Scrum

Gestão ágil de projetos
gor Macaúbas
e
Marcos Pereira
MeLas para o LrelnamenLo
W Lxpllcar o que e Scrum
W Þor que Scrum
W MosLrar que Scrum não e uma bala
de praLa
W novo olhar sobre gesLão de pro[eLos
MeLas para o semlnárlo
Ie[a Cuça lale
# malorla das nossas suposlções sobre
negóclosţ Lecnologla e organlzações Lôm pelo
menos 30 anosŦ Llas Lem sobrevlvldo ao
seu LempoŦ Como resulLadoţ esLamos
pregandoţ enslnandoţ e praLlcando pollLlcas
que esLão cada vez mals desallnhadas com
a realldadeţ e são conLra produLlvasŦ"
letet utocket (1909Ŵ2005)
31Z são canceIados
53Z custam o dobrodo
estImado
Apenas 16Zsão compIetados no
prazo e custo estImados
* dados do CHAOS report
Mas por que?
aIta de envoIvImento do usuarIo
RequIsItos e especIIIcaçöes
IncompIetas
aIta de suporte da dIreção
aIta de Pessoas e Recursos
aIhar e uma maneIra muIto
Iorte de aprendIzado, mas
e precIso parar de
apontar cuIpados
ogar a cuIpa dos probIemas nas
pessoas envoIvIdas e maIs do
que contra produtIvo, e deIxar
uma sItuação ruIm pIor aInda."
Mnry Fo¡¡end¡eck
Manifesto Ágil
ndIvIduos e Interação
entre eIes maIs que processos
e Ierramentas
SoItware uncIonando
maIs que documentação
abrangente
CoIaboração maIs que
negocIação de contratos
Responder as
mudanças maIs que
seguIr um pIano
hLLpť//www.agIIemanIIesto.org
lá, Scrum!
Scrum e um processo
IteratIvo e
IncrementaI para
desenvoIvImento de
produtos.
O objetIvo e entregar o
maxImo de vaIor de
negócIo* possIveI no
menor tempo
* Ioco no kCI Ŷ ketorno de |nvest|mento
Scrum e tambem um meIo
de evIdencIar os
probIemas
as Scrum não e baIa
de prata*
& não maLa vamplros Ǝ aflns
& Lxlge Lrabalho duro e compromeLlmenLo
P D C A
PIan, Do, Check, Act
PIanejamento
xecução
Checagem
#etrospectiva e
melhoria contínua
O processo não e avaIIado
enquanto esta rodando
CIcIo Scrum
%Ipos de
Processos
A I¡¡¡co ndoInr n nbordngem de modeIngem
dej¡n¡dn qunndo os mecnn¡smos sub]ncenIes
¡eIos qun¡s um ¡rocesso o¡ern sño
rnzonveImenIe bem enIend¡dos. Çunndo o
¡rocesso é mu¡Io com¡Iexo ¡nrn ser
dej¡n¡do, n nbordngem em¡¡r¡cn é n
escoIhn n¡ro¡r¡ndn." (OgunnaIke and
Ray, OxIord UnIversIty Press)
Processo deIInIdo
vs
Processo empIrIco
DesenvoIvImento de soItware
não eum processo que
gera as mesmas saIdas para as
mesmas entradas
Processos empIrIcos
CompIexos,
caótIcos ou seus detaIhes
aInda não são conhecIdos
AtIvIdades podem ser cIcIIcas
e tem duração com
muItas varIaçöes
A dIIIcII estImar
tempos de execução
Ixar a maIor quantIdade
possIveI de parâmetros
Parâmetros de contexto
%empo, sIorço, %Ime
Parâmetros de entrada
8ackIog, PrIorIdades, stImatIvas
Parâmetros de saIda
ObjetIvos, CrIterIos de avaIIação
xatamente o
que Scrum Iaz!
@lmeboxlng!
CIcIo Scrum
°teť bttpť//wwwŦmo°tol°–ots€twoteŦcm/sctom
PapeIs e
ResponsabIIIdades
°teť bttpť//wwwŦlmpleme°tl°–sctomŦcm
Scrum tem poucos
papeIs (não são cargos!):
Product Owner, %eam, Scrum aster
Scrum aster*
&Mãeţ quando eu crescerţ quero ser Scrum MasLerŦ
%rabaIhar com o Product Owner
CuIdar do tIme
anter o processo IuncIonando
DIssemInar o Scrum
CarantIr comunIcação
Product Owner*
&Me dáţ me dáţ me dáţ me dá!
CrIar e compartIIhar uma
vIsão do projeto
%omar decIsöes
contInuamente sobre
os Itens do product backIog
screver e prIorIzar
Itens de backIog
'aIIdar soItware no
IInaI de cada SprInt
stabeIecer e
manter o pIano de entregas
%omar decIsöes
pensando no RO do
projeto
responsaveI peIo Iucro
%Ime*
&@udo eu! @udo eu!
ResponsabIIIdades:
W stImar Itens do backIog
W Se comprometer a entregar um Incremento
IuncIonaI de soItware
W CerencIar o próprIo progresso
W Auto organIzados para entregar o que
o PO quer
%Imes Scrum
Como são compostos:
W Cross IunctIonaI, sem papeIs
W uItIdIscIpIInares
W Auto sustentaveIs
W %odos os skIIIs e habIIIdades necessarIas para
desenvoIver o produto
W 7pessoas (maIs ou menos 2)
CerImônIas de Scrum:
W SprInt PIannIng 1
W SprInt PIannIng 2
W DaIIy Scrum
W SprInt RevIew
WSprInt RetrospectIve
%odas com tImebox
ReunIão de stImatIva:
W Preparação para o SprInt PIannIng
W stImar baseado no tamanho,
nunca em tempo
W AtuaIIzar Product 8ackIog com as
estImatIvas
W mportante para o PO crIar o
reIease pIan
SprInt PIannIng 1:
ÞroducL
8acklog
Capacldade da
equlpe
Condlções do
negóclo
8evlsa
Consldera
Crganlza
Cb[eLlvos da
SprlnL
lLens
seleclonados
do backlog
celLe do Llme
SprInt PIannIng 2:
W PO não precIsa partIcIpar
W A um pIanejamento tatIcoda equIpe
W Os Itens seIecIonados do Product
8ackIog são destrInchados em tareIas
W SprInt 8ackIog
DaIIy Scrum:
W Deve responder as tres perguntas:
W que j¡z desde n uII¡mn Dn¡Iy 5crum?
W que es¡ero jnzer nIé n ¡róx¡mn
Dn¡Iy 5crum?
W que esIn ¡m¡ed¡ndo o ¡rogresso?
W mpedImentos reportados aquI
SprInt RevIew:
W O que sIgnIIIca pronto"Z
W %eam deve ter um crIterIo tecnIco para
IndIcar o que sIgnIIIca pronto!
W ncrementos IuncIonaIs são
apresentados ao Product Owner e
Interessados
ConsequencIas do
RevIew:
W stórIas não concIuIdas voItam para o
product backIog
W AtuaIIzar Product 8ackIog para remover
Itens que a equIpe ImpIementou
InadvertIdamente
W Scrum aster trabaIha para reIormuIar a
equIpe
ConsequencIas do
RevIew:
W Product 8ackIog e reprIorIzado para
tomar vantagem dos Incrementos
apresentados
W DecIdIr se havera ou não outra SprInt
SprInt
RetrospectIves
O que
aprendIzado e
O que
aprendIzado não e
Cometer os mesmos
erros e esperar resuItados
dIIerentes
Aprender edesapontar
expectatIvas, mas não procure
cuIpados
DIretIva PrImarIa
ño ¡m¡orIn o que descobr¡mos, nós
enIendemos e renImenIe
ncred¡Inmos que cndn um
jez o meIhor IrnbnIho que
¡ode cons¡dernndo: que ern
conhec¡do, suns hnb¡I¡dndes, os recursos
d¡s¡on¡ve¡s e n s¡Iun¢ño no momenIo."
(Kerth, Project RetrospectIves, 2001)
Passos para a
RetrospectIva
SaIdas da
RetrospectIva:
W %eam 8ackIog (para ajustar o processo)
W 8ackIog de ImpedImentos (mudanças na
empresa)
W Os backIogs devem ser ordenados por
ImportâncIa
Cndeţ Cuandoţ Cuem?
Cuando as
reLrospecLlvas não
funclonam
C faclllLador conLrola
demals a reunlão
lLLle less conversaLlonţ
more acLlonţ please
ConfllLo de lnLeresses
C formaLo e mulLo repeLlLlvo
C faclllLador não se prepara
lLens de ação mal formulados
Ilsão do ÞroduLo + ÞroducL 8acklog
Þlane[amenLo LsLraLeglco
C que e esLraLegla?
#C concelLo de esLraLeglaţ em grego sttotee–loţ em laLlm
sttote–lţ em francôs sttoté–leŦŦŦ´
Þlano de ação a longo prazo
crlado pra aLlnglr um ob[eLlvo
Þlane[amenLo @áLlco
SelecLed 8acklog + SprlnL 8acklog
Þlane[amenLo @áLlco e felLo
por SprlnL
Lm Scrumţ as LáLlcas são voláLels e
de responsabllldade do Llme
C ÞroducL 8acklog
LmergenLe
Þrlorlzado e esLlmado
Malor prlorldadeţ mals deLalhes
Cualquer um pode conLrlbulr
Þrlorlzação e Larefa do ÞC
Sempre vlslvel
llnhado ao plano de negóclos
C ÞroducL 8acklog
LmergenLe
Þrlorlzado e esLlmado
Malor prlorldadeţ mals deLalhes
Cualquer um pode conLrlbulr
Þrlorlzação e Larefa do ÞC
Sempre vlslvel
llnhado ao plano de negóclos
C ÞroducL 8acklog
LmergenLe
Þrlorlzado e esLlmado
Malor prlorldadeţ mals deLalhes
Cualquer um pode conLrlbulr
Þrlorlzação e Larefa do ÞC
Sempre vlslvel
llnhado ao plano de negóclos
C ÞroducL 8acklog
LmergenLe
Þrlorlzado e esLlmado
Malor prlorldadeţ mals deLalhes
Cualquer um pode conLrlbulr
Þrlorlzação e Larefa do ÞC
Sempre vlslvel
llnhado ao plano de negóclos
C ÞroducL 8acklog
LmergenLe
Þrlorlzado e esLlmado
Malor prlorldadeţ mals deLalhes
Cualquer um pode conLrlbulr
Þrlorlzação e Larefa do ÞC
Sempre vlslvel
llnhado ao plano de negóclos
C ÞroducL 8acklog
LmergenLe
Þrlorlzado e esLlmado
Malor prlorldadeţ mals deLalhes
Cualquer um pode conLrlbulr
Þrlorlzação e Larefa do ÞC
Sempre vlslvel
llnhado ao plano de negóclos
C ÞroducL 8acklog
LmergenLe
Þrlorlzado e esLlmado
Malor prlorldadeţ mals deLalhes
Cualquer um pode conLrlbulr
Þrlorlzação e Larefa do ÞC
Sempre vlslvel
llnhado ao plano de negóclos
screvendo
stórIas
elslndependenLesnegoclávelsIalor para o
nLesnegoclávelsIalor para o cllenLeLsLlmáve
clávelsIalor para ocllenLeLsLlmávelsS
o cllenLeLsLlmávelsSmall@esLávelslndepend
nLeLsLlmávelsSmall@esLávelslndependenLesnegoc
eLsLlmávelsSmall@esLávelslndependenLesnego
LsLórlas com crlLerlos de acelLação crlam
enLendlmenLo sobre quando a Larefa
esLá pronLa e a[udam o Llme a esLlmar
e dlvldlr a esLórla em Larefas
Scrum foca em
Lamanho e não
em duração
LsLlmar em Lamanho
relaLlvo e mals slmples
MonlLorando a SprlnL
SprlnL 8urndown
SprlnL 8urn up
Capacldade
Þroblemas comuns na adoção
de Scrum
ÞroducL Cwner pouco presenLe
Sem Ilsão
Sem release plan
Sem producL backlog
ÞroducL 8acklog não
e manLldo
lalLa esLlmaLlva
lalLa prlorlzação
lalLa acompanhamenLo
Se as cerlmônlas não aconLecem
lalLa plane[amenLo
lalLa compromeLlmenLo para enLregas
ÞC pode acelLar lLens que não esLão
pronLos
Sem reLrospecLlvas
lalLa de uma manelra de melhorar o
Lrabalho do Llme
Mesmos erros aconLecem sempre
lmpedlmenLos não são removldos
ecomposlção do Lrabalho
Þlane[amenLo a longo prazo
@empo para pesqulsa e folga
C que e dlflcll em Scrum?
eLalhes podem escapar se não
for gerenclado correLamenLe
Crlar e manLer um ÞroducL
8acklog requer Lrabalho
8esumo da ópera
um processo ágll para gerenclar e
conLrolar LrabalhoŦ
um embrulho para as práLlcas
exlsLenLes de engenharlaŦ
uma aproxlmação coleLlvaţ
lLeraLlva e lncremenLalţ onde
requlslLos mudam rapldamenLeŦ
ConLrola o caos de lnLeresses e
necessldades confllLanLesŦ
uma forma de deLecLar e remover
obsLáculos que enLrem no
desenvolvlmenLo e enLregas
melhorar a comunlcação e
maxlmlzar cooperaçãoŦ
não e uma meLodologla compleLa
e com o carlmbo de um fornecedor
não e um aLaque à
documenLação ou
às ferramenLas case
não confundlr Scrum com xÞť são
dlferenLesţ mas se complemenLam!
Scrum
gor Macaúbas
Marcos Pereira
scrum@macaubas.com
hLLpť//dellclousŦcom/macaubas
hLLpť//dellclousŦcom/marcosperelra
hLLpť//scrumalllanceŦorg
hLLpť//brŦgroupsŦyahooŦcom/group/scrumŴbrasll/
hLLpť//macaubasŦcom
hLLpť//marcosperelraŦwordpressŦcom/
LsLe Lrabalho esLá llcenclado aLraves da #LrlbulçãoŴuso nãoŴComerclalŴComparLllhamenLo
pela mesma lcença 3Ŧ0 unporLed"
Iocô podeť
Coplarţ dlsLrlbulrţ exlblr e execuLar a obra
Crlar obras derlvadas
Sob as segu|ntes cond|çõesť
Atr|bu|çãoŦ Iocô deve dar credlLo ao auLor orlglnalţ da forma especlflcada pelo
auLor ou llcenclanLeŦ
Uso NãoŴComerc|a|Ŧ Iocô não pode uLlllzar esLa obra com flnalldades
comerclalsŦ
Compart||hamento pe|a mesma L|cençaŦ Se vocô alLerarţ Lransformarţ ou crlar ouLra
obra com base nesLaţ vocô somenLe poderá dlsLrlbulr a obra resulLanLe sob uma
llcença ldônLlca a esLa
W Þara cada novo uso ou dlsLrlbulçãoţ vocô deve delxar claro para ouLros os Lermos da llcença desLa obraŦ
W Cualquer uma desLas condlções podem ser renuncladasţ desde que Iocô obLenha permlssão do auLorŦ
W noLhlng ln Lhls llcense lmpalrs or resLrlcLs Lhe auLhorƌs moral rlghLsŦ
hLLpť//creaLlvecommonsŦorg/llcenses/byŴncŴsa/3Ŧ0/deedŦpL

47,.,-,8 0 ,7.48!0707,

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful