumado) .morte recente (cadáver não inumado) ± autópsia tardia .A AUTÓPSIA EM CASOS DE SUSPEITA DE INTOXICAÇÃO ‡ A autópsia em casos de suspeita de intoxicação pode ocorrer em dois tipos de situações distintas: ± autópsia imediata .

garantir ou até contribuir para o sucesso analítico de uma determinada pesquisa. apesar das dificuldades de conservação e transporte que se possam colocar. por limite a qualidade ou quantidade das amostras de que se dispõe. muitas vezes. é seja preferível o envio de amostras em excesso.TIPOS DE AMOSTRAS ‡ Uma análise toxicológica tem. . duplicar. com a vantagem de poder diversificar as pesquisas.

± fígado ± rim. ± humor vítreo. ± líquido sinovial. ± conteúdo estomacal. ± medula óssea ± saliva ± sangue periférico. ± pulmão ± ar do pulmão ± conteúdo intestinal ± ossos.± urina. ± tecido adiposo ± fezes ± livores ± vestuário . ± líquido cefalorraquidiano. ± encéfalo. ± local de picada de injetáveis ± cabelos. ± bile.

presença de braseira ou qualquer outra fonte produtora de monóxido de carbono . quem procede ao exame do local deve ter especial atenção à existência de: . etc.presença de outros elementos indiciadores de morte por intoxicação .EXAME DO LOCAL EM CASOS DE SUSPEITA DE MORTE POR INTOXICAÇÃO ‡ Nos casos de suspeita de morte por intoxicação. mangueira ligada ao cano de escape) .existência de dispositivos para recolher gases de combustão de motores (ex.) . outros produtos químicos) .torneira do gás aberta / fechada .guimba .cheiro ou odores no local (intoxicação por gases. roupa suja de vômito) . fumos.exaustão dos gases de combustão .janelas e portas abertas / fechadas .embalagens de medicamentos .restos de vômito .na vítima (corpo.no local onde foi encontrada .frascos ou contentores de tóxicos (pesticidas.seringas/agulhas.tampas de garrafas . algodão .

tentativas de suicídio anteriores ‡ . informação sobre: ‡ .ideação suicida ‡ . Deve haver.carta ou bilhete de despedida .fármacos habituais? quais? quantidades? desde quando? ‡ .método? quando? quantas vezes? ‡ .antecedentes patológicos (doença psiquiátrica) ‡ .INFORMAÇÃO EM CASOS DE SUSPEITA DE MORTE POR INTOXICAÇÃO ‡ O perito médico antes de iniciar uma autópsia com suspeita de intoxicação deve dispor de toda a informação social colhida junto de familiares e/ou amigos ou vizinhos da vítima.consumo de drogas? tipo? vias? desde quando? ‡ . sempre que possível.

± exames toxicológicos baseados em opiniões . identificação e doseamento de substâncias tóxicas. distinguem-se: ± exames toxicológicos baseados em achados ² consideram dados obtidos no isolamento. a interpretação dada a cada caso e a emissão de pareceres periciais. tendo como base. achados concretos ou opiniões. fundamentados. ‡ Deste modo. Neste passo. de acordo com a informação que é recolhida. . mais ou menos. inserem-se também resultados de confirmação da ausência de outras substâncias químicas potencialmente relacionadas com a intoxicação e os procedimentos usados e respectiva qualidade.PASSOS FUNDAMENTAIS DO EXAME TOXICOLÓGICO ‡ O contributo de um exame toxicológico pode dar-se a dois níveis principais.podem ser.

.

.

RESULTADOS DA TESE .

.

este contexto também é refletido nos demais segmentos da sociedade por sua relação comprovada com os agravos sociais. ‡ Além disso. violência domiciliar e crescimento da criminalidade. verificada nas últimas décadas. tais como: acidentes de trânsito e de trabalho. . ganhou proporções tão graves que hoje é um desafio da saúde pública no país.CONSIDERAÇÕES FINAIS ‡ A magnitude do problema do uso indevido de substâncias químicas.